×
Agente Técnico - Arquivista Agente Técnico - Administrador Agente de Apoio - Microinformática Agente Especializado - Analista de Infraestrutura Agente Especializado - Analista de Sistemas Agente Especializado - Analista de Banco de Dados Agente Técnico - Desenvolvedor Agente Técnico - Estatístico Agente Técnico - Economista Agente de Promotoria - Assessoria Agente Técnico - Contador Agente Técnico - Biólogo
×
MPE/ES 2016

MPE/ES 2013

Agente de Apoio - Administrativo

Questão 1

MPE/ES 2013 - VUNESP - Agente de Apoio - Administrativo
1
Você comprou um smartphone e acha que aquele seu celular
 
antigo é imprestável? Não se engane: o que é lixo para alguns
 
pode ser matéria-prima para outros. O CMID – Centro Marista
 
de Inclusão Digital –, que funciona junto ao Colégio Marista de
5
Santa Maria, no Rio Grande do Sul, ensina os alunos do colégio
 
a fazer robôs a partir de lixo eletrônico.
 
Os alunos da turma avançada de robótica, por exemplo,
 
constroem carros com sensores de movimento que respondem
 
à aproximação das pessoas. A fonte de energia vem de baterias
10
de celular. “Tirando alguns sensores, que precisamos comprar,
 
é tudo reciclagem”, comentou o instrutor de robótica do CMID,
 
Leandro Schneider. Esses alunos também aprendem a consertar
 
computadores antigos. “O nosso projeto só funciona por causa
 
do lixo eletrônico. Se tivéssemos que comprar tudo, não seria
15
viável”, completou.
 
Em uma época em que celebridades do mundo digital fazem
 
campanha a favor do ensino de programação nas escolas, é ins-
 
pirador o relato de Dionatan Gabriel, aluno da turma avançada
 
de robótica do CMID que, aos 16 anos, já sabe qual será sua pro-
20
fissão. “Quero ser programador. No início das aulas, eu achava
 
meio chato, mas depois fui me interessando”, disse.
(Giordano Tronco, www.techtudo.com.br, 07.07.2013. Adaptado)
De acordo com o texto, os alunos da turma avançada de robótica do Colégio Marista aprendem a

Questão 2

MPE/ES 2013 - VUNESP - Agente de Apoio - Administrativo
1
Você comprou um smartphone e acha que aquele seu celular
 
antigo é imprestável? Não se engane: o que é lixo para alguns
 
pode ser matéria-prima para outros. O CMID – Centro Marista
 
de Inclusão Digital –, que funciona junto ao Colégio Marista de
5
Santa Maria, no Rio Grande do Sul, ensina os alunos do colégio
 
a fazer robôs a partir de lixo eletrônico.
 
Os alunos da turma avançada de robótica, por exemplo,
 
constroem carros com sensores de movimento que respondem
 
à aproximação das pessoas. A fonte de energia vem de baterias
10
de celular. “Tirando alguns sensores, que precisamos comprar,
 
é tudo reciclagem”, comentou o instrutor de robótica do CMID,
 
Leandro Schneider. Esses alunos também aprendem a consertar
 
computadores antigos. “O nosso projeto só funciona por causa
 
do lixo eletrônico. Se tivéssemos que comprar tudo, não seria
15
viável”, completou.
 
Em uma época em que celebridades do mundo digital fazem
 
campanha a favor do ensino de programação nas escolas, é ins-
 
pirador o relato de Dionatan Gabriel, aluno da turma avançada
 
de robótica do CMID que, aos 16 anos, já sabe qual será sua pro-
20
fissão. “Quero ser programador. No início das aulas, eu achava
 
meio chato, mas depois fui me interessando”, disse.
(Giordano Tronco, www.techtudo.com.br, 07.07.2013. Adaptado)
A palavra em destaque no trecho –“Tirando alguns sensores, que precisamos comprar, é tudo reciclagem”... – pode ser substituída, sem alteração do sentido da mensagem, pela seguinte expressão:

Questão 3

MPE/ES 2013 - VUNESP - Agente de Apoio - Administrativo
1
Hélio Schwartsman
 
 
SÃO PAULO – Saiu mais um estudo mostrando que o en-
 
sino de matemática no Brasil não anda bem. A pergunta é: pode-
5
mos viver sem dominar o básico da matemática? Durante muito
 
tempo, a resposta foi sim. Aqueles que não simpatizavam muito
 
com Pitágoras podiam simplesmente escolher carreiras nas quais
 
os números não encontravam muito espaço, como direito, jorna-
 
lismo, as humanidades e até a medicina de antigamente.
10
Como observa Steven Pinker, ainda hoje, nos meios univer-
 
sitários, é considerado aceitável que um intelectual se vanglorie
 
de ter passado raspando em física e de ignorar o beabá da esta-
 
tística. Mas ai de quem admitir nunca ter lido Joyce ou dizer que
 
não gosta de Mozart. Sobre ele recairão olhares tão recriminado-
15
res quanto sobre o sujeito que assoa o nariz na manga da camisa.
 
Joyce e Mozart são ótimos, mas eles, como quase toda a cul-
 
tura humanística, têm pouca relevância para nossa vida prática.
 
Já a cultura científica, que muitos ainda tratam com uma ponta
 
de desprezo, torna-se cada vez mais fundamental, mesmo para
20
quem não pretende ser engenheiro ou seguir carreiras técnicas.
 
Como sobreviver à era do crédito farto sem saber calcular as
 
armadilhas que uma taxa de juros pode esconder? Hoje, é difícil
 
até posicionar-se de forma racional sobre políticas públicas sem
 
assimilar toda a numeralha que idealmente as informa. Conhe-
25
cimentos rudimentares de estatística são pré-requisito para com-
 
preender as novas pesquisas que trazem informações relevantes
 
para nossa saúde e bem-estar.
 
A matemática está no centro de algumas das mais intrigan-
 
tes especulações cosmológicas da atualidade. Se as equações
30
da mecânica quântica indicam que existem universos paralelos,
 
isso basta para que acreditemos neles? Ou, no rastro de Eugene
 
Wigner, podemos nos perguntar por que a matemática é tão efi-
 
caz para exprimir as leis da física.
(Folha de S.Paulo. 06.04.2013. Adaptado)
Releia os trechos apresentados a seguir.
•   Aqueles que não simpatizavam muito com Pitágoras podiam simplesmente escolher carreiras nas quais os números não encontravam muito espaço... (1.º parágrafo)
•   Já a cultura científica, que muitos ainda tratam com uma ponta de desprezo, torna-se cada vez mais fundamental... (3.º parágrafo)

Os advérbios em destaque nos trechos expressam, correta e respectivamente, circunstâncias de

Questão 4

MPE/ES 2013 - VUNESP - Agente de Apoio - Administrativo
1
Você comprou um smartphone e acha que aquele seu celular
 
antigo é imprestável? Não se engane: o que é lixo para alguns
 
pode ser matéria-prima para outros. O CMID – Centro Marista
 
de Inclusão Digital –, que funciona junto ao Colégio Marista de
5
Santa Maria, no Rio Grande do Sul, ensina os alunos do colégio
 
a fazer robôs a partir de lixo eletrônico.
 
Os alunos da turma avançada de robótica, por exemplo,
 
constroem carros com sensores de movimento que respondem
 
à aproximação das pessoas. A fonte de energia vem de baterias
10
de celular. “Tirando alguns sensores, que precisamos comprar,
 
é tudo reciclagem”, comentou o instrutor de robótica do CMID,
 
Leandro Schneider. Esses alunos também aprendem a consertar
 
computadores antigos. “O nosso projeto só funciona por causa
 
do lixo eletrônico. Se tivéssemos que comprar tudo, não seria
15
viável”, completou.
 
Em uma época em que celebridades do mundo digital fazem
 
campanha a favor do ensino de programação nas escolas, é ins-
 
pirador o relato de Dionatan Gabriel, aluno da turma avançada
 
de robótica do CMID que, aos 16 anos, já sabe qual será sua pro-
20
fissão. “Quero ser programador. No início das aulas, eu achava
 
meio chato, mas depois fui me interessando”, disse.
(Giordano Tronco, www.techtudo.com.br, 07.07.2013. Adaptado)
Assinale a alternativa que apresenta um antônimo para o termo destacado em – …“No início das aulas, eu achava meio chato, mas depois fui me interessando”, disse.

Questão 5

MPE/ES 2013 - VUNESP - Agente de Apoio - Administrativo
1
Você comprou um smartphone e acha que aquele seu celular
 
antigo é imprestável? Não se engane: o que é lixo para alguns
 
pode ser matéria-prima para outros. O CMID – Centro Marista
 
de Inclusão Digital –, que funciona junto ao Colégio Marista de
5
Santa Maria, no Rio Grande do Sul, ensina os alunos do colégio
 
a fazer robôs a partir de lixo eletrônico.
 
Os alunos da turma avançada de robótica, por exemplo,
 
constroem carros com sensores de movimento que respondem
 
à aproximação das pessoas. A fonte de energia vem de baterias
10
de celular. “Tirando alguns sensores, que precisamos comprar,
 
é tudo reciclagem”, comentou o instrutor de robótica do CMID,
 
Leandro Schneider. Esses alunos também aprendem a consertar
 
computadores antigos. “O nosso projeto só funciona por causa
 
do lixo eletrônico. Se tivéssemos que comprar tudo, não seria
15
viável”, completou.
 
Em uma época em que celebridades do mundo digital fazem
 
campanha a favor do ensino de programação nas escolas, é ins-
 
pirador o relato de Dionatan Gabriel, aluno da turma avançada
 
de robótica do CMID que, aos 16 anos, já sabe qual será sua pro-
20
fissão. “Quero ser programador. No início das aulas, eu achava
 
meio chato, mas depois fui me interessando”, disse.
(Giordano Tronco, www.techtudo.com.br, 07.07.2013. Adaptado)
A forma verbal que expressa ideia de futuro está destacada em:

Questão 6

MPE/ES 2013 - VUNESP - Agente de Apoio - Administrativo
1
(André Dahmer, www1.folha.uol.com.br, 07.07.2013.)
Considerando as regras de regência da norma-padrão da língua portuguesa, a frase do primeiro quadrinho está corretamente reescrita, e sem alteração de sentido, em:

Questão 7

MPE/ES 2013 - VUNESP - Agente de Apoio - Administrativo
1
(André Dahmer, www1.folha.uol.com.br, 07.07.2013.)
O termo , na frase do terceiro quadrinho, pode ser substituído, sem alteração de sentido, por apenas/somente, assim como o destacado em:

Questão 8

MPE/ES 2013 - VUNESP - Agente de Apoio - Administrativo
1
O chato é um chato. Não é o tipo de companhia que se quer
 
para tomar um vinho ou ir ao cinema. O chato tem a insuportável
 
mania de apontar o dedo para as coisas, enxergar os problemas
 
que não queremos ver, fazer comentários desconcertantes.
5
Por isso, é pouco recomendável ter um deles por perto nos
 
momentos nos quais tudo o que você não quer fazer é tomar
 
decisões. Para todos os outros – e isso envolve o dia a dia dos
 
negócios – é bom ter um desses cada vez mais raros e discrimi-
 
nados exemplares da fauna empresarial por perto.
10
Conselho dado por alguém que entende muito de ganhar
 
dinheiro, Warren Buffett, um dos homens mais ricos do mundo:
 
“Ouça alguém que discorda de você”. No início de maio, Buffett
 
convidou um sujeito chamado Doug Kass para participar de um
 
dos painéis que compuseram a reunião anual de investidores de
15
sua empresa, a Berkshire Hathaway.
 
Como executivo de um fundo de investimento, Kass havia
 
apostado contra as ações da Berkshire. Buffett queria entender o
 
porquê. Kass foi o chato escolhido para alertá-lo sobre eventuais
 
erros que ninguém havia enxergado.
20
Buffett conhece o valor desse tipo de pessoa. O chato é o
 
sujeito que ainda acha que as perguntas simples são o melhor
 
caminho para chegar às melhores respostas, é alguém que não
 
tem medo. Não se importa de ser tachado de inábil no trato com
 
as pessoas ou de ser politicamente incorreto. Questiona. Coloca
25
o dedo na ferida. Insiste em ser um animal pensante, quando todo
 
mundo sabe que dá menos trabalho deixar tudo como está.
 
Quase sempre, as coisas que o chato diz fazem um tremendo
 
sentido. Nada pode ser mais devastador para seus críticos do que
 
a constatação de que o chato, feitas as contas, tem razão.
30
Pobre do chefe que não reconhece, não escuta e não tolera
 
os chatos que cruzam seu caminho. Ele acredita que está seguro
 
num mundo de certezas próprias, de verdades absolutas. Ora, o
 
controle total de um negócio é uma miragem. Coisas boas e ruins
 
acontecem o tempo todo nas empresas sem que ele se dê conta.
35
Pensar que é possível estar no comando de tudo, o tempo todo,
 
só vai torná-lo mais vulnerável como líder. E vai, mais dia ou
 
menos dia, afastar definitivamente os chatos, os questionadores,
 
aqueles que fazem as perguntas incômodas e necessárias.
 
Por isso, só existem chatos em lugares onde há alguma pers-
40
pectiva de futuro. Esse espécime de profissional só prolifera em
 
ambientes onde a liberdade de pensamento e expressão é respei-
 
tada, onde a dúvida não é um mal em si, onde existe disposição,
 
coragem e humildade para mudar de trajetória quando essa parece
 
ser a melhor opção.
(Cláudia Vassallo, http://exame.abril.com.br, 07.07.2013. Adaptado)
No primeiro parágrafo do texto, o termo chato é usado para caracterizar uma pessoa

Questão 9

MPE/ES 2013 - VUNESP - Agente de Apoio - Administrativo
1
O chato é um chato. Não é o tipo de companhia que se quer
 
para tomar um vinho ou ir ao cinema. O chato tem a insuportável
 
mania de apontar o dedo para as coisas, enxergar os problemas
 
que não queremos ver, fazer comentários desconcertantes.
5
Por isso, é pouco recomendável ter um deles por perto nos
 
momentos nos quais tudo o que você não quer fazer é tomar
 
decisões. Para todos os outros – e isso envolve o dia a dia dos
 
negócios – é bom ter um desses cada vez mais raros e discrimi-
 
nados exemplares da fauna empresarial por perto.
10
Conselho dado por alguém que entende muito de ganhar
 
dinheiro, Warren Buffett, um dos homens mais ricos do mundo:
 
“Ouça alguém que discorda de você”. No início de maio, Buffett
 
convidou um sujeito chamado Doug Kass para participar de um
 
dos painéis que compuseram a reunião anual de investidores de
15
sua empresa, a Berkshire Hathaway.
 
Como executivo de um fundo de investimento, Kass havia
 
apostado contra as ações da Berkshire. Buffett queria entender o
 
porquê. Kass foi o chato escolhido para alertá-lo sobre eventuais
 
erros que ninguém havia enxergado.
20
Buffett conhece o valor desse tipo de pessoa. O chato é o
 
sujeito que ainda acha que as perguntas simples são o melhor
 
caminho para chegar às melhores respostas, é alguém que não
 
tem medo. Não se importa de ser tachado de inábil no trato com
 
as pessoas ou de ser politicamente incorreto. Questiona. Coloca
25
o dedo na ferida. Insiste em ser um animal pensante, quando todo
 
mundo sabe que dá menos trabalho deixar tudo como está.
 
Quase sempre, as coisas que o chato diz fazem um tremendo
 
sentido. Nada pode ser mais devastador para seus críticos do que
 
a constatação de que o chato, feitas as contas, tem razão.
30
Pobre do chefe que não reconhece, não escuta e não tolera
 
os chatos que cruzam seu caminho. Ele acredita que está seguro
 
num mundo de certezas próprias, de verdades absolutas. Ora, o
 
controle total de um negócio é uma miragem. Coisas boas e ruins
 
acontecem o tempo todo nas empresas sem que ele se dê conta.
35
Pensar que é possível estar no comando de tudo, o tempo todo,
 
só vai torná-lo mais vulnerável como líder. E vai, mais dia ou
 
menos dia, afastar definitivamente os chatos, os questionadores,
 
aqueles que fazem as perguntas incômodas e necessárias.
 
Por isso, só existem chatos em lugares onde há alguma pers-
40
pectiva de futuro. Esse espécime de profissional só prolifera em
 
ambientes onde a liberdade de pensamento e expressão é respei-
 
tada, onde a dúvida não é um mal em si, onde existe disposição,
 
coragem e humildade para mudar de trajetória quando essa parece
 
ser a melhor opção.
(Cláudia Vassallo, http://exame.abril.com.br, 07.07.2013. Adaptado)
Ao longo do texto, o chato é apresentado como alguém essencial nos negócios devido ao fato de ser

Questão 10

MPE/ES 2013 - VUNESP - Agente de Apoio - Administrativo
1
O chato é um chato. Não é o tipo de companhia que se quer
 
para tomar um vinho ou ir ao cinema. O chato tem a insuportável
 
mania de apontar o dedo para as coisas, enxergar os problemas
 
que não queremos ver, fazer comentários desconcertantes.
5
Por isso, é pouco recomendável ter um deles por perto nos
 
momentos nos quais tudo o que você não quer fazer é tomar
 
decisões. Para todos os outros – e isso envolve o dia a dia dos
 
negócios – é bom ter um desses cada vez mais raros e discrimi-
 
nados exemplares da fauna empresarial por perto.
10
Conselho dado por alguém que entende muito de ganhar
 
dinheiro, Warren Buffett, um dos homens mais ricos do mundo:
 
“Ouça alguém que discorda de você”. No início de maio, Buffett
 
convidou um sujeito chamado Doug Kass para participar de um
 
dos painéis que compuseram a reunião anual de investidores de
15
sua empresa, a Berkshire Hathaway.
 
Como executivo de um fundo de investimento, Kass havia
 
apostado contra as ações da Berkshire. Buffett queria entender o
 
porquê. Kass foi o chato escolhido para alertá-lo sobre eventuais
 
erros que ninguém havia enxergado.
20
Buffett conhece o valor desse tipo de pessoa. O chato é o
 
sujeito que ainda acha que as perguntas simples são o melhor
 
caminho para chegar às melhores respostas, é alguém que não
 
tem medo. Não se importa de ser tachado de inábil no trato com
 
as pessoas ou de ser politicamente incorreto. Questiona. Coloca
25
o dedo na ferida. Insiste em ser um animal pensante, quando todo
 
mundo sabe que dá menos trabalho deixar tudo como está.
 
Quase sempre, as coisas que o chato diz fazem um tremendo
 
sentido. Nada pode ser mais devastador para seus críticos do que
 
a constatação de que o chato, feitas as contas, tem razão.
30
Pobre do chefe que não reconhece, não escuta e não tolera
 
os chatos que cruzam seu caminho. Ele acredita que está seguro
 
num mundo de certezas próprias, de verdades absolutas. Ora, o
 
controle total de um negócio é uma miragem. Coisas boas e ruins
 
acontecem o tempo todo nas empresas sem que ele se dê conta.
35
Pensar que é possível estar no comando de tudo, o tempo todo,
 
só vai torná-lo mais vulnerável como líder. E vai, mais dia ou
 
menos dia, afastar definitivamente os chatos, os questionadores,
 
aqueles que fazem as perguntas incômodas e necessárias.
 
Por isso, só existem chatos em lugares onde há alguma pers-
40
pectiva de futuro. Esse espécime de profissional só prolifera em
 
ambientes onde a liberdade de pensamento e expressão é respei-
 
tada, onde a dúvida não é um mal em si, onde existe disposição,
 
coragem e humildade para mudar de trajetória quando essa parece
 
ser a melhor opção.
(Cláudia Vassallo, http://exame.abril.com.br, 07.07.2013. Adaptado)
A partir da leitura do texto, pode-se concluir que

Questão 11

MPE/ES 2013 - VUNESP - Agente de Apoio - Administrativo
1
O chato é um chato. Não é o tipo de companhia que se quer
 
para tomar um vinho ou ir ao cinema. O chato tem a insuportável
 
mania de apontar o dedo para as coisas, enxergar os problemas
 
que não queremos ver, fazer comentários desconcertantes.
5
Por isso, é pouco recomendável ter um deles por perto nos
 
momentos nos quais tudo o que você não quer fazer é tomar
 
decisões. Para todos os outros – e isso envolve o dia a dia dos
 
negócios – é bom ter um desses cada vez mais raros e discrimi-
 
nados exemplares da fauna empresarial por perto.
10
Conselho dado por alguém que entende muito de ganhar
 
dinheiro, Warren Buffett, um dos homens mais ricos do mundo:
 
“Ouça alguém que discorda de você”. No início de maio, Buffett
 
convidou um sujeito chamado Doug Kass para participar de um
 
dos painéis que compuseram a reunião anual de investidores de
15
sua empresa, a Berkshire Hathaway.
 
Como executivo de um fundo de investimento, Kass havia
 
apostado contra as ações da Berkshire. Buffett queria entender o
 
porquê. Kass foi o chato escolhido para alertá-lo sobre eventuais
 
erros que ninguém havia enxergado.
20
Buffett conhece o valor desse tipo de pessoa. O chato é o
 
sujeito que ainda acha que as perguntas simples são o melhor
 
caminho para chegar às melhores respostas, é alguém que não
 
tem medo. Não se importa de ser tachado de inábil no trato com
 
as pessoas ou de ser politicamente incorreto. Questiona. Coloca
25
o dedo na ferida. Insiste em ser um animal pensante, quando todo
 
mundo sabe que dá menos trabalho deixar tudo como está.
 
Quase sempre, as coisas que o chato diz fazem um tremendo
 
sentido. Nada pode ser mais devastador para seus críticos do que
 
a constatação de que o chato, feitas as contas, tem razão.
30
Pobre do chefe que não reconhece, não escuta e não tolera
 
os chatos que cruzam seu caminho. Ele acredita que está seguro
 
num mundo de certezas próprias, de verdades absolutas. Ora, o
 
controle total de um negócio é uma miragem. Coisas boas e ruins
 
acontecem o tempo todo nas empresas sem que ele se dê conta.
35
Pensar que é possível estar no comando de tudo, o tempo todo,
 
só vai torná-lo mais vulnerável como líder. E vai, mais dia ou
 
menos dia, afastar definitivamente os chatos, os questionadores,
 
aqueles que fazem as perguntas incômodas e necessárias.
 
Por isso, só existem chatos em lugares onde há alguma pers-
40
pectiva de futuro. Esse espécime de profissional só prolifera em
 
ambientes onde a liberdade de pensamento e expressão é respei-
 
tada, onde a dúvida não é um mal em si, onde existe disposição,
 
coragem e humildade para mudar de trajetória quando essa parece
 
ser a melhor opção.
(Cláudia Vassallo, http://exame.abril.com.br, 07.07.2013. Adaptado)
Uma expressão usada, no texto, para se referir a Warren Buffet é:

Questão 12

MPE/ES 2013 - VUNESP - Agente de Apoio - Administrativo
1
O chato é um chato. Não é o tipo de companhia que se quer
 
para tomar um vinho ou ir ao cinema. O chato tem a insuportável
 
mania de apontar o dedo para as coisas, enxergar os problemas
 
que não queremos ver, fazer comentários desconcertantes.
5
Por isso, é pouco recomendável ter um deles por perto nos
 
momentos nos quais tudo o que você não quer fazer é tomar
 
decisões. Para todos os outros – e isso envolve o dia a dia dos
 
negócios – é bom ter um desses cada vez mais raros e discrimi-
 
nados exemplares da fauna empresarial por perto.
10
Conselho dado por alguém que entende muito de ganhar
 
dinheiro, Warren Buffett, um dos homens mais ricos do mundo:
 
“Ouça alguém que discorda de você”. No início de maio, Buffett
 
convidou um sujeito chamado Doug Kass para participar de um
 
dos painéis que compuseram a reunião anual de investidores de
15
sua empresa, a Berkshire Hathaway.
 
Como executivo de um fundo de investimento, Kass havia
 
apostado contra as ações da Berkshire. Buffett queria entender o
 
porquê. Kass foi o chato escolhido para alertá-lo sobre eventuais
 
erros que ninguém havia enxergado.
20
Buffett conhece o valor desse tipo de pessoa. O chato é o
 
sujeito que ainda acha que as perguntas simples são o melhor
 
caminho para chegar às melhores respostas, é alguém que não
 
tem medo. Não se importa de ser tachado de inábil no trato com
 
as pessoas ou de ser politicamente incorreto. Questiona. Coloca
25
o dedo na ferida. Insiste em ser um animal pensante, quando todo
 
mundo sabe que dá menos trabalho deixar tudo como está.
 
Quase sempre, as coisas que o chato diz fazem um tremendo
 
sentido. Nada pode ser mais devastador para seus críticos do que
 
a constatação de que o chato, feitas as contas, tem razão.
30
Pobre do chefe que não reconhece, não escuta e não tolera
 
os chatos que cruzam seu caminho. Ele acredita que está seguro
 
num mundo de certezas próprias, de verdades absolutas. Ora, o
 
controle total de um negócio é uma miragem. Coisas boas e ruins
 
acontecem o tempo todo nas empresas sem que ele se dê conta.
35
Pensar que é possível estar no comando de tudo, o tempo todo,
 
só vai torná-lo mais vulnerável como líder. E vai, mais dia ou
 
menos dia, afastar definitivamente os chatos, os questionadores,
 
aqueles que fazem as perguntas incômodas e necessárias.
 
Por isso, só existem chatos em lugares onde há alguma pers-
40
pectiva de futuro. Esse espécime de profissional só prolifera em
 
ambientes onde a liberdade de pensamento e expressão é respei-
 
tada, onde a dúvida não é um mal em si, onde existe disposição,
 
coragem e humildade para mudar de trajetória quando essa parece
 
ser a melhor opção.
(Cláudia Vassallo, http://exame.abril.com.br, 07.07.2013. Adaptado)
Uma frase empregada – exclusivamente – com sentido figurado é:

Questão 13

MPE/ES 2013 - VUNESP - Agente de Apoio - Administrativo
1
O chato é um chato. Não é o tipo de companhia que se quer
 
para tomar um vinho ou ir ao cinema. O chato tem a insuportável
 
mania de apontar o dedo para as coisas, enxergar os problemas
 
que não queremos ver, fazer comentários desconcertantes.
5
Por isso, é pouco recomendável ter um deles por perto nos
 
momentos nos quais tudo o que você não quer fazer é tomar
 
decisões. Para todos os outros – e isso envolve o dia a dia dos
 
negócios – é bom ter um desses cada vez mais raros e discrimi-
 
nados exemplares da fauna empresarial por perto.
10
Conselho dado por alguém que entende muito de ganhar
 
dinheiro, Warren Buffett, um dos homens mais ricos do mundo:
 
“Ouça alguém que discorda de você”. No início de maio, Buffett
 
convidou um sujeito chamado Doug Kass para participar de um
 
dos painéis que compuseram a reunião anual de investidores de
15
sua empresa, a Berkshire Hathaway.
 
Como executivo de um fundo de investimento, Kass havia
 
apostado contra as ações da Berkshire. Buffett queria entender o
 
porquê. Kass foi o chato escolhido para alertá-lo sobre eventuais
 
erros que ninguém havia enxergado.
20
Buffett conhece o valor desse tipo de pessoa. O chato é o
 
sujeito que ainda acha que as perguntas simples são o melhor
 
caminho para chegar às melhores respostas, é alguém que não
 
tem medo. Não se importa de ser tachado de inábil no trato com
 
as pessoas ou de ser politicamente incorreto. Questiona. Coloca
25
o dedo na ferida. Insiste em ser um animal pensante, quando todo
 
mundo sabe que dá menos trabalho deixar tudo como está.
 
Quase sempre, as coisas que o chato diz fazem um tremendo
 
sentido. Nada pode ser mais devastador para seus críticos do que
 
a constatação de que o chato, feitas as contas, tem razão.
30
Pobre do chefe que não reconhece, não escuta e não tolera
 
os chatos que cruzam seu caminho. Ele acredita que está seguro
 
num mundo de certezas próprias, de verdades absolutas. Ora, o
 
controle total de um negócio é uma miragem. Coisas boas e ruins
 
acontecem o tempo todo nas empresas sem que ele se dê conta.
35
Pensar que é possível estar no comando de tudo, o tempo todo,
 
só vai torná-lo mais vulnerável como líder. E vai, mais dia ou
 
menos dia, afastar definitivamente os chatos, os questionadores,
 
aqueles que fazem as perguntas incômodas e necessárias.
 
Por isso, só existem chatos em lugares onde há alguma pers-
40
pectiva de futuro. Esse espécime de profissional só prolifera em
 
ambientes onde a liberdade de pensamento e expressão é respei-
 
tada, onde a dúvida não é um mal em si, onde existe disposição,
 
coragem e humildade para mudar de trajetória quando essa parece
 
ser a melhor opção.
(Cláudia Vassallo, http://exame.abril.com.br, 07.07.2013. Adaptado)
A frase – Quase sempre, as coisas que o chato diz fazem um tremendo sentido. – está corretamente reescrita, no que se refere ao uso da pontuação, e sem alteração de sentido, em:

Questão 14

MPE/ES 2013 - VUNESP - Agente de Apoio - Administrativo
1
O chato é um chato. Não é o tipo de companhia que se quer
 
para tomar um vinho ou ir ao cinema. O chato tem a insuportável
 
mania de apontar o dedo para as coisas, enxergar os problemas
 
que não queremos ver, fazer comentários desconcertantes.
5
Por isso, é pouco recomendável ter um deles por perto nos
 
momentos nos quais tudo o que você não quer fazer é tomar
 
decisões. Para todos os outros – e isso envolve o dia a dia dos
 
negócios – é bom ter um desses cada vez mais raros e discrimi-
 
nados exemplares da fauna empresarial por perto.
10
Conselho dado por alguém que entende muito de ganhar
 
dinheiro, Warren Buffett, um dos homens mais ricos do mundo:
 
“Ouça alguém que discorda de você”. No início de maio, Buffett
 
convidou um sujeito chamado Doug Kass para participar de um
 
dos painéis que compuseram a reunião anual de investidores de
15
sua empresa, a Berkshire Hathaway.
 
Como executivo de um fundo de investimento, Kass havia
 
apostado contra as ações da Berkshire. Buffett queria entender o
 
porquê. Kass foi o chato escolhido para alertá-lo sobre eventuais
 
erros que ninguém havia enxergado.
20
Buffett conhece o valor desse tipo de pessoa. O chato é o
 
sujeito que ainda acha que as perguntas simples são o melhor
 
caminho para chegar às melhores respostas, é alguém que não
 
tem medo. Não se importa de ser tachado de inábil no trato com
 
as pessoas ou de ser politicamente incorreto. Questiona. Coloca
25
o dedo na ferida. Insiste em ser um animal pensante, quando todo
 
mundo sabe que dá menos trabalho deixar tudo como está.
 
Quase sempre, as coisas que o chato diz fazem um tremendo
 
sentido. Nada pode ser mais devastador para seus críticos do que
 
a constatação de que o chato, feitas as contas, tem razão.
30
Pobre do chefe que não reconhece, não escuta e não tolera
 
os chatos que cruzam seu caminho. Ele acredita que está seguro
 
num mundo de certezas próprias, de verdades absolutas. Ora, o
 
controle total de um negócio é uma miragem. Coisas boas e ruins
 
acontecem o tempo todo nas empresas sem que ele se dê conta.
35
Pensar que é possível estar no comando de tudo, o tempo todo,
 
só vai torná-lo mais vulnerável como líder. E vai, mais dia ou
 
menos dia, afastar definitivamente os chatos, os questionadores,
 
aqueles que fazem as perguntas incômodas e necessárias.
 
Por isso, só existem chatos em lugares onde há alguma pers-
40
pectiva de futuro. Esse espécime de profissional só prolifera em
 
ambientes onde a liberdade de pensamento e expressão é respei-
 
tada, onde a dúvida não é um mal em si, onde existe disposição,
 
coragem e humildade para mudar de trajetória quando essa parece
 
ser a melhor opção.
(Cláudia Vassallo, http://exame.abril.com.br, 07.07.2013. Adaptado)
No sétimo parágrafo, ao afirmar – Ora, o controle total de um negócio é uma miragem. –, a autora sugere que o controle total de um negócio é

Questão 15

MPE/ES 2013 - VUNESP - Agente de Apoio - Administrativo
1
O chato é um chato. Não é o tipo de companhia que se quer
 
para tomar um vinho ou ir ao cinema. O chato tem a insuportável
 
mania de apontar o dedo para as coisas, enxergar os problemas
 
que não queremos ver, fazer comentários desconcertantes.
5
Por isso, é pouco recomendável ter um deles por perto nos
 
momentos nos quais tudo o que você não quer fazer é tomar
 
decisões. Para todos os outros – e isso envolve o dia a dia dos
 
negócios – é bom ter um desses cada vez mais raros e discrimi-
 
nados exemplares da fauna empresarial por perto.
10
Conselho dado por alguém que entende muito de ganhar
 
dinheiro, Warren Buffett, um dos homens mais ricos do mundo:
 
“Ouça alguém que discorda de você”. No início de maio, Buffett
 
convidou um sujeito chamado Doug Kass para participar de um
 
dos painéis que compuseram a reunião anual de investidores de
15
sua empresa, a Berkshire Hathaway.
 
Como executivo de um fundo de investimento, Kass havia
 
apostado contra as ações da Berkshire. Buffett queria entender o
 
porquê. Kass foi o chato escolhido para alertá-lo sobre eventuais
 
erros que ninguém havia enxergado.
20
Buffett conhece o valor desse tipo de pessoa. O chato é o
 
sujeito que ainda acha que as perguntas simples são o melhor
 
caminho para chegar às melhores respostas, é alguém que não
 
tem medo. Não se importa de ser tachado de inábil no trato com
 
as pessoas ou de ser politicamente incorreto. Questiona. Coloca
25
o dedo na ferida. Insiste em ser um animal pensante, quando todo
 
mundo sabe que dá menos trabalho deixar tudo como está.
 
Quase sempre, as coisas que o chato diz fazem um tremendo
 
sentido. Nada pode ser mais devastador para seus críticos do que
 
a constatação de que o chato, feitas as contas, tem razão.
30
Pobre do chefe que não reconhece, não escuta e não tolera
 
os chatos que cruzam seu caminho. Ele acredita que está seguro
 
num mundo de certezas próprias, de verdades absolutas. Ora, o
 
controle total de um negócio é uma miragem. Coisas boas e ruins
 
acontecem o tempo todo nas empresas sem que ele se dê conta.
35
Pensar que é possível estar no comando de tudo, o tempo todo,
 
só vai torná-lo mais vulnerável como líder. E vai, mais dia ou
 
menos dia, afastar definitivamente os chatos, os questionadores,
 
aqueles que fazem as perguntas incômodas e necessárias.
 
Por isso, só existem chatos em lugares onde há alguma pers-
40
pectiva de futuro. Esse espécime de profissional só prolifera em
 
ambientes onde a liberdade de pensamento e expressão é respei-
 
tada, onde a dúvida não é um mal em si, onde existe disposição,
 
coragem e humildade para mudar de trajetória quando essa parece
 
ser a melhor opção.
(Cláudia Vassallo, http://exame.abril.com.br, 07.07.2013. Adaptado)
Releia o penúltimo parágrafo.

Pobre do chefe que não reconhece, não escuta e não tolera os chatos que cruzam seu caminho. Ele acredita que está seguro num mundo de certezas próprias, de verdades absolutas. Ora, o controle total de um negócio é uma miragem. Coisas boas e ruins acontecem o tempo todo nas empresas sem que ele se dê conta. Pensar que é possível estar no comando de tudo, o tempo todo, só vai torná-lo mais vulnerável como líder. E vai, mais dia ou menos dia, afastar definitivamente os chatos, os questionadores, aqueles que fazem as perguntas incômodas e necessárias.

O pronome -lo, em destaque, faz referência a

Questão 16

MPE/ES 2013 - VUNESP - Agente de Apoio - Administrativo
1
O chato é um chato. Não é o tipo de companhia que se quer
 
para tomar um vinho ou ir ao cinema. O chato tem a insuportável
 
mania de apontar o dedo para as coisas, enxergar os problemas
 
que não queremos ver, fazer comentários desconcertantes.
5
Por isso, é pouco recomendável ter um deles por perto nos
 
momentos nos quais tudo o que você não quer fazer é tomar
 
decisões. Para todos os outros – e isso envolve o dia a dia dos
 
negócios – é bom ter um desses cada vez mais raros e discrimi-
 
nados exemplares da fauna empresarial por perto.
10
Conselho dado por alguém que entende muito de ganhar
 
dinheiro, Warren Buffett, um dos homens mais ricos do mundo:
 
“Ouça alguém que discorda de você”. No início de maio, Buffett
 
convidou um sujeito chamado Doug Kass para participar de um
 
dos painéis que compuseram a reunião anual de investidores de
15
sua empresa, a Berkshire Hathaway.
 
Como executivo de um fundo de investimento, Kass havia
 
apostado contra as ações da Berkshire. Buffett queria entender o
 
porquê. Kass foi o chato escolhido para alertá-lo sobre eventuais
 
erros que ninguém havia enxergado.
20
Buffett conhece o valor desse tipo de pessoa. O chato é o
 
sujeito que ainda acha que as perguntas simples são o melhor
 
caminho para chegar às melhores respostas, é alguém que não
 
tem medo. Não se importa de ser tachado de inábil no trato com
 
as pessoas ou de ser politicamente incorreto. Questiona. Coloca
25
o dedo na ferida. Insiste em ser um animal pensante, quando todo
 
mundo sabe que dá menos trabalho deixar tudo como está.
 
Quase sempre, as coisas que o chato diz fazem um tremendo
 
sentido. Nada pode ser mais devastador para seus críticos do que
 
a constatação de que o chato, feitas as contas, tem razão.
30
Pobre do chefe que não reconhece, não escuta e não tolera
 
os chatos que cruzam seu caminho. Ele acredita que está seguro
 
num mundo de certezas próprias, de verdades absolutas. Ora, o
 
controle total de um negócio é uma miragem. Coisas boas e ruins
 
acontecem o tempo todo nas empresas sem que ele se dê conta.
35
Pensar que é possível estar no comando de tudo, o tempo todo,
 
só vai torná-lo mais vulnerável como líder. E vai, mais dia ou
 
menos dia, afastar definitivamente os chatos, os questionadores,
 
aqueles que fazem as perguntas incômodas e necessárias.
 
Por isso, só existem chatos em lugares onde há alguma pers-
40
pectiva de futuro. Esse espécime de profissional só prolifera em
 
ambientes onde a liberdade de pensamento e expressão é respei-
 
tada, onde a dúvida não é um mal em si, onde existe disposição,
 
coragem e humildade para mudar de trajetória quando essa parece
 
ser a melhor opção.
(Cláudia Vassallo, http://exame.abril.com.br, 07.07.2013. Adaptado)
Considere as frases:

•   Kass foi o chato escolhido para alertá-lo sobre eventuais  erros que ninguém havia enxergado.
•   Por  isso,  só existem chatos em lugares onde há alguma perspectiva de futuro.

As expressões destacadas podem ser substituídas, correta e respectivamente, seguindo as regras de concordância da norma-padrão da língua portuguesa, por:

Questão 17

MPE/ES 2013 - VUNESP - Agente de Apoio - Administrativo
Leia a charge.

(Mandrade, www.techtudo.com.br, 07.07.2013.)

A partir da leitura da charge, é correto concluir que, com relação à atenção que recebe das pessoas na rede, a personagem demonstra sentir-se

Questão 18

MPE/ES 2013 - VUNESP - Agente de Apoio - Administrativo
1
Outro dia, meu pai veio me visitar e trouxe uma caixa de
 
caquis, lá de Sorocaba. Eu os lavei, botei numa tigela na varanda
 
e comemos um por um, num silêncio reverencial, nos olhando
 
de vez em quando. Enquanto comia, eu pensava: Deus do céu,
5
como caqui é bom! Caqui é maravilhoso! O que tenho feito eu
 
desta curta vida, tão afastado dos caquis?!
 
Meus amigos e amigas e parentes queridos são como os
 
caquis: nunca os encontro. Quando os encontro, relembro como
 
é prazeroso vê-los, mas depois que vão embora me esqueço da
10
revelação. Por que não os vejo sempre, toda semana, todos os
 
dias desta curta vida?
 
Já sei: devem ficar escondidos de mim, guardados numa
 
caixa, lá em Sorocaba.
(Antonio Prata, www1.folha.uol.com.br, 07.07.2013. Adaptado)
Para o autor, a experiência de comer caquis e a de estar com seus amigos e parentes queridos assemelham-se, porque ambas são

Questão 19

MPE/ES 2013 - VUNESP - Agente de Apoio - Administrativo
1
Outro dia, meu pai veio me visitar e trouxe uma caixa de
 
caquis, lá de Sorocaba. Eu os lavei, botei numa tigela na varanda
 
e comemos um por um, num silêncio reverencial, nos olhando
 
de vez em quando. Enquanto comia, eu pensava: Deus do céu,
5
como caqui é bom! Caqui é maravilhoso! O que tenho feito eu
 
desta curta vida, tão afastado dos caquis?!
 
Meus amigos e amigas e parentes queridos são como os
 
caquis: nunca os encontro. Quando os encontro, relembro como
 
é prazeroso vê-los, mas depois que vão embora me esqueço da
10
revelação. Por que não os vejo sempre, toda semana, todos os
 
dias desta curta vida?
 
Já sei: devem ficar escondidos de mim, guardados numa
 
caixa, lá em Sorocaba.
(Antonio Prata, www1.folha.uol.com.br, 07.07.2013. Adaptado)
No trecho – Enquanto comia, eu pensava: Deus do céu, como caqui é bom! – o termo destacado expressa circunstância de

Questão 20

MPE/ES 2013 - VUNESP - Agente de Apoio - Administrativo
Assinale a alternativa que completa, correta e respectivamente, as lacunas, conforme as regras de uso do acento indicador de crase.

Ontem _________ tarde, o homem foi _________ uma feira de produtos orgânicos, onde comprou caquis para dar _________ seu filho.

Questão 21

MPE/ES 2013 - VUNESP - Agente de Apoio - Administrativo
Observe a imagem do Windows Explorer a seguir, retirada do MS-Windows 7 com o pacote Office 2010 instalado, em sua configuração padrão.

Assinale a alternativa que relaciona corretamente os nomes dos arquivos exibidos na imagem com as extensões padrão do tipo correspondente.

Questão 22

MPE/ES 2013 - VUNESP - Agente de Apoio - Administrativo
A figura a seguir mostra três parágrafos de um documento sendo editado no MS-Word 2010, em sua configuração padrão.

Assinale a alternativa correta em relação às formatações contidas nos parágrafos exibidos.

Questão 23

MPE/ES 2013 - VUNESP - Agente de Apoio - Administrativo
A figura a seguir mostra uma planilha sendo editada no MS-Excel 2010, em sua configuração padrão.

Assinale a alternativa que contém o valor correto exibido na célula B4 ao ser preenchida com a fórmula =A2-MÉDIA(A1;A3)

Questão 24

MPE/ES 2013 - VUNESP - Agente de Apoio - Administrativo
No MS-PowerPoint 2010, em sua configuração padrão, existem as operações agrupar e desagrupar objetos, conforme mostra a figura a seguir.

Assinale a alternativa que define corretamente a função da operação Agrupar.

Questão 25

MPE/ES 2013 - VUNESP - Agente de Apoio - Administrativo
Assinale a alternativa correta, que contém o atalho utilizado no MS-Outlook 2010, em sua configuração padrão, para criar um novo e-mail.

Questão 26

MPE/ES 2013 - VUNESP - Agente de Apoio - Administrativo
A sequência de números (102; 213; 324; 435; …) foi criada segundo um padrão predeterminado. O primeiro termo dessa sequência, que é maior do que 1 200, é

Questão 27

MPE/ES 2013 - VUNESP - Agente de Apoio - Administrativo
No diagrama, observe os conjuntos A, B e C, as intersecções entre A e B e entre B e C, e a quantidade de elementos que pertencem a cada uma das intersecções.

Sabe-se que pertence apenas ao conjunto A o dobro do número de elementos que pertencem à intersecção entre A e B. Sabe-se que pertence, apenas ao conjunto C, o dobro do número de elementos que pertencem à intersecção entre B e C. Sabe-se que o número de elementos que pertencem apenas ao conjunto B é igual à metade da soma da quantidade de elementos que pertencem à intersecção de A e B, com a quantidade de elementos da intersecção entre B e C. Dessa maneira, pode-se afirmar corretamente que o número total de elementos dos conjuntos A, B e C é igual a

Questão 28

MPE/ES 2013 - VUNESP - Agente de Apoio - Administrativo
Minha mãe tem sete filhos. Um deles sou eu. Cada um desses filhos tem dois filhos, exceto eu, que tenho três filhos. Levando em conta apenas as pessoas relatadas, pode-se afirmar que o número de primos que o filho mais velho do meu irmão mais novo tem é igual a

Questão 29

MPE/ES 2013 - VUNESP - Agente de Apoio - Administrativo
Uma afirmação equivalente à afirmação condicional: – Se escorrego na lama, então estou de olhos fechados ou estou desatento – é:

Questão 30

MPE/ES 2013 - VUNESP - Agente de Apoio - Administrativo
Dois meninos resolvem brincar sobre o traçado, feito no chão, de uma circunferência, conforme representado na figura. Eles caminham em cima da linha em sentidos contrários.

Partem do ponto A, cada um em seu sentido, cruzam-se no ponto B (que está localizado em posição oposta ao ponto A), continuam caminhando, cruzam-se no ponto A, e seguem dessa maneira, cruzando-se sempre no ponto A ou no ponto B. Ao se cruzarem pela 13.ª vez, eles param imediatamente.

Nessa caminhada, a distância máxima que cada menino percorreu foi de

Questão 31

MPE/ES 2013 - VUNESP - Agente de Apoio - Administrativo
São princípios básicos, entre outros, da Administração Pública:

Questão 32

MPE/ES 2013 - VUNESP - Agente de Apoio - Administrativo
O uso anormal do poder é circunstância que torna ilegal, total ou parcialmente, o ato administrativo. Com relação a essa afirmação, é correto afirmar que

Questão 33

MPE/ES 2013 - VUNESP - Agente de Apoio - Administrativo
O poder de polícia

Questão 34

MPE/ES 2013 - VUNESP - Agente de Apoio - Administrativo
Com relação ao serviço público, assinale a alternativa correta.

Questão 35

MPE/ES 2013 - VUNESP - Agente de Apoio - Administrativo
São serviços públicos que poderão ter a sua prestação delegada a terceiros:

Questão 36

MPE/ES 2013 - VUNESP - Agente de Apoio - Administrativo
São, entre outras, entidades que integram a Administração Pública Indireta:

Questão 37

MPE/ES 2013 - VUNESP - Agente de Apoio - Administrativo
Com relação à Administração Pública Direta, é correto afirmar que

Questão 38

MPE/ES 2013 - VUNESP - Agente de Apoio - Administrativo
O convênio administrativo

Questão 39

MPE/ES 2013 - VUNESP - Agente de Apoio - Administrativo
O consórcio público

Questão 40

MPE/ES 2013 - VUNESP - Agente de Apoio - Administrativo

» Esta questão foi anulada pela banca.
No tocante aos cargos, empregos e funções públicas, é correto afirmar que

Questão 41

MPE/ES 2013 - VUNESP - Agente de Apoio - Administrativo
Em relação aos direitos e deveres individuais e coletivos estabelecidos na Constituição Federal, assinale a alternativa correta.

Questão 42

MPE/ES 2013 - VUNESP - Agente de Apoio - Administrativo
Determina a Constituição Federal que é reconhecida a instituição do júri, com a organização que lhe der a lei, assegurado(a), dentre outros,

Questão 43

MPE/ES 2013 - VUNESP - Agente de Apoio - Administrativo
De acordo com a Constituição Federal, as normas definidoras dos direitos e garantias fundamentais

Questão 44

MPE/ES 2013 - VUNESP - Agente de Apoio - Administrativo
Para a retificação de dados, quando não se prefira fazê-lo por processo sigiloso, judicial ou administrativo, poderá utilizar-se de

Questão 45

MPE/ES 2013 - VUNESP - Agente de Apoio - Administrativo
O Prefeito do Município de Vila Velha praticou ato lesivo à moralidade administrativa. Para anular o referido ato, qualquer cidadão é parte legítima para propor

Questão 46

MPE/ES 2013 - VUNESP - Agente de Apoio - Administrativo
Conforme estabelece a Constituição Federal, compete à União, aos Estados e ao Distrito Federal legislar, concorrentemente, sobre

Questão 47

MPE/ES 2013 - VUNESP - Agente de Apoio - Administrativo
Em relação aos servidores públicos, e nos termos do que dispõe a Constituição Federal, é permitida a acumulação remunerada de cargos quando houver compatibilidade de horários, entre outros, no caso de

Questão 48

MPE/ES 2013 - VUNESP - Agente de Apoio - Administrativo
A ordem econômica, fundada na valorização do trabalho humano e na livre iniciativa, tem por fim assegurar a todos existência digna, conforme os ditames da justiça social, observado, dentre outros, o seguinte princípio:

Questão 49

MPE/ES 2013 - VUNESP - Agente de Apoio - Administrativo
Conforme prescreve a Constituição Federal em relação à saúde, assinale a alternativa correta.

Questão 50

MPE/ES 2013 - VUNESP - Agente de Apoio - Administrativo
Na proteção do meio ambiente, a Constituição Federal

Questão 51

MPE/ES 2013 - VUNESP - Agente de Apoio - Administrativo
São princípios institucionais do Ministério Público a

Questão 52

MPE/ES 2013 - VUNESP - Agente de Apoio - Administrativo
Assinale a alternativa na qual estão presentes apenas órgãos de execução do Ministério Público.

Questão 53

MPE/ES 2013 - VUNESP - Agente de Apoio - Administrativo
O efetivo desempenho, pelo servidor público, das atribuições de seu cargo, denomina-se

Questão 54

MPE/ES 2013 - VUNESP - Agente de Apoio - Administrativo
Nos termos da lei que disciplina o Regime Jurídico dos Servidores Públicos do Estado do Espírito Santo, o servidor, quando comparecer ao serviço dentro da hora seguinte à marcada para o início dos trabalhos, perderá

Questão 55

MPE/ES 2013 - VUNESP - Agente de Apoio - Administrativo
Constituem indenizações ao servidor público do Estado do Espírito Santo, além da ajuda de custo,

Questão 56

MPE/ES 2013 - VUNESP - Agente de Apoio - Administrativo
De acordo com a legislação do Estado do Espírito Santo, à servidora pública efetiva, que adotar ou obtiver guarda judicial de criança de até 1 ano de idade, serão concedidos 120 dias de licença remunerada para ajustamento do adotado no novo lar. Tratando-se, porém, de criança com mais de 1 ano de idade, o período concedido será de

Questão 57

MPE/ES 2013 - VUNESP - Agente de Apoio - Administrativo

» Esta questão foi anulada pela banca.
Os atos de improbidade praticados por qualquer agente público, servidor ou não, contra a administração direta, indireta ou fundacional de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal, dos Municípios, de Território, de empresa incorporada ao patrimônio público ou de entidade para cuja criação ou custeio o erário haja concorrido ou concorra com mais de cinquenta por cento do patrimônio ou da receita anual, serão punidos na forma da lei que disciplina a matéria. Para fins de aplicação da referida lei, reputa-se agente público todo aquele que exerce mandato, cargo, emprego ou função nas entidades mencionadas,

Questão 58

MPE/ES 2013 - VUNESP - Agente de Apoio - Administrativo
Nos termos da Lei Complementar n.º 101/00, a despesa corrente derivada de lei, medida provisória ou ato administrativo normativo que fixem para o ente a obrigação legal de sua execução por um período superior a dois exercícios, considera-se

Questão 59

MPE/ES 2013 - VUNESP - Agente de Apoio - Administrativo
Para os efeitos da lei que regulamenta o plano de carreiras dos servidores do MP-ES, o ato que oficializa a mudança funcional na carreira do servidor, considera-se

Questão 60

MPE/ES 2013 - VUNESP - Agente de Apoio - Administrativo
De acordo com a Lei que rege as licitações e os contratos administrativos, as modalidades de licitação serão determinadas em função dos limites que estabelece, tendo em vista o valor estimado da contratação. Tratando-se de obras e serviços de engenharia, acima de R$ 1.500.000,00 (um milhão e quinhentos mil reais), a licitação se dará pela modalidade de



Provas de Concursos » Vunesp 2013