×
Técnico Judiciário - Apoio Especializado/Telecomunicações e Eletricidade Analista Judiciário - Apoio Especializado/Biblioteconomia Analista Judiciário - Psicologia
×
STJ 2008 STJ 2015 STJ 2018

STJ 2012

Analista Judiciário - Área Judiciária

Questão 1

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
1
Fundada por Ptolomeu Filadelfo, no início do século III
 
a.C., a biblioteca de Alexandria representa uma epígrafe perfeita
 
para a discussão sobre a materialidade da comunicação. As
 
escavações para a localização da biblioteca, sem dúvida um dos
5
maiores tesouros da Antiguidade, atraíram inúmeras gerações de
 
arqueólogos. Inutilmente. Tratava-se então de uma biblioteca
 
imaginária, cujos livros talvez nunca tivessem existido? Persistiam,
 
contudo, numerosas fontes clássicas que descreviam o lugar em que
 
se encontravam centenas de milhares de rolos. E eis a solução do
10
enigma. O acervo da biblioteca de Alexandria era composto por
 
rolos e não por livros — pressuposição por certo ingênua, ou seja,
 
atribuição anacrônica de nossa materialidade para épocas diversas.
 
Em vez de um conjunto de salas com estantes dispostas
 
paralelamente e enfeixadas em um edifício próprio, a biblioteca de
15
Alexandria consistia em uma série infinita de estantes escavadas nas
 
paredes da tumba de Ramsés. Ora, mas não era essa a melhor forma
 
de colecionar rolos, preservando-os contra as intempéries? Os
 
arqueólogos que passaram anos sem encontrar a biblioteca de
 
Alexandria sempre a tiveram diante dos olhos, mesmo ao alcance
20
das mãos. No entanto, jamais poderiam localizá-la, já que não
 
levaram em consideração a materialidade dos meios de comunicação
 
dominante na época: eles, na verdade, procuravam uma biblioteca
 
estruturada para colecionar livros e não rolos. Quantas bibliotecas
 
de Alexandria permanecem ignoradas devido à negligência com a
25
materialidade dos meios de comunicação?
 
O conceito de materialidade da comunicação supõe a
 
reconstrução da materialidade específica mediante a qual os valores
 
de uma cultura são, de um lado, produzidos e, de outro,
 
transmitidos. Tal materialidade envolve tanto o meio de
30
comunicação quanto as instituições responsáveis pela reprodução da
 
cultura e, em um sentido amplo, inclui as relações entre meio de
 
comunicação, instituições e hábitos mentais de uma época
 
determinada. Vejamos: para o entendimento de uma forma particular
 
de comunicação — por exemplo, o teatro na Grécia clássica ou na
35
Inglaterra elizabetana; o romance nos séculos XVIII e XIX; o
 
cinema e a televisão no século XX; o computador em nossos dias
 
—, o estudioso deve reconstruir tanto as condições históricas quanto
 
a materialidade do meio de comunicação. Assim, no teatro, a voz e
 
o corpo do ator constituem uma materialidade muito diferente da
40
que será criada pelo advento e difusão da imprensa, pois os tipos
 
impressos tendem, ao contrário, a excluir o corpo do circuito
 
comunicativo. Já os meios audiovisuais e informáticos promovem
 
um certo retorno do corpo, mas sob o signo da virtualidade.
 
Compreender, portanto, como tais materialidades influem na
45
elaboração do ato comunicativo é fundamental para se entender
 
como chegam a interferir na própria ordenação da sociedade.
João C. de C. Rocha. A matéria da materialidade: como localizar a biblioteca de Alexandria? In: João C. de C. Rocha (Org.). Interseções: a materialidade da comunicação. Rio de Janeiro: Imago; EDUERJ, 1998, p. 12, 14-15 (com adaptações).
Com relação às ideias e estruturas linguísticas do texto, julgue os itens a seguir.
Infere-se do texto que a descoberta arqueológica da tumba de Ramsés precede as investigações de arqueólogos acerca da biblioteca de Alexandria.
Questão 2

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
1
Fundada por Ptolomeu Filadelfo, no início do século III
 
a.C., a biblioteca de Alexandria representa uma epígrafe perfeita
 
para a discussão sobre a materialidade da comunicação. As
 
escavações para a localização da biblioteca, sem dúvida um dos
5
maiores tesouros da Antiguidade, atraíram inúmeras gerações de
 
arqueólogos. Inutilmente. Tratava-se então de uma biblioteca
 
imaginária, cujos livros talvez nunca tivessem existido? Persistiam,
 
contudo, numerosas fontes clássicas que descreviam o lugar em que
 
se encontravam centenas de milhares de rolos. E eis a solução do
10
enigma. O acervo da biblioteca de Alexandria era composto por
 
rolos e não por livros — pressuposição por certo ingênua, ou seja,
 
atribuição anacrônica de nossa materialidade para épocas diversas.
 
Em vez de um conjunto de salas com estantes dispostas
 
paralelamente e enfeixadas em um edifício próprio, a biblioteca de
15
Alexandria consistia em uma série infinita de estantes escavadas nas
 
paredes da tumba de Ramsés. Ora, mas não era essa a melhor forma
 
de colecionar rolos, preservando-os contra as intempéries? Os
 
arqueólogos que passaram anos sem encontrar a biblioteca de
 
Alexandria sempre a tiveram diante dos olhos, mesmo ao alcance
20
das mãos. No entanto, jamais poderiam localizá-la, já que não
 
levaram em consideração a materialidade dos meios de comunicação
 
dominante na época: eles, na verdade, procuravam uma biblioteca
 
estruturada para colecionar livros e não rolos. Quantas bibliotecas
 
de Alexandria permanecem ignoradas devido à negligência com a
25
materialidade dos meios de comunicação?
 
O conceito de materialidade da comunicação supõe a
 
reconstrução da materialidade específica mediante a qual os valores
 
de uma cultura são, de um lado, produzidos e, de outro,
 
transmitidos. Tal materialidade envolve tanto o meio de
30
comunicação quanto as instituições responsáveis pela reprodução da
 
cultura e, em um sentido amplo, inclui as relações entre meio de
 
comunicação, instituições e hábitos mentais de uma época
 
determinada. Vejamos: para o entendimento de uma forma particular
 
de comunicação — por exemplo, o teatro na Grécia clássica ou na
35
Inglaterra elizabetana; o romance nos séculos XVIII e XIX; o
 
cinema e a televisão no século XX; o computador em nossos dias
 
—, o estudioso deve reconstruir tanto as condições históricas quanto
 
a materialidade do meio de comunicação. Assim, no teatro, a voz e
 
o corpo do ator constituem uma materialidade muito diferente da
40
que será criada pelo advento e difusão da imprensa, pois os tipos
 
impressos tendem, ao contrário, a excluir o corpo do circuito
 
comunicativo. Já os meios audiovisuais e informáticos promovem
 
um certo retorno do corpo, mas sob o signo da virtualidade.
 
Compreender, portanto, como tais materialidades influem na
45
elaboração do ato comunicativo é fundamental para se entender
 
como chegam a interferir na própria ordenação da sociedade.
João C. de C. Rocha. A matéria da materialidade: como localizar a biblioteca de Alexandria? In: João C. de C. Rocha (Org.). Interseções: a materialidade da comunicação. Rio de Janeiro: Imago; EDUERJ, 1998, p. 12, 14-15 (com adaptações).
Com relação às ideias e estruturas linguísticas do texto, julgue os itens a seguir.
Depreende-se do texto que a pesquisa arqueológica deve prescindir de fontes documentais e concentrar-se na avaliação de achados materiais.
Questão 3

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
1
Fundada por Ptolomeu Filadelfo, no início do século III
 
a.C., a biblioteca de Alexandria representa uma epígrafe perfeita
 
para a discussão sobre a materialidade da comunicação. As
 
escavações para a localização da biblioteca, sem dúvida um dos
5
maiores tesouros da Antiguidade, atraíram inúmeras gerações de
 
arqueólogos. Inutilmente. Tratava-se então de uma biblioteca
 
imaginária, cujos livros talvez nunca tivessem existido? Persistiam,
 
contudo, numerosas fontes clássicas que descreviam o lugar em que
 
se encontravam centenas de milhares de rolos. E eis a solução do
10
enigma. O acervo da biblioteca de Alexandria era composto por
 
rolos e não por livros — pressuposição por certo ingênua, ou seja,
 
atribuição anacrônica de nossa materialidade para épocas diversas.
 
Em vez de um conjunto de salas com estantes dispostas
 
paralelamente e enfeixadas em um edifício próprio, a biblioteca de
15
Alexandria consistia em uma série infinita de estantes escavadas nas
 
paredes da tumba de Ramsés. Ora, mas não era essa a melhor forma
 
de colecionar rolos, preservando-os contra as intempéries? Os
 
arqueólogos que passaram anos sem encontrar a biblioteca de
 
Alexandria sempre a tiveram diante dos olhos, mesmo ao alcance
20
das mãos. No entanto, jamais poderiam localizá-la, já que não
 
levaram em consideração a materialidade dos meios de comunicação
 
dominante na época: eles, na verdade, procuravam uma biblioteca
 
estruturada para colecionar livros e não rolos. Quantas bibliotecas
 
de Alexandria permanecem ignoradas devido à negligência com a
25
materialidade dos meios de comunicação?
 
O conceito de materialidade da comunicação supõe a
 
reconstrução da materialidade específica mediante a qual os valores
 
de uma cultura são, de um lado, produzidos e, de outro,
 
transmitidos. Tal materialidade envolve tanto o meio de
30
comunicação quanto as instituições responsáveis pela reprodução da
 
cultura e, em um sentido amplo, inclui as relações entre meio de
 
comunicação, instituições e hábitos mentais de uma época
 
determinada. Vejamos: para o entendimento de uma forma particular
 
de comunicação — por exemplo, o teatro na Grécia clássica ou na
35
Inglaterra elizabetana; o romance nos séculos XVIII e XIX; o
 
cinema e a televisão no século XX; o computador em nossos dias
 
—, o estudioso deve reconstruir tanto as condições históricas quanto
 
a materialidade do meio de comunicação. Assim, no teatro, a voz e
 
o corpo do ator constituem uma materialidade muito diferente da
40
que será criada pelo advento e difusão da imprensa, pois os tipos
 
impressos tendem, ao contrário, a excluir o corpo do circuito
 
comunicativo. Já os meios audiovisuais e informáticos promovem
 
um certo retorno do corpo, mas sob o signo da virtualidade.
 
Compreender, portanto, como tais materialidades influem na
45
elaboração do ato comunicativo é fundamental para se entender
 
como chegam a interferir na própria ordenação da sociedade.
João C. de C. Rocha. A matéria da materialidade: como localizar a biblioteca de Alexandria? In: João C. de C. Rocha (Org.). Interseções: a materialidade da comunicação. Rio de Janeiro: Imago; EDUERJ, 1998, p. 12, 14-15 (com adaptações).
Com relação às ideias e estruturas linguísticas do texto, julgue os itens a seguir.
Das ideias do texto depreende-se que, para um bom entendimento da história do rádio como meio de comunicação, por exemplo, é preciso atentar, entre outros aspectos, não só para o modo como se ouviu e se ouve rádio (individual ou coletivamente), mas também para os diversos formatos desse aparelho, desde seu surgimento.
Questão 4

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
1
Fundada por Ptolomeu Filadelfo, no início do século III
 
a.C., a biblioteca de Alexandria representa uma epígrafe perfeita
 
para a discussão sobre a materialidade da comunicação. As
 
escavações para a localização da biblioteca, sem dúvida um dos
5
maiores tesouros da Antiguidade, atraíram inúmeras gerações de
 
arqueólogos. Inutilmente. Tratava-se então de uma biblioteca
 
imaginária, cujos livros talvez nunca tivessem existido? Persistiam,
 
contudo, numerosas fontes clássicas que descreviam o lugar em que
 
se encontravam centenas de milhares de rolos. E eis a solução do
10
enigma. O acervo da biblioteca de Alexandria era composto por
 
rolos e não por livros — pressuposição por certo ingênua, ou seja,
 
atribuição anacrônica de nossa materialidade para épocas diversas.
 
Em vez de um conjunto de salas com estantes dispostas
 
paralelamente e enfeixadas em um edifício próprio, a biblioteca de
15
Alexandria consistia em uma série infinita de estantes escavadas nas
 
paredes da tumba de Ramsés. Ora, mas não era essa a melhor forma
 
de colecionar rolos, preservando-os contra as intempéries? Os
 
arqueólogos que passaram anos sem encontrar a biblioteca de
 
Alexandria sempre a tiveram diante dos olhos, mesmo ao alcance
20
das mãos. No entanto, jamais poderiam localizá-la, já que não
 
levaram em consideração a materialidade dos meios de comunicação
 
dominante na época: eles, na verdade, procuravam uma biblioteca
 
estruturada para colecionar livros e não rolos. Quantas bibliotecas
 
de Alexandria permanecem ignoradas devido à negligência com a
25
materialidade dos meios de comunicação?
 
O conceito de materialidade da comunicação supõe a
 
reconstrução da materialidade específica mediante a qual os valores
 
de uma cultura são, de um lado, produzidos e, de outro,
 
transmitidos. Tal materialidade envolve tanto o meio de
30
comunicação quanto as instituições responsáveis pela reprodução da
 
cultura e, em um sentido amplo, inclui as relações entre meio de
 
comunicação, instituições e hábitos mentais de uma época
 
determinada. Vejamos: para o entendimento de uma forma particular
 
de comunicação — por exemplo, o teatro na Grécia clássica ou na
35
Inglaterra elizabetana; o romance nos séculos XVIII e XIX; o
 
cinema e a televisão no século XX; o computador em nossos dias
 
—, o estudioso deve reconstruir tanto as condições históricas quanto
 
a materialidade do meio de comunicação. Assim, no teatro, a voz e
 
o corpo do ator constituem uma materialidade muito diferente da
40
que será criada pelo advento e difusão da imprensa, pois os tipos
 
impressos tendem, ao contrário, a excluir o corpo do circuito
 
comunicativo. Já os meios audiovisuais e informáticos promovem
 
um certo retorno do corpo, mas sob o signo da virtualidade.
 
Compreender, portanto, como tais materialidades influem na
45
elaboração do ato comunicativo é fundamental para se entender
 
como chegam a interferir na própria ordenação da sociedade.
João C. de C. Rocha. A matéria da materialidade: como localizar a biblioteca de Alexandria? In: João C. de C. Rocha (Org.). Interseções: a materialidade da comunicação. Rio de Janeiro: Imago; EDUERJ, 1998, p. 12, 14-15 (com adaptações).
Com relação às ideias e estruturas linguísticas do texto, julgue os itens a seguir.
O vocábulo “epígrafe” (L.2) significa inscrição sobre a lápide de túmulos ou sobre monumentos funerários e é usado no texto como metáfora tanto da materialidade tumular da biblioteca de Alexandria, quanto do tempo decorrido desde sua existência até o presente.
Questão 5

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
1
Fundada por Ptolomeu Filadelfo, no início do século III
 
a.C., a biblioteca de Alexandria representa uma epígrafe perfeita
 
para a discussão sobre a materialidade da comunicação. As
 
escavações para a localização da biblioteca, sem dúvida um dos
5
maiores tesouros da Antiguidade, atraíram inúmeras gerações de
 
arqueólogos. Inutilmente. Tratava-se então de uma biblioteca
 
imaginária, cujos livros talvez nunca tivessem existido? Persistiam,
 
contudo, numerosas fontes clássicas que descreviam o lugar em que
 
se encontravam centenas de milhares de rolos. E eis a solução do
10
enigma. O acervo da biblioteca de Alexandria era composto por
 
rolos e não por livros — pressuposição por certo ingênua, ou seja,
 
atribuição anacrônica de nossa materialidade para épocas diversas.
 
Em vez de um conjunto de salas com estantes dispostas
 
paralelamente e enfeixadas em um edifício próprio, a biblioteca de
15
Alexandria consistia em uma série infinita de estantes escavadas nas
 
paredes da tumba de Ramsés. Ora, mas não era essa a melhor forma
 
de colecionar rolos, preservando-os contra as intempéries? Os
 
arqueólogos que passaram anos sem encontrar a biblioteca de
 
Alexandria sempre a tiveram diante dos olhos, mesmo ao alcance
20
das mãos. No entanto, jamais poderiam localizá-la, já que não
 
levaram em consideração a materialidade dos meios de comunicação
 
dominante na época: eles, na verdade, procuravam uma biblioteca
 
estruturada para colecionar livros e não rolos. Quantas bibliotecas
 
de Alexandria permanecem ignoradas devido à negligência com a
25
materialidade dos meios de comunicação?
 
O conceito de materialidade da comunicação supõe a
 
reconstrução da materialidade específica mediante a qual os valores
 
de uma cultura são, de um lado, produzidos e, de outro,
 
transmitidos. Tal materialidade envolve tanto o meio de
30
comunicação quanto as instituições responsáveis pela reprodução da
 
cultura e, em um sentido amplo, inclui as relações entre meio de
 
comunicação, instituições e hábitos mentais de uma época
 
determinada. Vejamos: para o entendimento de uma forma particular
 
de comunicação — por exemplo, o teatro na Grécia clássica ou na
35
Inglaterra elizabetana; o romance nos séculos XVIII e XIX; o
 
cinema e a televisão no século XX; o computador em nossos dias
 
—, o estudioso deve reconstruir tanto as condições históricas quanto
 
a materialidade do meio de comunicação. Assim, no teatro, a voz e
 
o corpo do ator constituem uma materialidade muito diferente da
40
que será criada pelo advento e difusão da imprensa, pois os tipos
 
impressos tendem, ao contrário, a excluir o corpo do circuito
 
comunicativo. Já os meios audiovisuais e informáticos promovem
 
um certo retorno do corpo, mas sob o signo da virtualidade.
 
Compreender, portanto, como tais materialidades influem na
45
elaboração do ato comunicativo é fundamental para se entender
 
como chegam a interferir na própria ordenação da sociedade.
João C. de C. Rocha. A matéria da materialidade: como localizar a biblioteca de Alexandria? In: João C. de C. Rocha (Org.). Interseções: a materialidade da comunicação. Rio de Janeiro: Imago; EDUERJ, 1998, p. 12, 14-15 (com adaptações).
Com relação às ideias e estruturas linguísticas do texto, julgue os itens a seguir.
A pergunta às linhas 16-17 poderia ser suprimida do texto sem prejuízo para a sua coerência.
Questão 6

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
1
Fundada por Ptolomeu Filadelfo, no início do século III
 
a.C., a biblioteca de Alexandria representa uma epígrafe perfeita
 
para a discussão sobre a materialidade da comunicação. As
 
escavações para a localização da biblioteca, sem dúvida um dos
5
maiores tesouros da Antiguidade, atraíram inúmeras gerações de
 
arqueólogos. Inutilmente. Tratava-se então de uma biblioteca
 
imaginária, cujos livros talvez nunca tivessem existido? Persistiam,
 
contudo, numerosas fontes clássicas que descreviam o lugar em que
 
se encontravam centenas de milhares de rolos. E eis a solução do
10
enigma. O acervo da biblioteca de Alexandria era composto por
 
rolos e não por livros — pressuposição por certo ingênua, ou seja,
 
atribuição anacrônica de nossa materialidade para épocas diversas.
 
Em vez de um conjunto de salas com estantes dispostas
 
paralelamente e enfeixadas em um edifício próprio, a biblioteca de
15
Alexandria consistia em uma série infinita de estantes escavadas nas
 
paredes da tumba de Ramsés. Ora, mas não era essa a melhor forma
 
de colecionar rolos, preservando-os contra as intempéries? Os
 
arqueólogos que passaram anos sem encontrar a biblioteca de
 
Alexandria sempre a tiveram diante dos olhos, mesmo ao alcance
20
das mãos. No entanto, jamais poderiam localizá-la, já que não
 
levaram em consideração a materialidade dos meios de comunicação
 
dominante na época: eles, na verdade, procuravam uma biblioteca
 
estruturada para colecionar livros e não rolos. Quantas bibliotecas
 
de Alexandria permanecem ignoradas devido à negligência com a
25
materialidade dos meios de comunicação?
 
O conceito de materialidade da comunicação supõe a
 
reconstrução da materialidade específica mediante a qual os valores
 
de uma cultura são, de um lado, produzidos e, de outro,
 
transmitidos. Tal materialidade envolve tanto o meio de
30
comunicação quanto as instituições responsáveis pela reprodução da
 
cultura e, em um sentido amplo, inclui as relações entre meio de
 
comunicação, instituições e hábitos mentais de uma época
 
determinada. Vejamos: para o entendimento de uma forma particular
 
de comunicação — por exemplo, o teatro na Grécia clássica ou na
35
Inglaterra elizabetana; o romance nos séculos XVIII e XIX; o
 
cinema e a televisão no século XX; o computador em nossos dias
 
—, o estudioso deve reconstruir tanto as condições históricas quanto
 
a materialidade do meio de comunicação. Assim, no teatro, a voz e
 
o corpo do ator constituem uma materialidade muito diferente da
40
que será criada pelo advento e difusão da imprensa, pois os tipos
 
impressos tendem, ao contrário, a excluir o corpo do circuito
 
comunicativo. Já os meios audiovisuais e informáticos promovem
 
um certo retorno do corpo, mas sob o signo da virtualidade.
 
Compreender, portanto, como tais materialidades influem na
45
elaboração do ato comunicativo é fundamental para se entender
 
como chegam a interferir na própria ordenação da sociedade.
João C. de C. Rocha. A matéria da materialidade: como localizar a biblioteca de Alexandria? In: João C. de C. Rocha (Org.). Interseções: a materialidade da comunicação. Rio de Janeiro: Imago; EDUERJ, 1998, p. 12, 14-15 (com adaptações).
Com relação às ideias e estruturas linguísticas do texto, julgue os itens a seguir.
De acordo com o texto, após muitos anos de pesquisa frustrada, baseada em pressupostos culturais equivocados, os arqueólogos encontraram as ruínas da biblioteca de Alexandria e os rolos que constituíam seu acervo.
Questão 7

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
1
Fundada por Ptolomeu Filadelfo, no início do século III
 
a.C., a biblioteca de Alexandria representa uma epígrafe perfeita
 
para a discussão sobre a materialidade da comunicação. As
 
escavações para a localização da biblioteca, sem dúvida um dos
5
maiores tesouros da Antiguidade, atraíram inúmeras gerações de
 
arqueólogos. Inutilmente. Tratava-se então de uma biblioteca
 
imaginária, cujos livros talvez nunca tivessem existido? Persistiam,
 
contudo, numerosas fontes clássicas que descreviam o lugar em que
 
se encontravam centenas de milhares de rolos. E eis a solução do
10
enigma. O acervo da biblioteca de Alexandria era composto por
 
rolos e não por livros — pressuposição por certo ingênua, ou seja,
 
atribuição anacrônica de nossa materialidade para épocas diversas.
 
Em vez de um conjunto de salas com estantes dispostas
 
paralelamente e enfeixadas em um edifício próprio, a biblioteca de
15
Alexandria consistia em uma série infinita de estantes escavadas nas
 
paredes da tumba de Ramsés. Ora, mas não era essa a melhor forma
 
de colecionar rolos, preservando-os contra as intempéries? Os
 
arqueólogos que passaram anos sem encontrar a biblioteca de
 
Alexandria sempre a tiveram diante dos olhos, mesmo ao alcance
20
das mãos. No entanto, jamais poderiam localizá-la, já que não
 
levaram em consideração a materialidade dos meios de comunicação
 
dominante na época: eles, na verdade, procuravam uma biblioteca
 
estruturada para colecionar livros e não rolos. Quantas bibliotecas
 
de Alexandria permanecem ignoradas devido à negligência com a
25
materialidade dos meios de comunicação?
 
O conceito de materialidade da comunicação supõe a
 
reconstrução da materialidade específica mediante a qual os valores
 
de uma cultura são, de um lado, produzidos e, de outro,
 
transmitidos. Tal materialidade envolve tanto o meio de
30
comunicação quanto as instituições responsáveis pela reprodução da
 
cultura e, em um sentido amplo, inclui as relações entre meio de
 
comunicação, instituições e hábitos mentais de uma época
 
determinada. Vejamos: para o entendimento de uma forma particular
 
de comunicação — por exemplo, o teatro na Grécia clássica ou na
35
Inglaterra elizabetana; o romance nos séculos XVIII e XIX; o
 
cinema e a televisão no século XX; o computador em nossos dias
 
—, o estudioso deve reconstruir tanto as condições históricas quanto
 
a materialidade do meio de comunicação. Assim, no teatro, a voz e
 
o corpo do ator constituem uma materialidade muito diferente da
40
que será criada pelo advento e difusão da imprensa, pois os tipos
 
impressos tendem, ao contrário, a excluir o corpo do circuito
 
comunicativo. Já os meios audiovisuais e informáticos promovem
 
um certo retorno do corpo, mas sob o signo da virtualidade.
 
Compreender, portanto, como tais materialidades influem na
45
elaboração do ato comunicativo é fundamental para se entender
 
como chegam a interferir na própria ordenação da sociedade.
João C. de C. Rocha. A matéria da materialidade: como localizar a biblioteca de Alexandria? In: João C. de C. Rocha (Org.). Interseções: a materialidade da comunicação. Rio de Janeiro: Imago; EDUERJ, 1998, p. 12, 14-15 (com adaptações).
Com relação às estruturas linguísticas do texto, julgue os itens seguintes.
A preposição “para”, em “para a discussão” (L.3) e em “para colecionar livros” (L.23), introduz expressão que exprime finalidade.
Questão 8

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária

» Esta questão foi anulada pela banca.
1
Fundada por Ptolomeu Filadelfo, no início do século III
 
a.C., a biblioteca de Alexandria representa uma epígrafe perfeita
 
para a discussão sobre a materialidade da comunicação. As
 
escavações para a localização da biblioteca, sem dúvida um dos
5
maiores tesouros da Antiguidade, atraíram inúmeras gerações de
 
arqueólogos. Inutilmente. Tratava-se então de uma biblioteca
 
imaginária, cujos livros talvez nunca tivessem existido? Persistiam,
 
contudo, numerosas fontes clássicas que descreviam o lugar em que
 
se encontravam centenas de milhares de rolos. E eis a solução do
10
enigma. O acervo da biblioteca de Alexandria era composto por
 
rolos e não por livros — pressuposição por certo ingênua, ou seja,
 
atribuição anacrônica de nossa materialidade para épocas diversas.
 
Em vez de um conjunto de salas com estantes dispostas
 
paralelamente e enfeixadas em um edifício próprio, a biblioteca de
15
Alexandria consistia em uma série infinita de estantes escavadas nas
 
paredes da tumba de Ramsés. Ora, mas não era essa a melhor forma
 
de colecionar rolos, preservando-os contra as intempéries? Os
 
arqueólogos que passaram anos sem encontrar a biblioteca de
 
Alexandria sempre a tiveram diante dos olhos, mesmo ao alcance
20
das mãos. No entanto, jamais poderiam localizá-la, já que não
 
levaram em consideração a materialidade dos meios de comunicação
 
dominante na época: eles, na verdade, procuravam uma biblioteca
 
estruturada para colecionar livros e não rolos. Quantas bibliotecas
 
de Alexandria permanecem ignoradas devido à negligência com a
25
materialidade dos meios de comunicação?
 
O conceito de materialidade da comunicação supõe a
 
reconstrução da materialidade específica mediante a qual os valores
 
de uma cultura são, de um lado, produzidos e, de outro,
 
transmitidos. Tal materialidade envolve tanto o meio de
30
comunicação quanto as instituições responsáveis pela reprodução da
 
cultura e, em um sentido amplo, inclui as relações entre meio de
 
comunicação, instituições e hábitos mentais de uma época
 
determinada. Vejamos: para o entendimento de uma forma particular
 
de comunicação — por exemplo, o teatro na Grécia clássica ou na
35
Inglaterra elizabetana; o romance nos séculos XVIII e XIX; o
 
cinema e a televisão no século XX; o computador em nossos dias
 
—, o estudioso deve reconstruir tanto as condições históricas quanto
 
a materialidade do meio de comunicação. Assim, no teatro, a voz e
 
o corpo do ator constituem uma materialidade muito diferente da
40
que será criada pelo advento e difusão da imprensa, pois os tipos
 
impressos tendem, ao contrário, a excluir o corpo do circuito
 
comunicativo. Já os meios audiovisuais e informáticos promovem
 
um certo retorno do corpo, mas sob o signo da virtualidade.
 
Compreender, portanto, como tais materialidades influem na
45
elaboração do ato comunicativo é fundamental para se entender
 
como chegam a interferir na própria ordenação da sociedade.
João C. de C. Rocha. A matéria da materialidade: como localizar a biblioteca de Alexandria? In: João C. de C. Rocha (Org.). Interseções: a materialidade da comunicação. Rio de Janeiro: Imago; EDUERJ, 1998, p. 12, 14-15 (com adaptações).
Com relação às estruturas linguísticas do texto, julgue os itens seguintes.
As expressões “sem dúvida” (L.4) e “na verdade” (L.22) exprimem uma avaliação do autor do texto em relação ao conteúdo das orações em que ocorrem.
Questão 9

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
1
Fundada por Ptolomeu Filadelfo, no início do século III
 
a.C., a biblioteca de Alexandria representa uma epígrafe perfeita
 
para a discussão sobre a materialidade da comunicação. As
 
escavações para a localização da biblioteca, sem dúvida um dos
5
maiores tesouros da Antiguidade, atraíram inúmeras gerações de
 
arqueólogos. Inutilmente. Tratava-se então de uma biblioteca
 
imaginária, cujos livros talvez nunca tivessem existido? Persistiam,
 
contudo, numerosas fontes clássicas que descreviam o lugar em que
 
se encontravam centenas de milhares de rolos. E eis a solução do
10
enigma. O acervo da biblioteca de Alexandria era composto por
 
rolos e não por livros — pressuposição por certo ingênua, ou seja,
 
atribuição anacrônica de nossa materialidade para épocas diversas.
 
Em vez de um conjunto de salas com estantes dispostas
 
paralelamente e enfeixadas em um edifício próprio, a biblioteca de
15
Alexandria consistia em uma série infinita de estantes escavadas nas
 
paredes da tumba de Ramsés. Ora, mas não era essa a melhor forma
 
de colecionar rolos, preservando-os contra as intempéries? Os
 
arqueólogos que passaram anos sem encontrar a biblioteca de
 
Alexandria sempre a tiveram diante dos olhos, mesmo ao alcance
20
das mãos. No entanto, jamais poderiam localizá-la, já que não
 
levaram em consideração a materialidade dos meios de comunicação
 
dominante na época: eles, na verdade, procuravam uma biblioteca
 
estruturada para colecionar livros e não rolos. Quantas bibliotecas
 
de Alexandria permanecem ignoradas devido à negligência com a
25
materialidade dos meios de comunicação?
 
O conceito de materialidade da comunicação supõe a
 
reconstrução da materialidade específica mediante a qual os valores
 
de uma cultura são, de um lado, produzidos e, de outro,
 
transmitidos. Tal materialidade envolve tanto o meio de
30
comunicação quanto as instituições responsáveis pela reprodução da
 
cultura e, em um sentido amplo, inclui as relações entre meio de
 
comunicação, instituições e hábitos mentais de uma época
 
determinada. Vejamos: para o entendimento de uma forma particular
 
de comunicação — por exemplo, o teatro na Grécia clássica ou na
35
Inglaterra elizabetana; o romance nos séculos XVIII e XIX; o
 
cinema e a televisão no século XX; o computador em nossos dias
 
—, o estudioso deve reconstruir tanto as condições históricas quanto
 
a materialidade do meio de comunicação. Assim, no teatro, a voz e
 
o corpo do ator constituem uma materialidade muito diferente da
40
que será criada pelo advento e difusão da imprensa, pois os tipos
 
impressos tendem, ao contrário, a excluir o corpo do circuito
 
comunicativo. Já os meios audiovisuais e informáticos promovem
 
um certo retorno do corpo, mas sob o signo da virtualidade.
 
Compreender, portanto, como tais materialidades influem na
45
elaboração do ato comunicativo é fundamental para se entender
 
como chegam a interferir na própria ordenação da sociedade.
João C. de C. Rocha. A matéria da materialidade: como localizar a biblioteca de Alexandria? In: João C. de C. Rocha (Org.). Interseções: a materialidade da comunicação. Rio de Janeiro: Imago; EDUERJ, 1998, p. 12, 14-15 (com adaptações).
Com relação às estruturas linguísticas do texto, julgue os itens seguintes.
A partícula “se”, em “Tratava-se” (L.6) e em “se encontravam” (L.9), classifica-se como pronome reflexivo e retoma, respectivamente, “uma biblioteca imaginária” (L.6-7) e “centenas de milhares de rolos” (L.9).
Questão 10

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
1
Fundada por Ptolomeu Filadelfo, no início do século III
 
a.C., a biblioteca de Alexandria representa uma epígrafe perfeita
 
para a discussão sobre a materialidade da comunicação. As
 
escavações para a localização da biblioteca, sem dúvida um dos
5
maiores tesouros da Antiguidade, atraíram inúmeras gerações de
 
arqueólogos. Inutilmente. Tratava-se então de uma biblioteca
 
imaginária, cujos livros talvez nunca tivessem existido? Persistiam,
 
contudo, numerosas fontes clássicas que descreviam o lugar em que
 
se encontravam centenas de milhares de rolos. E eis a solução do
10
enigma. O acervo da biblioteca de Alexandria era composto por
 
rolos e não por livros — pressuposição por certo ingênua, ou seja,
 
atribuição anacrônica de nossa materialidade para épocas diversas.
 
Em vez de um conjunto de salas com estantes dispostas
 
paralelamente e enfeixadas em um edifício próprio, a biblioteca de
15
Alexandria consistia em uma série infinita de estantes escavadas nas
 
paredes da tumba de Ramsés. Ora, mas não era essa a melhor forma
 
de colecionar rolos, preservando-os contra as intempéries? Os
 
arqueólogos que passaram anos sem encontrar a biblioteca de
 
Alexandria sempre a tiveram diante dos olhos, mesmo ao alcance
20
das mãos. No entanto, jamais poderiam localizá-la, já que não
 
levaram em consideração a materialidade dos meios de comunicação
 
dominante na época: eles, na verdade, procuravam uma biblioteca
 
estruturada para colecionar livros e não rolos. Quantas bibliotecas
 
de Alexandria permanecem ignoradas devido à negligência com a
25
materialidade dos meios de comunicação?
 
O conceito de materialidade da comunicação supõe a
 
reconstrução da materialidade específica mediante a qual os valores
 
de uma cultura são, de um lado, produzidos e, de outro,
 
transmitidos. Tal materialidade envolve tanto o meio de
30
comunicação quanto as instituições responsáveis pela reprodução da
 
cultura e, em um sentido amplo, inclui as relações entre meio de
 
comunicação, instituições e hábitos mentais de uma época
 
determinada. Vejamos: para o entendimento de uma forma particular
 
de comunicação — por exemplo, o teatro na Grécia clássica ou na
35
Inglaterra elizabetana; o romance nos séculos XVIII e XIX; o
 
cinema e a televisão no século XX; o computador em nossos dias
 
—, o estudioso deve reconstruir tanto as condições históricas quanto
 
a materialidade do meio de comunicação. Assim, no teatro, a voz e
 
o corpo do ator constituem uma materialidade muito diferente da
40
que será criada pelo advento e difusão da imprensa, pois os tipos
 
impressos tendem, ao contrário, a excluir o corpo do circuito
 
comunicativo. Já os meios audiovisuais e informáticos promovem
 
um certo retorno do corpo, mas sob o signo da virtualidade.
 
Compreender, portanto, como tais materialidades influem na
45
elaboração do ato comunicativo é fundamental para se entender
 
como chegam a interferir na própria ordenação da sociedade.
João C. de C. Rocha. A matéria da materialidade: como localizar a biblioteca de Alexandria? In: João C. de C. Rocha (Org.). Interseções: a materialidade da comunicação. Rio de Janeiro: Imago; EDUERJ, 1998, p. 12, 14-15 (com adaptações).
Com relação às estruturas linguísticas do texto, julgue os itens seguintes.
Na linha 7, “cujos” expressa uma relação de posse.
Questão 11

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
1
Fundada por Ptolomeu Filadelfo, no início do século III
 
a.C., a biblioteca de Alexandria representa uma epígrafe perfeita
 
para a discussão sobre a materialidade da comunicação. As
 
escavações para a localização da biblioteca, sem dúvida um dos
5
maiores tesouros da Antiguidade, atraíram inúmeras gerações de
 
arqueólogos. Inutilmente. Tratava-se então de uma biblioteca
 
imaginária, cujos livros talvez nunca tivessem existido? Persistiam,
 
contudo, numerosas fontes clássicas que descreviam o lugar em que
 
se encontravam centenas de milhares de rolos. E eis a solução do
10
enigma. O acervo da biblioteca de Alexandria era composto por
 
rolos e não por livros — pressuposição por certo ingênua, ou seja,
 
atribuição anacrônica de nossa materialidade para épocas diversas.
 
Em vez de um conjunto de salas com estantes dispostas
 
paralelamente e enfeixadas em um edifício próprio, a biblioteca de
15
Alexandria consistia em uma série infinita de estantes escavadas nas
 
paredes da tumba de Ramsés. Ora, mas não era essa a melhor forma
 
de colecionar rolos, preservando-os contra as intempéries? Os
 
arqueólogos que passaram anos sem encontrar a biblioteca de
 
Alexandria sempre a tiveram diante dos olhos, mesmo ao alcance
20
das mãos. No entanto, jamais poderiam localizá-la, já que não
 
levaram em consideração a materialidade dos meios de comunicação
 
dominante na época: eles, na verdade, procuravam uma biblioteca
 
estruturada para colecionar livros e não rolos. Quantas bibliotecas
 
de Alexandria permanecem ignoradas devido à negligência com a
25
materialidade dos meios de comunicação?
 
O conceito de materialidade da comunicação supõe a
 
reconstrução da materialidade específica mediante a qual os valores
 
de uma cultura são, de um lado, produzidos e, de outro,
 
transmitidos. Tal materialidade envolve tanto o meio de
30
comunicação quanto as instituições responsáveis pela reprodução da
 
cultura e, em um sentido amplo, inclui as relações entre meio de
 
comunicação, instituições e hábitos mentais de uma época
 
determinada. Vejamos: para o entendimento de uma forma particular
 
de comunicação — por exemplo, o teatro na Grécia clássica ou na
35
Inglaterra elizabetana; o romance nos séculos XVIII e XIX; o
 
cinema e a televisão no século XX; o computador em nossos dias
 
—, o estudioso deve reconstruir tanto as condições históricas quanto
 
a materialidade do meio de comunicação. Assim, no teatro, a voz e
 
o corpo do ator constituem uma materialidade muito diferente da
40
que será criada pelo advento e difusão da imprensa, pois os tipos
 
impressos tendem, ao contrário, a excluir o corpo do circuito
 
comunicativo. Já os meios audiovisuais e informáticos promovem
 
um certo retorno do corpo, mas sob o signo da virtualidade.
 
Compreender, portanto, como tais materialidades influem na
45
elaboração do ato comunicativo é fundamental para se entender
 
como chegam a interferir na própria ordenação da sociedade.
João C. de C. Rocha. A matéria da materialidade: como localizar a biblioteca de Alexandria? In: João C. de C. Rocha (Org.). Interseções: a materialidade da comunicação. Rio de Janeiro: Imago; EDUERJ, 1998, p. 12, 14-15 (com adaptações).
Com relação às estruturas linguísticas do texto, julgue os itens seguintes.
O trecho “jamais poderiam localizá-la” (L.20) poderia ser corretamente reescrito da seguinte forma: jamais a poderiam localizar.
Questão 12

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
1
Fundada por Ptolomeu Filadelfo, no início do século III
 
a.C., a biblioteca de Alexandria representa uma epígrafe perfeita
 
para a discussão sobre a materialidade da comunicação. As
 
escavações para a localização da biblioteca, sem dúvida um dos
5
maiores tesouros da Antiguidade, atraíram inúmeras gerações de
 
arqueólogos. Inutilmente. Tratava-se então de uma biblioteca
 
imaginária, cujos livros talvez nunca tivessem existido? Persistiam,
 
contudo, numerosas fontes clássicas que descreviam o lugar em que
 
se encontravam centenas de milhares de rolos. E eis a solução do
10
enigma. O acervo da biblioteca de Alexandria era composto por
 
rolos e não por livros — pressuposição por certo ingênua, ou seja,
 
atribuição anacrônica de nossa materialidade para épocas diversas.
 
Em vez de um conjunto de salas com estantes dispostas
 
paralelamente e enfeixadas em um edifício próprio, a biblioteca de
15
Alexandria consistia em uma série infinita de estantes escavadas nas
 
paredes da tumba de Ramsés. Ora, mas não era essa a melhor forma
 
de colecionar rolos, preservando-os contra as intempéries? Os
 
arqueólogos que passaram anos sem encontrar a biblioteca de
 
Alexandria sempre a tiveram diante dos olhos, mesmo ao alcance
20
das mãos. No entanto, jamais poderiam localizá-la, já que não
 
levaram em consideração a materialidade dos meios de comunicação
 
dominante na época: eles, na verdade, procuravam uma biblioteca
 
estruturada para colecionar livros e não rolos. Quantas bibliotecas
 
de Alexandria permanecem ignoradas devido à negligência com a
25
materialidade dos meios de comunicação?
 
O conceito de materialidade da comunicação supõe a
 
reconstrução da materialidade específica mediante a qual os valores
 
de uma cultura são, de um lado, produzidos e, de outro,
 
transmitidos. Tal materialidade envolve tanto o meio de
30
comunicação quanto as instituições responsáveis pela reprodução da
 
cultura e, em um sentido amplo, inclui as relações entre meio de
 
comunicação, instituições e hábitos mentais de uma época
 
determinada. Vejamos: para o entendimento de uma forma particular
 
de comunicação — por exemplo, o teatro na Grécia clássica ou na
35
Inglaterra elizabetana; o romance nos séculos XVIII e XIX; o
 
cinema e a televisão no século XX; o computador em nossos dias
 
—, o estudioso deve reconstruir tanto as condições históricas quanto
 
a materialidade do meio de comunicação. Assim, no teatro, a voz e
 
o corpo do ator constituem uma materialidade muito diferente da
40
que será criada pelo advento e difusão da imprensa, pois os tipos
 
impressos tendem, ao contrário, a excluir o corpo do circuito
 
comunicativo. Já os meios audiovisuais e informáticos promovem
 
um certo retorno do corpo, mas sob o signo da virtualidade.
 
Compreender, portanto, como tais materialidades influem na
45
elaboração do ato comunicativo é fundamental para se entender
 
como chegam a interferir na própria ordenação da sociedade.
João C. de C. Rocha. A matéria da materialidade: como localizar a biblioteca de Alexandria? In: João C. de C. Rocha (Org.). Interseções: a materialidade da comunicação. Rio de Janeiro: Imago; EDUERJ, 1998, p. 12, 14-15 (com adaptações).
Com relação às estruturas linguísticas e à pontuação do texto, julgue os itens que se seguem.
Sem prejuízo para a correção gramatical do texto, o período “Tal materialidade (...) época determinada” (L.29-33) poderia ser assim reescrito: O meio de comunicação, assim como as instituições responsáveis por reproduzir a cultura, é compreendido por essa materialidade, que, em um sentido amplo, abrange as relações entre meio de comunicação, instituições e hábitos mentais de certa época.
Questão 13

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
1
Fundada por Ptolomeu Filadelfo, no início do século III
 
a.C., a biblioteca de Alexandria representa uma epígrafe perfeita
 
para a discussão sobre a materialidade da comunicação. As
 
escavações para a localização da biblioteca, sem dúvida um dos
5
maiores tesouros da Antiguidade, atraíram inúmeras gerações de
 
arqueólogos. Inutilmente. Tratava-se então de uma biblioteca
 
imaginária, cujos livros talvez nunca tivessem existido? Persistiam,
 
contudo, numerosas fontes clássicas que descreviam o lugar em que
 
se encontravam centenas de milhares de rolos. E eis a solução do
10
enigma. O acervo da biblioteca de Alexandria era composto por
 
rolos e não por livros — pressuposição por certo ingênua, ou seja,
 
atribuição anacrônica de nossa materialidade para épocas diversas.
 
Em vez de um conjunto de salas com estantes dispostas
 
paralelamente e enfeixadas em um edifício próprio, a biblioteca de
15
Alexandria consistia em uma série infinita de estantes escavadas nas
 
paredes da tumba de Ramsés. Ora, mas não era essa a melhor forma
 
de colecionar rolos, preservando-os contra as intempéries? Os
 
arqueólogos que passaram anos sem encontrar a biblioteca de
 
Alexandria sempre a tiveram diante dos olhos, mesmo ao alcance
20
das mãos. No entanto, jamais poderiam localizá-la, já que não
 
levaram em consideração a materialidade dos meios de comunicação
 
dominante na época: eles, na verdade, procuravam uma biblioteca
 
estruturada para colecionar livros e não rolos. Quantas bibliotecas
 
de Alexandria permanecem ignoradas devido à negligência com a
25
materialidade dos meios de comunicação?
 
O conceito de materialidade da comunicação supõe a
 
reconstrução da materialidade específica mediante a qual os valores
 
de uma cultura são, de um lado, produzidos e, de outro,
 
transmitidos. Tal materialidade envolve tanto o meio de
30
comunicação quanto as instituições responsáveis pela reprodução da
 
cultura e, em um sentido amplo, inclui as relações entre meio de
 
comunicação, instituições e hábitos mentais de uma época
 
determinada. Vejamos: para o entendimento de uma forma particular
 
de comunicação — por exemplo, o teatro na Grécia clássica ou na
35
Inglaterra elizabetana; o romance nos séculos XVIII e XIX; o
 
cinema e a televisão no século XX; o computador em nossos dias
 
—, o estudioso deve reconstruir tanto as condições históricas quanto
 
a materialidade do meio de comunicação. Assim, no teatro, a voz e
 
o corpo do ator constituem uma materialidade muito diferente da
40
que será criada pelo advento e difusão da imprensa, pois os tipos
 
impressos tendem, ao contrário, a excluir o corpo do circuito
 
comunicativo. Já os meios audiovisuais e informáticos promovem
 
um certo retorno do corpo, mas sob o signo da virtualidade.
 
Compreender, portanto, como tais materialidades influem na
45
elaboração do ato comunicativo é fundamental para se entender
 
como chegam a interferir na própria ordenação da sociedade.
João C. de C. Rocha. A matéria da materialidade: como localizar a biblioteca de Alexandria? In: João C. de C. Rocha (Org.). Interseções: a materialidade da comunicação. Rio de Janeiro: Imago; EDUERJ, 1998, p. 12, 14-15 (com adaptações).
Com relação às estruturas linguísticas e à pontuação do texto, julgue os itens que se seguem.
Na linha 37, é obrigatório o emprego da vírgula após o travessão.
Questão 14

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
1
Fundada por Ptolomeu Filadelfo, no início do século III
 
a.C., a biblioteca de Alexandria representa uma epígrafe perfeita
 
para a discussão sobre a materialidade da comunicação. As
 
escavações para a localização da biblioteca, sem dúvida um dos
5
maiores tesouros da Antiguidade, atraíram inúmeras gerações de
 
arqueólogos. Inutilmente. Tratava-se então de uma biblioteca
 
imaginária, cujos livros talvez nunca tivessem existido? Persistiam,
 
contudo, numerosas fontes clássicas que descreviam o lugar em que
 
se encontravam centenas de milhares de rolos. E eis a solução do
10
enigma. O acervo da biblioteca de Alexandria era composto por
 
rolos e não por livros — pressuposição por certo ingênua, ou seja,
 
atribuição anacrônica de nossa materialidade para épocas diversas.
 
Em vez de um conjunto de salas com estantes dispostas
 
paralelamente e enfeixadas em um edifício próprio, a biblioteca de
15
Alexandria consistia em uma série infinita de estantes escavadas nas
 
paredes da tumba de Ramsés. Ora, mas não era essa a melhor forma
 
de colecionar rolos, preservando-os contra as intempéries? Os
 
arqueólogos que passaram anos sem encontrar a biblioteca de
 
Alexandria sempre a tiveram diante dos olhos, mesmo ao alcance
20
das mãos. No entanto, jamais poderiam localizá-la, já que não
 
levaram em consideração a materialidade dos meios de comunicação
 
dominante na época: eles, na verdade, procuravam uma biblioteca
 
estruturada para colecionar livros e não rolos. Quantas bibliotecas
 
de Alexandria permanecem ignoradas devido à negligência com a
25
materialidade dos meios de comunicação?
 
O conceito de materialidade da comunicação supõe a
 
reconstrução da materialidade específica mediante a qual os valores
 
de uma cultura são, de um lado, produzidos e, de outro,
 
transmitidos. Tal materialidade envolve tanto o meio de
30
comunicação quanto as instituições responsáveis pela reprodução da
 
cultura e, em um sentido amplo, inclui as relações entre meio de
 
comunicação, instituições e hábitos mentais de uma época
 
determinada. Vejamos: para o entendimento de uma forma particular
 
de comunicação — por exemplo, o teatro na Grécia clássica ou na
35
Inglaterra elizabetana; o romance nos séculos XVIII e XIX; o
 
cinema e a televisão no século XX; o computador em nossos dias
 
—, o estudioso deve reconstruir tanto as condições históricas quanto
 
a materialidade do meio de comunicação. Assim, no teatro, a voz e
 
o corpo do ator constituem uma materialidade muito diferente da
40
que será criada pelo advento e difusão da imprensa, pois os tipos
 
impressos tendem, ao contrário, a excluir o corpo do circuito
 
comunicativo. Já os meios audiovisuais e informáticos promovem
 
um certo retorno do corpo, mas sob o signo da virtualidade.
 
Compreender, portanto, como tais materialidades influem na
45
elaboração do ato comunicativo é fundamental para se entender
 
como chegam a interferir na própria ordenação da sociedade.
João C. de C. Rocha. A matéria da materialidade: como localizar a biblioteca de Alexandria? In: João C. de C. Rocha (Org.). Interseções: a materialidade da comunicação. Rio de Janeiro: Imago; EDUERJ, 1998, p. 12, 14-15 (com adaptações).
Com relação às estruturas linguísticas e à pontuação do texto, julgue os itens que se seguem.
O último período do texto poderia ser assim reescrito, sem prejuízo para a correção gramatical do texto:
Compreender, pois, o modo porque tais materialidades influenciam na elaboração do ato comunicativo é essencial para entender-se como elas chegam à afetar na própria organização do tecido social.
Questão 15

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
1
Fundada por Ptolomeu Filadelfo, no início do século III
 
a.C., a biblioteca de Alexandria representa uma epígrafe perfeita
 
para a discussão sobre a materialidade da comunicação. As
 
escavações para a localização da biblioteca, sem dúvida um dos
5
maiores tesouros da Antiguidade, atraíram inúmeras gerações de
 
arqueólogos. Inutilmente. Tratava-se então de uma biblioteca
 
imaginária, cujos livros talvez nunca tivessem existido? Persistiam,
 
contudo, numerosas fontes clássicas que descreviam o lugar em que
 
se encontravam centenas de milhares de rolos. E eis a solução do
10
enigma. O acervo da biblioteca de Alexandria era composto por
 
rolos e não por livros — pressuposição por certo ingênua, ou seja,
 
atribuição anacrônica de nossa materialidade para épocas diversas.
 
Em vez de um conjunto de salas com estantes dispostas
 
paralelamente e enfeixadas em um edifício próprio, a biblioteca de
15
Alexandria consistia em uma série infinita de estantes escavadas nas
 
paredes da tumba de Ramsés. Ora, mas não era essa a melhor forma
 
de colecionar rolos, preservando-os contra as intempéries? Os
 
arqueólogos que passaram anos sem encontrar a biblioteca de
 
Alexandria sempre a tiveram diante dos olhos, mesmo ao alcance
20
das mãos. No entanto, jamais poderiam localizá-la, já que não
 
levaram em consideração a materialidade dos meios de comunicação
 
dominante na época: eles, na verdade, procuravam uma biblioteca
 
estruturada para colecionar livros e não rolos. Quantas bibliotecas
 
de Alexandria permanecem ignoradas devido à negligência com a
25
materialidade dos meios de comunicação?
 
O conceito de materialidade da comunicação supõe a
 
reconstrução da materialidade específica mediante a qual os valores
 
de uma cultura são, de um lado, produzidos e, de outro,
 
transmitidos. Tal materialidade envolve tanto o meio de
30
comunicação quanto as instituições responsáveis pela reprodução da
 
cultura e, em um sentido amplo, inclui as relações entre meio de
 
comunicação, instituições e hábitos mentais de uma época
 
determinada. Vejamos: para o entendimento de uma forma particular
 
de comunicação — por exemplo, o teatro na Grécia clássica ou na
35
Inglaterra elizabetana; o romance nos séculos XVIII e XIX; o
 
cinema e a televisão no século XX; o computador em nossos dias
 
—, o estudioso deve reconstruir tanto as condições históricas quanto
 
a materialidade do meio de comunicação. Assim, no teatro, a voz e
 
o corpo do ator constituem uma materialidade muito diferente da
40
que será criada pelo advento e difusão da imprensa, pois os tipos
 
impressos tendem, ao contrário, a excluir o corpo do circuito
 
comunicativo. Já os meios audiovisuais e informáticos promovem
 
um certo retorno do corpo, mas sob o signo da virtualidade.
 
Compreender, portanto, como tais materialidades influem na
45
elaboração do ato comunicativo é fundamental para se entender
 
como chegam a interferir na própria ordenação da sociedade.
João C. de C. Rocha. A matéria da materialidade: como localizar a biblioteca de Alexandria? In: João C. de C. Rocha (Org.). Interseções: a materialidade da comunicação. Rio de Janeiro: Imago; EDUERJ, 1998, p. 12, 14-15 (com adaptações).
Com relação às estruturas linguísticas e à pontuação do texto, julgue os itens que se seguem.
Na linha 23, o ponto final após “rolos” poderia ser substituído por ponto e vírgula, desde que o termo “Quantas” fosse grafado com minúscula: quantas.
Questão 16

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
1
Um novo ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) será empossado no tribunal. Para a cerimônia de posse,
 
que ocorrerá em 18/6/2012, às 19 horas, em sessão solene
 
nas dependências do tribunal, serão convidados, entre outros,
 
o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e o prefeito
5
municipal de Campinas, cidade natal do referido ministro. Ao
 
final da solenidade, deverá ser lavrada a ata da sessão.
Considerando os diversos tipos de correspondência oficial que será demandada em face da situação hipotética acima apresentada, julgue os itens a seguir.
Estará correto iniciar a ata da sessão da seguinte forma:
Aos dezoito dias do mês de junho do ano de dois mil e doze, às dezenove horas, na Capital da República Federativa do Brasil, na Sala de Sessões Plenárias do Superior Tribunal de Justiça, reuniram-se, em sessão solene, os membros da Corte, sob a presidência do Excelentíssimo Senhor Ministro Fulano de Tal, para empossar no cargo de Ministro do Superior Tribunal de Justiça o Excelentíssimo Senhor Doutor Beltrano de Tal.
Questão 17

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
1
Um novo ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) será empossado no tribunal. Para a cerimônia de posse,
 
que ocorrerá em 18/6/2012, às 19 horas, em sessão solene
 
nas dependências do tribunal, serão convidados, entre outros,
 
o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e o prefeito
5
municipal de Campinas, cidade natal do referido ministro. Ao
 
final da solenidade, deverá ser lavrada a ata da sessão.
Considerando os diversos tipos de correspondência oficial que será demandada em face da situação hipotética acima apresentada, julgue os itens a seguir.
O convite ao presidente do STF deverá ser feito mediante ofício, se o remetente for o chefe da assessoria de cerimonial do STJ, ou mediante memorando, se o remetente for o próprio presidente do STJ.
Questão 18

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
1
Um novo ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) será empossado no tribunal. Para a cerimônia de posse,
 
que ocorrerá em 18/6/2012, às 19 horas, em sessão solene
 
nas dependências do tribunal, serão convidados, entre outros,
 
o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e o prefeito
5
municipal de Campinas, cidade natal do referido ministro. Ao
 
final da solenidade, deverá ser lavrada a ata da sessão.
Considerando os diversos tipos de correspondência oficial que será demandada em face da situação hipotética acima apresentada, julgue os itens a seguir.
Na correspondência oficial a ser enviada ao prefeito da cidade de Campinas, devem ser empregados o vocativo “Senhor Prefeito” e o pronome de tratamento “Vossa Excelência”.
Questão 19

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Julgue os próximos itens, referentes à adequação da linguagem na elaboração de expedientes oficiais.
Expediente que contenha a seguinte resposta: “Em atenção ao Memo n. 03/11, a data é 10/2/2011”, em vez de “Em atenção ao Memo n. 03/11, que trata das férias de servidores desta Coordenadoria, informo que elas se iniciaram no dia 10/2/2011”, está desrespeitando as normas referentes à concisão, um dos requisitos básicos da redação oficial.
Questão 20

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária

» Esta questão foi anulada pela banca.
Julgue os próximos itens, referentes à adequação da linguagem na elaboração de expedientes oficiais.
Ofício assinado pelo presidente do STJ e dirigido ao presidente do Congresso Nacional deve conter no fecho a expressão “Respeitosamente”.
Questão 21

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária

A partir da figura acima, que mostra a janela Painel de Controle de um computador com sistema operacional Windows 7, julgue os itens a seguir.

Na opção Contas de Usuário e Segurança Familiar, toda nova conta adicionada ao sistema assume, por padrão, o perfil de administrador do sistema.
Questão 22

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária

A partir da figura acima, que mostra a janela Painel de Controle de um computador com sistema operacional Windows 7, julgue os itens a seguir.

Ao clicar em Desinstalar um programa, o usuário será direcionado a uma nova tela em que será mostrada a opção de remoção automática de todos os programas instalados no computador, exceto do sistema operacional.
Questão 23

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária

A partir da figura acima, que mostra a janela Painel de Controle de um computador com sistema operacional Windows 7, julgue os itens a seguir.

A partir da opção Sistema e Segurança, o usuário pode visualizar as configurações de atualizações automáticas (Windows Update).
Questão 24

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Julgue os itens subsequentes, relativos ao Word 2010 e ao Excel 2010.
Caso queira inserir, em uma planilha do Excel 2010, um gráfico do tipo coluna, o usuário poderá escolher entre opções de gráficos em 2D e 3D, além de 4D, com a opção de linha do tempo.
Questão 25

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Julgue os itens subsequentes, relativos ao Word 2010 e ao Excel 2010.
Em uma planilha do Excel 2010, a fórmula =SOMA(B2:B11) apresenta a sintaxe correta para se obter a soma dos valores contidos nas células da linha 2 à linha 11 da coluna B.
Questão 26

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Julgue os itens subsequentes, relativos ao Word 2010 e ao Excel 2010.
No Word 2010, as opções de modificação de um estilo, por exemplo, o Normal, incluem alterações na formatação de fonte e de tabulação do texto.
Questão 27

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Considerando o acesso a uma intranet por meio de uma estação Windows 7 para navegação e uso de correio eletrônico do tipo webmail, julgue os itens que se seguem.
Uma tecnologia para comunicação de voz utilizada em intranet é a de Voz sobre IP (VoIP), a qual permite ao usuário fazer e receber unicamente ligações telefônicas externas, mas não ligações internas (ramais convencionais).
Questão 28

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Considerando o acesso a uma intranet por meio de uma estação Windows 7 para navegação e uso de correio eletrônico do tipo webmail, julgue os itens que se seguem.
Na utilização de uma interface webmail para envio e recebimento de correio eletrônico, é boa prática de segurança por parte do usuário verificar o certificado digital para conexão https do webmail em questão.
Questão 29

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Considerando o acesso a uma intranet por meio de uma estação Windows 7 para navegação e uso de correio eletrônico do tipo webmail, julgue os itens que se seguem.
Por meio do software Microsoft Outlook pode-se acessar o serviço de correio eletrônico, mediante o uso de certificado digital, para abrir a caixa postal do usuário de um servidor remoto.
Questão 30

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Julgue o item abaixo, referente à atualidade brasileira.
Durante a visita que fez a Cuba neste ano, a presidenta Dilma Rousseff esteve no porto de Mariel, cujas obras de expansão são, em grande parte, financiadas pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).
Questão 31

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
1
A China, principal motor da economia global, reduziu
 
sua meta de crescimento, o que não só derrubou as bolsas de
 
valores pelo mundo, como trouxe preocupações para países como
 
o Brasil, grande exportador de commodities. Com os Estados
5
Unidos da América, a Europa e o Japão em recessão ou com
 
crescimento fraco, a China não pode depender das exportações,
 
devendo priorizar o mercado consumidor interno, segundo o
 
primeiro-ministro Wen Jiabao.
Folha de S.Paulo, 3/3/2012, p. A12 (com adaptações).
Tendo o texto acima como referência inicial e considerando os múltiplos aspectos que ele suscita, bem como o cenário econômico mundial contemporâneo, julgue os itens seguintes.
Em 2011, a China foi o principal destino das commodities exportadas pelo Brasil, que vendeu, ao país asiático, especialmente, minério de ferro, soja e petróleo.
Questão 32

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
1
A China, principal motor da economia global, reduziu
 
sua meta de crescimento, o que não só derrubou as bolsas de
 
valores pelo mundo, como trouxe preocupações para países como
 
o Brasil, grande exportador de commodities. Com os Estados
5
Unidos da América, a Europa e o Japão em recessão ou com
 
crescimento fraco, a China não pode depender das exportações,
 
devendo priorizar o mercado consumidor interno, segundo o
 
primeiro-ministro Wen Jiabao.
Folha de S.Paulo, 3/3/2012, p. A12 (com adaptações).
Tendo o texto acima como referência inicial e considerando os múltiplos aspectos que ele suscita, bem como o cenário econômico mundial contemporâneo, julgue os itens seguintes.
A União Europeia atravessa acentuada crise, que atinge sobretudo países como Grécia, Espanha e Portugal. O abandono do euro como moeda única por esses países foi decisão tomada no auge da crise com o objetivo de tentar impedir o colapso das demais economias do bloco.
Questão 33

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
1
A China, principal motor da economia global, reduziu
 
sua meta de crescimento, o que não só derrubou as bolsas de
 
valores pelo mundo, como trouxe preocupações para países como
 
o Brasil, grande exportador de commodities. Com os Estados
5
Unidos da América, a Europa e o Japão em recessão ou com
 
crescimento fraco, a China não pode depender das exportações,
 
devendo priorizar o mercado consumidor interno, segundo o
 
primeiro-ministro Wen Jiabao.
Folha de S.Paulo, 3/3/2012, p. A12 (com adaptações).
Tendo o texto acima como referência inicial e considerando os múltiplos aspectos que ele suscita, bem como o cenário econômico mundial contemporâneo, julgue os itens seguintes.
Devido à participação da China na economia mundial e ao fato de esse país ser o principal parceiro comercial do Brasil na atualidade, uma redução do crescimento chinês tende a significar menor potencial de expansão da economia brasileira.
Questão 34

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
1
A China, principal motor da economia global, reduziu
 
sua meta de crescimento, o que não só derrubou as bolsas de
 
valores pelo mundo, como trouxe preocupações para países como
 
o Brasil, grande exportador de commodities. Com os Estados
5
Unidos da América, a Europa e o Japão em recessão ou com
 
crescimento fraco, a China não pode depender das exportações,
 
devendo priorizar o mercado consumidor interno, segundo o
 
primeiro-ministro Wen Jiabao.
Folha de S.Paulo, 3/3/2012, p. A12 (com adaptações).
Tendo o texto acima como referência inicial e considerando os múltiplos aspectos que ele suscita, bem como o cenário econômico mundial contemporâneo, julgue os itens seguintes.
A reação do mercado financeiro mundial ao anúncio chinês, mencionada no texto, evidencia uma das principais características da economia globalizada dos dias de hoje, a interdependência e conexão imediata entre os fatos econômico-financeiros e os diversos agentes que atuam nesse âmbito, mundialmente.
Questão 35

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
1
A China, principal motor da economia global, reduziu
 
sua meta de crescimento, o que não só derrubou as bolsas de
 
valores pelo mundo, como trouxe preocupações para países como
 
o Brasil, grande exportador de commodities. Com os Estados
5
Unidos da América, a Europa e o Japão em recessão ou com
 
crescimento fraco, a China não pode depender das exportações,
 
devendo priorizar o mercado consumidor interno, segundo o
 
primeiro-ministro Wen Jiabao.
Folha de S.Paulo, 3/3/2012, p. A12 (com adaptações).
Tendo o texto acima como referência inicial e considerando os múltiplos aspectos que ele suscita, bem como o cenário econômico mundial contemporâneo, julgue os itens seguintes.
Dar prioridade ao mercado interno — medida a ser adotada pelo governo chinês, de acordo com o texto — consiste em meta dificilmente alcançável, visto que a maior parte da mão de obra disponível na China ainda se concentra na zona rural.
Questão 36

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
1
Em um momento em que o Brasil se aflige com a perda
 
de sua base científica na Antártica, fato que acarretará o atraso de
 
uma série de pesquisas, cientistas de diversas partes do mundo
 
lutam para desvendar um dos maiores mistérios do continente
5
antártico nos dias de hoje: a diminuição, em um de seus pontos
 
extremos, da cobertura de gelo, e o avanço, em outro, do gelo
 
sobre o mar.
Caderno Planeta Terra. In: O Globo, 6/3/2012, p. 12 (com adaptações).
Considerando o texto acima e o assunto nele abordado, julgue os itens que se seguem.
O fato de a camada de gelo estar diminuindo em determinadas áreas da Antártica pode estar relacionado ao processo de esfriamento da temperatura terrestre, grave problema sobre o qual os cientistas têm feito sucessivos alertas.
Questão 37

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
1
Em um momento em que o Brasil se aflige com a perda
 
de sua base científica na Antártica, fato que acarretará o atraso de
 
uma série de pesquisas, cientistas de diversas partes do mundo
 
lutam para desvendar um dos maiores mistérios do continente
5
antártico nos dias de hoje: a diminuição, em um de seus pontos
 
extremos, da cobertura de gelo, e o avanço, em outro, do gelo
 
sobre o mar.
Caderno Planeta Terra. In: O Globo, 6/3/2012, p. 12 (com adaptações).
Considerando o texto acima e o assunto nele abordado, julgue os itens que se seguem.
O trabalho de pesquisa desenvolvido na Antártica é mais uma demonstração do notável nível de desenvolvimento científico alcançado pela civilização contemporânea. Diferentemente do que ocorria no passado, entre o século XIX e meados do século XX, atualmente a conquista de territórios para a exploração colonial deixou de ser importante, e o poderio econômico passou a depender, antes de tudo, do domínio do conhecimento.
Questão 38

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
1
Em um momento em que o Brasil se aflige com a perda
 
de sua base científica na Antártica, fato que acarretará o atraso de
 
uma série de pesquisas, cientistas de diversas partes do mundo
 
lutam para desvendar um dos maiores mistérios do continente
5
antártico nos dias de hoje: a diminuição, em um de seus pontos
 
extremos, da cobertura de gelo, e o avanço, em outro, do gelo
 
sobre o mar.
Caderno Planeta Terra. In: O Globo, 6/3/2012, p. 12 (com adaptações).
Considerando o texto acima e o assunto nele abordado, julgue os itens que se seguem.
A perda da base científica brasileira na Antártica deveu-se a punição imposta pela Organização das Nações Unidas, por não ter o governo brasileiro pago, nos últimos anos, as taxas financeiras exigidas da comunidade internacional para a realização de pesquisas na região.
Questão 39

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária

» Esta questão foi anulada pela banca.
Julgue os itens subsequentes, relativos ao Regimento Interno do STJ.
As contratações realizadas por empresa pública ou sociedade de economia mista devem ocorrer mediante processo licitatório e posterior celebração dos respectivos contratos administrativos.
Havendo, na execução do contrato administrativo, conflito jurídico de interesse entre as partes contratantes, caberá à Primeira Seção do STJ processar e julgar o litígio.
Questão 40

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Julgue os itens subsequentes, relativos ao Regimento Interno do STJ.
Havendo motivo plausível e preexistente, a arguição de suspeição do relator poderá ser suscitada até dez dias após a distribuição; no caso de motivo superveniente, o prazo antes referido será contado do fato que o ocasionou.
Questão 41

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Julgue os itens subsequentes, relativos ao Regimento Interno do STJ.
Na distribuição de ação rescisória e de revisão criminal, será adotado o seguinte critério: se a decisão embargada for de uma turma, far-se-á a distribuição dos embargos entre alguns dos ministros de outra turma; se da Corte Especial, serão excluídos da distribuição, necessariamente, o relator e o revisor.
Questão 42

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária

» Esta questão foi anulada pela banca.
Julgue os itens subsequentes, relativos ao Regimento Interno do STJ.
Se um ministro do STJ se afastar do exercício do cargo por período inferior a trinta dias, os processos urgentes sob a sua responsabilidade serão distribuídos entre os integrantes do órgão julgador do respectivo processo.
Questão 43

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Julgue os itens subsequentes, relativos ao Regimento Interno do STJ.
A distribuição de mandado de segurança contra ato do próprio STJ far-se-á obrigatoriamente a ministro que não tenha participado da decisão impugnada.
Questão 44

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Julgue os itens subsequentes, relativos ao Regimento Interno do STJ.
Tratando-se de contrato de comodato, se a coisa não for restituída no tempo certo e na forma convencionada, gerando conflito de interesses jurídicos entre as partes contratantes — comodante e comodatário —, caberá à Segunda Seção do STJ processar e julgar os feitos relativos a esse contrato.
Questão 45

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Julgue os itens subsequentes, relativos ao Regimento Interno do STJ.
O interessado poderá reclamar de erro contido em ata, dentro do prazo máximo de vinte e quatro horas, mediante petição encaminhada ao presidente do STJ, de seção ou de turma, conforme o caso.
Questão 46

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Julgue os itens subsequentes, relativos ao Regimento Interno do STJ.
Compete ao relator redigir o projeto de súmula, na mesma sessão ou na primeira sessão ordinária seguinte, a ser aprovada pelo tribunal, nos casos em que o julgamento tenha sido proferido em decisão tomada por maioria simples dos membros que integrem o órgão julgador.
Questão 47

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Julgue os itens subsequentes, relativos ao Regimento Interno do STJ.
No caso de inexistirem divergências no âmbito das turmas, qualquer dos ministros poderá propor a remessa do feito à Corte Especial ou à seção, com o propósito de ser compendiada em súmula a jurisprudência do tribunal, exigindo-se, nesse caso, a lavratura de acórdão e a juntada de notas taquigráficas, certificada nos autos a decisão da turma.
Questão 48

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Julgue os itens subsequentes, relativos ao Regimento Interno do STJ.
A Corte Especial, a seção ou a turma, conforme as circunstâncias do caso, poderão converter o julgamento em diligência quando tal procedimento for indispensável à decisão da causa. Nesse caso, o feito não será incluído em pauta.
Questão 49

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Julgue os itens subsequentes, relativos ao Regimento Interno do STJ.
A parte que se considerar agravada por decisão do presidente da Corte Especial, de seção, de turma ou de relator poderá requerer, dentro do prazo de dez dias, a apresentação do feito em mesa para que a Corte Especial, a seção ou a turma se manifeste.
Questão 50

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Julgue os itens subsequentes, relativos ao Regimento Interno do STJ.
A distribuição dos feitos do STJ será realizada por sorteio automático, mediante sistema informatizado. O feito terá, além da numeração por classe, uma numeração geral, que poderá ser a que tomou na instância inferior. Assim, a distribuição far-se-á entre todos os ministros, salvo aqueles licenciados por tempo inferior a trinta dias.
Questão 51

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
A respeito do Poder Judiciário, julgue os itens a seguir.
Pertence ao STJ a competência para examinar ato de juízo estrangeiro que implique constrição no território brasileiro.
Questão 52

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
A respeito do Poder Judiciário, julgue os itens a seguir.
Entre as competências do STJ, inclui-se a de processar e julgar atos do presidente do Superior Tribunal de Justiça Desportiva.
Questão 53

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
A respeito do Poder Judiciário, julgue os itens a seguir.
Compete ao STF a solução de conflitos de atribuições existentes entre o Ministério Público Federal e o Ministério Público Estadual.
Questão 54

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Julgue os itens seguintes, relativos à organização do Estado federal brasileiro.
A existência de lei municipal que legisle sobre trânsito e que imponha sanção mais gravosa que a prevista no Código de Trânsito Brasileiro é incompatível com a Constituição Federal de 1988 (CF).
Questão 55

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Julgue os itens seguintes, relativos à organização do Estado federal brasileiro.
A constituição de um estado pode estabelecer norma que condicione a reforma de seu texto à aprovação do projeto de reforma por quatro quintos da totalidade dos membros integrantes da assembleia legislativa.
Questão 56

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Julgue os itens seguintes, relativos à organização do Estado federal brasileiro.
Compete aos municípios a criação, a organização e a supressão de distritos. Nesses três casos, devem ser observadas as orientações constantes em lei do município correspondente.
Questão 57

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Com base na CF, julgue os próximos itens, referentes à ordem econômica e social brasileira.
Os eclesiásticos estão isentos de prestar o serviço militar obrigatório em tempo de paz.
Questão 58

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Com base na CF, julgue os próximos itens, referentes à ordem econômica e social brasileira.
O departamento de trânsito é um órgão que tem atribuições inerentes ao exercício da segurança pública.
Questão 59

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Com relação aos direitos e aos partidos políticos, julgue os itens subsecutivos.
O reconhecimento de justa causa para transferência de partido político não dá ao novo partido do detentor de mandato o direito de sucessão à vaga.
Questão 60

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Com relação aos direitos e aos partidos políticos, julgue os itens subsecutivos.
O alistamento eleitoral é obrigatório para os maiores de dezesseis e os menores de sessenta anos de idade.
Questão 61

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Considerando a disciplina legal sobre a administração indireta, julgue os itens a seguir.
As causas em que as autarquias federais forem interessadas, na condição de autoras, rés, assistentes ou oponentes, serão processadas e julgadas na justiça federal.
Questão 62

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Considerando a disciplina legal sobre a administração indireta, julgue os itens a seguir.
Os consórcios públicos, quando assumem personalidade jurídica de direito público, constituem-se como associações públicas, passando, assim, a integrar a administração indireta dos entes federativos consorciados.
Questão 63

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Com relação ao poder de polícia administrativa, julgue o item abaixo.
O exercício do poder de polícia administrativa é um dos fatos geradores da cobrança de taxas, impostos e contribuições de melhoria.
Questão 64

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Julgue os itens seguintes, referentes à concessão dos serviços públicos e à execução dos contratos administrativos.
Na execução dos contratos administrativos, prorrogações de prazo devem ser justificadas por escrito e previamente autorizadas pela autoridade competente para celebrar o contrato.
Questão 65

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Julgue os itens seguintes, referentes à concessão dos serviços públicos e à execução dos contratos administrativos.
No âmbito das parcerias público-privadas, a concessão administrativa caracteriza-se pelo fato de o concessionário perceber recursos de duas fontes: do pagamento das respectivas tarifas pelos usuários e da contraprestação pecuniária devida pelo concedente ao particular contratado.
Questão 66

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Com relação ao instituto da requisição e ao regime jurídico dos bens públicos, julgue os itens subsecutivos.
Para ser considerada válida, a alienação de bens da administração pública deve, necessariamente, ser precedida de avaliação, autorização legislativa e licitação, além de ser subordinada à existência de interesse público devidamente justificado.
Questão 67

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Com relação ao instituto da requisição e ao regime jurídico dos bens públicos, julgue os itens subsecutivos.
Como modalidade de intervenção estatal que visa à satisfação do interesse público, a requisição incide sobre bens e sobre serviços particulares.
Questão 68

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Com relação ao instituto da requisição e ao regime jurídico dos bens públicos, julgue os itens subsecutivos.
Os bens públicos, sejam eles de uso comum, de uso especial ou dominicais, são imprescritíveis, não sendo, pois, suscetíveis de usucapião.
Questão 69

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Com base na Lei n.º 9.784/1999, que regula o processo administrativo em âmbito federal, julgue os itens que se seguem.
Os processos administrativos de que resultem sanções podem ser revistos a qualquer tempo, a pedido ou de ofício; dessa revisão pode resultar o agravamento da sanção, diferentemente do que ocorre na esfera judicial.
Questão 70

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Com base na Lei n.º 9.784/1999, que regula o processo administrativo em âmbito federal, julgue os itens que se seguem.
Os preceitos dessa lei aplicam-se à administração pública direta e indireta no âmbito do Poder Executivo federal, mas não alcançam os Poderes Legislativo e Judiciário da União, que dispõem de autonomia para editar atos acerca de sua organização e funcionamento quando no desempenho de função administrativa.
Questão 71

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
No que se refere aos contratos, julgue os seguintes itens.
É inválido o contrato celebrado entre duas pessoas capazes e aptas a criar direitos e obrigações quando o objeto desse contrato for a prestação de um fato por terceiro.
Questão 72

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
No que se refere aos contratos, julgue os seguintes itens.
De acordo com o STJ, no contrato de compra e venda, será ilegal e abusiva cláusula de distrato que estipule a retenção integral das parcelas pagas pelo promitente comprador.
Questão 73

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Julgue os itens que se seguem, relativos às obrigações.
Nas obrigações alternativas, quando a escolha couber ao credor e recair sobre prestação inexigível por culpa do devedor, o credor terá direito de exigir a prestação subsistente ou optar pelo recebimento do valor da inexigível acrescentado de perdas e danos.
Questão 74

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Julgue os itens que se seguem, relativos às obrigações.
Para o STJ, a novação, modalidade de extinção de obrigação, não impede a revisão dos negócios jurídicos antecedentes, em face da relativização do princípio do pacta sunt servanda no direito brasileiro.
Questão 75

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária

» Esta questão foi anulada pela banca.
De acordo com o entendimento do STJ, julgue o próximo item, acerca do direito do cônjuge sobrevivente na sucessão.
Se o casamento tiver sido celebrado mediante o regime de comunhão parcial de bens, o cônjuge sobrevivente concorrerá com os descendentes em relação aos bens integrantes da meação do falecido.
Questão 76

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
No que se refere a competência, processo e procedimento, julgue os itens subsequentes.
De acordo com o que o Código de Processo Civil dispõe a respeito da intimação, a grafia equivocada dos nomes das partes e de seus advogados na publicação impõe por si só a nulidade do ato.
Questão 77

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
No que se refere a competência, processo e procedimento, julgue os itens subsequentes.
Segundo o STJ, quando se pretende a nomeação de curador de incapaz para os fins de direito, inclusive para o de pleitear aposentadoria junto ao Instituto Nacional do Seguro Social, a competência para apreciar o processo é da justiça comum estadual.
Questão 78

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
A respeito do procedimento ordinário e dos processos perante o STJ, julgue os itens seguintes.
Por se tratar de questão de ordem pública, no âmbito do recurso especial, o STJ admite novo exame dos elementos do processo, a fim de apurar a existência de coisa julgada já afastada pelo tribunal local com fundamento nas provas colhidas nos autos.
Questão 79

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
A respeito do procedimento ordinário e dos processos perante o STJ, julgue os itens seguintes.
É descabida a arguição, pelo autor da ação, de incapacidade técnica do perito após a publicação do laudo pericial que lhe tiver sido desfavorável, em face da ocorrência de preclusão temporal.
Questão 80

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
De acordo com o posicionamento do STJ, julgue o item abaixo, relativo ao instituto da suspensão.
Não é necessário o prévio esgotamento de instância para que a parte interessada possa ter acesso à excepcional medida de suspensão de liminar, de sentença ou de segurança perante o STJ, sendo suficiente o indeferimento de pedido semelhante pelo presidente do tribunal local.
Questão 81

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária

» Esta questão foi anulada pela banca.
No que concerne ao direito penal, julgue os itens que se seguem.
Considere a seguinte situação hipotética. Luís trafegava a 65 km/h por uma via cujo limite máximo de velocidade era de 50 km/h. Augusto, que trafegava pela mesma via a 50 km/h, tendo ignorado o sinal luminoso vermelho indicativo de “Pare”, colidiu seu veículo contra o dirigido por Luís. Em decorrência da colisão, Paulo, um pedestre que passava pelo local do acidente, foi atropelado. Os três, Luís, Augusto e Paulo, ficaram gravemente feridos.
Nessa situação, deve-se aplicar a Luís e a Augusto a concorrência de culpas.
Questão 82

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
No que concerne ao direito penal, julgue os itens que se seguem.
Considere que um indivíduo em livramento condicional seja condenado por sentença irrecorrível, por, em data anterior à vigência do livramento, ter quebrado intencionalmente os vidros das janelas da casa de seu vizinho. Nessa situação, poderá ocorrer a revogação do livrado condicional.
Questão 83

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
No que concerne ao direito penal, julgue os itens que se seguem.
Se um indivíduo, reincidente, for condenado, por roubo praticado com três majorantes, a doze anos de reclusão e ao pagamento de duzentos dias/multa, à razão de um trinta avos do salário mínimo vigente à época do fato, a pena privativa de liberdade, nos termos do Código Penal, poderá ser aumentada até o triplo.
Questão 84

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
No que concerne ao direito penal, julgue os itens que se seguem.
Praticará crime contra a ordem tributária o gerente de empresa que elevar o valor de venda a prazo de determinados bens mediante cobrança de comissão considerada ilegal.
Questão 85

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
No que concerne ao direito penal, julgue os itens que se seguem.
O médico que, por imprudência, prescrever a determinado paciente dose excessiva de medicamento que causa dependência química estará sujeito à pena de advertência, e o juiz que apreciar o caso deverá comunicar o fato ao Conselho Federal de Medicina.
Questão 86

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Com base no direito processual penal, julgue os itens subsecutivos.
Nesse sentindo, considere que a sigla CPP, sempre que utilizada, refere-se ao Código de Processo Penal.

Se o tribunal do júri, ao julgar um indivíduo, expedir o veredicto de que esse indivíduo não tinha a intenção de matar, o presidente da sessão plenária, nos termos do disposto no CPP, não poderá remeter os autos ao juízo singular.
Questão 87

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Com base no direito processual penal, julgue os itens subsecutivos.
Nesse sentindo, considere que a sigla CPP, sempre que utilizada, refere-se ao Código de Processo Penal.

Nos termos da Lei de Drogas, para a lavratura do auto de prisão em flagrante e para o estabelecimento da materialidade do delito, não é necessário que o laudo de constatação preliminar da natureza e quantidade da droga apreendida seja firmado exclusivamente por perito oficial.
Questão 88

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Com base no direito processual penal, julgue os itens subsecutivos.
Nesse sentindo, considere que a sigla CPP, sempre que utilizada, refere-se ao Código de Processo Penal.

Nos termos do CPP, novo pedido de revisão criminal poderá ser requerido a qualquer tempo — desde que não extinta a pena —, se o condenado discordar do resultado advindo do primeiro pedido de revisão.
Questão 89

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Com base no direito processual penal, julgue os itens subsecutivos.
Nesse sentindo, considere que a sigla CPP, sempre que utilizada, refere-se ao Código de Processo Penal.

Como a promoção da ação penal pública é atribuição exclusiva do Ministério Público, é vedado ao juiz, de ofício, ordenar o sequestro de bens do indiciado durante a fase inquisitorial.
Questão 90

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Com base no direito processual penal, julgue os itens subsecutivos.
Nesse sentindo, considere que a sigla CPP, sempre que utilizada, refere-se ao Código de Processo Penal.

Caso um advogado experiente, que patrocina a defesa de acusado da prática de crime hediondo, intencionalmente profira, durante a instrução criminal, injúrias contra o magistrado, e isso provoque animosidade circunstancial entre ambos, mesmo assim, nos termos do CPP, a suspeição não poderá ser declarada.
Questão 91

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Julgue os itens a seguir, acerca da competência tributária, dos impostos, da obrigação e dos créditos tributários.
Ocorre a substituição tributária regressiva nos casos em que pessoas ocupantes de posições posteriores nas cadeias de produção são substituídas, quanto à obrigação de pagar o tributo devido, por aqueles que ocupam as posições anteriores.
Questão 92

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária

» Essa questão pode ter algum problema e está sendo revisada. Em breve estará corrigida.
Julgue os itens a seguir, acerca da competência tributária, dos impostos, da obrigação e dos créditos tributários.
A moratória é hipótese de suspensão da exigibilidade do crédito tributário que não se aplica a casos de dolo, fraude ou simulação praticada por sujeito passivo ou por terceiro em benefício daquele.
Questão 93

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Julgue os itens a seguir, acerca da competência tributária, dos impostos, da obrigação e dos créditos tributários.
Ocorre bitributação quando o mesmo ente tributante edita leis distintas que estabelecem múltiplas exigências tributárias em razão do mesmo fato gerador.
Questão 94

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Acerca do pagamento indevido e dos tributos em espécie, julgue os itens que se seguem.
Compete ao município instituir o imposto sobre a propriedade de veículos automotores licenciados em seu território, cabendo ao Senado Federal fixar as alíquotas mínimas desse imposto.
Questão 95

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária

» Essa questão pode ter algum problema e está sendo revisada. Em breve estará corrigida.
Acerca do pagamento indevido e dos tributos em espécie, julgue os itens que se seguem.
O contribuinte que tenha efetuado pagamento espontâneo de imposto federal indevido segundo a legislação tributária aplicável terá direito à restituição do imposto pago, desde que haja prévio protesto.
Questão 96

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Acerca do pagamento indevido e dos tributos em espécie, julgue os itens que se seguem.
Segundo entendimento do STF, o serviço de iluminação pública não pode ser remunerado mediante taxa.
Questão 97

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Julgue os itens que se seguem à luz das normas aplicáveis à seguridade social.
Será segurado obrigatório da previdência social o indivíduo que, na condição de diretor, prestar serviços a uma fábrica de tecidos, em caráter não eventual, sob subordinação e mediante remuneração.
Questão 98

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Julgue os itens que se seguem à luz das normas aplicáveis à seguridade social.
O cancelamento da inscrição do cônjuge como beneficiário do regime geral de previdência social, na condição de dependente do segurado, pode ocorrer nos casos de divórcio — se esse cônjuge tiver sido beneficiado com direito a alimentos — e de anulação de casamento comprovada por certidão.
Questão 99

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Julgue os itens que se seguem à luz das normas aplicáveis à seguridade social.
Segundo a legislação sobre os planos de benefícios da previdência social, o período de carência é o número mínimo de contribuições mensais indispensáveis para que o beneficiário faça jus ao benefício.
Questão 100

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Julgue os itens que se seguem à luz das normas aplicáveis à seguridade social.
A concessão do benefício previdenciário de aposentadoria por invalidez dependerá da verificação da condição de incapacidade mediante exame médico-pericial a cargo da previdência social, não sendo admissível ao requerente desse benefício fazer-se acompanhar, no momento do exame, de médico por ele remunerado.
Questão 101

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Julgue os itens que se seguem à luz das normas aplicáveis à seguridade social.
Considere a seguinte situação hipotética.
Davi, segurado da previdência social, após sofrer acidente, passou a receber auxílio-doença. Como as sequelas deixadas pelo acidente implicaram a redução da sua capacidade para o trabalho que habitualmente exercia, Davi pleiteou o auxílio-acidente.
Nessa situação, o auxílio-acidente será devido a partir do dia seguinte ao da cessação do auxílio-doença, independentemente de qualquer remuneração ou rendimento auferido por Davi.
Questão 102

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Julgue os itens que se seguem à luz das normas aplicáveis à seguridade social.
Segundo a CF, as contribuições das entidades beneficentes de assistência social estão entre as fontes de recursos destinados ao financiamento da seguridade social, juntamente com os recursos provenientes dos orçamentos da União, dos estados, do Distrito Federal e dos municípios.
Questão 103

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Com base em assuntos relacionados ao direito empresarial, julgue os itens subsequentes.
Uma sociedade limitada pode ser regida pela Lei das Sociedades por Ações, desde que seu contrato social assim preveja; nesse caso, a Lei será aplicada quando houver necessidade de suprir lacuna deixada pelo regime do Código Civil.
Questão 104

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Com base em assuntos relacionados ao direito empresarial, julgue os itens subsequentes.
Os responsáveis por empresa criada por decisão de assembleia geral ou mediante escritura pública devem arquivar no registro do comércio um exemplar do estatuto social assinado por todos os subscritores e a relação completa dos subscritores autenticada pelos fundadores, entre outros documentos.
Questão 105

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Com base em assuntos relacionados ao direito empresarial, julgue os itens subsequentes.
Em um processo de falência, uma vez constituído o comitê de credores, será obrigatória a criação do livro de registro de atas das reuniões desse comitê; no caso de recuperação judicial, a criação do livro será facultativa.
Questão 106

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Com base em assuntos relacionados ao direito empresarial, julgue os itens subsequentes.
Consoante a doutrina predominante, por constituírem fonte subsidiária, os usos e costumes somente se aplicam aos casos em que se verifique lacuna na lei mercantil. Os usos e costumes contra legem, portanto, não são considerados como fonte e carecem de qualquer eficácia.
Questão 107

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Com base em assuntos relacionados ao direito empresarial, julgue os itens subsequentes.
De acordo com a legislação pertinente, as microempresas ou empresas de pequeno porte que não optarem pelo SIMPLES Nacional poderão integrar e realizar negócios de compra e venda de bens, para os mercados nacionais e internacionais, por meio de sociedade de propósito específico, nos termos e condições estabelecidos pelo Poder Executivo federal.
Questão 108

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária

» Esta questão foi anulada pela banca.
Com base em assuntos relacionados ao direito empresarial, julgue os itens subsequentes.
Os atos submetidos ao registro do comércio estão sujeitos a dois regimes de julgamento, o colegiado e o singular, pelo plenário e pelas turmas, respectivamente. As turmas manifestam-se a respeito do arquivamento dos atos de constituição de sociedades anônimas, bem como das atas de assembleias gerais e demais atos relativos a essas sociedades sujeitos ao registro do comércio.
Questão 109

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Com base em assuntos relacionados ao direito empresarial, julgue os itens subsequentes.
Uma das espécies de marca consideradas pela legislação que regula os direitos e obrigações relativos à propriedade industrial define marca coletiva como aquela usada para distinguir produto ou serviço de outro idêntico, semelhante ou afim, de origem diversa, ocorrendo, por exemplo, com os selos de procedência que ligam o produto a determinado lugar ou região geográfica.
Questão 110

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Com base em assuntos relacionados ao direito empresarial, julgue os itens subsequentes.
Considere a seguinte situação hipotética.
A empresa X, que é uma sociedade de arrendamento mercantil, emitiu letras de arrendamento mercantil no valor de dez mil reais cada uma. Uma dessas letras foi recebida por Salomão, comerciante na cidade da sede da empresa, que endossou o título em questão e o passou para Matias como pagamento de dívidas. A empresa X, no momento da apresentação da letra, negou-se a fazer o pagamento alegando problemas financeiros.
Nessa situação, Matias não pode exigir que Salomão faça o pagamento do montante total estipulado na letra, a não ser que haja estipulação em contrário.
Questão 111

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Com base em assuntos relacionados ao direito empresarial, julgue os itens subsequentes.
O tabelião de protesto de títulos tem competência privativa e ampla quanto a títulos e outros documentos de dívidas emitidos em território nacional. Essa competência, porém, não se estende a títulos de dívida em moeda estrangeira, que não podem ser protestados se emitidos no exterior, ainda que haja tradução feita por tradutor público juramentado.
Questão 112

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Tendo em vista que, de acordo com legislação especial, a tutela da criança e do adolescente e da mulher recebe tratamento específico, julgue os itens a seguir.
No caso de violência doméstica contra a mulher, o processo, o julgamento e a execução das causas cíveis e criminais regem-se pelas normas do Código de Processo Penal e do Código de Processo Civil e pela legislação específica relativa à criança, ao adolescente e ao idoso que não conflitarem com a Lei Maria da Penha.
Questão 113

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Tendo em vista que, de acordo com legislação especial, a tutela da criança e do adolescente e da mulher recebe tratamento específico, julgue os itens a seguir.
Considere que Joseph e Lucy, cidadãos ingleses que vivem em Londres, tenham iniciado processo de adoção de Fernanda, criança órfã brasileira de um ano de idade. Nessa situação, os ingleses devem permanecer com Fernanda no Brasil por, no mínimo, quinze dias, para cumprir o estágio de convivência.
Questão 114

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Tendo em vista que, de acordo com legislação especial, a tutela da criança e do adolescente e da mulher recebe tratamento específico, julgue os itens a seguir.
Com a finalidade de proteger patrimônio comum ou particular de mulher vitimada por violência, o juiz deverá impor, em caráter liminar, a separação de corpos.
Questão 115

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária

» Esta questão foi anulada pela banca.
Tendo em vista que, de acordo com legislação especial, a tutela da criança e do adolescente e da mulher recebe tratamento específico, julgue os itens a seguir.
Segundo a Lei Maria da Penha, a violência doméstica e familiar contra a mulher é entendida como a ação ou omissão que provoque morte, lesão, sofrimento físico, sexual e psicológico e danos moral e patrimonial.
Questão 116

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Acerca da regulamentação referente às causas apreciadas pelos juizados especiais, julgue os itens seguintes.
Nos juizados especiais estaduais, cabe recurso de agravo contra a sentença.
Questão 117

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Acerca da regulamentação referente às causas apreciadas pelos juizados especiais, julgue os itens seguintes.
É competência dos juizados especiais estaduais processar e julgar as ações possessórias sobre bens imóveis cujo valor não exceda a quarenta vezes o salário mínimo.
Questão 118

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Acerca da regulamentação referente às causas apreciadas pelos juizados especiais, julgue os itens seguintes.
O julgamento de recursos repetitivos selecionados pelo presidente do tribunal de origem terá seguimento negado se o acórdão recorrido for contrário à decisão dada ao recurso especial.
Questão 119

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária

» Esta questão foi anulada pela banca.
Acerca da regulamentação referente às causas apreciadas pelos juizados especiais, julgue os itens seguintes.
Podem ser autores nos juizados especiais federais pessoas físicas capazes, assim como pessoas jurídicas devidamente qualificadas, microempresas e empresas de pequeno porte.
Questão 120

STJ 2012 - CESPE - Analista Judiciário - Área Judiciária
Acerca da regulamentação referente às causas apreciadas pelos juizados especiais, julgue os itens seguintes.
A informatização do processo judicial permite que as citações, intimações e notificações sejam realizadas por meio eletrônico, salvo as relativas à fazenda pública.


Provas de Concursos » Cespe 2012