×
Analista Tributário da Receita Federal
×
Receita Federal 2005 Receita Federal 2012 Receita Federal 2014

Receita Federal 2009

Auditor Fiscal da Receita Federal

* As numerações que você vê abaixo não correspondem à numeração original da prova. Alguns ajustes foram necessário para colocar estas questões no sistema
Questão 1

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Assinale a opção que está de acordo com as ideias do texto.

Apesar de todos os problemas relacionados à Justiça brasileira, um dos grandes avanços no país nos últimos anos foi a criação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Tem sido um alento seus esforços no sentido de racionalizar e modernizar a estrutura burocrática do Poder Judiciário – quebrando focos de resistência corporativistas – e de forçar a devida celeridade aos processos que tramitam nos tribunais. A criação de um sistema de estatística, com indicadores que medem uma série de atributos – relacionados, por exemplo, aos gastos e à produtividade dos estados e das instâncias judiciais – tem derrubado um dos maiores obstáculos à reforma das práticas do Judiciário: a falta de um diagnóstico preciso. Este é o primeiro e necessário passo para que as mudanças de rota sejam feitas. Mas pôr o sistema nos eixos, atacar suas discrepâncias, requer ação.
(Editorial, Jornal do Brasil, 24/8/2009)

Questão 2

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Assinale a opção em que a reescrita de segmento do texto não mantém as informações originais.

A demanda doméstica depende de vários fatores, e da perspectiva do seu aumento depende a produção industrial. É normal, então, dar atenção especial ao nível do emprego e à evolução da massa salarial real, sem deixar de acompanhar as receitas e despesas do governo federal. Enquanto a ligeira retomada da economia norte-americana é acompanhada por aumento do desemprego, no Brasil o quadro é diferente. Os dados de julho, nas seis principais regiões do País, mostram redução do desemprego de 8,1% para 8%, o que significa a geração de 185 mil postos de trabalho. Essa taxa de desemprego, em julho, é a menor da série desde 2002.
Paralelamente, houve melhora na qualidade do emprego, e 142 mil postos foram criados com carteira de trabalho assinada.
(O Estado de S. Paulo, Editorial, 21/8/2009)

Questão 3

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Assinale a opção em que o trecho constitui continuação coesa e coerente para o texto retirado do Editorial do jornal Zero Hora (RS), de 28/8/2009.

Com a ajuda da tecnologia de comunicação e informação disponível, o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) está desfazendo a imagem antiga de um órgão público moroso e desorganizado, que cobra mal, fiscaliza mal e presta mau serviço na hora em que o segurado a ele recorre para qualquer benefício. Conquistas administrativas e gerenciais recentes – alicerçadas nos sistemas computadorizados e, certamente, em reciclagens funcionais – permitem, por exemplo, que as aposentadorias sejam deferidas em alguns minutos, com dia e hora agendados, ou que o próprio INSS alerte os trabalhadores quando sua aposentadoria já pode ser solicitada. Neste sentido, o Instituto liberou nesta semana mais um lote de correspondências avisando mais de 1,3 mil trabalhadores urbanos de que adquiriram condições de pleitear esse benefício.

Questão 4

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Assinale a opção em que o trecho constitui continuação coesa e coerente para o texto abaixo, adaptado de Luiz Carlos Mendonça de Barros, Valor Econômico, 31/8/2009.

Quem acompanha o dia a dia dos mercados financeiros sabe que o pensamento ultraliberal em relação à regulação dos mercados financeiros foi dominante desde a década de 1980, mas especialmente a partir do governo Clinton. Bush deu continuidade a essa visão. Os perigos associados a essa postura ficaram ainda maiores em função do aparecimento de uma série de inovações financeiras que criaram segmentos do mercado sem nenhum acompanhamento pelos órgãos reguladores.

Questão 5

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Assinale a opção em que o trecho constitui continuação coesa e coerente para o texto abaixo.

O Tesouro Nacional voltou a captar recursos com facilidade no mercado internacional (a mais recente venda de títulos chegou a US$ 525 milhões), apenas para rolar dívidas no exterior a taxas de juros atrativas. As exportações vêm registrando recuperação, mesmo que modesta, e os investimentos estrangeiros diretos, seja para a produção seja para aplicação em ações, se intensificaram diante de avaliações positivas lá fora sobre a economia do país no pós-crise.
(Editorial, O Globo, 15/8/2009)

Questão 6

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Os trechos abaixo constituem um texto adaptado do Editorial de O Globo, de 24/8/2009, mas estão desordenados. Ordene-os nos parênteses e indique a opção que corresponde à sequência correta.

( ) Até mesmo em países com regras rígidas (França e Alemanha, por exemplo), sindicatos perceberam a gravidade desse momento e aceitaram negociar reduções temporárias de jornada de trabalho com respectiva diminuição de salários e benefícios, em contrapartida à manutenção de empregos.

( ) A recente crise econômica mundial — que por pouco não empurrou o planeta para uma depressão tão terrível como a de 1929-1934 — mostrou, na prática, a importância de se ter flexibilidade nos contratos de trabalho.

( ) Diante de tal experiência, a insistência em se discutir uma redução da jornada de trabalho para 40 horas semanais (sem alteração de salários) parece esdrúxula. Mudar uma das bases das regras contratuais em meio a uma conjuntura ainda nebulosa representa enorme risco para os trabalhadores.

( ) Dessa forma, o impacto da crise sobre o mercado de trabalho, especialmente no Brasil, não chegou a ter a dimensão trágica que a crise certamente causaria em outra situação, de mais rigidez nas regras contratuais. E isso sem dúvida contribuiu para abreviar o período recessivo.

( ) No Brasil ocorreu algo semelhante àqueles países. A indústria demitiu, mas, em alguns setores (mineração, siderurgia, bens de consumo duráveis), o quadro teria sido pior não fosse a possibilidade de se recorrer a férias coletivas, licenças parcialmente remuneradas, banco de horas etc.

Questão 7

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Em relação ao texto, assinale a opção incorreta.

Estamos entrando no terço final de 2009 com uma visão mais clara sobre os fatores que levaram à crise financeira que nos atingiu a partir do colapso do banco Lehman Brothers. Um dos pontos centrais na sua construção foi, certamente, a questão da regulação e controle das instituições financeiras. Mesmo não sendo a origem propriamente dita da crise, a regulação falha permitiu que os elementos de fragilidade no sistema assumissem enormes proporções. Depois de termos vivido um longo período em que prevaleceu a ilusão da racionalidade intrínseca aos mercados financeiros, hoje há novamente o reconhecimento das fragilidades e dos riscos sistêmicos associados a seu funcionamento.
(Luiz Carlos Mendonça de Barros, Valor Econômico, 31/8/2009)

Questão 8

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal

» Essa questão pode ter algum problema e está sendo revisada. Em breve estará corrigida.
Em relação ao texto, assinale a opção correta.

Há alguma esperança de que a diminuição do desmatamento no Brasil possa se manter e não seja apenas, e mais uma vez, o reflexo da redução das atividades econômicas causada pela crise global.
Mas as notícias ruins agora vêm de outras frentes. As emissões de gases que provocam o efeito estufa pela indústria cresceram 77% entre 1994 e 2007, segundo estimativas do Ministério do Meio Ambiente a partir de dados do IBGE e da Empresa de Pesquisa Energética.
Para piorar, as fontes de energia se tornaram mais “sujas”, com o aumento de 122% do CO2 lançado na atmosfera, percentual muito acima dos 71% da ampliação da geração no período. Assim, enquanto as emissões por desmatamento tendem a se reduzir para algo entre 55% e 60% do total, as da indústria e do uso de combustíveis fósseis ganham mais força.
(Editorial, Valor Econômico, 1/9/2009)

Questão 9

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal

» Essa questão pode ter algum problema e está sendo revisada. Em breve estará corrigida.
Em relação ao texto, assinale a opção correta.

A queda das exportações brasileiras se deveu basicamente a dois fatores: queda na demanda externa de commodities e, mais ainda, na de produtos manufaturados, situação que foi agravada pela evolução da taxa cambial, pois a valorização do real ante o dólar encareceu os bens brasileiros para os estrangeiros.
Parece difícil que neste fi nal do ano haja mudança de situação, pois os países industrializados mostram uma recuperação muito limitada — especialmente os europeus —, enquanto as perspectivas para os da América Latina continuam difíceis. Poderá haver, talvez, apenas uma ligeira melhora na exportação de commodities. Não se pode esperar nenhuma revolução na política cambial.
No caso das importações, ao contrário, a situação pode mudar signifi cativamente até o fi nal do ano, quando a demanda doméstica aumenta e estimula a indústria a produzir mais.
(Editorial, O Estado de S. Paulo, 2/9/2009)

Questão 10

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal

» Essa questão pode ter algum problema e está sendo revisada. Em breve estará corrigida.
Assinale a opção correta em relação ao texto.

O número de brasileiros com acesso à internet em sua residência vem crescendo em ritmo cada vez mais veloz. No início do ano passado, o Brasil tinha 14 milhões de usuários residenciais da rede mundial de computadores. Em fevereiro de 2008, os internautas residenciais do País somavam 22 milhões de pessoas – mais 8 milhões, ou 57%.
Esses números tornam a internet o segundo meio de comunicação mais abrangente do Brasil, atrás apenas da televisão. Chegou-se a dizer que esse é um meio elitizado, utilizado apenas pelas classes A e B. Mas uma pesquisa mostra que as classes C e D utilizam amplamente a internet.
No ano passado, os brasileiros compraram mais computadores (10,5 milhões de unidades) do que televisores. As vendas continuam a crescer em 2008, o que justifi ca previsões de que, no fi m do ano, haverá 45 milhões de internautas no País.
(Texto de O Estado de S. Paulo, 9/4/2008)

Questão 11

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Assinale a opção que preenche corretamente as lacunas do texto abaixo.

O tema espinhoso da conferência de dezembro em Copenhague será a redução de emissões __1__desmatamento e degradação de florestas, conhecida como Redd (ao apodrecer ou queimar, a madeira lança CO2 no ar). Redd é uma maneira barata de reduzir emissões, __2__ restringe só atividades predatórias, como a pecuária extensiva de baixa rentabilidade.
O Brasil poderia obter bons recursos no mercado mundial de carbono, pois vem reduzindo o desfl orestamento. Brasília, contudo, aceita apenas doações voluntárias __3__ compensação pelo desmatamento evitado. Resiste __4__ converter o ativo em créditos negociáveis, argumentando que países ricos se safariam de suas obrigações pagando pouco pelo “direito de poluir” (créditos de carbono Redd que inundariam o mercado).Para impedir o desvio, bastaria acordar um teto para os créditos Redd. Por exemplo, 10% do total de reduções. Para usufruir desse mercado, o Brasil precisaria recalcular quanto produz, hoje, de poluição __5__ desmatamento.
(Folha de S. Paulo, Editorial, 31/8/2009)

Questão 12

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Os trechos abaixo constituem um texto adaptado de O Globo. Assinale a opção que apresenta erro de concordância.

Questão 13

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Os trechos a seguir constituem um texto adaptado de Valor Econômico. Assinale a opção que apresenta erro de sintaxe.

Questão 14

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Os trechos abaixo constituem um texto adaptado do Editorial do jornal Folha de S. Paulo, de 20/8/2009.
Assinale a opção em que o segmento está gramaticalmente correto.

Questão 15

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Os trechos abaixo constituem um texto adaptado do Editorial do jornal O Globo, de 26/8/2009. Assinale a opção em que o segmento está gramaticalmente correto.

Questão 16

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Os trechos abaixo constituem um texto adaptado do Editorial do jornal Valor Econômico de 1/9/2009. Assinale a opção em que o segmento apresenta erro gramatical.

Questão 17

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Os trechos a seguir constituem um texto adaptado do Editorial de O Estado de S. Paulo, de 30/8/2009. Assinale a opção em que o segmento apresenta erro gramatical.

Questão 18

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Os trechos a seguir constituem um texto adaptado de Valor Econômico. Assinale a opção que apresenta erro gramatical.

Questão 19

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Os trechos abaixo foram adaptados do Editorial do Correio Braziliense de 18/8/2009. Assinale a opção em que o segmento apresenta erro de emprego dos sinais de pontuação.

Questão 20

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Assinale a opção correta em relação ao emprego dos sinais de pontuação no texto abaixo.

A Conferência de Copenhague será a 15ª dos países que integram a Convenção do Clima, de 1992. É o prazo final para que se adote um tratado substituto ao Protocolo de Kyoto (1997), (1) que fracassou no objetivo de reduzir a poluição aceleradora do aquecimento global. Teme-se que Copenhague fique aquém do que seria necessário para sanar as deficiências de Kyoto.
Em causa estão emissões dos gases do efeito estufa, como o CO2. Eles são produzidos por vários setores: (2) energia, (3) indústria, (3) transportes, (3) agricultura e desmatamento, entre os principais. Os compostos engrossam um cobertor invisível na atmosfera, (4) aquecendo-a globalmente.
A temperatura média já se elevou 0,7ºC em dois séculos. Para evitar que ultrapasse a barreira dos 2ºC, (5) considerada perigosa para a estabilidade do clima planetário, (5) pesquisadores estimam que seria preciso cortar até 40% das emissões antes do ano 2020.
(Folha de S. Paulo, Editorial, 31/8/2009)

Questão 21

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
1
La calle’ está tranquila
 
Zapatero ha declarado a Newsweek que para comprobar
 
que España no se hunde «sólo hay que salir a la calle».
 
Subraya así la paradoja de que no exista confl ictividad
5
social con cuatro millones de parados. Tiene razón en
 
parte, aunque quizá debería preguntarse por qué la
 
calle está tranquila y entonces su análisis no podría ser
 
tan complaciente. Según publicamos hoy, la economía
 
sumergida ha aumentado el 30% en el verano que ahora
10
finaliza. Es el cálculo de los inspectores de Trabajo, que
 
han estimado en 320 millones de euros la recaudación
 
en multas para 2009, una cifra récord. Así pues, en el
 
auge de la economía sumergida – de la que un país no
 
puede sentirse orgulloso, sino todo lo contrario – está
15
la explicación de la calma de la calle, puesto que los
 
parados optan por las «chapuzas» para ir tirando. Aquí
 
estaría la explicación de otro dato que Zapatero comentó,
 
asombrado, ante el Comité Federal: sólo 28.000 parados
 
sin ingresos han solicitado los 420 euros, cuando los
20
posibles benefi ciarios de esta medida son en torno a un
 
millón. Como el subsidio lleva aparejada la obligación de
 
asistir a cursos de formación, tal vez la mayoría de estos
 
desempleados sin ingresos en realidad sí cobran por
 
algún trabajo, aunque no declaran, ni cotizan. Ello quiere
25
decir que la política social de Zapatero se vuelve contra él
 
y contra los que él dice proteger. El empleo que se crea es
 
clandestino por las rigideces del mercado laboral y al subir
 
los impuestos aumentará la economía del dinero negro.
(El mundo, 22/09/09)
1
The world economy is fi tfully getting back to normal,
 
but it will be a “new normal”. This phrase has caught on,
 
even if people disagree about what it means. In the new
 
normal, as defi ned by Pimco´s CEO, Mohamed El-Erian,
5
growth will be subdued and unemployment will remain
 
high. “The banking system will be a shadow of its former
 
self,” and the securitization markets, which buy and sell
 
marketable bundles of debt, will presumably be a shadow of
 
a shadow. Finance will be costlier and investment weak, so
10
the stock of physical capital, on which prosperity depends,
 
will erode.
 
The crisis invited a forceful government entry into
 
several of capitalism´s inner sanctums, such as banking,
 
American carmaking and the commercial-paper market. Mr
15
El-Erian worries that the state may overstay its welcome.
 
In addition, national exchequers may start to feel some
 
measure of the fi scal strain now hobbling California.
 
America´s Treasury, in particular, must demonstrate that it is
 
still a “responsible shepherd of other countries´ savings.”
Source: www.economist.com st Oct, 2009 (Adapted)
En el texto se dice que en España no hay confl ictividad social:

Questão 22

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
1
La calle’ está tranquila
 
Zapatero ha declarado a Newsweek que para comprobar
 
que España no se hunde «sólo hay que salir a la calle».
 
Subraya así la paradoja de que no exista confl ictividad
5
social con cuatro millones de parados. Tiene razón en
 
parte, aunque quizá debería preguntarse por qué la
 
calle está tranquila y entonces su análisis no podría ser
 
tan complaciente. Según publicamos hoy, la economía
 
sumergida ha aumentado el 30% en el verano que ahora
10
finaliza. Es el cálculo de los inspectores de Trabajo, que
 
han estimado en 320 millones de euros la recaudación
 
en multas para 2009, una cifra récord. Así pues, en el
 
auge de la economía sumergida – de la que un país no
 
puede sentirse orgulloso, sino todo lo contrario – está
15
la explicación de la calma de la calle, puesto que los
 
parados optan por las «chapuzas» para ir tirando. Aquí
 
estaría la explicación de otro dato que Zapatero comentó,
 
asombrado, ante el Comité Federal: sólo 28.000 parados
 
sin ingresos han solicitado los 420 euros, cuando los
20
posibles benefi ciarios de esta medida son en torno a un
 
millón. Como el subsidio lleva aparejada la obligación de
 
asistir a cursos de formación, tal vez la mayoría de estos
 
desempleados sin ingresos en realidad sí cobran por
 
algún trabajo, aunque no declaran, ni cotizan. Ello quiere
25
decir que la política social de Zapatero se vuelve contra él
 
y contra los que él dice proteger. El empleo que se crea es
 
clandestino por las rigideces del mercado laboral y al subir
 
los impuestos aumentará la economía del dinero negro.
(El mundo, 22/09/09)
1
The world economy is fi tfully getting back to normal,
 
but it will be a “new normal”. This phrase has caught on,
 
even if people disagree about what it means. In the new
 
normal, as defi ned by Pimco´s CEO, Mohamed El-Erian,
5
growth will be subdued and unemployment will remain
 
high. “The banking system will be a shadow of its former
 
self,” and the securitization markets, which buy and sell
 
marketable bundles of debt, will presumably be a shadow of
 
a shadow. Finance will be costlier and investment weak, so
10
the stock of physical capital, on which prosperity depends,
 
will erode.
 
The crisis invited a forceful government entry into
 
several of capitalism´s inner sanctums, such as banking,
 
American carmaking and the commercial-paper market. Mr
15
El-Erian worries that the state may overstay its welcome.
 
In addition, national exchequers may start to feel some
 
measure of the fi scal strain now hobbling California.
 
America´s Treasury, in particular, must demonstrate that it is
 
still a “responsible shepherd of other countries´ savings.”
Source: www.economist.com st Oct, 2009 (Adapted)
In paragraph 1, growth in the new order is defined as

Questão 23

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
1
La calle’ está tranquila
 
Zapatero ha declarado a Newsweek que para comprobar
 
que España no se hunde «sólo hay que salir a la calle».
 
Subraya así la paradoja de que no exista confl ictividad
5
social con cuatro millones de parados. Tiene razón en
 
parte, aunque quizá debería preguntarse por qué la
 
calle está tranquila y entonces su análisis no podría ser
 
tan complaciente. Según publicamos hoy, la economía
 
sumergida ha aumentado el 30% en el verano que ahora
10
finaliza. Es el cálculo de los inspectores de Trabajo, que
 
han estimado en 320 millones de euros la recaudación
 
en multas para 2009, una cifra récord. Así pues, en el
 
auge de la economía sumergida – de la que un país no
 
puede sentirse orgulloso, sino todo lo contrario – está
15
la explicación de la calma de la calle, puesto que los
 
parados optan por las «chapuzas» para ir tirando. Aquí
 
estaría la explicación de otro dato que Zapatero comentó,
 
asombrado, ante el Comité Federal: sólo 28.000 parados
 
sin ingresos han solicitado los 420 euros, cuando los
20
posibles benefi ciarios de esta medida son en torno a un
 
millón. Como el subsidio lleva aparejada la obligación de
 
asistir a cursos de formación, tal vez la mayoría de estos
 
desempleados sin ingresos en realidad sí cobran por
 
algún trabajo, aunque no declaran, ni cotizan. Ello quiere
25
decir que la política social de Zapatero se vuelve contra él
 
y contra los que él dice proteger. El empleo que se crea es
 
clandestino por las rigideces del mercado laboral y al subir
 
los impuestos aumentará la economía del dinero negro.
(El mundo, 22/09/09)
1
The world economy is fi tfully getting back to normal,
 
but it will be a “new normal”. This phrase has caught on,
 
even if people disagree about what it means. In the new
 
normal, as defi ned by Pimco´s CEO, Mohamed El-Erian,
5
growth will be subdued and unemployment will remain
 
high. “The banking system will be a shadow of its former
 
self,” and the securitization markets, which buy and sell
 
marketable bundles of debt, will presumably be a shadow of
 
a shadow. Finance will be costlier and investment weak, so
10
the stock of physical capital, on which prosperity depends,
 
will erode.
 
The crisis invited a forceful government entry into
 
several of capitalism´s inner sanctums, such as banking,
 
American carmaking and the commercial-paper market. Mr
15
El-Erian worries that the state may overstay its welcome.
 
In addition, national exchequers may start to feel some
 
measure of the fi scal strain now hobbling California.
 
America´s Treasury, in particular, must demonstrate that it is
 
still a “responsible shepherd of other countries´ savings.”
Source: www.economist.com st Oct, 2009 (Adapted)
De acuerdo con el texto, las actividades económicas marginales en España:

Questão 24

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
1
La calle’ está tranquila
 
Zapatero ha declarado a Newsweek que para comprobar
 
que España no se hunde «sólo hay que salir a la calle».
 
Subraya así la paradoja de que no exista confl ictividad
5
social con cuatro millones de parados. Tiene razón en
 
parte, aunque quizá debería preguntarse por qué la
 
calle está tranquila y entonces su análisis no podría ser
 
tan complaciente. Según publicamos hoy, la economía
 
sumergida ha aumentado el 30% en el verano que ahora
10
finaliza. Es el cálculo de los inspectores de Trabajo, que
 
han estimado en 320 millones de euros la recaudación
 
en multas para 2009, una cifra récord. Así pues, en el
 
auge de la economía sumergida – de la que un país no
 
puede sentirse orgulloso, sino todo lo contrario – está
15
la explicación de la calma de la calle, puesto que los
 
parados optan por las «chapuzas» para ir tirando. Aquí
 
estaría la explicación de otro dato que Zapatero comentó,
 
asombrado, ante el Comité Federal: sólo 28.000 parados
 
sin ingresos han solicitado los 420 euros, cuando los
20
posibles benefi ciarios de esta medida son en torno a un
 
millón. Como el subsidio lleva aparejada la obligación de
 
asistir a cursos de formación, tal vez la mayoría de estos
 
desempleados sin ingresos en realidad sí cobran por
 
algún trabajo, aunque no declaran, ni cotizan. Ello quiere
25
decir que la política social de Zapatero se vuelve contra él
 
y contra los que él dice proteger. El empleo que se crea es
 
clandestino por las rigideces del mercado laboral y al subir
 
los impuestos aumentará la economía del dinero negro.
(El mundo, 22/09/09)
1
The world economy is fi tfully getting back to normal,
 
but it will be a “new normal”. This phrase has caught on,
 
even if people disagree about what it means. In the new
 
normal, as defi ned by Pimco´s CEO, Mohamed El-Erian,
5
growth will be subdued and unemployment will remain
 
high. “The banking system will be a shadow of its former
 
self,” and the securitization markets, which buy and sell
 
marketable bundles of debt, will presumably be a shadow of
 
a shadow. Finance will be costlier and investment weak, so
10
the stock of physical capital, on which prosperity depends,
 
will erode.
 
The crisis invited a forceful government entry into
 
several of capitalism´s inner sanctums, such as banking,
 
American carmaking and the commercial-paper market. Mr
15
El-Erian worries that the state may overstay its welcome.
 
In addition, national exchequers may start to feel some
 
measure of the fi scal strain now hobbling California.
 
America´s Treasury, in particular, must demonstrate that it is
 
still a “responsible shepherd of other countries´ savings.”
Source: www.economist.com st Oct, 2009 (Adapted)
In paragraph 1, finance is referred to as

Questão 25

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
1
La calle’ está tranquila
 
Zapatero ha declarado a Newsweek que para comprobar
 
que España no se hunde «sólo hay que salir a la calle».
 
Subraya así la paradoja de que no exista confl ictividad
5
social con cuatro millones de parados. Tiene razón en
 
parte, aunque quizá debería preguntarse por qué la
 
calle está tranquila y entonces su análisis no podría ser
 
tan complaciente. Según publicamos hoy, la economía
 
sumergida ha aumentado el 30% en el verano que ahora
10
finaliza. Es el cálculo de los inspectores de Trabajo, que
 
han estimado en 320 millones de euros la recaudación
 
en multas para 2009, una cifra récord. Así pues, en el
 
auge de la economía sumergida – de la que un país no
 
puede sentirse orgulloso, sino todo lo contrario – está
15
la explicación de la calma de la calle, puesto que los
 
parados optan por las «chapuzas» para ir tirando. Aquí
 
estaría la explicación de otro dato que Zapatero comentó,
 
asombrado, ante el Comité Federal: sólo 28.000 parados
 
sin ingresos han solicitado los 420 euros, cuando los
20
posibles benefi ciarios de esta medida son en torno a un
 
millón. Como el subsidio lleva aparejada la obligación de
 
asistir a cursos de formación, tal vez la mayoría de estos
 
desempleados sin ingresos en realidad sí cobran por
 
algún trabajo, aunque no declaran, ni cotizan. Ello quiere
25
decir que la política social de Zapatero se vuelve contra él
 
y contra los que él dice proteger. El empleo que se crea es
 
clandestino por las rigideces del mercado laboral y al subir
 
los impuestos aumentará la economía del dinero negro.
(El mundo, 22/09/09)
1
The world economy is fi tfully getting back to normal,
 
but it will be a “new normal”. This phrase has caught on,
 
even if people disagree about what it means. In the new
 
normal, as defi ned by Pimco´s CEO, Mohamed El-Erian,
5
growth will be subdued and unemployment will remain
 
high. “The banking system will be a shadow of its former
 
self,” and the securitization markets, which buy and sell
 
marketable bundles of debt, will presumably be a shadow of
 
a shadow. Finance will be costlier and investment weak, so
10
the stock of physical capital, on which prosperity depends,
 
will erode.
 
The crisis invited a forceful government entry into
 
several of capitalism´s inner sanctums, such as banking,
 
American carmaking and the commercial-paper market. Mr
15
El-Erian worries that the state may overstay its welcome.
 
In addition, national exchequers may start to feel some
 
measure of the fi scal strain now hobbling California.
 
America´s Treasury, in particular, must demonstrate that it is
 
still a “responsible shepherd of other countries´ savings.”
Source: www.economist.com st Oct, 2009 (Adapted)
Dentro del texto, la palabra «chapuzas» significa:

Questão 26

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
1
La calle’ está tranquila
 
Zapatero ha declarado a Newsweek que para comprobar
 
que España no se hunde «sólo hay que salir a la calle».
 
Subraya así la paradoja de que no exista confl ictividad
5
social con cuatro millones de parados. Tiene razón en
 
parte, aunque quizá debería preguntarse por qué la
 
calle está tranquila y entonces su análisis no podría ser
 
tan complaciente. Según publicamos hoy, la economía
 
sumergida ha aumentado el 30% en el verano que ahora
10
finaliza. Es el cálculo de los inspectores de Trabajo, que
 
han estimado en 320 millones de euros la recaudación
 
en multas para 2009, una cifra récord. Así pues, en el
 
auge de la economía sumergida – de la que un país no
 
puede sentirse orgulloso, sino todo lo contrario – está
15
la explicación de la calma de la calle, puesto que los
 
parados optan por las «chapuzas» para ir tirando. Aquí
 
estaría la explicación de otro dato que Zapatero comentó,
 
asombrado, ante el Comité Federal: sólo 28.000 parados
 
sin ingresos han solicitado los 420 euros, cuando los
20
posibles benefi ciarios de esta medida son en torno a un
 
millón. Como el subsidio lleva aparejada la obligación de
 
asistir a cursos de formación, tal vez la mayoría de estos
 
desempleados sin ingresos en realidad sí cobran por
 
algún trabajo, aunque no declaran, ni cotizan. Ello quiere
25
decir que la política social de Zapatero se vuelve contra él
 
y contra los que él dice proteger. El empleo que se crea es
 
clandestino por las rigideces del mercado laboral y al subir
 
los impuestos aumentará la economía del dinero negro.
(El mundo, 22/09/09)
1
The world economy is fi tfully getting back to normal,
 
but it will be a “new normal”. This phrase has caught on,
 
even if people disagree about what it means. In the new
 
normal, as defi ned by Pimco´s CEO, Mohamed El-Erian,
5
growth will be subdued and unemployment will remain
 
high. “The banking system will be a shadow of its former
 
self,” and the securitization markets, which buy and sell
 
marketable bundles of debt, will presumably be a shadow of
 
a shadow. Finance will be costlier and investment weak, so
10
the stock of physical capital, on which prosperity depends,
 
will erode.
 
The crisis invited a forceful government entry into
 
several of capitalism´s inner sanctums, such as banking,
 
American carmaking and the commercial-paper market. Mr
15
El-Erian worries that the state may overstay its welcome.
 
In addition, national exchequers may start to feel some
 
measure of the fi scal strain now hobbling California.
 
America´s Treasury, in particular, must demonstrate that it is
 
still a “responsible shepherd of other countries´ savings.”
Source: www.economist.com st Oct, 2009 (Adapted)
In paragraph 2, the author mentions “the fiscal strain now hobbling California”. In other words, the fiscal

Questão 27

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
1
Periodo recesivo hasta 2010: UNAM
 
José Luis Calva Téllez, académico del Instituto de
 
Investigaciones Económicas de la Universidad Nacional
 
Autónoma de México (UNAM), dijo que de aprobarse el
5
paquete económico del presidente Felipe Calderón, habría
 
una pérdida en 2010 de 200 mil empleos y una contracción
 
del Producto Interno Bruto (PIB) de 1.8 por ciento. Para ese
 
especialista, la inflación alcanzaría 6.1 por ciento anual a
 
causa de las alzas de impuestos; y el déficit de la cuenta
10
corriente se situaría en 12 mil millones de dólares.
 
Destacó que esos resultados negativos estarán
 
infl uenciados aún por la recesión económica del país, por
 
la carga fi scal que se enfrentaría con la aprobación del
 
presupuesto económico como lo presentó el Ejecutivo
15
federal ante el Congreso; y por la baja inversión que habrá
 
por parte del sector privado. “La Secretaría de Hacienda
 
y Crédito Público está esperando que la economía de
 
Estados Unidos levante a México, pero en aquel país la
 
recuperación se está enfocando a amortizar deudas y por
20
consecuencia el consumo seguirá deprimido”, indicó.
(Excélsior, 22/09/09)
1
This year´s edition of the Taxation Trends in the
 
European Union appears at a time of upheaval. The
 
effects of the global economic and fi nancial crisis have hit
 
the European Union (EU) with increasing force from the
5
second half of 2008. Given that the last year for which
 
detailed data are available is 2007, this year´s report
 
cannot yet analyze the consequences of the recession on
 
tax revenues. Nevertheless, the report takes stock of the
 
tax policy measures taken by EU governments in response
10
to the crisis up to spring 2009.
 
The European Union is, taken as a whole, a high
 
tax area. In 2007, the overall tax ratio, i.e. the sum of
 
taxes and social security contributions in the 27 Member
 
States amounted to 39.8% of GDP. This value is about
15
12 percentage points above those recorded in the United
 
States and Japan.
 
The high EU overall tax ratio is not new, dating back
 
essentially to the last third of the 20th century. In those
 
years, the role of the public sector became more extensive,
20
leading to a strong upward trend in the tax ratio in the
 
1970s, and to a lesser extent also in the 1980s and early
 
1990s.
Source: www.ec.europa.eu 2009 Edition (Adapted)
En el texto, la locución “de aprobarse” tiene valor:

Questão 28

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
1
Periodo recesivo hasta 2010: UNAM
 
José Luis Calva Téllez, académico del Instituto de
 
Investigaciones Económicas de la Universidad Nacional
 
Autónoma de México (UNAM), dijo que de aprobarse el
5
paquete económico del presidente Felipe Calderón, habría
 
una pérdida en 2010 de 200 mil empleos y una contracción
 
del Producto Interno Bruto (PIB) de 1.8 por ciento. Para ese
 
especialista, la inflación alcanzaría 6.1 por ciento anual a
 
causa de las alzas de impuestos; y el déficit de la cuenta
10
corriente se situaría en 12 mil millones de dólares.
 
Destacó que esos resultados negativos estarán
 
infl uenciados aún por la recesión económica del país, por
 
la carga fi scal que se enfrentaría con la aprobación del
 
presupuesto económico como lo presentó el Ejecutivo
15
federal ante el Congreso; y por la baja inversión que habrá
 
por parte del sector privado. “La Secretaría de Hacienda
 
y Crédito Público está esperando que la economía de
 
Estados Unidos levante a México, pero en aquel país la
 
recuperación se está enfocando a amortizar deudas y por
20
consecuencia el consumo seguirá deprimido”, indicó.
(Excélsior, 22/09/09)
1
This year´s edition of the Taxation Trends in the
 
European Union appears at a time of upheaval. The
 
effects of the global economic and fi nancial crisis have hit
 
the European Union (EU) with increasing force from the
5
second half of 2008. Given that the last year for which
 
detailed data are available is 2007, this year´s report
 
cannot yet analyze the consequences of the recession on
 
tax revenues. Nevertheless, the report takes stock of the
 
tax policy measures taken by EU governments in response
10
to the crisis up to spring 2009.
 
The European Union is, taken as a whole, a high
 
tax area. In 2007, the overall tax ratio, i.e. the sum of
 
taxes and social security contributions in the 27 Member
 
States amounted to 39.8% of GDP. This value is about
15
12 percentage points above those recorded in the United
 
States and Japan.
 
The high EU overall tax ratio is not new, dating back
 
essentially to the last third of the 20th century. In those
 
years, the role of the public sector became more extensive,
20
leading to a strong upward trend in the tax ratio in the
 
1970s, and to a lesser extent also in the 1980s and early
 
1990s.
Source: www.ec.europa.eu 2009 Edition (Adapted)
According to paragraph 1, the global economic and fi nancial crisis

Questão 29

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
1
Periodo recesivo hasta 2010: UNAM
 
José Luis Calva Téllez, académico del Instituto de
 
Investigaciones Económicas de la Universidad Nacional
 
Autónoma de México (UNAM), dijo que de aprobarse el
5
paquete económico del presidente Felipe Calderón, habría
 
una pérdida en 2010 de 200 mil empleos y una contracción
 
del Producto Interno Bruto (PIB) de 1.8 por ciento. Para ese
 
especialista, la inflación alcanzaría 6.1 por ciento anual a
 
causa de las alzas de impuestos; y el déficit de la cuenta
10
corriente se situaría en 12 mil millones de dólares.
 
Destacó que esos resultados negativos estarán
 
infl uenciados aún por la recesión económica del país, por
 
la carga fi scal que se enfrentaría con la aprobación del
 
presupuesto económico como lo presentó el Ejecutivo
15
federal ante el Congreso; y por la baja inversión que habrá
 
por parte del sector privado. “La Secretaría de Hacienda
 
y Crédito Público está esperando que la economía de
 
Estados Unidos levante a México, pero en aquel país la
 
recuperación se está enfocando a amortizar deudas y por
20
consecuencia el consumo seguirá deprimido”, indicó.
(Excélsior, 22/09/09)
1
This year´s edition of the Taxation Trends in the
 
European Union appears at a time of upheaval. The
 
effects of the global economic and fi nancial crisis have hit
 
the European Union (EU) with increasing force from the
5
second half of 2008. Given that the last year for which
 
detailed data are available is 2007, this year´s report
 
cannot yet analyze the consequences of the recession on
 
tax revenues. Nevertheless, the report takes stock of the
 
tax policy measures taken by EU governments in response
10
to the crisis up to spring 2009.
 
The European Union is, taken as a whole, a high
 
tax area. In 2007, the overall tax ratio, i.e. the sum of
 
taxes and social security contributions in the 27 Member
 
States amounted to 39.8% of GDP. This value is about
15
12 percentage points above those recorded in the United
 
States and Japan.
 
The high EU overall tax ratio is not new, dating back
 
essentially to the last third of the 20th century. In those
 
years, the role of the public sector became more extensive,
20
leading to a strong upward trend in the tax ratio in the
 
1970s, and to a lesser extent also in the 1980s and early
 
1990s.
Source: www.ec.europa.eu 2009 Edition (Adapted)
De acuerdo con las declaraciones del académico de la UNAM, recogidas en el texto, en 2010:

Questão 30

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal

» Esta questão foi anulada pela banca.
1
Periodo recesivo hasta 2010: UNAM
 
José Luis Calva Téllez, académico del Instituto de
 
Investigaciones Económicas de la Universidad Nacional
 
Autónoma de México (UNAM), dijo que de aprobarse el
5
paquete económico del presidente Felipe Calderón, habría
 
una pérdida en 2010 de 200 mil empleos y una contracción
 
del Producto Interno Bruto (PIB) de 1.8 por ciento. Para ese
 
especialista, la inflación alcanzaría 6.1 por ciento anual a
 
causa de las alzas de impuestos; y el déficit de la cuenta
10
corriente se situaría en 12 mil millones de dólares.
 
Destacó que esos resultados negativos estarán
 
infl uenciados aún por la recesión económica del país, por
 
la carga fi scal que se enfrentaría con la aprobación del
 
presupuesto económico como lo presentó el Ejecutivo
15
federal ante el Congreso; y por la baja inversión que habrá
 
por parte del sector privado. “La Secretaría de Hacienda
 
y Crédito Público está esperando que la economía de
 
Estados Unidos levante a México, pero en aquel país la
 
recuperación se está enfocando a amortizar deudas y por
20
consecuencia el consumo seguirá deprimido”, indicó.
(Excélsior, 22/09/09)
1
This year´s edition of the Taxation Trends in the
 
European Union appears at a time of upheaval. The
 
effects of the global economic and fi nancial crisis have hit
 
the European Union (EU) with increasing force from the
5
second half of 2008. Given that the last year for which
 
detailed data are available is 2007, this year´s report
 
cannot yet analyze the consequences of the recession on
 
tax revenues. Nevertheless, the report takes stock of the
 
tax policy measures taken by EU governments in response
10
to the crisis up to spring 2009.
 
The European Union is, taken as a whole, a high
 
tax area. In 2007, the overall tax ratio, i.e. the sum of
 
taxes and social security contributions in the 27 Member
 
States amounted to 39.8% of GDP. This value is about
15
12 percentage points above those recorded in the United
 
States and Japan.
 
The high EU overall tax ratio is not new, dating back
 
essentially to the last third of the 20th century. In those
 
years, the role of the public sector became more extensive,
20
leading to a strong upward trend in the tax ratio in the
 
1970s, and to a lesser extent also in the 1980s and early
 
1990s.
Source: www.ec.europa.eu 2009 Edition (Adapted)
In relation to the EU´s overall tax ratio, it

Questão 31

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
1
del impuesto a la renta
 
 
En Chile, 1.329.297 personas pagan impuestos a la renta,
 
ya sea bajo la modalidad de segunda categoría o de global
5
complementario. A estas se suman otras 6.346.693 que si
 
bien son formalmente contribuyentes para los registros del
 
Servicio de Impuestos Internos (SII), en la práctica están
 
en el primer tramo impositivo, que es cero. De este 1,32
 
millón de chilenos, el 1,27% está en el tramo más alto de
10
impuestos – con una tasa marginal del 40% –, que es para
 
quienes tienen ingresos de cerca de $5,5 millones de pesos
 
mensuales o más. En conjunto, pagan más tributos al año
 
que los bancos o todo el sector comercio. De acuerdo con
 
los datos del SII, este grupo es el responsable del 35,1%
15
de la recaudación por impuesto a la renta; es decir, US$
 
908 millones del total de US$ 2.589 millones que los
 
contribuyentes chilenos aportan por este concepto.
 
Para el socio principal de Ernst & Young, Cristián Levefre,
 
la cifra demuestra que el grueso del aporte de impuestos lo
20
entregan quienes más dinero reciben. Según él, existe una
 
discriminación entre los contribuyentes de los tramos altos.
 
Los independientes – muchos de ellos empresarios – tienen
 
opciones de desarrollar una planifi cación tributaria para
 
reducir el pago y los dependientes no las tienen. A su juicio,
25
Chile debería impulsar benefi cios para este segmento,
 
como los que hay en economías más desarrolladas, como
 
EE.UU., Inglaterra y España, donde se deduce por pago
 
de colegios e intereses de créditos hipotecarios.
(El Mercurio, 25/09/09)
1
This year´s edition of the Taxation Trends in the
 
European Union appears at a time of upheaval. The
 
effects of the global economic and fi nancial crisis have hit
 
the European Union (EU) with increasing force from the
5
second half of 2008. Given that the last year for which
 
detailed data are available is 2007, this year´s report
 
cannot yet analyze the consequences of the recession on
 
tax revenues. Nevertheless, the report takes stock of the
 
tax policy measures taken by EU governments in response
10
to the crisis up to spring 2009.
 
The European Union is, taken as a whole, a high
 
tax area. In 2007, the overall tax ratio, i.e. the sum of
 
taxes and social security contributions in the 27 Member
 
States amounted to 39.8% of GDP. This value is about
15
12 percentage points above those recorded in the United
 
States and Japan.
 
The high EU overall tax ratio is not new, dating back
 
essentially to the last third of the 20th century. In those
 
years, the role of the public sector became more extensive,
20
leading to a strong upward trend in the tax ratio in the
 
1970s, and to a lesser extent also in the 1980s and early
 
1990s.
Source: www.ec.europa.eu 2009 Edition (Adapted)
Según el texto, el cobro del impuesto sobre la renta en Chile:

Questão 32

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
1
del impuesto a la renta
 
 
En Chile, 1.329.297 personas pagan impuestos a la renta,
 
ya sea bajo la modalidad de segunda categoría o de global
5
complementario. A estas se suman otras 6.346.693 que si
 
bien son formalmente contribuyentes para los registros del
 
Servicio de Impuestos Internos (SII), en la práctica están
 
en el primer tramo impositivo, que es cero. De este 1,32
 
millón de chilenos, el 1,27% está en el tramo más alto de
10
impuestos – con una tasa marginal del 40% –, que es para
 
quienes tienen ingresos de cerca de $5,5 millones de pesos
 
mensuales o más. En conjunto, pagan más tributos al año
 
que los bancos o todo el sector comercio. De acuerdo con
 
los datos del SII, este grupo es el responsable del 35,1%
15
de la recaudación por impuesto a la renta; es decir, US$
 
908 millones del total de US$ 2.589 millones que los
 
contribuyentes chilenos aportan por este concepto.
 
Para el socio principal de Ernst & Young, Cristián Levefre,
 
la cifra demuestra que el grueso del aporte de impuestos lo
20
entregan quienes más dinero reciben. Según él, existe una
 
discriminación entre los contribuyentes de los tramos altos.
 
Los independientes – muchos de ellos empresarios – tienen
 
opciones de desarrollar una planifi cación tributaria para
 
reducir el pago y los dependientes no las tienen. A su juicio,
25
Chile debería impulsar benefi cios para este segmento,
 
como los que hay en economías más desarrolladas, como
 
EE.UU., Inglaterra y España, donde se deduce por pago
 
de colegios e intereses de créditos hipotecarios.
(El Mercurio, 25/09/09)
1
This year´s edition of the Taxation Trends in the
 
European Union appears at a time of upheaval. The
 
effects of the global economic and fi nancial crisis have hit
 
the European Union (EU) with increasing force from the
5
second half of 2008. Given that the last year for which
 
detailed data are available is 2007, this year´s report
 
cannot yet analyze the consequences of the recession on
 
tax revenues. Nevertheless, the report takes stock of the
 
tax policy measures taken by EU governments in response
10
to the crisis up to spring 2009.
 
The European Union is, taken as a whole, a high
 
tax area. In 2007, the overall tax ratio, i.e. the sum of
 
taxes and social security contributions in the 27 Member
 
States amounted to 39.8% of GDP. This value is about
15
12 percentage points above those recorded in the United
 
States and Japan.
 
The high EU overall tax ratio is not new, dating back
 
essentially to the last third of the 20th century. In those
 
years, the role of the public sector became more extensive,
20
leading to a strong upward trend in the tax ratio in the
 
1970s, and to a lesser extent also in the 1980s and early
 
1990s.
Source: www.ec.europa.eu 2009 Edition (Adapted)
According to paragraph 3, the role played by the public sector

Questão 33

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
1
del impuesto a la renta
 
 
En Chile, 1.329.297 personas pagan impuestos a la renta,
 
ya sea bajo la modalidad de segunda categoría o de global
5
complementario. A estas se suman otras 6.346.693 que si
 
bien son formalmente contribuyentes para los registros del
 
Servicio de Impuestos Internos (SII), en la práctica están
 
en el primer tramo impositivo, que es cero. De este 1,32
 
millón de chilenos, el 1,27% está en el tramo más alto de
10
impuestos – con una tasa marginal del 40% –, que es para
 
quienes tienen ingresos de cerca de $5,5 millones de pesos
 
mensuales o más. En conjunto, pagan más tributos al año
 
que los bancos o todo el sector comercio. De acuerdo con
 
los datos del SII, este grupo es el responsable del 35,1%
15
de la recaudación por impuesto a la renta; es decir, US$
 
908 millones del total de US$ 2.589 millones que los
 
contribuyentes chilenos aportan por este concepto.
 
Para el socio principal de Ernst & Young, Cristián Levefre,
 
la cifra demuestra que el grueso del aporte de impuestos lo
20
entregan quienes más dinero reciben. Según él, existe una
 
discriminación entre los contribuyentes de los tramos altos.
 
Los independientes – muchos de ellos empresarios – tienen
 
opciones de desarrollar una planifi cación tributaria para
 
reducir el pago y los dependientes no las tienen. A su juicio,
25
Chile debería impulsar benefi cios para este segmento,
 
como los que hay en economías más desarrolladas, como
 
EE.UU., Inglaterra y España, donde se deduce por pago
 
de colegios e intereses de créditos hipotecarios.
(El Mercurio, 25/09/09)
1
Question (Q) 1: Margolis: When you took offi ce, Brazil
 
was regarded as an underachiever, and the last among
 
the BRIC nations. Now Brazil is considered a star
 
among emerging countries. What´s happened?
5
Lula: No one respects anyone who doesn´t respect
 
themselves. And Brazil always behaved like a second-class
 
country. We always told ourselves we were the country
 
of the future. But we never transformed these qualities
 
into anything concrete. In a globalized world you cannot
10
sit still. You have to hit the road and sell your country. So
 
we decided to make strengthening Mercosul (the South
 
American trading bloc) a priority, and deepened our
 
relations with Latin America in general. We prioritized trade
 
with Africa and went into the Middle East aggressively. Our
15
trade balance today is diversifi ed. This helped us cushion
 
the blow of the economic crisis.
 
Q2: Margolis: Has Brazil´s success in navigating the
 
economic crisis changed investors´views?
 
Lula: There was no miracle. We had a strong domestic
20
market. We had consumers who wanted to buy cars. We
 
reduced part of the sales tax and asked the companies to
 
offer consumers credit on affordable items. It´s the same
 
case with refrigerators, stoves, washing machines, and
 
with computers and the housing construction.
25
Q3: Margolis: What are the lessons for other
 
countries?
 
Lula: The great lesson is that the state has an important
 
role to play, and has great responsibility. We don´t want
 
the state to manage business. But it can be an inducer of
30
growth and can work in harmony with society.
Source: www.newsweek.com 22nd Sep, 2009 (Adapted)
En el texto se aconseja:

Questão 34

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
1
del impuesto a la renta
 
 
En Chile, 1.329.297 personas pagan impuestos a la renta,
 
ya sea bajo la modalidad de segunda categoría o de global
5
complementario. A estas se suman otras 6.346.693 que si
 
bien son formalmente contribuyentes para los registros del
 
Servicio de Impuestos Internos (SII), en la práctica están
 
en el primer tramo impositivo, que es cero. De este 1,32
 
millón de chilenos, el 1,27% está en el tramo más alto de
10
impuestos – con una tasa marginal del 40% –, que es para
 
quienes tienen ingresos de cerca de $5,5 millones de pesos
 
mensuales o más. En conjunto, pagan más tributos al año
 
que los bancos o todo el sector comercio. De acuerdo con
 
los datos del SII, este grupo es el responsable del 35,1%
15
de la recaudación por impuesto a la renta; es decir, US$
 
908 millones del total de US$ 2.589 millones que los
 
contribuyentes chilenos aportan por este concepto.
 
Para el socio principal de Ernst & Young, Cristián Levefre,
 
la cifra demuestra que el grueso del aporte de impuestos lo
20
entregan quienes más dinero reciben. Según él, existe una
 
discriminación entre los contribuyentes de los tramos altos.
 
Los independientes – muchos de ellos empresarios – tienen
 
opciones de desarrollar una planifi cación tributaria para
 
reducir el pago y los dependientes no las tienen. A su juicio,
25
Chile debería impulsar benefi cios para este segmento,
 
como los que hay en economías más desarrolladas, como
 
EE.UU., Inglaterra y España, donde se deduce por pago
 
de colegios e intereses de créditos hipotecarios.
(El Mercurio, 25/09/09)
1
Question (Q) 1: Margolis: When you took offi ce, Brazil
 
was regarded as an underachiever, and the last among
 
the BRIC nations. Now Brazil is considered a star
 
among emerging countries. What´s happened?
5
Lula: No one respects anyone who doesn´t respect
 
themselves. And Brazil always behaved like a second-class
 
country. We always told ourselves we were the country
 
of the future. But we never transformed these qualities
 
into anything concrete. In a globalized world you cannot
10
sit still. You have to hit the road and sell your country. So
 
we decided to make strengthening Mercosul (the South
 
American trading bloc) a priority, and deepened our
 
relations with Latin America in general. We prioritized trade
 
with Africa and went into the Middle East aggressively. Our
15
trade balance today is diversifi ed. This helped us cushion
 
the blow of the economic crisis.
 
Q2: Margolis: Has Brazil´s success in navigating the
 
economic crisis changed investors´views?
 
Lula: There was no miracle. We had a strong domestic
20
market. We had consumers who wanted to buy cars. We
 
reduced part of the sales tax and asked the companies to
 
offer consumers credit on affordable items. It´s the same
 
case with refrigerators, stoves, washing machines, and
 
with computers and the housing construction.
25
Q3: Margolis: What are the lessons for other
 
countries?
 
Lula: The great lesson is that the state has an important
 
role to play, and has great responsibility. We don´t want
 
the state to manage business. But it can be an inducer of
30
growth and can work in harmony with society.
Source: www.newsweek.com 22nd Sep, 2009 (Adapted)
In his answer to question 1, Brazil´s president refers to “strengthening Mercosul as a priority.” In other words, a measure he considered

Questão 35

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
1
del impuesto a la renta
 
 
En Chile, 1.329.297 personas pagan impuestos a la renta,
 
ya sea bajo la modalidad de segunda categoría o de global
5
complementario. A estas se suman otras 6.346.693 que si
 
bien son formalmente contribuyentes para los registros del
 
Servicio de Impuestos Internos (SII), en la práctica están
 
en el primer tramo impositivo, que es cero. De este 1,32
 
millón de chilenos, el 1,27% está en el tramo más alto de
10
impuestos – con una tasa marginal del 40% –, que es para
 
quienes tienen ingresos de cerca de $5,5 millones de pesos
 
mensuales o más. En conjunto, pagan más tributos al año
 
que los bancos o todo el sector comercio. De acuerdo con
 
los datos del SII, este grupo es el responsable del 35,1%
15
de la recaudación por impuesto a la renta; es decir, US$
 
908 millones del total de US$ 2.589 millones que los
 
contribuyentes chilenos aportan por este concepto.
 
Para el socio principal de Ernst & Young, Cristián Levefre,
 
la cifra demuestra que el grueso del aporte de impuestos lo
20
entregan quienes más dinero reciben. Según él, existe una
 
discriminación entre los contribuyentes de los tramos altos.
 
Los independientes – muchos de ellos empresarios – tienen
 
opciones de desarrollar una planifi cación tributaria para
 
reducir el pago y los dependientes no las tienen. A su juicio,
25
Chile debería impulsar benefi cios para este segmento,
 
como los que hay en economías más desarrolladas, como
 
EE.UU., Inglaterra y España, donde se deduce por pago
 
de colegios e intereses de créditos hipotecarios.
(El Mercurio, 25/09/09)
1
Question (Q) 1: Margolis: When you took offi ce, Brazil
 
was regarded as an underachiever, and the last among
 
the BRIC nations. Now Brazil is considered a star
 
among emerging countries. What´s happened?
5
Lula: No one respects anyone who doesn´t respect
 
themselves. And Brazil always behaved like a second-class
 
country. We always told ourselves we were the country
 
of the future. But we never transformed these qualities
 
into anything concrete. In a globalized world you cannot
10
sit still. You have to hit the road and sell your country. So
 
we decided to make strengthening Mercosul (the South
 
American trading bloc) a priority, and deepened our
 
relations with Latin America in general. We prioritized trade
 
with Africa and went into the Middle East aggressively. Our
15
trade balance today is diversifi ed. This helped us cushion
 
the blow of the economic crisis.
 
Q2: Margolis: Has Brazil´s success in navigating the
 
economic crisis changed investors´views?
 
Lula: There was no miracle. We had a strong domestic
20
market. We had consumers who wanted to buy cars. We
 
reduced part of the sales tax and asked the companies to
 
offer consumers credit on affordable items. It´s the same
 
case with refrigerators, stoves, washing machines, and
 
with computers and the housing construction.
25
Q3: Margolis: What are the lessons for other
 
countries?
 
Lula: The great lesson is that the state has an important
 
role to play, and has great responsibility. We don´t want
 
the state to manage business. But it can be an inducer of
30
growth and can work in harmony with society.
Source: www.newsweek.com 22nd Sep, 2009 (Adapted)
En el contexto del texto, “a su juicio” conserva su sentido al sustituirse por:

Questão 36

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
1
del impuesto a la renta
 
 
En Chile, 1.329.297 personas pagan impuestos a la renta,
 
ya sea bajo la modalidad de segunda categoría o de global
5
complementario. A estas se suman otras 6.346.693 que si
 
bien son formalmente contribuyentes para los registros del
 
Servicio de Impuestos Internos (SII), en la práctica están
 
en el primer tramo impositivo, que es cero. De este 1,32
 
millón de chilenos, el 1,27% está en el tramo más alto de
10
impuestos – con una tasa marginal del 40% –, que es para
 
quienes tienen ingresos de cerca de $5,5 millones de pesos
 
mensuales o más. En conjunto, pagan más tributos al año
 
que los bancos o todo el sector comercio. De acuerdo con
 
los datos del SII, este grupo es el responsable del 35,1%
15
de la recaudación por impuesto a la renta; es decir, US$
 
908 millones del total de US$ 2.589 millones que los
 
contribuyentes chilenos aportan por este concepto.
 
Para el socio principal de Ernst & Young, Cristián Levefre,
 
la cifra demuestra que el grueso del aporte de impuestos lo
20
entregan quienes más dinero reciben. Según él, existe una
 
discriminación entre los contribuyentes de los tramos altos.
 
Los independientes – muchos de ellos empresarios – tienen
 
opciones de desarrollar una planifi cación tributaria para
 
reducir el pago y los dependientes no las tienen. A su juicio,
25
Chile debería impulsar benefi cios para este segmento,
 
como los que hay en economías más desarrolladas, como
 
EE.UU., Inglaterra y España, donde se deduce por pago
 
de colegios e intereses de créditos hipotecarios.
(El Mercurio, 25/09/09)
1
Question (Q) 1: Margolis: When you took offi ce, Brazil
 
was regarded as an underachiever, and the last among
 
the BRIC nations. Now Brazil is considered a star
 
among emerging countries. What´s happened?
5
Lula: No one respects anyone who doesn´t respect
 
themselves. And Brazil always behaved like a second-class
 
country. We always told ourselves we were the country
 
of the future. But we never transformed these qualities
 
into anything concrete. In a globalized world you cannot
10
sit still. You have to hit the road and sell your country. So
 
we decided to make strengthening Mercosul (the South
 
American trading bloc) a priority, and deepened our
 
relations with Latin America in general. We prioritized trade
 
with Africa and went into the Middle East aggressively. Our
15
trade balance today is diversifi ed. This helped us cushion
 
the blow of the economic crisis.
 
Q2: Margolis: Has Brazil´s success in navigating the
 
economic crisis changed investors´views?
 
Lula: There was no miracle. We had a strong domestic
20
market. We had consumers who wanted to buy cars. We
 
reduced part of the sales tax and asked the companies to
 
offer consumers credit on affordable items. It´s the same
 
case with refrigerators, stoves, washing machines, and
 
with computers and the housing construction.
25
Q3: Margolis: What are the lessons for other
 
countries?
 
Lula: The great lesson is that the state has an important
 
role to play, and has great responsibility. We don´t want
 
the state to manage business. But it can be an inducer of
30
growth and can work in harmony with society.
Source: www.newsweek.com 22nd Sep, 2009 (Adapted)
In his answer to question 2, Luiz Inácio Lula da Silva says that

Questão 37

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
1
del impuesto a la renta
 
 
En Chile, 1.329.297 personas pagan impuestos a la renta,
 
ya sea bajo la modalidad de segunda categoría o de global
5
complementario. A estas se suman otras 6.346.693 que si
 
bien son formalmente contribuyentes para los registros del
 
Servicio de Impuestos Internos (SII), en la práctica están
 
en el primer tramo impositivo, que es cero. De este 1,32
 
millón de chilenos, el 1,27% está en el tramo más alto de
10
impuestos – con una tasa marginal del 40% –, que es para
 
quienes tienen ingresos de cerca de $5,5 millones de pesos
 
mensuales o más. En conjunto, pagan más tributos al año
 
que los bancos o todo el sector comercio. De acuerdo con
 
los datos del SII, este grupo es el responsable del 35,1%
15
de la recaudación por impuesto a la renta; es decir, US$
 
908 millones del total de US$ 2.589 millones que los
 
contribuyentes chilenos aportan por este concepto.
 
Para el socio principal de Ernst & Young, Cristián Levefre,
 
la cifra demuestra que el grueso del aporte de impuestos lo
20
entregan quienes más dinero reciben. Según él, existe una
 
discriminación entre los contribuyentes de los tramos altos.
 
Los independientes – muchos de ellos empresarios – tienen
 
opciones de desarrollar una planifi cación tributaria para
 
reducir el pago y los dependientes no las tienen. A su juicio,
25
Chile debería impulsar benefi cios para este segmento,
 
como los que hay en economías más desarrolladas, como
 
EE.UU., Inglaterra y España, donde se deduce por pago
 
de colegios e intereses de créditos hipotecarios.
(El Mercurio, 25/09/09)
1
Question (Q) 1: Margolis: When you took offi ce, Brazil
 
was regarded as an underachiever, and the last among
 
the BRIC nations. Now Brazil is considered a star
 
among emerging countries. What´s happened?
5
Lula: No one respects anyone who doesn´t respect
 
themselves. And Brazil always behaved like a second-class
 
country. We always told ourselves we were the country
 
of the future. But we never transformed these qualities
 
into anything concrete. In a globalized world you cannot
10
sit still. You have to hit the road and sell your country. So
 
we decided to make strengthening Mercosul (the South
 
American trading bloc) a priority, and deepened our
 
relations with Latin America in general. We prioritized trade
 
with Africa and went into the Middle East aggressively. Our
15
trade balance today is diversifi ed. This helped us cushion
 
the blow of the economic crisis.
 
Q2: Margolis: Has Brazil´s success in navigating the
 
economic crisis changed investors´views?
 
Lula: There was no miracle. We had a strong domestic
20
market. We had consumers who wanted to buy cars. We
 
reduced part of the sales tax and asked the companies to
 
offer consumers credit on affordable items. It´s the same
 
case with refrigerators, stoves, washing machines, and
 
with computers and the housing construction.
25
Q3: Margolis: What are the lessons for other
 
countries?
 
Lula: The great lesson is that the state has an important
 
role to play, and has great responsibility. We don´t want
 
the state to manage business. But it can be an inducer of
30
growth and can work in harmony with society.
Source: www.newsweek.com 22nd Sep, 2009 (Adapted)
De acuerdo con el texto, los contribuyentes dependientes chilenos:

Questão 38

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
1
del impuesto a la renta
 
 
En Chile, 1.329.297 personas pagan impuestos a la renta,
 
ya sea bajo la modalidad de segunda categoría o de global
5
complementario. A estas se suman otras 6.346.693 que si
 
bien son formalmente contribuyentes para los registros del
 
Servicio de Impuestos Internos (SII), en la práctica están
 
en el primer tramo impositivo, que es cero. De este 1,32
 
millón de chilenos, el 1,27% está en el tramo más alto de
10
impuestos – con una tasa marginal del 40% –, que es para
 
quienes tienen ingresos de cerca de $5,5 millones de pesos
 
mensuales o más. En conjunto, pagan más tributos al año
 
que los bancos o todo el sector comercio. De acuerdo con
 
los datos del SII, este grupo es el responsable del 35,1%
15
de la recaudación por impuesto a la renta; es decir, US$
 
908 millones del total de US$ 2.589 millones que los
 
contribuyentes chilenos aportan por este concepto.
 
Para el socio principal de Ernst & Young, Cristián Levefre,
 
la cifra demuestra que el grueso del aporte de impuestos lo
20
entregan quienes más dinero reciben. Según él, existe una
 
discriminación entre los contribuyentes de los tramos altos.
 
Los independientes – muchos de ellos empresarios – tienen
 
opciones de desarrollar una planifi cación tributaria para
 
reducir el pago y los dependientes no las tienen. A su juicio,
25
Chile debería impulsar benefi cios para este segmento,
 
como los que hay en economías más desarrolladas, como
 
EE.UU., Inglaterra y España, donde se deduce por pago
 
de colegios e intereses de créditos hipotecarios.
(El Mercurio, 25/09/09)
1
Question (Q) 1: Margolis: When you took offi ce, Brazil
 
was regarded as an underachiever, and the last among
 
the BRIC nations. Now Brazil is considered a star
 
among emerging countries. What´s happened?
5
Lula: No one respects anyone who doesn´t respect
 
themselves. And Brazil always behaved like a second-class
 
country. We always told ourselves we were the country
 
of the future. But we never transformed these qualities
 
into anything concrete. In a globalized world you cannot
10
sit still. You have to hit the road and sell your country. So
 
we decided to make strengthening Mercosul (the South
 
American trading bloc) a priority, and deepened our
 
relations with Latin America in general. We prioritized trade
 
with Africa and went into the Middle East aggressively. Our
15
trade balance today is diversifi ed. This helped us cushion
 
the blow of the economic crisis.
 
Q2: Margolis: Has Brazil´s success in navigating the
 
economic crisis changed investors´views?
 
Lula: There was no miracle. We had a strong domestic
20
market. We had consumers who wanted to buy cars. We
 
reduced part of the sales tax and asked the companies to
 
offer consumers credit on affordable items. It´s the same
 
case with refrigerators, stoves, washing machines, and
 
with computers and the housing construction.
25
Q3: Margolis: What are the lessons for other
 
countries?
 
Lula: The great lesson is that the state has an important
 
role to play, and has great responsibility. We don´t want
 
the state to manage business. But it can be an inducer of
30
growth and can work in harmony with society.
Source: www.newsweek.com 22nd Sep, 2009 (Adapted)
Brazil´s president refers to the country´s diversified trade balance as having

Questão 39

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
1
Necesidad de préstamos
 
Los gobiernos latinoamericanos necesitarán entre 350
 
y 400 billones de dólares en préstamos en 2010 para
 
reactivar sus economías tras la crisis fi nanciera global,
5
según la vicepresidenta del Banco Mundial para América
 
Latina y el Caribe, Pamela Fox. La obtención de préstamos
 
no será fácil, incluso para proyectos de inversión, advirtió
 
la funcionaria, debido a las difi cultades para conseguir
 
fondos que están restringidos por la enorme demanda
10
internacional de las naciones desarrolladas para sus
 
paquetes de estímulo.
 
“A raíz de la crisis el papel del Estado ha crecido a niveles
 
que eran inimaginables años atrás”, dijo Fox, pero el
 
Estado dispone de menos recursos, de forma tal que
15
“este momento exige más de los ciudadanos que pagan
 
impuestos, especialmente de aquéllos con más ingresos,
 
que deberían tener que afrontar una mayor carga tributaria”,
 
indicó. La funcionaria destacó que según la Organización
 
de Cooperación Económica y Desarrollo menos de un 4%
20
de los ingresos públicos en America Latina provienen de
 
pagos de impuestos personales, comparado con un 27%
 
en las naciones industrializadas.
(El Nacional, 29/09/09)
1
Question (Q) 1: Margolis: When you took offi ce, Brazil
 
was regarded as an underachiever, and the last among
 
the BRIC nations. Now Brazil is considered a star
 
among emerging countries. What´s happened?
5
Lula: No one respects anyone who doesn´t respect
 
themselves. And Brazil always behaved like a second-class
 
country. We always told ourselves we were the country
 
of the future. But we never transformed these qualities
 
into anything concrete. In a globalized world you cannot
10
sit still. You have to hit the road and sell your country. So
 
we decided to make strengthening Mercosul (the South
 
American trading bloc) a priority, and deepened our
 
relations with Latin America in general. We prioritized trade
 
with Africa and went into the Middle East aggressively. Our
15
trade balance today is diversifi ed. This helped us cushion
 
the blow of the economic crisis.
 
Q2: Margolis: Has Brazil´s success in navigating the
 
economic crisis changed investors´views?
 
Lula: There was no miracle. We had a strong domestic
20
market. We had consumers who wanted to buy cars. We
 
reduced part of the sales tax and asked the companies to
 
offer consumers credit on affordable items. It´s the same
 
case with refrigerators, stoves, washing machines, and
 
with computers and the housing construction.
25
Q3: Margolis: What are the lessons for other
 
countries?
 
Lula: The great lesson is that the state has an important
 
role to play, and has great responsibility. We don´t want
 
the state to manage business. But it can be an inducer of
30
growth and can work in harmony with society.
Source: www.newsweek.com 22nd Sep, 2009 (Adapted)
Según el texto, la reactivación económica de América Latina tras la crisis financiera global:

Questão 40

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
1
Necesidad de préstamos
 
Los gobiernos latinoamericanos necesitarán entre 350
 
y 400 billones de dólares en préstamos en 2010 para
 
reactivar sus economías tras la crisis fi nanciera global,
5
según la vicepresidenta del Banco Mundial para América
 
Latina y el Caribe, Pamela Fox. La obtención de préstamos
 
no será fácil, incluso para proyectos de inversión, advirtió
 
la funcionaria, debido a las difi cultades para conseguir
 
fondos que están restringidos por la enorme demanda
10
internacional de las naciones desarrolladas para sus
 
paquetes de estímulo.
 
“A raíz de la crisis el papel del Estado ha crecido a niveles
 
que eran inimaginables años atrás”, dijo Fox, pero el
 
Estado dispone de menos recursos, de forma tal que
15
“este momento exige más de los ciudadanos que pagan
 
impuestos, especialmente de aquéllos con más ingresos,
 
que deberían tener que afrontar una mayor carga tributaria”,
 
indicó. La funcionaria destacó que según la Organización
 
de Cooperación Económica y Desarrollo menos de un 4%
20
de los ingresos públicos en America Latina provienen de
 
pagos de impuestos personales, comparado con un 27%
 
en las naciones industrializadas.
(El Nacional, 29/09/09)
1
Question (Q) 1: Margolis: When you took offi ce, Brazil
 
was regarded as an underachiever, and the last among
 
the BRIC nations. Now Brazil is considered a star
 
among emerging countries. What´s happened?
5
Lula: No one respects anyone who doesn´t respect
 
themselves. And Brazil always behaved like a second-class
 
country. We always told ourselves we were the country
 
of the future. But we never transformed these qualities
 
into anything concrete. In a globalized world you cannot
10
sit still. You have to hit the road and sell your country. So
 
we decided to make strengthening Mercosul (the South
 
American trading bloc) a priority, and deepened our
 
relations with Latin America in general. We prioritized trade
 
with Africa and went into the Middle East aggressively. Our
15
trade balance today is diversifi ed. This helped us cushion
 
the blow of the economic crisis.
 
Q2: Margolis: Has Brazil´s success in navigating the
 
economic crisis changed investors´views?
 
Lula: There was no miracle. We had a strong domestic
20
market. We had consumers who wanted to buy cars. We
 
reduced part of the sales tax and asked the companies to
 
offer consumers credit on affordable items. It´s the same
 
case with refrigerators, stoves, washing machines, and
 
with computers and the housing construction.
25
Q3: Margolis: What are the lessons for other
 
countries?
 
Lula: The great lesson is that the state has an important
 
role to play, and has great responsibility. We don´t want
 
the state to manage business. But it can be an inducer of
30
growth and can work in harmony with society.
Source: www.newsweek.com 22nd Sep, 2009 (Adapted)
In his answer to question 3, Brazil´s president

Questão 41

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Considere a seguinte proposição: “Se chove ou neva, então o chão fica molhado”. Sendo assim, pode-se afirmar que:

Questão 42

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Três meninos, Zezé, Zozó e Zuzu, todos vizinhos, moram na mesma rua em três casas contíguas. Todos os três meninos possuem animais de estimação de raças diferentes e de cores também diferentes. Sabe-se que o cão mora em uma casa contígua à casa de Zozó; a calopsita é amarela; Zezé tem um animal de duas cores – branco e laranja – ; a cobra vive na casa do meio. Assim, os animais de estimação de Zezé, Zozó e Zuzu são, respectivamente:

Questão 43

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Se α = , então β = . Se α = e3, então β ou δ são iguais a . Se δ = e3, então β =

Se δ = , então α = . Considerando que as afirmações são verdadeiras, segue-se, portanto, que:

Questão 44

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Considere as inequações dadas por: .

Sabendo-se que A é o conjunto solução de f(x) e B o conjunto solução de g(x) , então o conjunto Y = A ∩ B é igual a:

Questão 45

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Em uma repartição, 3/5 do total dos funcionários são concursados, 1/3 do total dos funcionários são mulheres e as mulheres concursadas correspondem a 1/4 do total dos funcionários dessa repartição. Assim, qual entre as opções abaixo, é o valor mais próximo da porcentagem do total dos funcionários dessa repartição que são homens não concursados?

Questão 46

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Um projétil é lançado com um ângulo de 30º em relação a um plano horizontal. Considerando que a sua trajetória inicial pode ser aproximada por uma linha reta e que sua velocidade média, nos cinco primeiros segundos, é de 900km/h, a que altura em relação ao ponto de lançamento este projétil estará exatamente cinco segundos após o lançamento?

Questão 47

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Com relação ao sistema ,

onde 3z + 2 ≠ 0 e 2x + y ≠ 0 , pode-se, com certeza, afirmar que:

Questão 48

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Considere uma esfera, um cone, um cubo e uma pirâmide. A esfera mais o cubo pesam o mesmo que o cone. A esfera pesa o mesmo que o cubo mais a pirâmide. Considerando ainda que dois cones pesariam o mesmo que três pirâmides, quantos cubos pesa a esfera?

Questão 49

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Se um polinômio f for divisível separadamente por (x – a) e (x – b) com a ≠ b, então f é divisível pelo produto entre (x – a) e (x – b). Sabendo-se que 5 e -2 são os restos da divisão de um polinômio f por (x - 1) e (x + 3), respectivamente, então o resto da divisão desse polinômio pelo produto dado por (x - 1) e (x + 3) é igual a:

Questão 50

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Sabe-se que os pontos A,B,C, D, E, F e G são coplanares, ou seja, estão localizados no mesmo plano. Sabe-se, também, que destes sete pontos, quatro são colineares, ou seja, estão numa mesma reta. Assim, o número de retas que ficam determinadas por estes sete pontos é igual a:

Questão 51

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal

» Esta questão foi anulada pela banca.
De quantas maneiras podem sentar-se três homens e três mulheres em uma mesa redonda, isto é, sem cabeceira, de modo a se ter sempre um homem entre duas mulheres e uma mulher entre dois homens?

Questão 52

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Considere um retângulo formado por pequenos quadrados iguais, conforme a figura abaixo. Ao todo, quantos quadrados de quaisquer tamanhos podem ser contados nessa figura?

Questão 53

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Considere a seguinte amostra aleatória das idades em anos completos dos alunos em um curso preparatório.

Com relação a essa amostra, marque a única opção correta:

29, 27, 25, 39, 29, 27, 41, 31, 25, 33, 27, 25, 25, 23, 27, 27, 32, 26, 24, 36, 32, 26, 28, 24, 28, 27, 24, 26, 30, 26, 35, 26, 28, 34, 29, 23, 28.

Questão 54

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal

» Esta questão foi anulada pela banca.
Na análise de regressão linear simples, as estimativas e dos parâmetros e da reta de regressão podem ser obtidas pelo método de Mínimos Quadrados.

Nesse caso, os valores dessas estimativas são obtidos através de uma amostra de n pares de valores Xi Yi com (i= 1, 2, ....,n ) , obtendo-se: , onde é a estimativa de . Para cada par de valores Xi Yi com (i= 1, 2, ....,n ) pode-se estabelecer o desvio ou resíduo − aqui denotado por ei − entre a reta de regressão Yi e sua estimativa . Sabe-se que o Método de Mínimos Quadrados consiste em adotar como estimativas dos parâmetros α e β os valores que minimizam a soma dos quadrados dos desvios ei.

Desse modo, o Método de Mínimos Quadrados consiste em minimizar a expressão dada por:

Questão 55

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
O número de petroleiros que chegam a uma refinaria ocorre segundo uma distribuição de Poisson, com média de dois petroleiros por dia. Desse modo, a probabilidade de a refi naria receber no máximo três petroleiros em dois dias é igual a:

Questão 56

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Em um experimento binomial com três provas, a probabilidade de ocorrerem dois sucessos é doze vezes a probabilidade de ocorrerem três sucessos. Desse modo, as probabilidades de sucesso e fracasso são, em percentuais, respectivamente, iguais a:

Questão 57

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
A função densidade de probabilidade de uma variável aleatória contínua x é dada por:


Para esta função, a média de x, também denominada expectância de x e denotada por E(x) é igual a:

Questão 58

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
A tabela mostra a distribuição de frequências relativas populacionais (f’ ) de uma variável X:


Sabendo que “a” é um número real, então a média e a variância de X são, respectivamente:

Questão 59

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
No sistema de juros compostos um capital PV aplicado durante um ano à taxa de 10 % ao ano com capitalização semestral resulta no valor final FV. Por outro lado, o mesmo capital PV, aplicado durante um trimestre à taxa de it% ao trimestre resultará no mesmo valor final FV, se a taxa de aplicação trimestral for igual a:

Questão 60

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Um corredor está treinando diariamente para correr a maratona em uma competição, sendo que a cada domingo ele corre a distância da maratona em treinamento e assim observou que, a cada domingo, o seu tempo diminui exatamente 10% em relação ao tempo do domingo anterior. Dado que no primeiro domingo imediatamente antes do início do treinamento, ele fez o percurso em 4 horas e 30 minutos e, no último domingo de treinamento, ele correu a distância da maratona em 3 horas, 16 minutos e 49,8 segundos, por quantas semanas ele treinou?

Questão 61

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Assinale a opção falsa.

Questão 62

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Se uma pessoa, que participava de operações bélicas, não for encontrada até dois anos após o término da guerra, configurada está a:

Questão 63

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Na criação de fundação há duas fases:

Questão 64

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
“A” adquire de “B” o lote “X” do Recanto Azul, ignorando que lei municipal proibia loteamento naquela localidade.

Tal compra e venda poderá ser anulada, por ter havido erro:

Questão 65

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
A doação de um apartamento a João, jogador de golfe, se ele tiver bom desempenho no PGA Tour, circuito anual, com cerca de quarenta e cinco torneios masculinos de golfe, é negócio jurídico, que contém condição:

Questão 66

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Assinale a opção correta.

Questão 67

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
A nulidade absoluta do negócio jurídico

Questão 68

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Os seguintes atos do empregador: medida destinada à exclusão do empregado de sua atividade profissional, atacando, injustificadamente, seu rendimento pessoal; manipulação da reputação pessoal e profissional do empregado, mediante rumores e ridicularização; abuso do poder com atitudes de menosprezo e controle desmedido do desempenho do empregado:

Questão 69

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Com relação à aplicação da lei penal, analise o caso abaixo e o enquadre na teoria do crime prevista no Código Penal Brasileiro, assinalando a assertiva correta.

Carlos atira em João com a intenção de matá-lo. Entretanto, a bala passa de raspão no braço de João. Este é socorrido e levado para o hospital. Tragicamente, o hospital é incendiado por Abelardo que deseja matar todos os pacientes do hospital e João morre carbonizado.

Questão 70

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Paulo, dirigente do sindicato dos metalúrgicos de São Bernardo, constrange Márcia, metalúrgica não filiada, a participar do sindicato dos metalúrgicos, ameaçando-a de ser demitida caso não se associe imediatamente. Tal ameaça foi presenciada por policial que se encontrava casualmente ao lado de Márcia. À luz do Código Penal, julgue os itens abaixo assinalando o correto.

Questão 71

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Fátima retém a contribuição social dos seus empregados Celso e Gabriel a título de envio posterior dos referidos valores ao INSS. Entretanto, deixa de repassar à Previdência Social as contribuições recolhidas dos contribuintes no prazo legal. Sobre a conduta de Fátima, é possível afirmar que:

Questão 72

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Com relação ao disposto na Lei dos Juizados Especiais Criminais (Lei n. 9099/95), é correto afirmar que:

Questão 73

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
À luz da aplicação da lei penal, julgue as afirmações abaixo relativas ao fato de Marcos, funcionário público concursado, ao chegar na sua nova repartição, pegar computador da sua sala de trabalho e levar para casa junto com a impressora e resmas de papel em uma sacola grande com o fim de usá-los em casa para fins recreativos:

I. Na hipótese, Marcos comete crime contra a Administração Pública.

II. Marcos comete crime contra a Administração da Justiça.

III. Marcos comete o crime de peculato-furto, previsto no § 1º do art. 312 do Código Penal Brasileiro, pois se valeu da facilidade que proporciona a qualidade de funcionário.

IV. Marcos não cometeria o crime de peculato, descrito no enunciado do problema, se o entregasse para pessoa da sua família utilizar, pois o peculato caracteriza-se pelo proveito próprio dado ao bem.

Questão 74

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Temístocles, advogado e funcionário público com poder de gestão no fisco, patrocina cliente que deve valor ao fi sco, solicitando na repartição, em janeiro de 2009, que o valor devido deixe de ser cobrado para que o débito seja prescrito. Tal conduta é denunciada pelo Ministério Público e enviada ao Poder Judiciário. Antes do recebimento da denúncia pelo juiz, Temístocles paga o tributo devido e seus acréscimos. Com base nessa informação e na legislação especial penal, é correto afi rmar que houve:

Questão 75

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
A respeito do empresário individual no âmbito do direito comercial, marque a opção correta.

Questão 76

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Sobre a transformação, assinale a opção incorreta.

Questão 77

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Sobre as sociedades, marque a opção correta.

Questão 78

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Assinale a opção abaixo que contém o valor mobiliário que confere ao respectivo titular direito de crédito eventual, consistente na participação nos lucros anuais da sociedade.

Questão 79

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Assinale abaixo o crédito com maior prioridade na falência.

Questão 80

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Sobre a nota promissória, o cheque e a duplicata, marque a afirmativa correta.

Questão 81

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Marque a opção incorreta.

Questão 82

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Marque a opção correta.

Questão 83

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Marque a opção correta.

I. O disposto no artigo 5º, inciso XIII da Constituição Federal – “é livre o exercício de qualquer trabalho, ofício ou profissão, atendidas as qualificações profissionais que a lei estabelecer”, cuida-se de uma norma de eficácia limitada.

II. A ideia e escalonamento normativo é pressuposto necessário para a supremacia constitucional e, além disso, nas constituições materiais se verifica a superioridade da norma magna em relação àquelas produzidas pelo Poder Legislativo.

III. O sistema de controle Judiciário de Constitucionalidade repressiva denominado reservado ou concentrado é exercido por via de ação.

IV. Na via de exceção, a pronúncia do Judiciário sobre a inconstitucionalidade não é feita enquanto manifestação sobre o objeto principal da lide, mas sim sobre questão prévia, indispensável ao julgamento do mérito.

V. A cláusula de reserva de plenário não veda a possibilidade de o juiz monocrático declarar a inconstitucionalidade de lei ou ato normativo do Poder Público.

Questão 84

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Marque a opção correta.

Questão 85

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Marque a opção correta.

Questão 86

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Marque a opção correta, nos termos do disposto na Constituição Federal de 1988.

Questão 87

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Nos termos da Constituição Federal de 1988, marque a opção incorreta.

Questão 88

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal

» Esta questão foi anulada pela banca.
Marque a opção correta, nos termos da Constituição Federal de 1988.

Questão 89

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal

» Esta questão foi anulada pela banca.
Marque a opção correta.

I. Não cabe mandado de segurança contra os atos de gestão comercial praticados pelos administradores de concessionárias de serviço público.

II. Compete originariamente ao Supremo Tribunal Federal o julgamento de Hábeas Corpus contra decisão de turma recursal de Juizados Especiais Criminais.

III. Consoante entendimento jurisprudencial predominante, não se exige negativa da via administrativa para justificar o ajuizamento do habeas data.

IV. O Supremo Tribunal Federal decidiu pela autoaplicabilidade do mandado de injunção, cabendo ao Plenário decidir sobre as medidas liminares propostas.

V. Consoante entendimento jurisprudencial dominante, o Supremo Tribunal Federal adotou a posição não concretista quanto aos efeitos da decisão judicial no mandado de injunção.

Questão 90

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Marque a opção correta, nos termos do disposto na Constituição Federal de 1988.

Questão 91

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Quanto à organização administrativa brasileira, analise as assertivas abaixo e assinale a opção correta.

I. A administração pública federal brasileira indireta é composta por autarquias, fundações, sociedades de economia mista, empresas públicas e entidades paraestatais.

II. Diferentemente das pessoas jurídicas de direito privado, as entidades da administração pública indireta de personalidade jurídica de direito público são criadas por lei específica.

III. Em regra, a execução judicial contra o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis – IBAMA enquanto autarquia federal está sujeita ao regime de precatórios previsto no art. 100 da Constituição Federal, respeitadas as exceções.

IV. A Caixa Econômica Federal enquanto empresa pública é exemplo do que se passou a chamar, pela doutrina do direito administrativo, de desconcentração da atividade estatal.

V. O Instituto Nacional do Seguro Social – INSS enquanto autarquia vinculada ao Ministério da Previdência Social está subordinada à sua hierarquia e à sua supervisão.

Questão 92

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
São elementos nucleares do poder discricionário da administração pública, passíveis de valoração pelo agente público:

Questão 93

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Quanto à competência para a prática dos atos administrativos, assinale a assertiva incorreta.

Questão 94

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
“Incumbe ao Poder Público, na forma da lei, diretamente ou sob regime de concessão ou permissão, sempre através de licitação, a prestação de serviços públicos”.

Esta é a previsão do caput do art. 175 da Constituição Federal. Sobre os serviços públicos, no ordenamento jurídico brasileiro, analise as assertivas abaixo e assinale a opção correspondente.

( ) Sob o critério formal, serviço público é aquele disciplinado por regime de direito público.

( ) Segundo o critério material, serviço público é aquele que tem por objeto a satisfação de necessidades coletivas.

( ) O critério orgânico ou subjetivo classifica o serviço como público pela pessoa responsável por sua prestação, qual seja, o Estado.

( ) A concessão e a permissão transferem a titularidade de um serviço público a quem aceitar prestá-lo, mediante licitação.

( ) Enquanto a permissão de serviço público, diante de sua precariedade, ocorre necessariamente por prazo determinado, a concessão pode ocorrer por prazo indeterminado.

Questão 95

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Relacione as formas de provimento de cargo público, previstas no art. 8º da Lei n. 8.112, de 11 de dezembro de 1990, às suas respectivas características. Ao final, assinale a opção correspondente.

1. nomeação
2. promoção
3. readaptação
4. reintegração
5. recondução

( ) é caracterizada pelo retorno do servidor estável ao cargo anteriormente ocupado quando inabilitado em estágio probatório relativo a outro cargo ou quando o anterior ocupante é reintegrado.

( ) é o ato administrativo que materializa o provimento originário. Pode-se dar em comissão ou em caráter efetivo, dependendo, neste último caso, de prévia habilitação em concurso público de provas ou de provas e títulos, obedecidos a ordem de classificação e o prazo de sua validade.

( ) é a investidura do servidor em cargo de atribuições e responsabilidades compatíveis com a limitação que tenha sofrido em sua capacidade física ou mental verificada em inspeção médica.

( ) é caracterizada pelo retorno do servidor estável a seu cargo anteriormente ocupado, ou cargo resultante de sua transformação, após ter sido invalidada sua demissão, com ressarcimento de todas as vantagens.

( ) é a forma de provimento pela qual o servidor sai de seu cargo e ingressa em outro situado em classe mais elevada.

Questão 96

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal

» Esta questão foi anulada pela banca.
Vigora atualmente no ordenamento jurídico brasileiro, quanto à responsabilidade civil do Estado:

Questão 97

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Não se inclui na competência do Tribunal de Contas da União, determinada pela Constituição Federal, enquanto órgão auxiliar do Congresso Nacional na realização do controle externo da administração pública federal:

Questão 98

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Os “Crimes contra a Administração Pública” são tratados no Título XI do Código Penal Brasileiro. Em seu Capítulo I, foram tipificados os “Crimes praticados por Funcionários Púbicos contra a Administração em geral ”. Não se inclui entre as condutas previstas neste Capítulo:

Questão 99

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Quanto à disciplina da Lei de Improbidade Administrativa – Lei n. 8.429, de 2 de junho de 1992, é incorreto afirmar:

Questão 100

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
João pretende fazer um requerimento, de seu interesse, junto à unidade da Secretaria da Receita Federal do Brasil em sua cidade. Conforme o que determina a Lei n. 9.784, de 29 de janeiro de 1999, assinale a opção que relata a correta conduta.

Questão 101

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
À luz da Organização da Seguridade Social definida na Constituição Federal, julgue os itens abaixo:

I. Previdência Social, Educação e Assistência Social são partes da Seguridade Social;

II. a Saúde possui abrangência universal, sendo qualquer pessoa por ela amparada;

III. a Previdência Social pode ser dada gratuitamente à população rural carente;

IV. a Assistência Social, por meio de sistema único e centralizado no poder central federal, pode ser dada a todos os contribuintes individuais da Previdência Social.

O número de itens errados é:

Questão 102

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Maria Clara, empregada doméstica com deficiência física, e Antônio José, empresário dirigente de multinacional sediada no Brasil, desejam contribuir para o Regime Geral de Previdência Social e com isso gozar de todos os benefícios e serviços prestados pela Seguridade Social.

De acordo com a situação-problema apresentada acima, é correto afirmar que:

Questão 103

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
A respeito do financiamento da Seguridade Social, nos termos da Constituição Federal e da legislação de custeio previdenciária, assinale a opção correta.

Questão 104

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal

» Esta questão foi anulada pela banca.
A respeito da Ordem Social e princípios constitucionais da seguridade social, assinale a opção incorreta.

Questão 105

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
A arrecadação e o recolhimento das contribuições destinadas à seguridade social constituem uma das principais tarefas de gestão tributária. Sobre elas o tempo decorrido mostra-se importante, considerando a jurisprudência dos Tribunais Superiores sobre a legislação previdenciária de custeio. Entre as assertivas a seguir indicadas, assinale a correta.

Questão 106

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Tendo em vista a classificação dos segurados obrigatórios na legislação previdenciária vigente, assinale a assertiva incorreta.

Questão 107

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Hermano, advogado autônomo, possui escritório no qual mantém relação de vínculo empregatício com Lia (advogada e assistente de Hermano) e Léa (secretária).
A construtora ABC Empreendimentos, pessoa jurídica cadastrada na Junta Comercial, possui na sua folha de pagamentos 10 empregados e 20 autônomos que prestam serviços para distintas construtoras na área de assentamento de mármore e granito.

De acordo com a situação-problema apresentada acima e do conceito previdenciário de empresa, é correto afirmar que:

Questão 108

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
A respeito dos segurados facultativos da Previdência Social, é correto afirmar que:

Questão 109

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Além das contribuições sociais, a seguridade social conta com outras receitas. Não constituem outras receitas da seguridade social:

Questão 110

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Nos termos do Regulamento da Previdência Social, analise as assertivas a respeito das obrigações acessórias de retenção e responsabilidade solidária da contribuição social, assinalando a incorreta.

Questão 111

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Assinale a afirmativa incorreta.

Questão 112

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Diversos fatos podem resultar na desoneração tributária. Assinale, entre as que se seguem, a forma de desoneração tributária pela qual não nascem nem a obrigação tributária, nem o respectivo crédito por força do não-exercício da competência a que tem direito o poder tributante.

Questão 113

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Entre as limitações constitucionais ao poder de tributar, que constituem garantias dos contribuintes em relação ao fisco, é incorreto afirmar que:

Questão 114

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Sobre as taxas, podemos afirmar, exceto, que:

Questão 115

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Em relação aos empréstimos compulsórios, é correto afirmar que:

Questão 116

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Com relação ao imposto sobre importação de produtos estrangeiros, assinale a opção incorreta.

Questão 117

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Analise os itens a seguir, classifi cando-os como verdadeiros (V) ou falsos (F). Em seguida, escolha a opção adequada às suas respostas:

I. de acordo com a Constituição Federal, o imposto sobre a renda e proventos de qualquer natureza será informado pela generalidade, universalidade e progressividade, na forma da lei. Pode-se afirmar que o critério da progressividade decorre dos princípios da igualdade e da capacidade contributiva, na medida em que contribuintes com maiores rendimentos sejam tributados de modo mais gravoso do que aqueles com menores rendimentos;

II. a Constituição estabelece expressamente que o imposto sobre a renda será progressivo, enquanto o imposto sobre a propriedade imobiliária poderá ser progressivo;

III. a Constituição traça uma dupla progressividade para o IPTU, quais sejam, progressividade em razão do imóvel e em razão do tempo;

IV. o princípio da capacidade contributiva não possui significado muito importante para o IPTU, visto que este tributo se caracteriza por ser um imposto real, sem relação com as características pessoais do sujeito passivo.

Questão 118

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Analise os itens a seguir, classificando-os como verdadeiros (V) ou falsos(F). Em seguida, escolha a opção adequada às suas respostas:

I. as operações de câmbio constituem fato gerador do IOF – imposto sobre operações de crédito, câmbio e seguro, ou relativas a títulos ou valores mobiliários;

II. o câmbio traz um comércio de dinheiro, no qual este se torne mercadoria e, como tal, tem custo e preço;

III. operações de câmbio são negócios jurídicos de compra e venda de moeda estrangeira ou nacional, ou, ainda, os negócios jurídicos consistentes na entrega de uma determinada moeda a alguém em contrapartida de outra moeda recebida.

Questão 119

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Segundo o art. 195, caput, da Constituição Federal, a seguridade social será financiada por toda a sociedade, de forma direta e indireta, nos termos da lei, mediante recursos provenientes dos orçamentos da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, e das contribuições sociais que enumera. Sobre estas, é incorreto afirmar que:

Questão 120

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Sobre a Contribuição Social para o Lucro Líquido(CSLL), instituída pela Lei n. 7.689/88, julgue os itens abaixo, classificando-os como verdadeiros (V) ou falsos (F). Em seguida, escolha a opção adequada às suas respostas:

I. a sua base de cálculo é a mesma do imposto de renda das pessoas físicas, sendo que as deduções e compensações admissíveis para a apuração de um correspondem àquelas admitidas para fins de apuração da base de cálculo do outro;

II. a sua base de cálculo é o valor do resultado do exercício antes da provisão para o imposto de renda;

III. a CSLL poderá incidir sobre o resultado presumido ou arbitrado, quando tal seja o regime de apuração a que a pessoa jurídica se submete relativamente ao imposto de renda.

Questão 121

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Sobre a Legislação Tributária, assinale a opção correta.

Questão 122

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Considerando a publicação de norma, em 15 de dezembro de 2009, visando à majoração de tributo, sem disposição expressa sobre a data de vigência, aponte a opção correta.

Questão 123

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Sobre a obrigação tributária principal e acessória e sobre o fato gerador do tributo, assinale a opção correta.

Questão 124

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Sobre a solidariedade e os sujeitos da obrigação tributária, com base no Código Tributário Nacional, assinale a opção correta.

Questão 125

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Sobre a disciplina conferida ao domicílio tributário, pelo Código Tributário Nacional, assinale a opção correta.

Questão 126

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Sobre a responsabilidade tributária, assinale a opção correta.

Questão 127

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Sobre o lançamento, com base no Código Tributário Nacional, assinale a opção correta.

Questão 128

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Sobre a prescrição e a decadência, como modalidades de extinção do crédito tributário, assinale a opção correta.

Questão 129

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Sobre a exclusão do crédito tributário, assinale a opção correta.

Questão 130

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Sobre a Administração Tributária e o poder de fiscalizar, assinale a opção correta.

Questão 131

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
A participação no comércio internacional é importante dimensão das estratégias de desenvolvimento econômico dos países, sendo perseguida a partir de ênfases diferenciadas quanto ao grau de exposição dos mercados domésticos à competição internacional. Com base nessa assertiva e considerando as diferentes orientações que podem assumir as políticas comerciais, assinale a opção correta.

Questão 132

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
A respeito do Acordo sobre Implementação do Artigo VII do Acordo Geral de Tarifas e Comércio (GATT), é correto afirmar que:

Questão 133

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal

» Esta questão foi anulada pela banca.
O Sistema Global de Preferências Comerciais, instituído no âmbito da Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD), objetiva promover e manter o comércio entre países em desenvolvimento por meio da concessão mútua de preferências comerciais.

Sobre seu funcionamento, é incorreto afirmar que:

Questão 134

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Na América Latina coexistem diferentes esquemas de integração econômica. Considerando este fato, assinale a opção que expressa corretamente as relações entre a Associação Latino-Americana de Integração (ALADI) e o Mercado Comum do Sul (Mercosul).

Questão 135

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Sobre a valoração aduaneira no Mercosul, é correto afirmar que:

Questão 136

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Acerca das práticas desleais de comércio e respectivas medidas de defesa, e tomando por base a normativa da Organização Mundial do Comércio, é correto afirmar que:

Questão 137

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
No contexto do comércio exterior brasileiro, são atribuições da Receita Federal do Brasil:

Questão 138

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
A classificação aduaneira das mercadorias é recurso essencial para a aplicação, pela autoridade aduaneira, dos direitos que incidem sobre a exportação e importação de mercadoria e é objeto de convenções e instrumentos internacionais. A respeito, assinale a opção correta.

Questão 139

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
A respeito da Convenção de Viena sobre contratos de Compra e Venda Internacional de Mercadorias (CVIM), é correto afirmar que:

Questão 140

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
O regime aduaneiro especial que contempla a estocagem de partes, peças e materiais de reposição ou manutenção, com suspensão do pagamento dos impostos federais, da contribuição para o PIS/PASEP - Importação e da COFINS importação, para veículos, máquinas, equipamentos, aparelhos e instrumentos estrangeiros, nacionalizados ou não, e nacionais em que tenham sido empregados partes, peças e componentes estrangeiros, nos casos definidos pelo Ministro da Fazenda, é conhecido como:

Questão 141

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
O Conselho Federal de Contabilidade, considerando que a evolução ocorrida na área da Ciência Contábil reclamava a atualização substantiva e adjetiva de seus princípios, editou, em 29 de dezembro de 1993, a Resolução 750, dispondo sobre eles.
Sobre o assunto, abaixo estão escritas cinco frases.
Assinale a opção que indica uma afirmativa falsa.

Questão 142

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Observando o patrimônio da empresa Constituída S.A. e as transações realizadas, encontramos, em primeiro lugar, os seguintes dados contabilizados:

Capital registrado na Junta Comercial R$ 40.000,00
Dinheiro guardado em espécie R$ 5.500,00
Um débito, em duplicatas, com a GM R$ 7.500,00
Um crédito, em duplicatas, com as lojas Sá R$ 10.500,00
Um Vectra GM do próprio uso R$ 35.000,00
Lucros de períodos anteriores R$ 3.500,00

Em seguida, constatamos o pagamento de R$ 3.000,00 da dívida existente, com descontos de 10%; e a contratação de empréstimo bancário de R$ 6.500,00, incidindo encargos de 4%, com a emissão de notas promissórias.

Classificando contabilmente os componentes desse patrimônio e considerando as variações provocadas pelas duas transações do exemplo, pode-se dizer que os saldos daí decorrentes, no fi m do período, serão devedores e credores de:

Questão 143

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Considere o exemplo da Chácara Caçula. Ela possui 1.000 frangos de corte para revender. Quatrocentos deles foram comprados de João Batista e ainda não foram pagos. Trezentos desses frangos já foram entregues ao José Maria, mediante uma transação de venda realizada a prazo, em que o preço unitário foi nove reais e o imposto foi de 10%.

A atividade empresarial é exercida em instalações próprias, mas o equipamento é alugado de terceiros.

Na avaliação monetária dessa chácara temos que:

1. as instalações físicas valem R$ 10.000,00;

2. os equipamentos valem R$ 5.000,00;

3. o aluguel mensal dos equipamentos é de R$ 300,00;

4. o salário mensal do caseiro é de dois salários-mínimos;

5. os frangos custaram R$ 8,00 por unidade, isentos de impostos.

Calculando-se o patrimônio final dessa entidade, com base nas informações prestadas, certamente, no início do ano se encontrará um:

Questão 144

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
A firma comercial Alvorada Mineira Ltda. adquiriu um bem de uso por R$ 6.000,00, pagando uma entrada de 25% em dinheiro e financiando o restante em três parcelas mensais e iguais. A operação foi tributada com ICMS de 12%.

Ao ser contabilizada a operação acima, o patrimônio da fi rma Alvorada evidenciará um aumento no ativo no valor de:

Questão 145

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Exemplificamos, abaixo, os dados contábeis colhidos no fim do período de gestão de determinada entidade econômico-administrativa:

Segundo a Teoria Personalística das Contas e com base nas informações contábeis acima, pode-se dizer que, neste patrimônio, está sob responsabilidade dos agentes consignatários o valor de:

Questão 146

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
A quitação de títulos com incidência de juros ou outros encargos deve ser contabilizada em lançamentos de segunda ou de terceira fórmulas, conforme o caso, pois envolve, ao mesmo tempo, contas patrimoniais e de resultado.

Especificamente, o recebimento de duplicatas, com incidência de juros, deve ter o seguinte lançamento contábil:

Questão 147

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
A firma Comercial de Produtos Frutíferos Ltda., que encerra seu exercício social no último dia do ano civil, contabilizou por duas vezes o mesmo fato contábil em 31/10/2008, caracterizando o erro de escrituração conhecido como duplicidade de lançamento. Esse erro só foi constatado no exercício seguinte.

Os lançamentos foram feitos a débito de conta do resultado e a crédito de conta do passivo circulante. Em face dessa ocorrência, pode-se dizer que, no balanço patrimonial de 31/12/2008:

Questão 148

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
A empresa Revendedora S.A. alienou dois veículos de sua frota de uso, por R$ 29.000,00, a vista.

O primeiro desses carros já era da empresa desde 2005, tendo entrado no balanço de 2007 com saldo de R$ 25.000,00 e depreciação acumulada de 55%.

O segundo veículo foi comprado em primeiro de abril de 2008 por R$ 10.000,00, não tendo participado do balanço do referido ano de 2007.

A empresa atualiza o desgaste de seus bens de uso em períodos mensais.

Em 30 de setembro de 2008, quando esses veículos foram vendidos, a empresa registrou seus ganhos ou perdas de capital com o seguinte lançamento de fórmula complexa:

Questão 149

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal

» Esta questão foi anulada pela banca.
No balanço patrimonial encerrado em 31/12/2007, a empresa Previdente S.A. apresentava a conta Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa com saldo de R$ 13.200,00. Durante o ano de 2008 a empresa baixou créditos incobráveis no valor de R$ 7.000,00 e teve comprovada a experiência de perdas no recebimento de créditos, ocorrida nos últimos três anos, em média de 4%.
Em 31/12/2008, data de encerramento do exercício social, a empresa tinha créditos a receber no valor de R$ 180.000,00, dos quais R$ 20.000,00 eram devidos por uma fi rma que abriu concordata, conseguindo um acordo judicial à base de 68%.
Ao contabilizar uma nova provisão no exercício de 2008, o contador deverá constituir para o balanço um saldo de

Questão 150

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
A diminuição do valor dos elementos do ativo será registrada periodicamente nas contas de:

Questão 151

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
A relação seguinte refere-se aos títulos contábeis constantes do livro Razão da empresa comercial Concórdia Sociedade Anônima, e respectivos saldos, em 31 de dezembro de 2008:

01 – Bancos Conta Movimento 17.875,00
02 – Bancos Conta Empréstimos 50.000,00
03 – Conta Mercadorias 42.500,00
04 – Capital Social 105.000,00
05 – Móveis e Utensílios 280.000,00
06 – ICMS a Recolher 7.500,00
07 – Custo das Mercadorias

Vendidas (CMV) 212.500,00
08 – Salários e Ordenados 10.000,00
09 – Contribuições de Previdência 3.750,00
10 – Despesas com Créditos de

Liquidação Duvidosa 3.500,00
11 – Depreciação Acumulada 44.800,00
12 – Retenção de Lucros 51.200,00
13 – Vendas de Mercadorias 352.000,00
14 – Impostos e Taxas 2.200,00
15 – PIS e COFINS 8.625,00
16 – ICMS sobre vendas 52.500,00
17 – Pró-labore 7.600,00
18 – Fornecedores 157.750,00
19 – PIS e COFINS a Recolher 1.800,00
20 – Duplicatas a Receber 100.000,00
21 – Encargos de Depreciação 32.000,00
22 – Provisão para Créditos de

Liquidação Duvidosa 3.000,00

Ao elaborar o balancete geral de verificação, no fim do exercício social, com as contas e saldos apresentados, a empresa, certamente, encontrará:

Questão 152

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
A Lei n. 6.404/76, com suas diversas atualizações, determina que, ao fim de cada exercício social, com base na escrituração mercantil da companhia, exprimindo com clareza a situação do patrimônio e as mutações ocorridas no exercício, a diretoria fará elaborar as seguintes demonstrações financeiras:

Questão 153

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Em 31.12.2008, a empresa Baleias e Cetáceos S/A colheu em seu livro Razão as seguintes contas e saldos respectivos com vistas à apuração do resultado do exercício:

01 - Vendas de Mercadorias R$ 12.640,00
02 - Duplicatas Descontadas R$ 4.000,00
03 - Aluguéis Ativos R$ 460,00
04 - Juros Passivos R$ 400,00
05 - ICMS sobre vendas R$ 2.100,00
06 - Fornecedores R$ 3.155,00
07 - Conta Mercadorias R$ 1.500,00
08 - FGTS R$ 950,00
09 - Compras de Mercadorias R$ 3.600,00
10 - ICMS a Recolher R$ 1.450,00
11 - Clientes R$ 4.500,00
12 - Salários e Ordenados R$ 2.000,00
13 - PIS s/Faturamento R$ 400,00
14 - COFINS R$ 1.100,00
15 - Frete sobre vendas R$ 800,00
16 - Frete sobre compras R$ 300,00
17 - ICMS sobre compras R$ 400,00

O inventário realizado em 31.12.08 acusou a existência de mercadorias no valor de R$ 1.000,00.
Considerando que na relação de saldos acima estão indicadas todas as contas que formam o resultado dessa empresa, pode-se dizer que no exercício em causa foi apurado um Lucro Operacional Bruto no valor de

Questão 154

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
No mercadinho de José Maria Souza, que ele, orgulhosamente, chama de Supermercado Barateiro, o Contador recebeu a seguinte documentação:

Os fretes foram cobrados à razão de R$ 25.000,00 sobre as compras e de R$ 15.000,00 sobre as vendas; o Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços foi calculado à razão de 15% sobre as compras e sobre as vendas. Não há ICMS sobre os fretes, nem outro tipo de tributação nas operações.

Com base nessa documentação, coube ao Contador contabilizar as operações e calcular os custos e lucros do Supermercado. Terminada essa tarefa, podemos dizer que foi calculado um lucro bruto de vendas, no valor de

Questão 155

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
A empresa Livre Comércio e Indústria S.A. apurou, em 31/12/2008, um lucro líquido de R$ 230.000,00, antes da provisão para o Imposto de Renda e Contribuição Social sobre o Lucro e das participações estatutárias.

As normas internas dessa empresa mandam destinar o lucro do exercício para reserva legal (5%); para reservas estatutárias (10%); para imposto de renda e contribuição social sobre o lucro (25%); e para dividendos (30%).

Além disso, no presente exercício, a empresa determinou a destinação de R$ 50.000,00 para participações estatutárias no lucro, sendo R$ 20.000,00 para os Diretores e R$ 30.000,00 para os empregados.
Na contabilização do rateio indicado acima, pode-se dizer que ao pagamento dos dividendos coube a importância de:

Questão 156

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Na Contabilidade da empresa Atualizadíssima S.A. os bens depreciáveis eram apresentados com saldo de R$ 800.000,00 em 31/03/2008, com uma Depreciação Acumulada, já contabilizada, com saldo de R$ 200.000,00, nessa data.

Entretanto, em 31/12/2008, o saldo da conta de bens depreciáveis havia saltado para R$ 1.100.000,00, em decorrência da aquisição, em primeiro de abril, de outros bens com vida útil de 5 anos, no valor de R$ 300.000,00.

Considerando que todo o saldo anterior é referente a bens depreciáveis à taxa anual de 10%, podemos dizer que no balanço patrimonial a ser encerrado em 31 de dezembro de 2008 o saldo da conta Depreciação Acumulada deverá ser de

Questão 157

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Ao elaborar a folha de pagamento relativa ao mês de abril, a empresa Rosácea Areal Ltda. computou os seguintes elementos e valores:

Salários e ordenados R$ 63.000,00
Horas-extras R$ 3.500,00
Salário-família R$ 80,00
Salário-maternidade R$ 1.500,00
INSS contribuição Segurados R$ 4.800,00
INSS contribuição Patronal R$ 9.030,00
FGTS R$ 5.320,00

Considerando todas essas informações, desconsiderando qualquer outra forma de tributação, inclusive de imposto de renda na fonte, pode-se dizer que a despesa efetiva a ser contabilizada na empresa será de

Questão 158

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Em fevereiro de 2008 a empresa Calcedônia Minerais S.A. investiu R$ 350.000,00 em ações de outras companhias, contabilizando a transação em seu ativo permanente.
Desse investimento, R$ 200.000,00 deverão ser avaliados por “Equivalência Patrimonial” e R$ 150.000,00, pelo Método do Custo.

Durante o exercício em questão, as empresas investidas obtiveram lucros que elevaram seus patrimônios líquidos em 4%, tendo elas distribuído dividendos de tal ordem que coube à Calcedônia o montante de R$ 6.000,00, sendo metade para os investimentos avaliados por Equivalência Patrimonial e metade para os investimentos avaliados pelo método do custo.

Com base nessas informações, podemos afi rmar que, no balanço patrimonial da empresa Calcedônia Minerais S.A. relativo ao exercício de 2008, deverá constar contabilizado um investimento no valor de

Questão 159

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Assinale abaixo a opção que indica uma afirmativa verdadeira.

Questão 160

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
A seguir, são apresentados dados do balanço patrimonial da empresa Comercial Analisada S.A., simplificados para facilidade de cálculos:

Caixa R$ 10.000,00
Duplicatas a Receber (a longo prazo) R$ 8.000,00
Duplicatas a Pagar R$ 13.000,00
Bancos c/Movimento R$ 22.000,00
Títulos a Pagar (a longo prazo) R$ 9.000,00
Capital Social R$ 60.000,00
Mercadorias R$ 30.000,00
Financiamentos Bancários R$ 31.000,00
Contas a Receber R$ 15.000,00
Reservas de Lucros R$ 7.000,00

Elaborando a análise das demonstrações financeiras dessa empresa, o Contador encontrará os seguintes elementos:

Questão 161

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
A responsabilidade primária na prevenção e detecção de fraudes e erros é:

Questão 162

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal

» Esta questão foi anulada pela banca.
A empresa de prestação de serviços NBA Informática S.A. tem seus processos integrados sistemicamente. A folha de salários é integrada à contabilidade mensalmente.
No mês de julho de 2009, não foi feita a parametrização no sistema, para contabilização de uma nova verba de horas extras a pagar, de 100% de acréscimo. A folha de pagamentos apresentava remuneração de R$ 20.000,00 nessa verba. Dessa forma, pode-se afirmar que:

Questão 163

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
O auditor, ao realizar auditoria na empresa Construção S.A., aplicou todos os procedimentos de auditoria necessários ao trabalho, realizando os trabalhos em conformidade com as normas de auditoria. Ao solicitar a carta de responsabilidade da administração da empresa, esta deve ser emitida na data

Questão 164

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
O auditor, ao realizar o processo de escolha da amostra, deve considerar:

I. que cada item que compõe a amostra é conhecido como unidade de amostragem;

II. que estratificação é o processo de dividir a população em subpopulações, cada qual contendo um grupo de unidades de amostragem com características homogêneas ou similares;

III. na determinação do tamanho da amostra, o risco de amostragem, sem considerar os erros esperados.

Questão 165

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
O auditor da empresa Negócios S.A. estabeleceu três procedimentos obrigatórios para emissão do parecer. O primeiro, que a empresa renovasse o contrato de auditoria para o próximo ano, o segundo, que a empresa emitisse a carta de responsabilidade da administração e o terceiro, que o parecer seria assinado por sócio do escritório de contabilidade, cuja única formação é administração de empresas. Pode-se afirmar, com relação aos procedimentos, respectivamente, que:

Questão 166

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
A empresa Agrotoxics S.A. tem seus produtos espalhados por diversos representantes, em todas as regiões do Brasil.
Seu processo de vendas é por consignação, recebendo somente após a venda. O procedimento de auditoria que garantiria confirmar a quantidade de produtos existentes em seus representantes seria:

Questão 167

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
O auditor da empresa Encerramento S.A. obteve evidências da incapacidade de continuidade da entidade, nos próximos 6 meses. Dessa forma, deve o auditor:

Questão 168

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
O auditor externo, ao realizar auditoria na empresa Participações S.A., constatou contrato de mútuo entre companhias coligadas, com taxas de juros de 4% a.m. e sem o recolhimento do IOF sobre a operação. Considerando que a taxa de juros praticada no mercado, no período do contrato, era de 2% a.m., o auditor pode afirmar que a transação:

Questão 169

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Com relação aos relatórios de auditoria interna, pode-se afirmar que:

Questão 170

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
A auditoria externa realizou na empresa Avalia S.A. o cálculo do índice de rotatividade dos estoques para verificar se apresentava índice correspondente às operações praticadas pela empresa. Esse procedimento técnico básico corresponde a:

Questão 171

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
A empresa Evolution S.A. comprou novo sistema de faturamento para registro de suas vendas. A auditoria externa realizou testes para confirmar se todas as operações de vendas, efetivamente, haviam sido registradas na contabilidade. Esse procedimento tem como objetivo confirmar a:

Questão 172

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
O auditor, ao avaliar as provisões para processos trabalhistas elaboradas pela Empresa Projeções S.A., percebeu que nos últimos três anos, os valores provisionados ficaram distantes dos valores reais. Dessa forma, deve o auditor:

Questão 173

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
A empresa Parcial S.A. realizou o estorno da Reserva de Reavaliação, conforme permissibilidade estabelecida pela Lei n. 11.638/2007. No entanto, o contador não realizou o estorno dos impostos pertinentes à reavaliação. Dessa forma pode-se afi rmar que:

Questão 174

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
A empresa Grandes Resultados S.A. possui prejuízos fiscais apurados nos últimos três anos. A empresa estava em fase pré-operacional e agora passou a operar em plena atividade. As projeções para os próximos cinco anos evidenciam lucros. O procedimento técnico básico que aplicado pelo auditor constataria esse evento seria:

Questão 175

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
A empresa Eletronics S.A. fabrica televisores de LCD de última geração. A garantia convencional é dada para três anos e a garantia oferecida é estendida para mais um ano mediante pagamento complementar. Como o custo é baixo, em 90% dos casos o cliente adquire. A empresa registra o valor da venda do televisor como receita de vendas e a garantia estendida como receita de serviços, no resultado. Pode-se afirmar que, nesse caso, não está sendo atendido o princípio:

Questão 176

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
A empresa Grandes Negócios S.A. adquiriu a principal concorrente, após o encerramento do balanço e a emissão do parecer pelos auditores. No entanto, a empresa ainda não havia publicado suas demonstrações com o parecer.

Nessa situação, a firma de auditoria deve:

Questão 177

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
No processo de amostragem o LSE – Limite Superior de Erro para superavaliações é determinado pela:

Questão 178

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Na emissão de parecer com abstenção de opinião para as demonstrações contábeis de uma entidade, pode-se afirmar que:

Questão 179

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
A empresa de Transportes S.A. é uma empresa que tem seus registros contábeis e procedimentos estabelecidos por agência de fiscalização. A agência estabeleceu procedimento para registro das concessões que diverge significativamente, do procedimento estabelecido pelo Conselho Federal de Contabilidade. Nessa situação, deve o auditor emitir parecer:

Questão 180

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
No processo de análise da continuidade dos negócios da empresa Extensão S.A., o auditor constatou que a empresa estava com passivo a descoberto. Os diretores financeiro e de produção pediram demissão, estando a empresa com dificuldades para substituí-los. A entidade foi autuada por impostos não recolhidos, sem grandes chances de sucesso em sua defesa. Esses fatos representam respectivamente indicadores:

Questão 181

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Sobre a organização do Estado brasileiro, é correto afirmar que:

Questão 182

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Considerando os modelos teóricos de Administração Pública, é incorreto afirmar que, em nosso país:

Questão 183

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
O estudo das experiências de reformas administrativas havidas em nosso país permite concluir, acertadamente, que:

Questão 184

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Uma correta análise da adoção da chamada Nova Gestão Pública, pelo Brasil, revela que:

Questão 185

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Sobre o tema ‘governabilidade, governança e accountability’, assinale a opção incorreta.

Questão 186

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Sob o ponto de vista do cidadão, podemos afirmar que os seguintes mecanismos, todos acessíveis pela Internet, são mantidos pelo governo federal como instrumentos de transparência, exceto:

Questão 187

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
No âmbito da administração pública, o empreendedorismo pressupõe a incorporação dos seguintes comportamentos, exceto:

Questão 188

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
A compreensão adequada do ciclo de gestão do governo federal implica saber que:

Questão 189

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
O controle externo da administração pública federal é exercido:

Questão 190

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Para ser eficaz, uma política de promoção da ética no serviço público deve enfocar as seguintes ações, exceto:

Questão 191

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Considere as seguintes informações extraídas de um sistema de contas nacionais, em unidades monetárias:

Poupança privada: 300
Investimento privado: 200
Poupança externa: 100
Investimento público: 300

Com base nessas informações, pode-se considerar que a poupança do governo foi:

Questão 192

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Considere a seguinte identidade macroeconômica básica:

Y = C + I + G + (X – M)

onde C = consumo agregado;
I = investimento agregado; e
G = gastos do governo.

Para que Y represente a Renda Nacional, (X – M) deverá representar o saldo:

Questão 193

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Considere o modelo de determinação da renda com as seguintes informações, em unidades monetárias (quando for o caso):
C = 100 + 0,8.Y
M = 50 + m.Y
X = 100
G = 100
I = 200

onde:
Y = produto agregado;
C = consumo agregado;
G = gastos do governo;
I = investimento agregado;
X = exportações;
M = importações; e
“m” uma constante positiva.

Considerando uma renda agregada de equilíbrio igual a 900, a propensão marginal a importar será igual a:

Questão 194

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Considere o modelo IS/LM sem os casos clássico e da armadilha da liquidez. É incorreto afirmar que:

Questão 195

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Considere o Modelo de Solow dado pelas seguintes equações e informações:
y = k0,5
δ = 0,05

onde:
y = produto por trabalhador;
k = estoque de capital por trabalhador;
δ = taxa de depreciação.

Supondo a taxa de crescimento populacional igual a zero, a taxa ótima de poupança dada pela “regra de ouro” gera um nível ótimo de investimento por trabalhador igual a:

Questão 196

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Na despesa pública do Brasil, a rubrica OCC (Outras Despesas Correntes e de Capital) corresponde – ressalvadas certas contas de menor importância – ao valor das despesas do Governo Central, excetuados quatro grandes itens.

Indique o item não pertinente.

Questão 197

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Em matéria de tributação, não se pode afirmar que:

Questão 198

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Com relação ao Plano Plurianual (PPA), aponte a única opção incorreta.

Questão 199

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Os principais pontos da reforma da Previdência Social brasileira, entre outros, são os seguintes, exceto:

Questão 200

Receita Federal 2009 - ESAF - Auditor Fiscal da Receita Federal
Com relação à descentralização fiscal no Brasil, indique a opção falsa.



Provas de Concursos » Esaf 2009