×
×
BANPARA 2018

BANPARA 2016

Técnico Bancário

Questão 1

BANPARA 2016 - FADESP - Técnico Bancário
1
Hoje, navegando pela internet, descobri que o grande poeta mineiro Murilo Mendes
 
exerceu a função de bancário durante muitos anos.
 
Aliás, é comum que bancários, funcionários públicos, escriturários, dentre outras tarefas
 
burocráticas, tenham destaque na literatura, a citar o exemplo do nosso poeta maior
5
Carlos Drummond de Andrade, que durante quase toda sua vida exerceu a função nada
 
poética de funcionário público no Ministério da Educação, simultaneamente à publicação
 
de suas poesias.
 
Para Drummond, foi quase meio século de funcionalismo público e poesia.
 
Eis alguns trechos da "Confidência do Itabirano", de Drummond, com grifos meus:
10
 
(...)
 
 
A vontade de amar que me paralisa o trabalho,
 
vem de Itabira, de suas noites brancas,
15
sem mulheres e sem horizontes.
 
E o hábito de sofrer, que tanto me diverte,
 
é doce herança Itabirana.
 
Será que Drummond tem razão? Será que amar, ou então qualquer tipo de
 
vivência emocional, é o oposto do trabalho, visto na sua acepção mais opressora?
20
Será que aí está a explicação daquele sentimento de inutilidade que nos toma, no
 
exercício das nossas funções? Será aí a origem daquela falta de empatia, mesmo
 
atendendo dezenas de pessoas por dia, tornando todas elas cinzas, meros objetos, dos
 
quais queremos nos livrar, ao grito de "próximo"?
 
Talvez seja isso; pode ser que, no fundo, as funções meramente burocráticas
25
tenham essa inerente falta de significado, esse vazio profundo.
 
Mais adiante, no mesmo poema:
 
Tive ouro, tive gado, tive fazendas.
 
Hoje sou funcionário público.
 
Itabira é apenas uma fotografia na parede.
30
Mas como dói!
 
 
Uma promessa de glória, de riquezas, para um provinciano de posses,
 
encrustrado na pequena cidade mineira, se desfaz na constatação trivial do poeta, de
 
que lhe restou apenas essa função, a de funcionário público. Drummond, com seu
35
talento, e de uma forma que talvez estudiosos de literatura possam melhor desvendar,
 
consegue transmitir uma tristeza tamanha no seu relato, como se ser funcionário público
 
fosse algo beirando o lúgubre.
 
[...]
Disponível em http://diariobancario.blogspot.com.br/2007/12/burocracia-e-poesia.html Acessado em 20/03/20
No último período do texto, o termo lúgubre é sinônimo de

Questão 2

BANPARA 2016 - FADESP - Técnico Bancário
1
Hoje, navegando pela internet, descobri que o grande poeta mineiro Murilo Mendes
 
exerceu a função de bancário durante muitos anos.
 
Aliás, é comum que bancários, funcionários públicos, escriturários, dentre outras tarefas
 
burocráticas, tenham destaque na literatura, a citar o exemplo do nosso poeta maior
5
Carlos Drummond de Andrade, que durante quase toda sua vida exerceu a função nada
 
poética de funcionário público no Ministério da Educação, simultaneamente à publicação
 
de suas poesias.
 
Para Drummond, foi quase meio século de funcionalismo público e poesia.
 
Eis alguns trechos da "Confidência do Itabirano", de Drummond, com grifos meus:
10
 
(...)
 
 
A vontade de amar que me paralisa o trabalho,
 
vem de Itabira, de suas noites brancas,
15
sem mulheres e sem horizontes.
 
E o hábito de sofrer, que tanto me diverte,
 
é doce herança Itabirana.
 
Será que Drummond tem razão? Será que amar, ou então qualquer tipo de
 
vivência emocional, é o oposto do trabalho, visto na sua acepção mais opressora?
20
Será que aí está a explicação daquele sentimento de inutilidade que nos toma, no
 
exercício das nossas funções? Será aí a origem daquela falta de empatia, mesmo
 
atendendo dezenas de pessoas por dia, tornando todas elas cinzas, meros objetos, dos
 
quais queremos nos livrar, ao grito de "próximo"?
 
Talvez seja isso; pode ser que, no fundo, as funções meramente burocráticas
25
tenham essa inerente falta de significado, esse vazio profundo.
 
Mais adiante, no mesmo poema:
 
Tive ouro, tive gado, tive fazendas.
 
Hoje sou funcionário público.
 
Itabira é apenas uma fotografia na parede.
30
Mas como dói!
 
 
Uma promessa de glória, de riquezas, para um provinciano de posses,
 
encrustrado na pequena cidade mineira, se desfaz na constatação trivial do poeta, de
 
que lhe restou apenas essa função, a de funcionário público. Drummond, com seu
35
talento, e de uma forma que talvez estudiosos de literatura possam melhor desvendar,
 
consegue transmitir uma tristeza tamanha no seu relato, como se ser funcionário público
 
fosse algo beirando o lúgubre.
 
[...]
Disponível em http://diariobancario.blogspot.com.br/2007/12/burocracia-e-poesia.html Acessado em 20/03/20
Contém termo grafado incorretamente o trecho

Questão 3

BANPARA 2016 - FADESP - Técnico Bancário
1
Hoje, navegando pela internet, descobri que o grande poeta mineiro Murilo Mendes
 
exerceu a função de bancário durante muitos anos.
 
Aliás, é comum que bancários, funcionários públicos, escriturários, dentre outras tarefas
 
burocráticas, tenham destaque na literatura, a citar o exemplo do nosso poeta maior
5
Carlos Drummond de Andrade, que durante quase toda sua vida exerceu a função nada
 
poética de funcionário público no Ministério da Educação, simultaneamente à publicação
 
de suas poesias.
 
Para Drummond, foi quase meio século de funcionalismo público e poesia.
 
Eis alguns trechos da "Confidência do Itabirano", de Drummond, com grifos meus:
10
 
(...)
 
 
A vontade de amar que me paralisa o trabalho,
 
vem de Itabira, de suas noites brancas,
15
sem mulheres e sem horizontes.
 
E o hábito de sofrer, que tanto me diverte,
 
é doce herança Itabirana.
 
Será que Drummond tem razão? Será que amar, ou então qualquer tipo de
 
vivência emocional, é o oposto do trabalho, visto na sua acepção mais opressora?
20
Será que aí está a explicação daquele sentimento de inutilidade que nos toma, no
 
exercício das nossas funções? Será aí a origem daquela falta de empatia, mesmo
 
atendendo dezenas de pessoas por dia, tornando todas elas cinzas, meros objetos, dos
 
quais queremos nos livrar, ao grito de "próximo"?
 
Talvez seja isso; pode ser que, no fundo, as funções meramente burocráticas
25
tenham essa inerente falta de significado, esse vazio profundo.
 
Mais adiante, no mesmo poema:
 
Tive ouro, tive gado, tive fazendas.
 
Hoje sou funcionário público.
 
Itabira é apenas uma fotografia na parede.
30
Mas como dói!
 
 
Uma promessa de glória, de riquezas, para um provinciano de posses,
 
encrustrado na pequena cidade mineira, se desfaz na constatação trivial do poeta, de
 
que lhe restou apenas essa função, a de funcionário público. Drummond, com seu
35
talento, e de uma forma que talvez estudiosos de literatura possam melhor desvendar,
 
consegue transmitir uma tristeza tamanha no seu relato, como se ser funcionário público
 
fosse algo beirando o lúgubre.
 
[...]
Disponível em http://diariobancario.blogspot.com.br/2007/12/burocracia-e-poesia.html Acessado em 20/03/20
A sequência de palavras cujos acentos são empregados pelo mesmo motivo é

Questão 4

BANPARA 2016 - FADESP - Técnico Bancário
1
Hoje, navegando pela internet, descobri que o grande poeta mineiro Murilo Mendes
 
exerceu a função de bancário durante muitos anos.
 
Aliás, é comum que bancários, funcionários públicos, escriturários, dentre outras tarefas
 
burocráticas, tenham destaque na literatura, a citar o exemplo do nosso poeta maior
5
Carlos Drummond de Andrade, que durante quase toda sua vida exerceu a função nada
 
poética de funcionário público no Ministério da Educação, simultaneamente à publicação
 
de suas poesias.
 
Para Drummond, foi quase meio século de funcionalismo público e poesia.
 
Eis alguns trechos da "Confidência do Itabirano", de Drummond, com grifos meus:
10
 
(...)
 
 
A vontade de amar que me paralisa o trabalho,
 
vem de Itabira, de suas noites brancas,
15
sem mulheres e sem horizontes.
 
E o hábito de sofrer, que tanto me diverte,
 
é doce herança Itabirana.
 
Será que Drummond tem razão? Será que amar, ou então qualquer tipo de
 
vivência emocional, é o oposto do trabalho, visto na sua acepção mais opressora?
20
Será que aí está a explicação daquele sentimento de inutilidade que nos toma, no
 
exercício das nossas funções? Será aí a origem daquela falta de empatia, mesmo
 
atendendo dezenas de pessoas por dia, tornando todas elas cinzas, meros objetos, dos
 
quais queremos nos livrar, ao grito de "próximo"?
 
Talvez seja isso; pode ser que, no fundo, as funções meramente burocráticas
25
tenham essa inerente falta de significado, esse vazio profundo.
 
Mais adiante, no mesmo poema:
 
Tive ouro, tive gado, tive fazendas.
 
Hoje sou funcionário público.
 
Itabira é apenas uma fotografia na parede.
30
Mas como dói!
 
 
Uma promessa de glória, de riquezas, para um provinciano de posses,
 
encrustrado na pequena cidade mineira, se desfaz na constatação trivial do poeta, de
 
que lhe restou apenas essa função, a de funcionário público. Drummond, com seu
35
talento, e de uma forma que talvez estudiosos de literatura possam melhor desvendar,
 
consegue transmitir uma tristeza tamanha no seu relato, como se ser funcionário público
 
fosse algo beirando o lúgubre.
 
[...]
Disponível em http://diariobancario.blogspot.com.br/2007/12/burocracia-e-poesia.html Acessado em 20/03/20
Em Será aí a origem daquela falta de empatia, mesmo atendendo dezenas de pessoas por dia, tornando todas elas cinzas, meros objetos, dos quais queremos nos livrar, ao grito de "próximo"? (linhas 18. a 20), a palavra poderia ser substituída por

Questão 5

BANPARA 2016 - FADESP - Técnico Bancário
1
Hoje, navegando pela internet, descobri que o grande poeta mineiro Murilo Mendes
 
exerceu a função de bancário durante muitos anos.
 
Aliás, é comum que bancários, funcionários públicos, escriturários, dentre outras tarefas
 
burocráticas, tenham destaque na literatura, a citar o exemplo do nosso poeta maior
5
Carlos Drummond de Andrade, que durante quase toda sua vida exerceu a função nada
 
poética de funcionário público no Ministério da Educação, simultaneamente à publicação
 
de suas poesias.
 
Para Drummond, foi quase meio século de funcionalismo público e poesia.
 
Eis alguns trechos da "Confidência do Itabirano", de Drummond, com grifos meus:
10
 
(...)
 
 
A vontade de amar que me paralisa o trabalho,
 
vem de Itabira, de suas noites brancas,
15
sem mulheres e sem horizontes.
 
E o hábito de sofrer, que tanto me diverte,
 
é doce herança Itabirana.
 
Será que Drummond tem razão? Será que amar, ou então qualquer tipo de
 
vivência emocional, é o oposto do trabalho, visto na sua acepção mais opressora?
20
Será que aí está a explicação daquele sentimento de inutilidade que nos toma, no
 
exercício das nossas funções? Será aí a origem daquela falta de empatia, mesmo
 
atendendo dezenas de pessoas por dia, tornando todas elas cinzas, meros objetos, dos
 
quais queremos nos livrar, ao grito de "próximo"?
 
Talvez seja isso; pode ser que, no fundo, as funções meramente burocráticas
25
tenham essa inerente falta de significado, esse vazio profundo.
 
Mais adiante, no mesmo poema:
 
Tive ouro, tive gado, tive fazendas.
 
Hoje sou funcionário público.
 
Itabira é apenas uma fotografia na parede.
30
Mas como dói!
 
 
Uma promessa de glória, de riquezas, para um provinciano de posses,
 
encrustrado na pequena cidade mineira, se desfaz na constatação trivial do poeta, de
 
que lhe restou apenas essa função, a de funcionário público. Drummond, com seu
35
talento, e de uma forma que talvez estudiosos de literatura possam melhor desvendar,
 
consegue transmitir uma tristeza tamanha no seu relato, como se ser funcionário público
 
fosse algo beirando o lúgubre.
 
[...]
Disponível em http://diariobancario.blogspot.com.br/2007/12/burocracia-e-poesia.html Acessado em 20/03/20
A palavra grifada é pronome, exceto em

Questão 6

BANPARA 2016 - FADESP - Técnico Bancário
1
Hoje, navegando pela internet, descobri que o grande poeta mineiro Murilo Mendes
 
exerceu a função de bancário durante muitos anos.
 
Aliás, é comum que bancários, funcionários públicos, escriturários, dentre outras tarefas
 
burocráticas, tenham destaque na literatura, a citar o exemplo do nosso poeta maior
5
Carlos Drummond de Andrade, que durante quase toda sua vida exerceu a função nada
 
poética de funcionário público no Ministério da Educação, simultaneamente à publicação
 
de suas poesias.
 
Para Drummond, foi quase meio século de funcionalismo público e poesia.
 
Eis alguns trechos da "Confidência do Itabirano", de Drummond, com grifos meus:
10
 
(...)
 
 
A vontade de amar que me paralisa o trabalho,
 
vem de Itabira, de suas noites brancas,
15
sem mulheres e sem horizontes.
 
E o hábito de sofrer, que tanto me diverte,
 
é doce herança Itabirana.
 
Será que Drummond tem razão? Será que amar, ou então qualquer tipo de
 
vivência emocional, é o oposto do trabalho, visto na sua acepção mais opressora?
20
Será que aí está a explicação daquele sentimento de inutilidade que nos toma, no
 
exercício das nossas funções? Será aí a origem daquela falta de empatia, mesmo
 
atendendo dezenas de pessoas por dia, tornando todas elas cinzas, meros objetos, dos
 
quais queremos nos livrar, ao grito de "próximo"?
 
Talvez seja isso; pode ser que, no fundo, as funções meramente burocráticas
25
tenham essa inerente falta de significado, esse vazio profundo.
 
Mais adiante, no mesmo poema:
 
Tive ouro, tive gado, tive fazendas.
 
Hoje sou funcionário público.
 
Itabira é apenas uma fotografia na parede.
30
Mas como dói!
 
 
Uma promessa de glória, de riquezas, para um provinciano de posses,
 
encrustrado na pequena cidade mineira, se desfaz na constatação trivial do poeta, de
 
que lhe restou apenas essa função, a de funcionário público. Drummond, com seu
35
talento, e de uma forma que talvez estudiosos de literatura possam melhor desvendar,
 
consegue transmitir uma tristeza tamanha no seu relato, como se ser funcionário público
 
fosse algo beirando o lúgubre.
 
[...]
Disponível em http://diariobancario.blogspot.com.br/2007/12/burocracia-e-poesia.html Acessado em 20/03/20
O enunciado em que a(s) vírgula(s) foi/foram empregada(s) para separar elementos de uma enumeração é

Questão 7

BANPARA 2016 - FADESP - Técnico Bancário
1
Hoje, navegando pela internet, descobri que o grande poeta mineiro Murilo Mendes
 
exerceu a função de bancário durante muitos anos.
 
Aliás, é comum que bancários, funcionários públicos, escriturários, dentre outras tarefas
 
burocráticas, tenham destaque na literatura, a citar o exemplo do nosso poeta maior
5
Carlos Drummond de Andrade, que durante quase toda sua vida exerceu a função nada
 
poética de funcionário público no Ministério da Educação, simultaneamente à publicação
 
de suas poesias.
 
Para Drummond, foi quase meio século de funcionalismo público e poesia.
 
Eis alguns trechos da "Confidência do Itabirano", de Drummond, com grifos meus:
10
 
(...)
 
 
A vontade de amar que me paralisa o trabalho,
 
vem de Itabira, de suas noites brancas,
15
sem mulheres e sem horizontes.
 
E o hábito de sofrer, que tanto me diverte,
 
é doce herança Itabirana.
 
Será que Drummond tem razão? Será que amar, ou então qualquer tipo de
 
vivência emocional, é o oposto do trabalho, visto na sua acepção mais opressora?
20
Será que aí está a explicação daquele sentimento de inutilidade que nos toma, no
 
exercício das nossas funções? Será aí a origem daquela falta de empatia, mesmo
 
atendendo dezenas de pessoas por dia, tornando todas elas cinzas, meros objetos, dos
 
quais queremos nos livrar, ao grito de "próximo"?
 
Talvez seja isso; pode ser que, no fundo, as funções meramente burocráticas
25
tenham essa inerente falta de significado, esse vazio profundo.
 
Mais adiante, no mesmo poema:
 
Tive ouro, tive gado, tive fazendas.
 
Hoje sou funcionário público.
 
Itabira é apenas uma fotografia na parede.
30
Mas como dói!
 
 
Uma promessa de glória, de riquezas, para um provinciano de posses,
 
encrustrado na pequena cidade mineira, se desfaz na constatação trivial do poeta, de
 
que lhe restou apenas essa função, a de funcionário público. Drummond, com seu
35
talento, e de uma forma que talvez estudiosos de literatura possam melhor desvendar,
 
consegue transmitir uma tristeza tamanha no seu relato, como se ser funcionário público
 
fosse algo beirando o lúgubre.
 
[...]
Disponível em http://diariobancario.blogspot.com.br/2007/12/burocracia-e-poesia.html Acessado em 20/03/20
A regência verbal está em desacordo com a norma culta em

Questão 8

BANPARA 2016 - FADESP - Técnico Bancário
1
Hoje, navegando pela internet, descobri que o grande poeta mineiro Murilo Mendes
 
exerceu a função de bancário durante muitos anos.
 
Aliás, é comum que bancários, funcionários públicos, escriturários, dentre outras tarefas
 
burocráticas, tenham destaque na literatura, a citar o exemplo do nosso poeta maior
5
Carlos Drummond de Andrade, que durante quase toda sua vida exerceu a função nada
 
poética de funcionário público no Ministério da Educação, simultaneamente à publicação
 
de suas poesias.
 
Para Drummond, foi quase meio século de funcionalismo público e poesia.
 
Eis alguns trechos da "Confidência do Itabirano", de Drummond, com grifos meus:
10
 
(...)
 
 
A vontade de amar que me paralisa o trabalho,
 
vem de Itabira, de suas noites brancas,
15
sem mulheres e sem horizontes.
 
E o hábito de sofrer, que tanto me diverte,
 
é doce herança Itabirana.
 
Será que Drummond tem razão? Será que amar, ou então qualquer tipo de
 
vivência emocional, é o oposto do trabalho, visto na sua acepção mais opressora?
20
Será que aí está a explicação daquele sentimento de inutilidade que nos toma, no
 
exercício das nossas funções? Será aí a origem daquela falta de empatia, mesmo
 
atendendo dezenas de pessoas por dia, tornando todas elas cinzas, meros objetos, dos
 
quais queremos nos livrar, ao grito de "próximo"?
 
Talvez seja isso; pode ser que, no fundo, as funções meramente burocráticas
25
tenham essa inerente falta de significado, esse vazio profundo.
 
Mais adiante, no mesmo poema:
 
Tive ouro, tive gado, tive fazendas.
 
Hoje sou funcionário público.
 
Itabira é apenas uma fotografia na parede.
30
Mas como dói!
 
 
Uma promessa de glória, de riquezas, para um provinciano de posses,
 
encrustrado na pequena cidade mineira, se desfaz na constatação trivial do poeta, de
 
que lhe restou apenas essa função, a de funcionário público. Drummond, com seu
35
talento, e de uma forma que talvez estudiosos de literatura possam melhor desvendar,
 
consegue transmitir uma tristeza tamanha no seu relato, como se ser funcionário público
 
fosse algo beirando o lúgubre.
 
[...]
Disponível em http://diariobancario.blogspot.com.br/2007/12/burocracia-e-poesia.html Acessado em 20/03/20
No poema citado pelo autor do texto, a expressão grifada, que me paralisa o trabalho (linha 10), significa que Drummond

Questão 9

BANPARA 2016 - FADESP - Técnico Bancário
1
Hoje, navegando pela internet, descobri que o grande poeta mineiro Murilo Mendes
 
exerceu a função de bancário durante muitos anos.
 
Aliás, é comum que bancários, funcionários públicos, escriturários, dentre outras tarefas
 
burocráticas, tenham destaque na literatura, a citar o exemplo do nosso poeta maior
5
Carlos Drummond de Andrade, que durante quase toda sua vida exerceu a função nada
 
poética de funcionário público no Ministério da Educação, simultaneamente à publicação
 
de suas poesias.
 
Para Drummond, foi quase meio século de funcionalismo público e poesia.
 
Eis alguns trechos da "Confidência do Itabirano", de Drummond, com grifos meus:
10
 
(...)
 
 
A vontade de amar que me paralisa o trabalho,
 
vem de Itabira, de suas noites brancas,
15
sem mulheres e sem horizontes.
 
E o hábito de sofrer, que tanto me diverte,
 
é doce herança Itabirana.
 
Será que Drummond tem razão? Será que amar, ou então qualquer tipo de
 
vivência emocional, é o oposto do trabalho, visto na sua acepção mais opressora?
20
Será que aí está a explicação daquele sentimento de inutilidade que nos toma, no
 
exercício das nossas funções? Será aí a origem daquela falta de empatia, mesmo
 
atendendo dezenas de pessoas por dia, tornando todas elas cinzas, meros objetos, dos
 
quais queremos nos livrar, ao grito de "próximo"?
 
Talvez seja isso; pode ser que, no fundo, as funções meramente burocráticas
25
tenham essa inerente falta de significado, esse vazio profundo.
 
Mais adiante, no mesmo poema:
 
Tive ouro, tive gado, tive fazendas.
 
Hoje sou funcionário público.
 
Itabira é apenas uma fotografia na parede.
30
Mas como dói!
 
 
Uma promessa de glória, de riquezas, para um provinciano de posses,
 
encrustrado na pequena cidade mineira, se desfaz na constatação trivial do poeta, de
 
que lhe restou apenas essa função, a de funcionário público. Drummond, com seu
35
talento, e de uma forma que talvez estudiosos de literatura possam melhor desvendar,
 
consegue transmitir uma tristeza tamanha no seu relato, como se ser funcionário público
 
fosse algo beirando o lúgubre.
 
[...]
Disponível em http://diariobancario.blogspot.com.br/2007/12/burocracia-e-poesia.html Acessado em 20/03/20
De acordo com o autor, o trabalho

Questão 10

BANPARA 2016 - FADESP - Técnico Bancário
1
Hoje, navegando pela internet, descobri que o grande poeta mineiro Murilo Mendes
 
exerceu a função de bancário durante muitos anos.
 
Aliás, é comum que bancários, funcionários públicos, escriturários, dentre outras tarefas
 
burocráticas, tenham destaque na literatura, a citar o exemplo do nosso poeta maior
5
Carlos Drummond de Andrade, que durante quase toda sua vida exerceu a função nada
 
poética de funcionário público no Ministério da Educação, simultaneamente à publicação
 
de suas poesias.
 
Para Drummond, foi quase meio século de funcionalismo público e poesia.
 
Eis alguns trechos da "Confidência do Itabirano", de Drummond, com grifos meus:
10
 
(...)
 
 
A vontade de amar que me paralisa o trabalho,
 
vem de Itabira, de suas noites brancas,
15
sem mulheres e sem horizontes.
 
E o hábito de sofrer, que tanto me diverte,
 
é doce herança Itabirana.
 
Será que Drummond tem razão? Será que amar, ou então qualquer tipo de
 
vivência emocional, é o oposto do trabalho, visto na sua acepção mais opressora?
20
Será que aí está a explicação daquele sentimento de inutilidade que nos toma, no
 
exercício das nossas funções? Será aí a origem daquela falta de empatia, mesmo
 
atendendo dezenas de pessoas por dia, tornando todas elas cinzas, meros objetos, dos
 
quais queremos nos livrar, ao grito de "próximo"?
 
Talvez seja isso; pode ser que, no fundo, as funções meramente burocráticas
25
tenham essa inerente falta de significado, esse vazio profundo.
 
Mais adiante, no mesmo poema:
 
Tive ouro, tive gado, tive fazendas.
 
Hoje sou funcionário público.
 
Itabira é apenas uma fotografia na parede.
30
Mas como dói!
 
 
Uma promessa de glória, de riquezas, para um provinciano de posses,
 
encrustrado na pequena cidade mineira, se desfaz na constatação trivial do poeta, de
 
que lhe restou apenas essa função, a de funcionário público. Drummond, com seu
35
talento, e de uma forma que talvez estudiosos de literatura possam melhor desvendar,
 
consegue transmitir uma tristeza tamanha no seu relato, como se ser funcionário público
 
fosse algo beirando o lúgubre.
 
[...]
Disponível em http://diariobancario.blogspot.com.br/2007/12/burocracia-e-poesia.html Acessado em 20/03/20
A leitura do texto Burocracia e poesia permite-nos concluir que

Questão 11

BANPARA 2016 - FADESP - Técnico Bancário
Nas agências de um banco, denominadas de Avenida, Bosque e Centro, trabalham Alice, Benedito e Cláudia, que têm idades diferentes e a letra inicial dos seus nomes difere da primeira letra do nome da agência em que trabalham. Benedito, que não trabalha na agência Avenida, é o mais velho dos três e Cláudia não é a mais nova. Com base nessas relações, é correto afirmar que

Questão 12

BANPARA 2016 - FADESP - Técnico Bancário
Da afirmação “Nem todo magro é saudável e nem todo gordo é doente”, conclui-se que

Questão 13

BANPARA 2016 - FADESP - Técnico Bancário
Na moldura abaixo há as medidas recomendadas para confecção de uma escada, em que as medidas dos pisos (patamares horizontais) podem variar de 25cm a 35cm e dos espelhos (faces verticais entre um piso e outro) podem medir entre 14cm e 18cm. No lado direito da moldura há o esboço de um projeto de escada, apenas com início e fim, que tem a mesma quantidade de pisos e espelhos uniformes e devem adotar as medidas recomendadas.



Sabendo-se que 1m equivale a 100cm e que a soma do comprimento e da altura da escada da direita deve variar entre 3m12cm e 4m24cm, então a quantidade de pisos dessa escada deve ser igual a

Questão 14

BANPARA 2016 - FADESP - Técnico Bancário
Na carteira de dinheiro de uma pessoa há nove cédulas, similares às do quadro abaixo:



Utilizando pelo menos uma cédula de cada valor, essa pessoa poderá pagar contas a partir de R$ 17,00 (com um exemplar de cada cédula) até R$ 51,00 (usando os três exemplares de cada cédula que tem na carteira). Dos valores apresentados abaixo o único que pode ser pago por essa pessoa, com pelo menos uma cédula de cada valor, exatamente, sem necessitar de troco, é

Questão 15

BANPARA 2016 - FADESP - Técnico Bancário
Em uma sala há um técnico bancário que trabalha em uma das quatro áreas: administrativa, técnica, financeira ou operacional. Foram feitas quatro afirmativas a seu respeito, das quais três são verdadeiras:

I – ele não é da área operacional;
II – ele é da área financeira;
III – ele não é da área técnica;
IV – ele é da área administrativa.

É verdadeiro o enunciado que afirma que o técnico

Questão 16

BANPARA 2016 - FADESP - Técnico Bancário

» Esta questão foi anulada pela banca.
Considerando-se o modo de exibição do Microsoft Office Word 2016 e o modo de exibição de apresentação do Microsoft Office Power Point 2016, nas suas verões para área de trabalho, é correto afirmar que

Questão 17

BANPARA 2016 - FADESP - Técnico Bancário
Considerando-se o aplicativo Microsoft Outlook 2016, versão para área de trabalho, é correto afirmar que

Questão 18

BANPARA 2016 - FADESP - Técnico Bancário
Sobre segurança no acesso à Internet, analise as afirmativas a seguir.

I. Phishing é uma prática utilizada para coletar informações pessoais, como senhas e número de contas bancárias. Uma tentativa de phishing pode acontecer através do contato do usuário com páginas Web construídas para imitar sites de bancos e outras instituições.
II. O ataque do homem-do-meio refere-se à forma de ataque em que uma comunicação entre duas pessoas é interceptada por uma terceira. O atacante simplesmente recebe e, opcionalmente, repassa as informações do transmissor para o receptor, sem que ambos percebam que a comunicação não está sendo, de fato, direta.
III. Ransomware é um software malicioso que bloqueia o acesso do usuário aos arquivos do computador. Os criminosos exigem alguma forma de recompensa mediante a promessa de que o acesso aos dados será restabelecido.

Com base na análise realizada, é correto afirmar que

Questão 19

BANPARA 2016 - FADESP - Técnico Bancário
A respeito dos navegadores e protocolos da Internet, é correto afirmar que

Questão 20

BANPARA 2016 - FADESP - Técnico Bancário
Com relação aos conceitos básicos do hardware, periféricos de um microcomputador e software, é correto afirmar que

Questão 21

BANPARA 2016 - FADESP - Técnico Bancário
Neste ano de 2018, a Constituição Federal brasileira completa trinta anos de existência. Elaborada por uma Assembleia Nacional Constituinte instalada em 1987, no ocaso da Ditadura Militar, coordenada pelo deputado Ulysses Guimarães, a Carta Magna ainda hoje é lembrada pelo seu apelido de Constituição

Questão 22

BANPARA 2016 - FADESP - Técnico Bancário
A Base Nacional Comum Curricular, recentemente aprovada pelo Conselho Nacional de Educação do Brasil, se constitui em um documento

Questão 23

BANPARA 2016 - FADESP - Técnico Bancário
Em uma visita internacional inédita, o chefe de Estado norte-coreano, Kim Jong-un, viajou à China para se encontrar com o presidente Xi Jinping. Na reunião oficial, Kim se manifestou disposto a

Questão 24

BANPARA 2016 - FADESP - Técnico Bancário
As investigações em torno da veiculação de injúrias e calúnias contra Marielle Franco, vereadora assassinada na cidade do Rio de Janeiro, concluíram que as chamadas “fake news” se originaram no (na)

Questão 25

BANPARA 2016 - FADESP - Técnico Bancário
O recente escândalo envolvendo o uso indevido de dados de cerca de 50 milhões de usuários do Facebook trouxe à tona um dos maiores dilemas da atualidade, que é a falta de proteção das informações das pessoas. Em relação à existência desse problema no Brasil, é correto afirmar que

Questão 26

BANPARA 2016 - FADESP - Técnico Bancário
Um investidor emprestou certo valor por um ano, à taxa de juros de 21%a.a, e o aplicou em moeda estrangeira, pelo mesmo período, com taxa de 10%a.a, mais a variação cambial do período. Esse investidor lucrará a partir de quando a variação cambial for superior a

Questão 27

BANPARA 2016 - FADESP - Técnico Bancário
No financiamento de R$ 60.000,00 para aquisição de um carro, utilizou-se o Sistema de Amortização Constante (SAC), com taxa de 2% a.m para ser liquidado em 6 parcelas, sem entrada. Os pagamentos ocorreram conforme a tabela abaixo, que se apresenta completa apenas até a terceira parcela.



O valor total das parcelas pagas nesse financiamento foi de

Questão 28

BANPARA 2016 - FADESP - Técnico Bancário
Nove técnicos bancários, com mesmo potencial de trabalho, deveriam arquivar 18.000 documentos em 6 dias, trabalhando 8 horas por dia. Como somente 4 desses técnicos poderiam participar dessa tarefa, e houve reduções para 12.000 documentos, em jornada diária de 4 horas, o arquivamento devese dar em

Questão 29

BANPARA 2016 - FADESP - Técnico Bancário
Na realização de um empréstimo de R$ 8.000,00 por três meses, havia duas possibilidades de sistema a considerar: juros simples a 5%a.m ou juros compostos a 4%a.m. Comparando os montantes obtidos nesses dois sistemas, é correto afirmar que o de juros simples é, aproximadamente,

Questão 30

BANPARA 2016 - FADESP - Técnico Bancário
Gisele, Mônica e Roberta fazem parte de uma sociedade, conforme o quadro a seguir:



Um lucro de R$ 67.000,00 foi dividido entre as sócias, de forma diretamente proporcional à participação no capital da sociedade e inversamente proporcional ao número de assessores. Dessa forma, Roberta recebeu

Questão 31

BANPARA 2016 - FADESP - Técnico Bancário
Um dos deveres fundamentais do servidor público é

Questão 32

BANPARA 2016 - FADESP - Técnico Bancário
Assim como a empresa, seus colaboradores devem nutrir valores essenciais à boa convivência e produtividade. Uma definição adequada de valor diz respeito ao (à)

Questão 33

BANPARA 2016 - FADESP - Técnico Bancário
O grande objetivo do marketing de relacionamento é fazer com que os clientes se tornem fãs dos produtos e serviços prestados pela empresa. Neste sentido, para criar um plano de marketing de relacionamento, a empresa precisa

Questão 34

BANPARA 2016 - FADESP - Técnico Bancário
Com base na legislação que estabelece normas e critérios para a promoção da acessibilidade nos edifícios públicos ou de uso coletivo a pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida (Lei 10.098/2000), é correto afirmar que

Questão 35

BANPARA 2016 - FADESP - Técnico Bancário
Com base na legislação que trata da proteção do consumidor, é correto afirmar que

Questão 36

BANPARA 2016 - FADESP - Técnico Bancário
Somente pessoas físicas podem participar e todos possuem responsabilidade ilimitada e solidária perante as obrigações assumidas pela empresa. Ou seja, cada sócio responde ilimitadamente e isoladamente por qualquer obrigação social da empresa, mesmo que o montante do capital exceda o valor do capital social. Essas características referem-se a(à)

Questão 37

BANPARA 2016 - FADESP - Técnico Bancário
O pagamento da dívida é garantido com um bem imóvel. Embora conserve a posse do bem, a empresa só readquire sua propriedade após a quitação integral da dívida. Se a dívida não for paga ou se for paga apenas uma parte dela, ao fim do prazo contratado a instituição pode assumir a propriedade do bem. Essas características referem-se à garantia do tipo

Questão 38

BANPARA 2016 - FADESP - Técnico Bancário

» Esta questão foi anulada pela banca.
Diversas são as regras e procedimentos para disponibilidade de talonário de cheque aos depositantes. Nesse sentido, é correto afirmar que

Questão 39

BANPARA 2016 - FADESP - Técnico Bancário
As Sociedades Anônimas podem ser classificadas em abertas e fechadas. Pode-se dizer que são características das Sociedades Anônimas Fechadas

Questão 40

BANPARA 2016 - FADESP - Técnico Bancário
O Mercado Secundário é onde ocorre a negociação contínua dos papéis (ações) emitidos no passado. Sendo assim, um investidor que queira operar nesse mercado deve

Questão 41

BANPARA 2016 - FADESP - Técnico Bancário
Considerado um serviço de intermediação que permite ao consumidor adquirir bens e serviços em estabelecimentos comerciais previamente credenciados, mediante a comprovação de sua condição de usuário. Essas características referem-se ao

Questão 42

BANPARA 2016 - FADESP - Técnico Bancário
Refere-se a uma operação de crédito bancário com um valor limite. Normalmente é movimentada pelo cliente através de seus cheques, desde que não haja saldo disponível em sua conta corrente de movimentação. À medida que entram recursos na conta corrente do cliente, eles são usados para cobrir o saldo devedor. Essas características dizem respeito ao(às)

Questão 43

BANPARA 2016 - FADESP - Técnico Bancário
A conta poupança é um tipo de conta bancária considerada de baixo risco. Em relação à caderneta de poupança, é correto afirmar que

Questão 44

BANPARA 2016 - FADESP - Técnico Bancário
Em relação aos elementos que fazem parte de um contrato de seguro, pode-se afirmar que:

Questão 45

BANPARA 2016 - FADESP - Técnico Bancário
Em relação ao leasing financeiro e ao leasing operacional, é correto afirmar que

Questão 46

BANPARA 2016 - FADESP - Técnico Bancário
O Documento de Ordem de Crédito (DOC) e a Transferência Eletrônica Disponível (TED) são importantes formas de transferências de recursos operacionalizadas pelos bancos. Referente a esses dois tipos de transferências bancárias, é correto afirmar que

Questão 47

BANPARA 2016 - FADESP - Técnico Bancário
Diversos são os documentos comerciais e títulos de créditos que fazem parte das operações das instituições financeiras. Em relação a esses títulos e documentos, é correto afirmar que

Questão 48

BANPARA 2016 - FADESP - Técnico Bancário
Quanto à rotina do processo de cobrança, pode-se dizer que uma ordem lógica seria:

Questão 49

BANPARA 2016 - FADESP - Técnico Bancário
Partindo-se do pressuposto de que cobrança bancária serve para aumentar o relacionamento instituição financeira x empresa (cliente) e que essa operação gera vantagens para ambos, pode-se afirmar que

Questão 50

BANPARA 2016 - FADESP - Técnico Bancário
Ainda em relação ao Recibo de Depósito Bancário (RDB) e ao Certificado de Depósito Bancário (CDB), é correto afirmar que

Questão 51

BANPARA 2016 - FADESP - Técnico Bancário
Em relação ao Recibo de Depósito Bancário (RDB) e ao Certificado de Depósito Bancário (CDB), é correto afirmar que

Questão 52

BANPARA 2016 - FADESP - Técnico Bancário
As instituições financeiras podem receber depósitos à vista e depósitos a prazo. As instituições financeiras que não recebem depósitos à vista são

Questão 53

BANPARA 2016 - FADESP - Técnico Bancário
A previdência complementar proporciona um seguro previdenciário adicional ao trabalhador ou seu beneficiário, conforme a necessidade e vontade. Sobre isso, é correto afirmar que

Questão 54

BANPARA 2016 - FADESP - Técnico Bancário
Quanto aos conhecimentos referentes às Associações de Poupança e Empréstimo (APE), é correto afirmar que

Questão 55

BANPARA 2016 - FADESP - Técnico Bancário
A Central de Liquidação Financeira e de Custódia de Títulos (CETIP) foi criada pelas instituições financeiras em parceria com o Banco Central com o objetivo de garantir mais segurança e agilidade às operações do mercado financeiro nacional. Quanto às normas de segurança de sigilo adotadas pela CETIP, é correto afirmar que o participante tem acesso

Questão 56

BANPARA 2016 - FADESP - Técnico Bancário
As bolsas de mercadorias e futuros (BM&F) são associações privadas civis, com objetivo de efetuar o registro, a compensação e a liquidação, física e financeira, das operações realizadas em pregão ou em sistema eletrônico. Quanto à regulamentação das BM&F, pode-se afirmar que são regulamentadas pela(pelo)

Questão 57

BANPARA 2016 - FADESP - Técnico Bancário
Quantos às instituições financeiras públicas e privadas, é correto afirmar que

Questão 58

BANPARA 2016 - FADESP - Técnico Bancário
O Sistema Financeiro Nacional encontra-se estruturado pelo Conselho Monetário Nacional, pelo Banco Central do Brasil, pelo Banco do Brasil, pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e pelas demais instituições financeiras públicas e privadas. Nesse sentido, pode-se afirmar que

Questão 59

BANPARA 2016 - FADESP - Técnico Bancário

» Esta questão foi anulada pela banca.
O Banco Central do Brasil foi criado em 1964 com a promulgação da Lei da Reforma Bancária (Lei nº 4.595, de 31.12.64). Pode-se afirmar que é competência do Banco Central do Brasil

Questão 60

BANPARA 2016 - FADESP - Técnico Bancário
De acordo com a subdivisão do Sistema Financeiro Nacional (SFN) em entidades normativas, supervisoras e operacionais, pode-se afirmar que:



Provas de Concursos » Fadesp 2016