×
Analista do Ministerio Publico - Area Processual Tecnico do Ministerio Publico - Area Administrativa Tecnico do Ministerio Publico - Notificacoes e Atos Intimatorios
×
MPE/RJ 2019

MPE/RJ 2016

Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa

Questão 1

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
1
Dentre os problemas sociais urbanos, merece destaque a questão
 
da segregação urbana, fruto da concentração de renda no espaço
 
das cidades e da falta de planejamento público que vise à
 
promoção de políticas de controle ao crescimento desordenado
5
das cidades. A especulação imobiliária favorece o encarecimento
 
dos locais mais próximos dos grandes centros, tornando-os
 
inacessíveis à grande massa populacional. Além disso, à medida
 
que as cidades crescem, áreas que antes eram baratas e de fácil
 
acesso tornam-se mais caras, o que contribui para que a grande
10
maioria da população pobre busque por moradias em regiões
 
ainda mais distantes.
 
Essas pessoas sofrem com as grandes distâncias dos locais
 
de residência com os centros comerciais e os locais onde
 
trabalham, uma vez que a esmagadora maioria dos habitantes
15
que sofrem com esse processo são trabalhadores com baixos
 
salários. Incluem-se a isso as precárias condições de transporte
 
público e a péssima infraestrutura dessas zonas segregadas, que
 
às vezes não contam com saneamento básico ou asfalto e
 
apresentam elevados índices de violência.
20
A especulação imobiliária também acentua um problema
 
cada vez maior no espaço das grandes, médias e até pequenas
 
cidades: a questão dos lotes vagos. Esse problema acontece por
 
dois principais motivos: 1) falta de poder aquisitivo da população
 
que possui terrenos, mas que não possui condições de construir
25
neles e 2) a espera pela valorização dos lotes para que esses se
 
tornem mais caros para uma venda posterior. Esses lotes vagos
 
geralmente apresentam problemas como o acúmulo de lixo,
 
mato alto, e acabam tornando-se focos de doenças, como a
 
dengue.
PENA, Rodolfo F. Alves. “Problemas socioambientais urbanos”; Brasil Escola. Disponível em http://brasilescola.uol.com.br/brasil/problemas- ambientais-sociais-decorrentes-urbanização.htm. Acesso em 14 de abril de 2016.
A estruturação do texto 1 é feita do seguinte modo:

Questão 2

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
1
Dentre os problemas sociais urbanos, merece destaque a questão
 
da segregação urbana, fruto da concentração de renda no espaço
 
das cidades e da falta de planejamento público que vise à
 
promoção de políticas de controle ao crescimento desordenado
5
das cidades. A especulação imobiliária favorece o encarecimento
 
dos locais mais próximos dos grandes centros, tornando-os
 
inacessíveis à grande massa populacional. Além disso, à medida
 
que as cidades crescem, áreas que antes eram baratas e de fácil
 
acesso tornam-se mais caras, o que contribui para que a grande
10
maioria da população pobre busque por moradias em regiões
 
ainda mais distantes.
 
Essas pessoas sofrem com as grandes distâncias dos locais
 
de residência com os centros comerciais e os locais onde
 
trabalham, uma vez que a esmagadora maioria dos habitantes
15
que sofrem com esse processo são trabalhadores com baixos
 
salários. Incluem-se a isso as precárias condições de transporte
 
público e a péssima infraestrutura dessas zonas segregadas, que
 
às vezes não contam com saneamento básico ou asfalto e
 
apresentam elevados índices de violência.
20
A especulação imobiliária também acentua um problema
 
cada vez maior no espaço das grandes, médias e até pequenas
 
cidades: a questão dos lotes vagos. Esse problema acontece por
 
dois principais motivos: 1) falta de poder aquisitivo da população
 
que possui terrenos, mas que não possui condições de construir
25
neles e 2) a espera pela valorização dos lotes para que esses se
 
tornem mais caros para uma venda posterior. Esses lotes vagos
 
geralmente apresentam problemas como o acúmulo de lixo,
 
mato alto, e acabam tornando-se focos de doenças, como a
 
dengue.
PENA, Rodolfo F. Alves. “Problemas socioambientais urbanos”; Brasil Escola. Disponível em http://brasilescola.uol.com.br/brasil/problemas- ambientais-sociais-decorrentes-urbanização.htm. Acesso em 14 de abril de 2016.
Pela leitura do primeiro período do texto 1, a segregação urbana tem como principal causa:

Questão 3

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
1
Dentre os problemas sociais urbanos, merece destaque a questão
 
da segregação urbana, fruto da concentração de renda no espaço
 
das cidades e da falta de planejamento público que vise à
 
promoção de políticas de controle ao crescimento desordenado
5
das cidades. A especulação imobiliária favorece o encarecimento
 
dos locais mais próximos dos grandes centros, tornando-os
 
inacessíveis à grande massa populacional. Além disso, à medida
 
que as cidades crescem, áreas que antes eram baratas e de fácil
 
acesso tornam-se mais caras, o que contribui para que a grande
10
maioria da população pobre busque por moradias em regiões
 
ainda mais distantes.
 
Essas pessoas sofrem com as grandes distâncias dos locais
 
de residência com os centros comerciais e os locais onde
 
trabalham, uma vez que a esmagadora maioria dos habitantes
15
que sofrem com esse processo são trabalhadores com baixos
 
salários. Incluem-se a isso as precárias condições de transporte
 
público e a péssima infraestrutura dessas zonas segregadas, que
 
às vezes não contam com saneamento básico ou asfalto e
 
apresentam elevados índices de violência.
20
A especulação imobiliária também acentua um problema
 
cada vez maior no espaço das grandes, médias e até pequenas
 
cidades: a questão dos lotes vagos. Esse problema acontece por
 
dois principais motivos: 1) falta de poder aquisitivo da população
 
que possui terrenos, mas que não possui condições de construir
25
neles e 2) a espera pela valorização dos lotes para que esses se
 
tornem mais caros para uma venda posterior. Esses lotes vagos
 
geralmente apresentam problemas como o acúmulo de lixo,
 
mato alto, e acabam tornando-se focos de doenças, como a
 
dengue.
PENA, Rodolfo F. Alves. “Problemas socioambientais urbanos”; Brasil Escola. Disponível em http://brasilescola.uol.com.br/brasil/problemas- ambientais-sociais-decorrentes-urbanização.htm. Acesso em 14 de abril de 2016.
“Dentre os problemas sociais urbanos, merece destaque a questão da segregação urbana, fruto da concentração de renda no espaço das cidades e da falta de planejamento público que vise à promoção de políticas de controle ao crescimento desordenado das cidades”.

Pode ser inferido desse segmento do texto 1 que:

Questão 4

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
1
Dentre os problemas sociais urbanos, merece destaque a questão
 
da segregação urbana, fruto da concentração de renda no espaço
 
das cidades e da falta de planejamento público que vise à
 
promoção de políticas de controle ao crescimento desordenado
5
das cidades. A especulação imobiliária favorece o encarecimento
 
dos locais mais próximos dos grandes centros, tornando-os
 
inacessíveis à grande massa populacional. Além disso, à medida
 
que as cidades crescem, áreas que antes eram baratas e de fácil
 
acesso tornam-se mais caras, o que contribui para que a grande
10
maioria da população pobre busque por moradias em regiões
 
ainda mais distantes.
 
Essas pessoas sofrem com as grandes distâncias dos locais
 
de residência com os centros comerciais e os locais onde
 
trabalham, uma vez que a esmagadora maioria dos habitantes
15
que sofrem com esse processo são trabalhadores com baixos
 
salários. Incluem-se a isso as precárias condições de transporte
 
público e a péssima infraestrutura dessas zonas segregadas, que
 
às vezes não contam com saneamento básico ou asfalto e
 
apresentam elevados índices de violência.
20
A especulação imobiliária também acentua um problema
 
cada vez maior no espaço das grandes, médias e até pequenas
 
cidades: a questão dos lotes vagos. Esse problema acontece por
 
dois principais motivos: 1) falta de poder aquisitivo da população
 
que possui terrenos, mas que não possui condições de construir
25
neles e 2) a espera pela valorização dos lotes para que esses se
 
tornem mais caros para uma venda posterior. Esses lotes vagos
 
geralmente apresentam problemas como o acúmulo de lixo,
 
mato alto, e acabam tornando-se focos de doenças, como a
 
dengue.
PENA, Rodolfo F. Alves. “Problemas socioambientais urbanos”; Brasil Escola. Disponível em http://brasilescola.uol.com.br/brasil/problemas- ambientais-sociais-decorrentes-urbanização.htm. Acesso em 14 de abril de 2016.
“Dentre os problemas sociais urbanos, merece destaque a questão da segregação urbana, fruto da concentração de renda no espaço das cidades e da falta de planejamento público que vise à promoção de políticas de controle ao crescimento desordenado das cidades”.

Os dois elementos ligados pela conjunção E são fatores bastante diferentes; o pensamento abaixo em que os termos ligados por essa conjunção podem ser considerados sinônimos é:

Questão 5

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
1
O maior país da América Latina, com a maior população católica
 
do mundo, não nasceu de forma tranquila. Neste livro, com o
 
realismo dos documentos originais, vemos claramente a
 
brutalidade do extermínio dos índios na costa brasileira, berço de
5
sangue cujo marco determinante é a fundação da cidade do Rio
 
de Janeiro.
 
O Brasil real começou a ser construído por homens como o
 
degredado João Ramalho, que raspava os pelos do corpo para se
 
mesclar aos índios e construiu um exército de mestiços caçadores
10
de escravos mais poderoso que o da própria Coroa; personagens
 
improváveis como o jesuíta Manoel da Nóbrega, padre gago
 
incumbido de catequizar um povo de língua indecifrável, esteio
 
da erradicação dos “hereges” antropófagos; líderes implacáveis
 
como Aimberê, ex-escravo que tomou a frente da resistência e
15
Cunhambebe, cacique “imortal”, que dizia poder devorar carne
 
humana porque era “um jaguar”.
 
Incluindo protestantes franceses, que se aliaram aos índios para
 
escapar dos portugueses e da Inquisição, além de mamelucos, os
 
primeiros brasileiros verdadeiramente ligados à terra, que
20
falavam tupi tanto quanto o português e partiram do planalto de
 
Piratininga para caçar índios e estenderam a colônia sertão
 
adentro, surge um povo que desde a origem nada tem da
 
autoimagem do “brasileiro cordial”.
(Texto da orelha do livro A conquista do Brasil, de Thales Guaracy, Planeta, Rio de Janeiro, 2015)
O texto 1, retirado da orelha do livro indicado, tem como finalidade destacar qualidades da obra a que alude; NÃO é uma dessas qualidades o seguinte tópico:

Questão 6

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
1
Dentre os problemas sociais urbanos, merece destaque a questão
 
da segregação urbana, fruto da concentração de renda no espaço
 
das cidades e da falta de planejamento público que vise à
 
promoção de políticas de controle ao crescimento desordenado
5
das cidades. A especulação imobiliária favorece o encarecimento
 
dos locais mais próximos dos grandes centros, tornando-os
 
inacessíveis à grande massa populacional. Além disso, à medida
 
que as cidades crescem, áreas que antes eram baratas e de fácil
 
acesso tornam-se mais caras, o que contribui para que a grande
10
maioria da população pobre busque por moradias em regiões
 
ainda mais distantes.
 
Essas pessoas sofrem com as grandes distâncias dos locais
 
de residência com os centros comerciais e os locais onde
 
trabalham, uma vez que a esmagadora maioria dos habitantes
15
que sofrem com esse processo são trabalhadores com baixos
 
salários. Incluem-se a isso as precárias condições de transporte
 
público e a péssima infraestrutura dessas zonas segregadas, que
 
às vezes não contam com saneamento básico ou asfalto e
 
apresentam elevados índices de violência.
20
A especulação imobiliária também acentua um problema
 
cada vez maior no espaço das grandes, médias e até pequenas
 
cidades: a questão dos lotes vagos. Esse problema acontece por
 
dois principais motivos: 1) falta de poder aquisitivo da população
 
que possui terrenos, mas que não possui condições de construir
25
neles e 2) a espera pela valorização dos lotes para que esses se
 
tornem mais caros para uma venda posterior. Esses lotes vagos
 
geralmente apresentam problemas como o acúmulo de lixo,
 
mato alto, e acabam tornando-se focos de doenças, como a
 
dengue.
PENA, Rodolfo F. Alves. “Problemas socioambientais urbanos”; Brasil Escola. Disponível em http://brasilescola.uol.com.br/brasil/problemas- ambientais-sociais-decorrentes-urbanização.htm. Acesso em 14 de abril de 2016.
“que vise à promoção de políticas de controle”; nesse segmento de texto 1 emprega-se corretamente a regência do verbo visar, que muda de sentido conforme seja transitivo direto ou transitivo indireto.

O verbo abaixo em que NÃO ocorre a mesma possibilidade de dupla regência e duplo sentido é:

Questão 7

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
1
Dentre os problemas sociais urbanos, merece destaque a questão
 
da segregação urbana, fruto da concentração de renda no espaço
 
das cidades e da falta de planejamento público que vise à
 
promoção de políticas de controle ao crescimento desordenado
5
das cidades. A especulação imobiliária favorece o encarecimento
 
dos locais mais próximos dos grandes centros, tornando-os
 
inacessíveis à grande massa populacional. Além disso, à medida
 
que as cidades crescem, áreas que antes eram baratas e de fácil
 
acesso tornam-se mais caras, o que contribui para que a grande
10
maioria da população pobre busque por moradias em regiões
 
ainda mais distantes.
 
Essas pessoas sofrem com as grandes distâncias dos locais
 
de residência com os centros comerciais e os locais onde
 
trabalham, uma vez que a esmagadora maioria dos habitantes
15
que sofrem com esse processo são trabalhadores com baixos
 
salários. Incluem-se a isso as precárias condições de transporte
 
público e a péssima infraestrutura dessas zonas segregadas, que
 
às vezes não contam com saneamento básico ou asfalto e
 
apresentam elevados índices de violência.
20
A especulação imobiliária também acentua um problema
 
cada vez maior no espaço das grandes, médias e até pequenas
 
cidades: a questão dos lotes vagos. Esse problema acontece por
 
dois principais motivos: 1) falta de poder aquisitivo da população
 
que possui terrenos, mas que não possui condições de construir
25
neles e 2) a espera pela valorização dos lotes para que esses se
 
tornem mais caros para uma venda posterior. Esses lotes vagos
 
geralmente apresentam problemas como o acúmulo de lixo,
 
mato alto, e acabam tornando-se focos de doenças, como a
 
dengue.
PENA, Rodolfo F. Alves. “Problemas socioambientais urbanos”; Brasil Escola. Disponível em http://brasilescola.uol.com.br/brasil/problemas- ambientais-sociais-decorrentes-urbanização.htm. Acesso em 14 de abril de 2016.
No texto 1, há quatro ocorrências do acento grave indicativo da crase: “vise à promoção de políticas de controle”(1), “tornandoos inacessíveis à grande massa populacional”(2), “Além disso, à medida que as cidades crescem”(3) e “que às vezes não contam com saneamento básico”(4).

Os casos de crase que correspondem à união de preposição + artigo definido são:

Questão 8

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
1
Dentre os problemas sociais urbanos, merece destaque a questão
 
da segregação urbana, fruto da concentração de renda no espaço
 
das cidades e da falta de planejamento público que vise à
 
promoção de políticas de controle ao crescimento desordenado
5
das cidades. A especulação imobiliária favorece o encarecimento
 
dos locais mais próximos dos grandes centros, tornando-os
 
inacessíveis à grande massa populacional. Além disso, à medida
 
que as cidades crescem, áreas que antes eram baratas e de fácil
 
acesso tornam-se mais caras, o que contribui para que a grande
10
maioria da população pobre busque por moradias em regiões
 
ainda mais distantes.
 
Essas pessoas sofrem com as grandes distâncias dos locais
 
de residência com os centros comerciais e os locais onde
 
trabalham, uma vez que a esmagadora maioria dos habitantes
15
que sofrem com esse processo são trabalhadores com baixos
 
salários. Incluem-se a isso as precárias condições de transporte
 
público e a péssima infraestrutura dessas zonas segregadas, que
 
às vezes não contam com saneamento básico ou asfalto e
 
apresentam elevados índices de violência.
20
A especulação imobiliária também acentua um problema
 
cada vez maior no espaço das grandes, médias e até pequenas
 
cidades: a questão dos lotes vagos. Esse problema acontece por
 
dois principais motivos: 1) falta de poder aquisitivo da população
 
que possui terrenos, mas que não possui condições de construir
25
neles e 2) a espera pela valorização dos lotes para que esses se
 
tornem mais caros para uma venda posterior. Esses lotes vagos
 
geralmente apresentam problemas como o acúmulo de lixo,
 
mato alto, e acabam tornando-se focos de doenças, como a
 
dengue.
PENA, Rodolfo F. Alves. “Problemas socioambientais urbanos”; Brasil Escola. Disponível em http://brasilescola.uol.com.br/brasil/problemas- ambientais-sociais-decorrentes-urbanização.htm. Acesso em 14 de abril de 2016.
“Além disso, à medida que as cidades crescem, áreas que antes eram baratas e de fácil acesso tornam-se mais caras, o que contribui para que a grande maioria da população pobre busque por moradias em regiões ainda mais distantes”.

Segundo o texto 1, os mais pobres residem em locais distantes dos grandes centros porque:

Questão 9

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
1
Dentre os problemas sociais urbanos, merece destaque a questão
 
da segregação urbana, fruto da concentração de renda no espaço
 
das cidades e da falta de planejamento público que vise à
 
promoção de políticas de controle ao crescimento desordenado
5
das cidades. A especulação imobiliária favorece o encarecimento
 
dos locais mais próximos dos grandes centros, tornando-os
 
inacessíveis à grande massa populacional. Além disso, à medida
 
que as cidades crescem, áreas que antes eram baratas e de fácil
 
acesso tornam-se mais caras, o que contribui para que a grande
10
maioria da população pobre busque por moradias em regiões
 
ainda mais distantes.
 
Essas pessoas sofrem com as grandes distâncias dos locais
 
de residência com os centros comerciais e os locais onde
 
trabalham, uma vez que a esmagadora maioria dos habitantes
15
que sofrem com esse processo são trabalhadores com baixos
 
salários. Incluem-se a isso as precárias condições de transporte
 
público e a péssima infraestrutura dessas zonas segregadas, que
 
às vezes não contam com saneamento básico ou asfalto e
 
apresentam elevados índices de violência.
20
A especulação imobiliária também acentua um problema
 
cada vez maior no espaço das grandes, médias e até pequenas
 
cidades: a questão dos lotes vagos. Esse problema acontece por
 
dois principais motivos: 1) falta de poder aquisitivo da população
 
que possui terrenos, mas que não possui condições de construir
25
neles e 2) a espera pela valorização dos lotes para que esses se
 
tornem mais caros para uma venda posterior. Esses lotes vagos
 
geralmente apresentam problemas como o acúmulo de lixo,
 
mato alto, e acabam tornando-se focos de doenças, como a
 
dengue.
PENA, Rodolfo F. Alves. “Problemas socioambientais urbanos”; Brasil Escola. Disponível em http://brasilescola.uol.com.br/brasil/problemas- ambientais-sociais-decorrentes-urbanização.htm. Acesso em 14 de abril de 2016.
“Além disso, à medida que as cidades crescem, áreas que antes eram baratas e de fácil acesso tornam-se mais caras, o que contribui para que a grande maioria da população pobre busque por moradias em regiões ainda mais distantes”.

Nesse segmento do texto 1, o vocábulo mais aparece duas vezes, com a mesma classe gramatical; a frase abaixo em que esse mesmo vocábulo apresenta classe diferente é:

Questão 10

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
1
Dentre os problemas sociais urbanos, merece destaque a questão
 
da segregação urbana, fruto da concentração de renda no espaço
 
das cidades e da falta de planejamento público que vise à
 
promoção de políticas de controle ao crescimento desordenado
5
das cidades. A especulação imobiliária favorece o encarecimento
 
dos locais mais próximos dos grandes centros, tornando-os
 
inacessíveis à grande massa populacional. Além disso, à medida
 
que as cidades crescem, áreas que antes eram baratas e de fácil
 
acesso tornam-se mais caras, o que contribui para que a grande
10
maioria da população pobre busque por moradias em regiões
 
ainda mais distantes.
 
Essas pessoas sofrem com as grandes distâncias dos locais
 
de residência com os centros comerciais e os locais onde
 
trabalham, uma vez que a esmagadora maioria dos habitantes
15
que sofrem com esse processo são trabalhadores com baixos
 
salários. Incluem-se a isso as precárias condições de transporte
 
público e a péssima infraestrutura dessas zonas segregadas, que
 
às vezes não contam com saneamento básico ou asfalto e
 
apresentam elevados índices de violência.
20
A especulação imobiliária também acentua um problema
 
cada vez maior no espaço das grandes, médias e até pequenas
 
cidades: a questão dos lotes vagos. Esse problema acontece por
 
dois principais motivos: 1) falta de poder aquisitivo da população
 
que possui terrenos, mas que não possui condições de construir
25
neles e 2) a espera pela valorização dos lotes para que esses se
 
tornem mais caros para uma venda posterior. Esses lotes vagos
 
geralmente apresentam problemas como o acúmulo de lixo,
 
mato alto, e acabam tornando-se focos de doenças, como a
 
dengue.
PENA, Rodolfo F. Alves. “Problemas socioambientais urbanos”; Brasil Escola. Disponível em http://brasilescola.uol.com.br/brasil/problemas- ambientais-sociais-decorrentes-urbanização.htm. Acesso em 14 de abril de 2016.
Os verbos de estado indicam: estado permanente, estado transitório, mudança de estado, aparência de estado e continuidade de estado. A frase do texto 1 que mostra um verbo de estado com valor de mudança de estado é:

Questão 11

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
1
Dentre os problemas sociais urbanos, merece destaque a questão
 
da segregação urbana, fruto da concentração de renda no espaço
 
das cidades e da falta de planejamento público que vise à
 
promoção de políticas de controle ao crescimento desordenado
5
das cidades. A especulação imobiliária favorece o encarecimento
 
dos locais mais próximos dos grandes centros, tornando-os
 
inacessíveis à grande massa populacional. Além disso, à medida
 
que as cidades crescem, áreas que antes eram baratas e de fácil
 
acesso tornam-se mais caras, o que contribui para que a grande
10
maioria da população pobre busque por moradias em regiões
 
ainda mais distantes.
 
Essas pessoas sofrem com as grandes distâncias dos locais
 
de residência com os centros comerciais e os locais onde
 
trabalham, uma vez que a esmagadora maioria dos habitantes
15
que sofrem com esse processo são trabalhadores com baixos
 
salários. Incluem-se a isso as precárias condições de transporte
 
público e a péssima infraestrutura dessas zonas segregadas, que
 
às vezes não contam com saneamento básico ou asfalto e
 
apresentam elevados índices de violência.
20
A especulação imobiliária também acentua um problema
 
cada vez maior no espaço das grandes, médias e até pequenas
 
cidades: a questão dos lotes vagos. Esse problema acontece por
 
dois principais motivos: 1) falta de poder aquisitivo da população
 
que possui terrenos, mas que não possui condições de construir
25
neles e 2) a espera pela valorização dos lotes para que esses se
 
tornem mais caros para uma venda posterior. Esses lotes vagos
 
geralmente apresentam problemas como o acúmulo de lixo,
 
mato alto, e acabam tornando-se focos de doenças, como a
 
dengue.
PENA, Rodolfo F. Alves. “Problemas socioambientais urbanos”; Brasil Escola. Disponível em http://brasilescola.uol.com.br/brasil/problemas- ambientais-sociais-decorrentes-urbanização.htm. Acesso em 14 de abril de 2016.
“Essas pessoas sofrem com as grandes distâncias dos locais de residência com os centros comerciais e os locais onde trabalham”; a frase abaixo em que o vocábulo onde/aonde foi mal empregado é:

Questão 12

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
1
O maior país da América Latina, com a maior população católica
 
do mundo, não nasceu de forma tranquila. Neste livro, com o
 
realismo dos documentos originais, vemos claramente a
 
brutalidade do extermínio dos índios na costa brasileira, berço de
5
sangue cujo marco determinante é a fundação da cidade do Rio
 
de Janeiro.
 
O Brasil real começou a ser construído por homens como o
 
degredado João Ramalho, que raspava os pelos do corpo para se
 
mesclar aos índios e construiu um exército de mestiços caçadores
10
de escravos mais poderoso que o da própria Coroa; personagens
 
improváveis como o jesuíta Manoel da Nóbrega, padre gago
 
incumbido de catequizar um povo de língua indecifrável, esteio
 
da erradicação dos “hereges” antropófagos; líderes implacáveis
 
como Aimberê, ex-escravo que tomou a frente da resistência e
15
Cunhambebe, cacique “imortal”, que dizia poder devorar carne
 
humana porque era “um jaguar”.
 
Incluindo protestantes franceses, que se aliaram aos índios para
 
escapar dos portugueses e da Inquisição, além de mamelucos, os
 
primeiros brasileiros verdadeiramente ligados à terra, que
20
falavam tupi tanto quanto o português e partiram do planalto de
 
Piratininga para caçar índios e estenderam a colônia sertão
 
adentro, surge um povo que desde a origem nada tem da
 
autoimagem do “brasileiro cordial”.
(Texto da orelha do livro A conquista do Brasil, de Thales Guaracy, Planeta, Rio de Janeiro, 2015)
O texto 1, retirado da orelha do livro indicado, tem como finalidade destacar qualidades da obra a que alude; NÃO é uma dessas qualidades o seguinte tópico:

Questão 13

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
1
Dentre os problemas sociais urbanos, merece destaque a questão
 
da segregação urbana, fruto da concentração de renda no espaço
 
das cidades e da falta de planejamento público que vise à
 
promoção de políticas de controle ao crescimento desordenado
5
das cidades. A especulação imobiliária favorece o encarecimento
 
dos locais mais próximos dos grandes centros, tornando-os
 
inacessíveis à grande massa populacional. Além disso, à medida
 
que as cidades crescem, áreas que antes eram baratas e de fácil
 
acesso tornam-se mais caras, o que contribui para que a grande
10
maioria da população pobre busque por moradias em regiões
 
ainda mais distantes.
 
Essas pessoas sofrem com as grandes distâncias dos locais
 
de residência com os centros comerciais e os locais onde
 
trabalham, uma vez que a esmagadora maioria dos habitantes
15
que sofrem com esse processo são trabalhadores com baixos
 
salários. Incluem-se a isso as precárias condições de transporte
 
público e a péssima infraestrutura dessas zonas segregadas, que
 
às vezes não contam com saneamento básico ou asfalto e
 
apresentam elevados índices de violência.
20
A especulação imobiliária também acentua um problema
 
cada vez maior no espaço das grandes, médias e até pequenas
 
cidades: a questão dos lotes vagos. Esse problema acontece por
 
dois principais motivos: 1) falta de poder aquisitivo da população
 
que possui terrenos, mas que não possui condições de construir
25
neles e 2) a espera pela valorização dos lotes para que esses se
 
tornem mais caros para uma venda posterior. Esses lotes vagos
 
geralmente apresentam problemas como o acúmulo de lixo,
 
mato alto, e acabam tornando-se focos de doenças, como a
 
dengue.
PENA, Rodolfo F. Alves. “Problemas socioambientais urbanos”; Brasil Escola. Disponível em http://brasilescola.uol.com.br/brasil/problemas- ambientais-sociais-decorrentes-urbanização.htm. Acesso em 14 de abril de 2016.
“Essas pessoas sofrem com as grandes distâncias dos locais de residência com os centros comerciais e os locais onde trabalham, uma vez que a esmagadora maioria dos habitantes que sofrem com esse processo são trabalhadores com baixos salários”.

Segundo esse segmento do texto 1, o sofrimento maior desses trabalhadores advém do fato de que:

Questão 14

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
1
O maior país da América Latina, com a maior população católica
 
do mundo, não nasceu de forma tranquila. Neste livro, com o
 
realismo dos documentos originais, vemos claramente a
 
brutalidade do extermínio dos índios na costa brasileira, berço de
5
sangue cujo marco determinante é a fundação da cidade do Rio
 
de Janeiro.
 
O Brasil real começou a ser construído por homens como o
 
degredado João Ramalho, que raspava os pelos do corpo para se
 
mesclar aos índios e construiu um exército de mestiços caçadores
10
de escravos mais poderoso que o da própria Coroa; personagens
 
improváveis como o jesuíta Manoel da Nóbrega, padre gago
 
incumbido de catequizar um povo de língua indecifrável, esteio
 
da erradicação dos “hereges” antropófagos; líderes implacáveis
 
como Aimberê, ex-escravo que tomou a frente da resistência e
15
Cunhambebe, cacique “imortal”, que dizia poder devorar carne
 
humana porque era “um jaguar”.
 
Incluindo protestantes franceses, que se aliaram aos índios para
 
escapar dos portugueses e da Inquisição, além de mamelucos, os
 
primeiros brasileiros verdadeiramente ligados à terra, que
20
falavam tupi tanto quanto o português e partiram do planalto de
 
Piratininga para caçar índios e estenderam a colônia sertão
 
adentro, surge um povo que desde a origem nada tem da
 
autoimagem do “brasileiro cordial”.
(Texto da orelha do livro A conquista do Brasil, de Thales Guaracy, Planeta, Rio de Janeiro, 2015)
O texto 1, retirado da orelha do livro indicado, tem como finalidade destacar qualidades da obra a que alude; NÃO é uma dessas qualidades o seguinte tópico:

Questão 15

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
1
Dentre os problemas sociais urbanos, merece destaque a questão
 
da segregação urbana, fruto da concentração de renda no espaço
 
das cidades e da falta de planejamento público que vise à
 
promoção de políticas de controle ao crescimento desordenado
5
das cidades. A especulação imobiliária favorece o encarecimento
 
dos locais mais próximos dos grandes centros, tornando-os
 
inacessíveis à grande massa populacional. Além disso, à medida
 
que as cidades crescem, áreas que antes eram baratas e de fácil
 
acesso tornam-se mais caras, o que contribui para que a grande
10
maioria da população pobre busque por moradias em regiões
 
ainda mais distantes.
 
Essas pessoas sofrem com as grandes distâncias dos locais
 
de residência com os centros comerciais e os locais onde
 
trabalham, uma vez que a esmagadora maioria dos habitantes
15
que sofrem com esse processo são trabalhadores com baixos
 
salários. Incluem-se a isso as precárias condições de transporte
 
público e a péssima infraestrutura dessas zonas segregadas, que
 
às vezes não contam com saneamento básico ou asfalto e
 
apresentam elevados índices de violência.
20
A especulação imobiliária também acentua um problema
 
cada vez maior no espaço das grandes, médias e até pequenas
 
cidades: a questão dos lotes vagos. Esse problema acontece por
 
dois principais motivos: 1) falta de poder aquisitivo da população
 
que possui terrenos, mas que não possui condições de construir
25
neles e 2) a espera pela valorização dos lotes para que esses se
 
tornem mais caros para uma venda posterior. Esses lotes vagos
 
geralmente apresentam problemas como o acúmulo de lixo,
 
mato alto, e acabam tornando-se focos de doenças, como a
 
dengue.
PENA, Rodolfo F. Alves. “Problemas socioambientais urbanos”; Brasil Escola. Disponível em http://brasilescola.uol.com.br/brasil/problemas- ambientais-sociais-decorrentes-urbanização.htm. Acesso em 14 de abril de 2016.
“a espera pela valorização dos lotes para que esses se tornem mais caros para uma venda posterior”; esse segmento do texto 1 apresenta um problema de construção, que é:

Questão 16

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
1
O crescimento dos índices de violência e a dramática
 
transformação do crime manifestados nas grandes metrópoles
 
são alarmantes, sobretudo, na cidade do Rio de Janeiro, sendo as
 
favelas as mais afetadas nesse processo.
5
“A violência está o cúmulo do absurdo. É geral, não é? É
 
geral, não tem, não está distinguindo raça, cor, dinheiro, com
 
dinheiro, sem dinheiro, tá de pessoa para pessoa, não interessa
 
se eu te conheço ou se eu não te conheço. Me irritou na rua eu te
 
dou um tiro. É assim mesmo que está, e é irritante, o ser humano
10
está em um estado de nervos que ele não está mais se
 
controlando, aí junta a falta de dinheiro, junta falta de tudo, e
 
quem tem mais tá querendo mais, e quem tem menos tá
 
querendo alguma coisa e vai descontar em cima de quem tem
 
mais, e tá uma rivalidade, uma violência que não tem mais
15
tamanho, tá uma coisa insuportável.” (moradora da Rocinha)
 
A recente escalada da violência no país está relacionada ao
 
processo de globalização que se verifica, inclusive, ao nível das
 
redes de criminalidade. A comunicação entre as redes
 
internacionais ligadas ao crime organizado são realizadas para
20
negociar armas e drogas. Por outro lado, verifica-se hoje, com as
 
CPIs (Comissão Parlamentar de Inquérito) instaladas, ligações
 
entre atores presentes em instituições estatais e redes do
 
narcotráfico.
 
Nesse contexto, as camadas populares e seus bairros/favelas
25
são crescentemente objeto de estigmatização, percebidos como
 
causa da desordem social o que contribui para aprofundar a
 
segregação nesses espaços. No outro polo, verifica-se um
 
crescimento da autossegregação, especialmente por parte das
 
elites que se encastelam nos enclaves fortificados na tentativa de
30
se proteger da violência.
(Maria de Fátima Cabral Marques Gomes, Scripta Nova)
O primeiro parágrafo do texto 2 alude à “dramática transformação do crime”; essa transformação só NÃO se refere à(às):

Questão 17

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
1
O crescimento dos índices de violência e a dramática
 
transformação do crime manifestados nas grandes metrópoles
 
são alarmantes, sobretudo, na cidade do Rio de Janeiro, sendo as
 
favelas as mais afetadas nesse processo.
5
“A violência está o cúmulo do absurdo. É geral, não é? É
 
geral, não tem, não está distinguindo raça, cor, dinheiro, com
 
dinheiro, sem dinheiro, tá de pessoa para pessoa, não interessa
 
se eu te conheço ou se eu não te conheço. Me irritou na rua eu te
 
dou um tiro. É assim mesmo que está, e é irritante, o ser humano
10
está em um estado de nervos que ele não está mais se
 
controlando, aí junta a falta de dinheiro, junta falta de tudo, e
 
quem tem mais tá querendo mais, e quem tem menos tá
 
querendo alguma coisa e vai descontar em cima de quem tem
 
mais, e tá uma rivalidade, uma violência que não tem mais
15
tamanho, tá uma coisa insuportável.” (moradora da Rocinha)
 
A recente escalada da violência no país está relacionada ao
 
processo de globalização que se verifica, inclusive, ao nível das
 
redes de criminalidade. A comunicação entre as redes
 
internacionais ligadas ao crime organizado são realizadas para
20
negociar armas e drogas. Por outro lado, verifica-se hoje, com as
 
CPIs (Comissão Parlamentar de Inquérito) instaladas, ligações
 
entre atores presentes em instituições estatais e redes do
 
narcotráfico.
 
Nesse contexto, as camadas populares e seus bairros/favelas
25
são crescentemente objeto de estigmatização, percebidos como
 
causa da desordem social o que contribui para aprofundar a
 
segregação nesses espaços. No outro polo, verifica-se um
 
crescimento da autossegregação, especialmente por parte das
 
elites que se encastelam nos enclaves fortificados na tentativa de
30
se proteger da violência.
(Maria de Fátima Cabral Marques Gomes, Scripta Nova)
A fala da moradora da Rocinha tem a seguinte finalidade:

Questão 18

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
1
O crescimento dos índices de violência e a dramática
 
transformação do crime manifestados nas grandes metrópoles
 
são alarmantes, sobretudo, na cidade do Rio de Janeiro, sendo as
 
favelas as mais afetadas nesse processo.
5
“A violência está o cúmulo do absurdo. É geral, não é? É
 
geral, não tem, não está distinguindo raça, cor, dinheiro, com
 
dinheiro, sem dinheiro, tá de pessoa para pessoa, não interessa
 
se eu te conheço ou se eu não te conheço. Me irritou na rua eu te
 
dou um tiro. É assim mesmo que está, e é irritante, o ser humano
10
está em um estado de nervos que ele não está mais se
 
controlando, aí junta a falta de dinheiro, junta falta de tudo, e
 
quem tem mais tá querendo mais, e quem tem menos tá
 
querendo alguma coisa e vai descontar em cima de quem tem
 
mais, e tá uma rivalidade, uma violência que não tem mais
15
tamanho, tá uma coisa insuportável.” (moradora da Rocinha)
 
A recente escalada da violência no país está relacionada ao
 
processo de globalização que se verifica, inclusive, ao nível das
 
redes de criminalidade. A comunicação entre as redes
 
internacionais ligadas ao crime organizado são realizadas para
20
negociar armas e drogas. Por outro lado, verifica-se hoje, com as
 
CPIs (Comissão Parlamentar de Inquérito) instaladas, ligações
 
entre atores presentes em instituições estatais e redes do
 
narcotráfico.
 
Nesse contexto, as camadas populares e seus bairros/favelas
25
são crescentemente objeto de estigmatização, percebidos como
 
causa da desordem social o que contribui para aprofundar a
 
segregação nesses espaços. No outro polo, verifica-se um
 
crescimento da autossegregação, especialmente por parte das
 
elites que se encastelam nos enclaves fortificados na tentativa de
30
se proteger da violência.
(Maria de Fátima Cabral Marques Gomes, Scripta Nova)
“...O crescimento dos índices de violência e a dramática transformação do crime manifestados nas grandes metrópoles são alarmantes, sobretudo, na cidade do Rio de Janeiro”.

O termo “sobretudo” só NÃO pode ser substituído adequadamente por:

Questão 19

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
1
O crescimento dos índices de violência e a dramática
 
transformação do crime manifestados nas grandes metrópoles
 
são alarmantes, sobretudo, na cidade do Rio de Janeiro, sendo as
 
favelas as mais afetadas nesse processo.
5
“A violência está o cúmulo do absurdo. É geral, não é? É
 
geral, não tem, não está distinguindo raça, cor, dinheiro, com
 
dinheiro, sem dinheiro, tá de pessoa para pessoa, não interessa
 
se eu te conheço ou se eu não te conheço. Me irritou na rua eu te
 
dou um tiro. É assim mesmo que está, e é irritante, o ser humano
10
está em um estado de nervos que ele não está mais se
 
controlando, aí junta a falta de dinheiro, junta falta de tudo, e
 
quem tem mais tá querendo mais, e quem tem menos tá
 
querendo alguma coisa e vai descontar em cima de quem tem
 
mais, e tá uma rivalidade, uma violência que não tem mais
15
tamanho, tá uma coisa insuportável.” (moradora da Rocinha)
 
A recente escalada da violência no país está relacionada ao
 
processo de globalização que se verifica, inclusive, ao nível das
 
redes de criminalidade. A comunicação entre as redes
 
internacionais ligadas ao crime organizado são realizadas para
20
negociar armas e drogas. Por outro lado, verifica-se hoje, com as
 
CPIs (Comissão Parlamentar de Inquérito) instaladas, ligações
 
entre atores presentes em instituições estatais e redes do
 
narcotráfico.
 
Nesse contexto, as camadas populares e seus bairros/favelas
25
são crescentemente objeto de estigmatização, percebidos como
 
causa da desordem social o que contribui para aprofundar a
 
segregação nesses espaços. No outro polo, verifica-se um
 
crescimento da autossegregação, especialmente por parte das
 
elites que se encastelam nos enclaves fortificados na tentativa de
30
se proteger da violência.
(Maria de Fátima Cabral Marques Gomes, Scripta Nova)
“A violência está o cúmulo do absurdo. É geral, não é? É geral, não tem, não está distinguindo raça, cor, dinheiro, com dinheiro, sem dinheiro, tá de pessoa para pessoa, não interessa se eu te conheço ou se eu não te conheço. Me irritou na rua eu te dou um tiro”.

A fala da moradora da Rocinha mostra certas características distintas da variedade padrão de linguagem; a única característica que NÃO está comprovada pelo exemplo dado é:

Questão 20

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
1
O crescimento dos índices de violência e a dramática
 
transformação do crime manifestados nas grandes metrópoles
 
são alarmantes, sobretudo, na cidade do Rio de Janeiro, sendo as
 
favelas as mais afetadas nesse processo.
5
“A violência está o cúmulo do absurdo. É geral, não é? É
 
geral, não tem, não está distinguindo raça, cor, dinheiro, com
 
dinheiro, sem dinheiro, tá de pessoa para pessoa, não interessa
 
se eu te conheço ou se eu não te conheço. Me irritou na rua eu te
 
dou um tiro. É assim mesmo que está, e é irritante, o ser humano
10
está em um estado de nervos que ele não está mais se
 
controlando, aí junta a falta de dinheiro, junta falta de tudo, e
 
quem tem mais tá querendo mais, e quem tem menos tá
 
querendo alguma coisa e vai descontar em cima de quem tem
 
mais, e tá uma rivalidade, uma violência que não tem mais
15
tamanho, tá uma coisa insuportável.” (moradora da Rocinha)
 
A recente escalada da violência no país está relacionada ao
 
processo de globalização que se verifica, inclusive, ao nível das
 
redes de criminalidade. A comunicação entre as redes
 
internacionais ligadas ao crime organizado são realizadas para
20
negociar armas e drogas. Por outro lado, verifica-se hoje, com as
 
CPIs (Comissão Parlamentar de Inquérito) instaladas, ligações
 
entre atores presentes em instituições estatais e redes do
 
narcotráfico.
 
Nesse contexto, as camadas populares e seus bairros/favelas
25
são crescentemente objeto de estigmatização, percebidos como
 
causa da desordem social o que contribui para aprofundar a
 
segregação nesses espaços. No outro polo, verifica-se um
 
crescimento da autossegregação, especialmente por parte das
 
elites que se encastelam nos enclaves fortificados na tentativa de
30
se proteger da violência.
(Maria de Fátima Cabral Marques Gomes, Scripta Nova)
“...e quem tem mais tá querendo mais, e quem tem menos tá querendo alguma coisa”; nesse segmento do texto 2 o verbo ter está empregado em lugar do verbo possuir. A frase abaixo em que o verbo ter foi substituído de forma adequada é:

Questão 21

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
1
O crescimento dos índices de violência e a dramática
 
transformação do crime manifestados nas grandes metrópoles
 
são alarmantes, sobretudo, na cidade do Rio de Janeiro, sendo as
 
favelas as mais afetadas nesse processo.
5
“A violência está o cúmulo do absurdo. É geral, não é? É
 
geral, não tem, não está distinguindo raça, cor, dinheiro, com
 
dinheiro, sem dinheiro, tá de pessoa para pessoa, não interessa
 
se eu te conheço ou se eu não te conheço. Me irritou na rua eu te
 
dou um tiro. É assim mesmo que está, e é irritante, o ser humano
10
está em um estado de nervos que ele não está mais se
 
controlando, aí junta a falta de dinheiro, junta falta de tudo, e
 
quem tem mais tá querendo mais, e quem tem menos tá
 
querendo alguma coisa e vai descontar em cima de quem tem
 
mais, e tá uma rivalidade, uma violência que não tem mais
15
tamanho, tá uma coisa insuportável.” (moradora da Rocinha)
 
A recente escalada da violência no país está relacionada ao
 
processo de globalização que se verifica, inclusive, ao nível das
 
redes de criminalidade. A comunicação entre as redes
 
internacionais ligadas ao crime organizado são realizadas para
20
negociar armas e drogas. Por outro lado, verifica-se hoje, com as
 
CPIs (Comissão Parlamentar de Inquérito) instaladas, ligações
 
entre atores presentes em instituições estatais e redes do
 
narcotráfico.
 
Nesse contexto, as camadas populares e seus bairros/favelas
25
são crescentemente objeto de estigmatização, percebidos como
 
causa da desordem social o que contribui para aprofundar a
 
segregação nesses espaços. No outro polo, verifica-se um
 
crescimento da autossegregação, especialmente por parte das
 
elites que se encastelam nos enclaves fortificados na tentativa de
30
se proteger da violência.
(Maria de Fátima Cabral Marques Gomes, Scripta Nova)
“...tá uma coisa insuportável”; o adjetivo insuportável equivale a “que não se pode suportar”. O adjetivo abaixo que tem um significado dado corretamente é:

Questão 22

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
1
O crescimento dos índices de violência e a dramática
 
transformação do crime manifestados nas grandes metrópoles
 
são alarmantes, sobretudo, na cidade do Rio de Janeiro, sendo as
 
favelas as mais afetadas nesse processo.
5
“A violência está o cúmulo do absurdo. É geral, não é? É
 
geral, não tem, não está distinguindo raça, cor, dinheiro, com
 
dinheiro, sem dinheiro, tá de pessoa para pessoa, não interessa
 
se eu te conheço ou se eu não te conheço. Me irritou na rua eu te
 
dou um tiro. É assim mesmo que está, e é irritante, o ser humano
10
está em um estado de nervos que ele não está mais se
 
controlando, aí junta a falta de dinheiro, junta falta de tudo, e
 
quem tem mais tá querendo mais, e quem tem menos tá
 
querendo alguma coisa e vai descontar em cima de quem tem
 
mais, e tá uma rivalidade, uma violência que não tem mais
15
tamanho, tá uma coisa insuportável.” (moradora da Rocinha)
 
A recente escalada da violência no país está relacionada ao
 
processo de globalização que se verifica, inclusive, ao nível das
 
redes de criminalidade. A comunicação entre as redes
 
internacionais ligadas ao crime organizado são realizadas para
20
negociar armas e drogas. Por outro lado, verifica-se hoje, com as
 
CPIs (Comissão Parlamentar de Inquérito) instaladas, ligações
 
entre atores presentes em instituições estatais e redes do
 
narcotráfico.
 
Nesse contexto, as camadas populares e seus bairros/favelas
25
são crescentemente objeto de estigmatização, percebidos como
 
causa da desordem social o que contribui para aprofundar a
 
segregação nesses espaços. No outro polo, verifica-se um
 
crescimento da autossegregação, especialmente por parte das
 
elites que se encastelam nos enclaves fortificados na tentativa de
30
se proteger da violência.
(Maria de Fátima Cabral Marques Gomes, Scripta Nova)
“A comunicação entre as redes internacionais ligadas ao crime organizado são realizadas para negociar armas e drogas”.

A oração reduzida sublinhada teria como forma nominalizada equivalente:

Questão 23

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
1
O crescimento dos índices de violência e a dramática
 
transformação do crime manifestados nas grandes metrópoles
 
são alarmantes, sobretudo, na cidade do Rio de Janeiro, sendo as
 
favelas as mais afetadas nesse processo.
5
“A violência está o cúmulo do absurdo. É geral, não é? É
 
geral, não tem, não está distinguindo raça, cor, dinheiro, com
 
dinheiro, sem dinheiro, tá de pessoa para pessoa, não interessa
 
se eu te conheço ou se eu não te conheço. Me irritou na rua eu te
 
dou um tiro. É assim mesmo que está, e é irritante, o ser humano
10
está em um estado de nervos que ele não está mais se
 
controlando, aí junta a falta de dinheiro, junta falta de tudo, e
 
quem tem mais tá querendo mais, e quem tem menos tá
 
querendo alguma coisa e vai descontar em cima de quem tem
 
mais, e tá uma rivalidade, uma violência que não tem mais
15
tamanho, tá uma coisa insuportável.” (moradora da Rocinha)
 
A recente escalada da violência no país está relacionada ao
 
processo de globalização que se verifica, inclusive, ao nível das
 
redes de criminalidade. A comunicação entre as redes
 
internacionais ligadas ao crime organizado são realizadas para
20
negociar armas e drogas. Por outro lado, verifica-se hoje, com as
 
CPIs (Comissão Parlamentar de Inquérito) instaladas, ligações
 
entre atores presentes em instituições estatais e redes do
 
narcotráfico.
 
Nesse contexto, as camadas populares e seus bairros/favelas
25
são crescentemente objeto de estigmatização, percebidos como
 
causa da desordem social o que contribui para aprofundar a
 
segregação nesses espaços. No outro polo, verifica-se um
 
crescimento da autossegregação, especialmente por parte das
 
elites que se encastelam nos enclaves fortificados na tentativa de
30
se proteger da violência.
(Maria de Fátima Cabral Marques Gomes, Scripta Nova)
“Por outro lado, verifica-se hoje, com as CPIs (Comissão Parlamentar de Inquérito) instaladas, ligações entre atores presentes em instituições estatais e redes do narcotráfico”.

Esse segmento do texto 2 alude ao seguinte fato:

Questão 24

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
1
O maior país da América Latina, com a maior população católica
 
do mundo, não nasceu de forma tranquila. Neste livro, com o
 
realismo dos documentos originais, vemos claramente a
 
brutalidade do extermínio dos índios na costa brasileira, berço de
5
sangue cujo marco determinante é a fundação da cidade do Rio
 
de Janeiro.
 
O Brasil real começou a ser construído por homens como o
 
degredado João Ramalho, que raspava os pelos do corpo para se
 
mesclar aos índios e construiu um exército de mestiços caçadores
10
de escravos mais poderoso que o da própria Coroa; personagens
 
improváveis como o jesuíta Manoel da Nóbrega, padre gago
 
incumbido de catequizar um povo de língua indecifrável, esteio
 
da erradicação dos “hereges” antropófagos; líderes implacáveis
 
como Aimberê, ex-escravo que tomou a frente da resistência e
15
Cunhambebe, cacique “imortal”, que dizia poder devorar carne
 
humana porque era “um jaguar”.
 
Incluindo protestantes franceses, que se aliaram aos índios para
 
escapar dos portugueses e da Inquisição, além de mamelucos, os
 
primeiros brasileiros verdadeiramente ligados à terra, que
20
falavam tupi tanto quanto o português e partiram do planalto de
 
Piratininga para caçar índios e estenderam a colônia sertão
 
adentro, surge um povo que desde a origem nada tem da
 
autoimagem do “brasileiro cordial”.
(Texto da orelha do livro A conquista do Brasil, de Thales Guaracy, Planeta, Rio de Janeiro, 2015)
O texto 1, retirado da orelha do livro indicado, tem como finalidade destacar qualidades da obra a que alude; NÃO é uma dessas qualidades o seguinte tópico:

Questão 25

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
1
O maior país da América Latina, com a maior população católica
 
do mundo, não nasceu de forma tranquila. Neste livro, com o
 
realismo dos documentos originais, vemos claramente a
 
brutalidade do extermínio dos índios na costa brasileira, berço de
5
sangue cujo marco determinante é a fundação da cidade do Rio
 
de Janeiro.
 
O Brasil real começou a ser construído por homens como o
 
degredado João Ramalho, que raspava os pelos do corpo para se
 
mesclar aos índios e construiu um exército de mestiços caçadores
10
de escravos mais poderoso que o da própria Coroa; personagens
 
improváveis como o jesuíta Manoel da Nóbrega, padre gago
 
incumbido de catequizar um povo de língua indecifrável, esteio
 
da erradicação dos “hereges” antropófagos; líderes implacáveis
 
como Aimberê, ex-escravo que tomou a frente da resistência e
15
Cunhambebe, cacique “imortal”, que dizia poder devorar carne
 
humana porque era “um jaguar”.
 
Incluindo protestantes franceses, que se aliaram aos índios para
 
escapar dos portugueses e da Inquisição, além de mamelucos, os
 
primeiros brasileiros verdadeiramente ligados à terra, que
20
falavam tupi tanto quanto o português e partiram do planalto de
 
Piratininga para caçar índios e estenderam a colônia sertão
 
adentro, surge um povo que desde a origem nada tem da
 
autoimagem do “brasileiro cordial”.
(Texto da orelha do livro A conquista do Brasil, de Thales Guaracy, Planeta, Rio de Janeiro, 2015)
O texto 1, retirado da orelha do livro indicado, tem como finalidade destacar qualidades da obra a que alude; NÃO é uma dessas qualidades o seguinte tópico:

Questão 26

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
1
O crescimento dos índices de violência e a dramática
 
transformação do crime manifestados nas grandes metrópoles
 
são alarmantes, sobretudo, na cidade do Rio de Janeiro, sendo as
 
favelas as mais afetadas nesse processo.
5
“A violência está o cúmulo do absurdo. É geral, não é? É
 
geral, não tem, não está distinguindo raça, cor, dinheiro, com
 
dinheiro, sem dinheiro, tá de pessoa para pessoa, não interessa
 
se eu te conheço ou se eu não te conheço. Me irritou na rua eu te
 
dou um tiro. É assim mesmo que está, e é irritante, o ser humano
10
está em um estado de nervos que ele não está mais se
 
controlando, aí junta a falta de dinheiro, junta falta de tudo, e
 
quem tem mais tá querendo mais, e quem tem menos tá
 
querendo alguma coisa e vai descontar em cima de quem tem
 
mais, e tá uma rivalidade, uma violência que não tem mais
15
tamanho, tá uma coisa insuportável.” (moradora da Rocinha)
 
A recente escalada da violência no país está relacionada ao
 
processo de globalização que se verifica, inclusive, ao nível das
 
redes de criminalidade. A comunicação entre as redes
 
internacionais ligadas ao crime organizado são realizadas para
20
negociar armas e drogas. Por outro lado, verifica-se hoje, com as
 
CPIs (Comissão Parlamentar de Inquérito) instaladas, ligações
 
entre atores presentes em instituições estatais e redes do
 
narcotráfico.
 
Nesse contexto, as camadas populares e seus bairros/favelas
25
são crescentemente objeto de estigmatização, percebidos como
 
causa da desordem social o que contribui para aprofundar a
 
segregação nesses espaços. No outro polo, verifica-se um
 
crescimento da autossegregação, especialmente por parte das
 
elites que se encastelam nos enclaves fortificados na tentativa de
30
se proteger da violência.
(Maria de Fátima Cabral Marques Gomes, Scripta Nova)
“No outro polo, verifica-se um crescimento da autossegregação, especialmente por parte das elites que se encastelam nos enclaves fortificados na tentativa de se proteger da violência”.

Entenda-se por “autossegregação” uma segregação:

Questão 27

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
1
O maior país da América Latina, com a maior população católica
 
do mundo, não nasceu de forma tranquila. Neste livro, com o
 
realismo dos documentos originais, vemos claramente a
 
brutalidade do extermínio dos índios na costa brasileira, berço de
5
sangue cujo marco determinante é a fundação da cidade do Rio
 
de Janeiro.
 
O Brasil real começou a ser construído por homens como o
 
degredado João Ramalho, que raspava os pelos do corpo para se
 
mesclar aos índios e construiu um exército de mestiços caçadores
10
de escravos mais poderoso que o da própria Coroa; personagens
 
improváveis como o jesuíta Manoel da Nóbrega, padre gago
 
incumbido de catequizar um povo de língua indecifrável, esteio
 
da erradicação dos “hereges” antropófagos; líderes implacáveis
 
como Aimberê, ex-escravo que tomou a frente da resistência e
15
Cunhambebe, cacique “imortal”, que dizia poder devorar carne
 
humana porque era “um jaguar”.
 
Incluindo protestantes franceses, que se aliaram aos índios para
 
escapar dos portugueses e da Inquisição, além de mamelucos, os
 
primeiros brasileiros verdadeiramente ligados à terra, que
20
falavam tupi tanto quanto o português e partiram do planalto de
 
Piratininga para caçar índios e estenderam a colônia sertão
 
adentro, surge um povo que desde a origem nada tem da
 
autoimagem do “brasileiro cordial”.
(Texto da orelha do livro A conquista do Brasil, de Thales Guaracy, Planeta, Rio de Janeiro, 2015)
O texto 1, retirado da orelha do livro indicado, tem como finalidade destacar qualidades da obra a que alude; NÃO é uma dessas qualidades o seguinte tópico:

Questão 28

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
1
Sobre a charge acima, pode-se dizer que sua temática básica é:

Questão 29

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
1
Na mesma charge, considerando-se que o humor é fruto da ruptura de uma expectativa, pode-se observar que, nessa imagem, o humor é causado pelo(a):

Questão 30

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
1
O maior país da América Latina, com a maior população católica
 
do mundo, não nasceu de forma tranquila. Neste livro, com o
 
realismo dos documentos originais, vemos claramente a
 
brutalidade do extermínio dos índios na costa brasileira, berço de
5
sangue cujo marco determinante é a fundação da cidade do Rio
 
de Janeiro.
 
O Brasil real começou a ser construído por homens como o
 
degredado João Ramalho, que raspava os pelos do corpo para se
 
mesclar aos índios e construiu um exército de mestiços caçadores
10
de escravos mais poderoso que o da própria Coroa; personagens
 
improváveis como o jesuíta Manoel da Nóbrega, padre gago
 
incumbido de catequizar um povo de língua indecifrável, esteio
 
da erradicação dos “hereges” antropófagos; líderes implacáveis
 
como Aimberê, ex-escravo que tomou a frente da resistência e
15
Cunhambebe, cacique “imortal”, que dizia poder devorar carne
 
humana porque era “um jaguar”.
 
Incluindo protestantes franceses, que se aliaram aos índios para
 
escapar dos portugueses e da Inquisição, além de mamelucos, os
 
primeiros brasileiros verdadeiramente ligados à terra, que
20
falavam tupi tanto quanto o português e partiram do planalto de
 
Piratininga para caçar índios e estenderam a colônia sertão
 
adentro, surge um povo que desde a origem nada tem da
 
autoimagem do “brasileiro cordial”.
(Texto da orelha do livro A conquista do Brasil, de Thales Guaracy, Planeta, Rio de Janeiro, 2015)
O texto 1, retirado da orelha do livro indicado, tem como finalidade destacar qualidades da obra a que alude; NÃO é uma dessas qualidades o seguinte tópico:

Questão 31

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
Em uma barraca da feira as abóboras são todas iguais. Sabe-se que uma abóbora pesa 2 kg mais a terça parte de uma abóbora. O peso de uma abóbora e meia é:

Questão 32

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
1
O maior país da América Latina, com a maior população católica
 
do mundo, não nasceu de forma tranquila. Neste livro, com o
 
realismo dos documentos originais, vemos claramente a
 
brutalidade do extermínio dos índios na costa brasileira, berço de
5
sangue cujo marco determinante é a fundação da cidade do Rio
 
de Janeiro.
 
O Brasil real começou a ser construído por homens como o
 
degredado João Ramalho, que raspava os pelos do corpo para se
 
mesclar aos índios e construiu um exército de mestiços caçadores
10
de escravos mais poderoso que o da própria Coroa; personagens
 
improváveis como o jesuíta Manoel da Nóbrega, padre gago
 
incumbido de catequizar um povo de língua indecifrável, esteio
 
da erradicação dos “hereges” antropófagos; líderes implacáveis
 
como Aimberê, ex-escravo que tomou a frente da resistência e
15
Cunhambebe, cacique “imortal”, que dizia poder devorar carne
 
humana porque era “um jaguar”.
 
Incluindo protestantes franceses, que se aliaram aos índios para
 
escapar dos portugueses e da Inquisição, além de mamelucos, os
 
primeiros brasileiros verdadeiramente ligados à terra, que
20
falavam tupi tanto quanto o português e partiram do planalto de
 
Piratininga para caçar índios e estenderam a colônia sertão
 
adentro, surge um povo que desde a origem nada tem da
 
autoimagem do “brasileiro cordial”.
(Texto da orelha do livro A conquista do Brasil, de Thales Guaracy, Planeta, Rio de Janeiro, 2015)
O texto 1, retirado da orelha do livro indicado, tem como finalidade destacar qualidades da obra a que alude; NÃO é uma dessas qualidades o seguinte tópico:

Questão 33

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
Lucas e Marcelo trabalham no mesmo escritório e ganham R$ 4500,00 e R$ 3600,00, respectivamente. Lucas foi promovido e ganhou aumento de 20% no seu salário. Dias depois, Marcelo foi também promovido, passou a desempenhar trabalho equivalente ao de Lucas e também passou a receber um salário igual ao dele.

A porcentagem de aumento do salário de Marcelo foi de:

Questão 34

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
Sobre as atividades fora de casa no domingo, Carlos segue fielmente as seguintes regras:

- Ando ou corro.
- Tenho companhia ou não ando.
- Calço tênis ou não corro.
Domingo passado Carlos saiu de casa de sandálias.

É correto concluir que, nesse dia, Carlos:

Questão 35

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
1
O maior país da América Latina, com a maior população católica
 
do mundo, não nasceu de forma tranquila. Neste livro, com o
 
realismo dos documentos originais, vemos claramente a
 
brutalidade do extermínio dos índios na costa brasileira, berço de
5
sangue cujo marco determinante é a fundação da cidade do Rio
 
de Janeiro.
 
O Brasil real começou a ser construído por homens como o
 
degredado João Ramalho, que raspava os pelos do corpo para se
 
mesclar aos índios e construiu um exército de mestiços caçadores
10
de escravos mais poderoso que o da própria Coroa; personagens
 
improváveis como o jesuíta Manoel da Nóbrega, padre gago
 
incumbido de catequizar um povo de língua indecifrável, esteio
 
da erradicação dos “hereges” antropófagos; líderes implacáveis
 
como Aimberê, ex-escravo que tomou a frente da resistência e
15
Cunhambebe, cacique “imortal”, que dizia poder devorar carne
 
humana porque era “um jaguar”.
 
Incluindo protestantes franceses, que se aliaram aos índios para
 
escapar dos portugueses e da Inquisição, além de mamelucos, os
 
primeiros brasileiros verdadeiramente ligados à terra, que
20
falavam tupi tanto quanto o português e partiram do planalto de
 
Piratininga para caçar índios e estenderam a colônia sertão
 
adentro, surge um povo que desde a origem nada tem da
 
autoimagem do “brasileiro cordial”.
(Texto da orelha do livro A conquista do Brasil, de Thales Guaracy, Planeta, Rio de Janeiro, 2015)
O texto 1, retirado da orelha do livro indicado, tem como finalidade destacar qualidades da obra a que alude; NÃO é uma dessas qualidades o seguinte tópico:

Questão 36

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
Trabalham em um escritório 11 pessoas, sendo que, no assunto futebol, 3 são vascaínos, 2 são tricolores, 2 são botafoguenses e 4 são flamenguistas.

É correto afirmar que:

Questão 37

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
Para organizar um horário de atendimento, em três dias da semana, pela manhã e à tarde, deve-se colocar duas letras A, duas letras B e duas letras C nas casas vazias da tabela abaixo, com a condição de que, em cada coluna, não apareçam letras iguais.

O número de maneiras diferentes de preencher essa tabela é:

Questão 38

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
No plano cartesiano foi construída, a partir da origem, a linha quebrada mostrada na figura abaixo.

Percorrendo, a partir da origem, e sobre a linha quebrada, um comprimento de 200 unidades, o ponto final desse percurso será:

Questão 39

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
Prestando depoimento o depoente declarou:

- Estava no escritório às 10 horas da noite e o telefone tocou. Após algumas investigações verificou-se que essa declaração do depoente era falsa.

É correto concluir que o depoente:

Questão 40

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
A figura abaixo mostra uma mesa retangular com 5 cadeiras representadas pelos quadradinhos pretos.

Um casal com seus três filhos ocuparão esses cinco lugares e o lugar de cada um será decidido por sorteio. A probabilidade de que o casal fique junto, ou seja, um ao lado do outro em uma das laterais da mesa é:

Questão 41

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
Eusébio, pessoa idosa e muito pobre, sofria constantes espancamentos do único familiar que tinha e com o qual vivia, quase perdendo a vida no último desses acontecimentos. Além de procurar a Delegacia de Polícia para relatar os crimes de que fora vítima, procurou o membro do Ministério Público com atribuição na área extrapenal, visando à adoção de providências que resguardassem a sua integridade física e psicológica. À luz desse quadro, o membro do Ministério Público com atribuição na área extrapenal deve:

Questão 42

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
Ao detectar a prática de inúmeros ilícitos semelhantes cometidos em diversos quadrantes do Estado do Rio de Janeiro, o Procurador-Geral de Justiça reuniu todos os Promotores de Justiça com atribuição e comunicou que acabara de editar uma determinação uniformizando o enquadramento jurídico desses ilícitos. O objetivo era o de evitar posicionamentos divergentes entre os órgãos com atribuição e viabilizar a defesa das respectivas teses junto aos Tribunais Superiores. À luz da sistemática constitucional, essa medida:

Questão 43

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
Idília, servidora do Ministério Público Estadual, praticou falta funcional e, após regular processo administrativo, sofreu uma sanção de advertência. Inconformada com o resultado do processo, requereu ao Conselho Nacional do Ministério Público a reforma da referida decisão. Em atenção à sistemática constitucional e à interpretação adotada pelo Supremo Tribunal Federal, esse órgão colegiado de estatura constitucional:

Questão 44

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
Membro do Ministério Público com atribuição instaurou inquérito civil com o objetivo de apurar a possível prática de atos de improbidade administrativa por determinados agentes públicos. Ao fim de ampla investigação, constatou que determinado juiz de direito teria praticado crime. Esses elementos probatórios, produzidos em expediente presidido por membro do Ministério Público, subsidiaram a ação penal ajuizada em face do referido juiz de direito. À luz da ordem jurídica brasileira, os elementos probatórios produzidos no inquérito civil:

Questão 45

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
Determinado membro do Ministério Público com atribuição, nos autos de inquérito civil que tramitava em seu órgão de execução, celebrou termo de ajustamento de conduta. A respeito desses autos, é correto afirmar que devem:

Questão 46

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
Rosélia, Analista do Ministério Público, logo após tomar posse no cargo, inteirou-se a respeito dos mecanismos estatutários de evolução na carreira, o que significaria aumento na contraprestação pecuniária que lhe era devida. Após muitas reflexões, teve sinceras dúvidas a respeito da utilidade da progressão funcional. A respeito desse instituto, é correto afirmar que:

Questão 47

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
Determinado órgão de execução do Ministério Público, após ultimar as investigações no inquérito civil que havia instaurado, concluiu pela necessidade de provocar a atuação do Poder Judiciário e elaborou a petição inicial da ação civil pública.

O Presidente da investigação deve:

Questão 48

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
Ítalo, Procurador de Justiça, no exercício de sua atividade de inspeção permanente do serviço dos Promotores de Justiça, identificou uma conduta, atribuída a Isidro, que reputava gravemente atentatória aos deveres do cargo. Formulou representação ao Corregedor-Geral do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro, que a arquivou de plano. À luz desse quadro, é correto afirmar que, no âmbito estadual, Isidro:

Questão 49

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
O Procurador-Geral de Justiça do Estado do Rio de Janeiro recebeu representação em que era narrada a possível prática de ilícito, por parte de autoridade que deveria ser por ele investigada, mas com a qual mantinha relação de parentesco, o que, de acordo com a lei processual, caracterizaria uma situação de impedimento. Nesse caso, de acordo com a Lei Complementar nº 106/2003, deve atuar no feito o:

Questão 50

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
Além dos cargos de provimento efetivo, o Quadro Permanente de Serviços Auxiliares do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro também conta com cargos de provimento em comissão. Especificamente em relação ao Cargo em Comissão de Direção (CCD) e ao Cargo em Comissão de Gerência (CCG), é correto afirmar, de acordo com a sistemática da Lei nº 5.981/2011, que:

Questão 51

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
Analise o seguinte trecho de um documento MS Word 2010.

Nas Olimpíadas João Carlos Almeida corre,
João C Almeida nada, João C. Almeida pedala,
João Carols Almeida pula.
Após um comando “Substituir Tudo”, no qual a opção “Usar caracteres curinga” está assinalada, o texto a localizar é

João C?* Almeida
e o texto substituto é
Carlos Miranda
o conteúdo desse trecho passa a ser:
    

Questão 52

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
1
O maior país da América Latina, com a maior população católica
 
do mundo, não nasceu de forma tranquila. Neste livro, com o
 
realismo dos documentos originais, vemos claramente a
 
brutalidade do extermínio dos índios na costa brasileira, berço de
5
sangue cujo marco determinante é a fundação da cidade do Rio
 
de Janeiro.
 
O Brasil real começou a ser construído por homens como o
 
degredado João Ramalho, que raspava os pelos do corpo para se
 
mesclar aos índios e construiu um exército de mestiços caçadores
10
de escravos mais poderoso que o da própria Coroa; personagens
 
improváveis como o jesuíta Manoel da Nóbrega, padre gago
 
incumbido de catequizar um povo de língua indecifrável, esteio
 
da erradicação dos “hereges” antropófagos; líderes implacáveis
 
como Aimberê, ex-escravo que tomou a frente da resistência e
15
Cunhambebe, cacique “imortal”, que dizia poder devorar carne
 
humana porque era “um jaguar”.
 
Incluindo protestantes franceses, que se aliaram aos índios para
 
escapar dos portugueses e da Inquisição, além de mamelucos, os
 
primeiros brasileiros verdadeiramente ligados à terra, que
20
falavam tupi tanto quanto o português e partiram do planalto de
 
Piratininga para caçar índios e estenderam a colônia sertão
 
adentro, surge um povo que desde a origem nada tem da
 
autoimagem do “brasileiro cordial”.
(Texto da orelha do livro A conquista do Brasil, de Thales Guaracy, Planeta, Rio de Janeiro, 2015)
O texto 1, retirado da orelha do livro indicado, tem como finalidade destacar qualidades da obra a que alude; NÃO é uma dessas qualidades o seguinte tópico:

Questão 53

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
Numa planilha MS Excel 2010, recém-aberta, João realizou as seguintes operações:
 
   digitou 0 na célula A1; 
   digitou 1 na célula A2; 
   digitou uma fórmula na célula A3; 
   selecionou a célula A3; 
   pressionou Ctrl+C no teclado do computador; 
   colou na região A4:A8 com Ctrl+V. 
 
Nesse ponto, os valores exibidos nas células de A1 até A8 eram os seguintes.

A fórmula foi digitada como:

Questão 54

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
No MS Excel 2010, o recurso “Formatação Condicional” NÃO pode ser utilizado numa coluna para:

Questão 55

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
1
O maior país da América Latina, com a maior população católica
 
do mundo, não nasceu de forma tranquila. Neste livro, com o
 
realismo dos documentos originais, vemos claramente a
 
brutalidade do extermínio dos índios na costa brasileira, berço de
5
sangue cujo marco determinante é a fundação da cidade do Rio
 
de Janeiro.
 
O Brasil real começou a ser construído por homens como o
 
degredado João Ramalho, que raspava os pelos do corpo para se
 
mesclar aos índios e construiu um exército de mestiços caçadores
10
de escravos mais poderoso que o da própria Coroa; personagens
 
improváveis como o jesuíta Manoel da Nóbrega, padre gago
 
incumbido de catequizar um povo de língua indecifrável, esteio
 
da erradicação dos “hereges” antropófagos; líderes implacáveis
 
como Aimberê, ex-escravo que tomou a frente da resistência e
15
Cunhambebe, cacique “imortal”, que dizia poder devorar carne
 
humana porque era “um jaguar”.
 
Incluindo protestantes franceses, que se aliaram aos índios para
 
escapar dos portugueses e da Inquisição, além de mamelucos, os
 
primeiros brasileiros verdadeiramente ligados à terra, que
20
falavam tupi tanto quanto o português e partiram do planalto de
 
Piratininga para caçar índios e estenderam a colônia sertão
 
adentro, surge um povo que desde a origem nada tem da
 
autoimagem do “brasileiro cordial”.
(Texto da orelha do livro A conquista do Brasil, de Thales Guaracy, Planeta, Rio de Janeiro, 2015)
O texto 1, retirado da orelha do livro indicado, tem como finalidade destacar qualidades da obra a que alude; NÃO é uma dessas qualidades o seguinte tópico:

Questão 56

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
João pretende elaborar uma planilha para controlar despesas, como a que é mostrada a seguir, de tal forma que seja possível visualizar a nota fiscal correspondente à despesa realizada com um clique no seu número, na coluna C.

João dispõe das notas fiscais em arquivos PDF, que recebe de seus fornecedores no seu computador, e ouviu vários “conselhos” sobre como obter essa funcionalidade no MS Excel 2010. Desses, o único que está inteiramente correto é:

Questão 57

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
1
O maior país da América Latina, com a maior população católica
 
do mundo, não nasceu de forma tranquila. Neste livro, com o
 
realismo dos documentos originais, vemos claramente a
 
brutalidade do extermínio dos índios na costa brasileira, berço de
5
sangue cujo marco determinante é a fundação da cidade do Rio
 
de Janeiro.
 
O Brasil real começou a ser construído por homens como o
 
degredado João Ramalho, que raspava os pelos do corpo para se
 
mesclar aos índios e construiu um exército de mestiços caçadores
10
de escravos mais poderoso que o da própria Coroa; personagens
 
improváveis como o jesuíta Manoel da Nóbrega, padre gago
 
incumbido de catequizar um povo de língua indecifrável, esteio
 
da erradicação dos “hereges” antropófagos; líderes implacáveis
 
como Aimberê, ex-escravo que tomou a frente da resistência e
15
Cunhambebe, cacique “imortal”, que dizia poder devorar carne
 
humana porque era “um jaguar”.
 
Incluindo protestantes franceses, que se aliaram aos índios para
 
escapar dos portugueses e da Inquisição, além de mamelucos, os
 
primeiros brasileiros verdadeiramente ligados à terra, que
20
falavam tupi tanto quanto o português e partiram do planalto de
 
Piratininga para caçar índios e estenderam a colônia sertão
 
adentro, surge um povo que desde a origem nada tem da
 
autoimagem do “brasileiro cordial”.
(Texto da orelha do livro A conquista do Brasil, de Thales Guaracy, Planeta, Rio de Janeiro, 2015)
O texto 1, retirado da orelha do livro indicado, tem como finalidade destacar qualidades da obra a que alude; NÃO é uma dessas qualidades o seguinte tópico:

Questão 58

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
O termo “banda” é bastante empregado quando se fala do uso e do acesso à Internet. O conceito assim expresso está diretamente associado:

Questão 59

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
Considere uma planilha MS Excel 2010 que contém valores como os que são exibidos a seguir.

As fórmulas F1, F2 e F3, definidas respectivamente como

=CONT.VALORES(A1:A5)
=CONT.NÚM(A1:A5)
=CONT.SE(A1:A5;">"&A3)

foram digitadas nas células B1 até B3.

De cima para baixo, a ordem de digitação foi:

Questão 60

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
João abriu uma pasta no Windows 7 e clicou com o botão direito do mouse sobre o arquivo “Doc2.docx”, um arquivo do MS Word 2010 que havia preparado minutos antes. Tendo escolhido uma das opções do menu pop-up, aberto pelo Windows, João deparou-se com uma tela cujo canto superior esquerdo é mostrado abaixo.

O item acionado por João para chegar a essa tela foi:

Questão 61

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
1
O maior país da América Latina, com a maior população católica
 
do mundo, não nasceu de forma tranquila. Neste livro, com o
 
realismo dos documentos originais, vemos claramente a
 
brutalidade do extermínio dos índios na costa brasileira, berço de
5
sangue cujo marco determinante é a fundação da cidade do Rio
 
de Janeiro.
 
O Brasil real começou a ser construído por homens como o
 
degredado João Ramalho, que raspava os pelos do corpo para se
 
mesclar aos índios e construiu um exército de mestiços caçadores
10
de escravos mais poderoso que o da própria Coroa; personagens
 
improváveis como o jesuíta Manoel da Nóbrega, padre gago
 
incumbido de catequizar um povo de língua indecifrável, esteio
 
da erradicação dos “hereges” antropófagos; líderes implacáveis
 
como Aimberê, ex-escravo que tomou a frente da resistência e
15
Cunhambebe, cacique “imortal”, que dizia poder devorar carne
 
humana porque era “um jaguar”.
 
Incluindo protestantes franceses, que se aliaram aos índios para
 
escapar dos portugueses e da Inquisição, além de mamelucos, os
 
primeiros brasileiros verdadeiramente ligados à terra, que
20
falavam tupi tanto quanto o português e partiram do planalto de
 
Piratininga para caçar índios e estenderam a colônia sertão
 
adentro, surge um povo que desde a origem nada tem da
 
autoimagem do “brasileiro cordial”.
(Texto da orelha do livro A conquista do Brasil, de Thales Guaracy, Planeta, Rio de Janeiro, 2015)
O texto 1, retirado da orelha do livro indicado, tem como finalidade destacar qualidades da obra a que alude; NÃO é uma dessas qualidades o seguinte tópico:

Questão 62

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
Força-tarefa composta pelo Ministério Público Estadual, Polícia Civil e Secretaria Estadual da Fazenda realizou operação para coibir sonegação fiscal. Com o cumprimento de mandados judiciais de busca e apreensão, de condução coercitiva e de prisão, os agentes públicos apreenderam diversos produtos por falta de pagamento do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). Após autorização judicial, o Governo Estadual decidiu alienar esses produtos que foram legalmente apreendidos. Cumpridas as formalidades legais, a venda de tais produtos deverá ocorrer mediante:

Questão 63

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
O Poder Executivo Estadual, por meio de suas Secretarias de Obras e de Meio Ambiente, contratou, após regular procedimento licitatório, sociedade empresária para prestar determinados serviços na área de saneamento básico. Não obstante o poder público contratante ter cumprido suas obrigações legais e contratuais, a empresa contratada não cumpriu regular e integralmente o contrato. De acordo com a Lei nº 8.666/93, sem prejuízo das demais sanções previstas no ordenamento jurídico, pela inexecução parcial do contrato, a Administração Pública poderá, observado o princípio da proporcionalidade e garantida a prévia defesa, aplicar ao contratado algumas sanções administrativas, como:

Questão 64

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
Joana, servidora pública municipal e membro da comissão permanente de licitação, no exercício da função pública, devassou o sigilo de proposta apresentada em procedimento licitatório que tinha por objeto a aquisição pelo Município de gêneros alimentícios destinados às escolas da rede pública. De acordo com as disposições da Lei nº 8.666/93, sem prejuízo de outras sanções, Joana praticou:

Questão 65

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
Rodrigo é servidor público estadual ocupante exclusivamente de cargo em comissão e está lotado em setor da controladoria do Estado. De forma livre e consciente e no exercício da função pública, Rodrigo descumpriu normas relativas à celebração, fiscalização e aprovação de contas de parceria firmada pela administração pública com determinada entidade privada, que se beneficiou do ato, bem como negou publicidade a ato oficial, pois impediu a publicação na imprensa oficial do extrato do termo de parceria, tudo em conluio com o particular beneficiado. De acordo com a Lei nº 8.429/92, em tese:

Questão 66

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
Em matéria de controle da Administração Pública, o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro possui seu sistema de controle interno e:

Questão 67

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
Determinado Procurador de Justiça foi intimado de acórdão proferido pelo Tribunal de Justiça do respectivo Estado, que havia negado provimento a recurso de apelação interposto pelo Ministério Público. Após detida análise do acórdão, percebeu que a Câmara julgadora havia deixado de aplicar, voluntariamente, ao caso concreto, uma norma inserida em lei federal. Na medida em que não era possível a interposição de qualquer recurso no âmbito do Tribunal de Justiça, o Procurador de Justiça deveria:

Questão 68

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
Pedro e Arnaldo estavam insatisfeitos com a atuação de determinado membro do Ministério Público, lotado há muitos anos na Comarca, que frequentemente se contrapunha aos interesses prestigiados pelas oligarquias locais. Procuraram, portanto, um influente político do Estado e solicitaram que o referido Promotor de Justiça fosse removido, sob o argumento de que sua atuação era prejudicial ao interesse público. À luz da sistemática constitucional e dos dados informados, esse membro do Ministério Público:

Questão 69

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
O Chefe do Poder Executivo encaminhou projeto de lei, ao Poder Legislativo, concedendo reajuste de vencimentos a todos os servidores vinculados à Administração Pública direta e indireta. Omitiu, no entanto, os servidores do Ministério Público. Insatisfeitos, os servidores formaram uma comissão e convenceram diversos parlamentares a apresentar uma emenda ao projeto, de modo que o aumento a ser concedido viesse a contemplá-los. Esse projeto foi aprovado, sancionado e promulgado, tornando-se lei. À luz da Constituição da República Federativa do Brasil, é correto afirmar que a lei assim aprovada é:

Questão 70

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
Odésio, servidor do Ministério Público Estadual, apesar de plenamente realizado em sua profissão, tinha o sonho de ser vereador. Para realizá-lo, filiou-se a um partido político e participou regularmente de inúmeras reuniões. Na eleição, o seu esforço foi compensado e o sonho realizado, sendo eleito vereador do seu Município. Apesar da sua alegria, foi informado por um amigo que, para tomar posse como vereador, teria que pedir exoneração do cargo público que ocupava, informação esta que, no seu entender, não estaria correta. À luz dessa narrativa e da sistemática adotada pela Constituição da República Federativa do Brasil, é correto afirmar que Odésio, caso não pedisse exoneração do Ministério Público Estadual:

Questão 71

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
O Procurador-Geral de Justiça, agente que possui legitimidade para deflagrar o controle concentrado de constitucionalidade perante o Tribunal de Justiça, foi procurado por uma associação de moradores para que adotasse as providências necessárias visando à declaração de inconstitucionalidade de lei estadual. Sua assessoria, após analisar o caso, concluiu que as normas da Constituição Estadual tidas como violadas reproduziam o conteúdo de normas da Constituição da República Federativa do Brasil. À luz da sistemática constitucional, esse estado de coisas:

Questão 72

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
Em razão do elogiável desempenho de sociedade de economia mista estadual, com grandes benefícios para o interesse público, o presidente desse ente, com o objetivo de premiar os seus servidores, encaminhou projeto de lei à Assembleia Legislativa para conceder-lhes determinadas gratificações até então não previstas na legislação. Esse projeto foi aprovado e convertido em lei. À luz da sistemática constitucional, é correto afirmar que:

Questão 73

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
Paulo é chefe de uma repartição pública, onde também trabalha Julia, sob a sua supervisão e subordinação. Tomando conhecimento de uma falta funcional praticada por esta sua funcionária, deixa de tomar as providências próprias exigidas por seu cargo e de responsabilizá-la, pois sabendo que ela é mãe de três filhos, acredita que necessita continuar exercendo suas funções sem mácula na ficha funcional. Descoberto o fato, em tese, a conduta de Paulo:

Questão 74

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
O conceito de funcionário público para fins penais não se confunde com o conceito para outros ramos do Direito. Em sendo crime próprio praticado por funcionário público contra a Administração, aplica-se o artigo 327 do Código Penal, que apresenta um conceito amplo de funcionário público para efeitos penais. Por outro lado, o artigo respeita o princípio da legalidade, disciplinando expressamente em que ocasiões determinado indivíduo será considerado funcionário público para fins de definição do sujeito ativo de crimes próprios. Sobre o tema ora tratado e de acordo com o dispositivo acima mencionado, é correto afirmar que:

Questão 75

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
Matheus, funcionário público, recebe em razão do exercício de sua função junto ao Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro, diariamente, uma grande quantidade de dinheiro em espécie. Verificando que a vigilância não era significativa, decide se apropriar de parte dos valores, e, para tanto, solicita a ajuda de seu amigo Bruno, que não era funcionário público, mas tinha conhecimento de todo o plano delitivo de Matheus.
Considerando a situação narrada e as características do delito de peculato, é correto afirmar que:

Questão 76

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
Uma firma de advocacia consome semanalmente, em média, 30 resmas de 500 folhas de papel. A firma compra as resmas de papel de um fornecedor em lotes de 120 resmas, a um preço de R$ 5,00 por resma. Um pedido leva, em média, 2 semanas para ser recebido, a um custo de R$ 1,50 por pedido. A firma mantém um estoque de segurança de 10 resmas. Os estoques máximo e médio de resmas na firma são, respectivamente:

Questão 77

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
1
O maior país da América Latina, com a maior população católica
 
do mundo, não nasceu de forma tranquila. Neste livro, com o
 
realismo dos documentos originais, vemos claramente a
 
brutalidade do extermínio dos índios na costa brasileira, berço de
5
sangue cujo marco determinante é a fundação da cidade do Rio
 
de Janeiro.
 
O Brasil real começou a ser construído por homens como o
 
degredado João Ramalho, que raspava os pelos do corpo para se
 
mesclar aos índios e construiu um exército de mestiços caçadores
10
de escravos mais poderoso que o da própria Coroa; personagens
 
improváveis como o jesuíta Manoel da Nóbrega, padre gago
 
incumbido de catequizar um povo de língua indecifrável, esteio
 
da erradicação dos “hereges” antropófagos; líderes implacáveis
 
como Aimberê, ex-escravo que tomou a frente da resistência e
15
Cunhambebe, cacique “imortal”, que dizia poder devorar carne
 
humana porque era “um jaguar”.
 
Incluindo protestantes franceses, que se aliaram aos índios para
 
escapar dos portugueses e da Inquisição, além de mamelucos, os
 
primeiros brasileiros verdadeiramente ligados à terra, que
20
falavam tupi tanto quanto o português e partiram do planalto de
 
Piratininga para caçar índios e estenderam a colônia sertão
 
adentro, surge um povo que desde a origem nada tem da
 
autoimagem do “brasileiro cordial”.
(Texto da orelha do livro A conquista do Brasil, de Thales Guaracy, Planeta, Rio de Janeiro, 2015)
O texto 1, retirado da orelha do livro indicado, tem como finalidade destacar qualidades da obra a que alude; NÃO é uma dessas qualidades o seguinte tópico:

Questão 78

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
O Laboratório ZXY é um fabricante de medicamentos que adota estratégia de liderança em custo no nível do negócio. Para fortalecer sua estratégia de negócio, o ZXY quer rever alguns de seus requisitos organizacionais. Em relação à estrutura organizacional, aos sistemas de controle gerencial e às políticas de remuneração, seria adequado implantar, respectivamente:

Questão 79

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
Um gerente da área de finanças afirmou que é responsável pela elaboração de orçamentos, pela composição da estrutura de financiamento e pela aplicação dos recursos financeiros da empresa em que trabalha. Ao realizar essas atribuições, o gerente exerce, respectivamente, as seguintes funções administrativas:

Questão 80

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
O diretor administrativo de um importante órgão público, com atuação em diversos municípios brasileiros, gostaria de desenhar um sistema de controle como forma de monitorar o desempenho de processos e pessoas. O órgão tem uma cultura organizacional rígida e o estilo de liderança é autocrático.

Tendo em vista as características de um sistema de controle eficaz, seria adequado adotar no contexto descrito, entre outros, os seguintes controles:

Questão 81

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
Em uma organização pública de grande porte, o sistema de avaliação de desempenho dos funcionários é realizado pelo método da pesquisa de campo, envolvendo a área de recursos humanos e as áreas funcionais da organização. Os especialistas se reúnem com os gerentes para avaliações iniciais e complementares de cada funcionário e em seguida planejam ações e acompanham seus resultados. Assim, um dos pontos positivos do método é proporcionar o envolvimento da responsabilidade de linha e da função de staff na avaliação de desempenho. No entanto, o método da pesquisa de campo apresenta a seguinte desvantagem:

Questão 82

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
O diretor de RH de um órgão público quer implantar a auditoria na área de recursos humanos, como forma de evidenciar sua contribuição no atingimento dos objetivos organizacionais. O diretor precisa selecionar indicadores relativos à eficiência dos processos e rotinas da área de recursos humanos. São indicadores adequados:

Questão 83

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
Um órgão público com atuação em todas as unidades da federação é caracterizado pela excelente qualificação, profissionalismo e competência do quadro de funcionários. As equipes de trabalho são coesas e as tarefas fortemente estruturadas. O órgão vem enfrentando pressões no sentido de tornar-se mais efetivo no desempenho de sua missão institucional. A direção do órgão acredita que a melhoria no desempenho passa por uma mudança na cultura da empresa, especialmente no estilo de liderança. Assim, foi iniciado um processo de substituição de líderes orientados para a tarefa por líderes orientados para as pessoas. No contexto descrito, de acordo com as teorias de liderança, é provável que:

Questão 84

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
A organização governamental brasileira, em um processo de integração ao movimento da Nova Administração Pública, incorporou em seu marco constitucional um princípio inspirado em trecho do discurso de Margareth Thatcher, no início da década de 80, no qual ela afirma:

“Nós temos o dever de garantir que cada centavo que arrecadam com a tributação seja gasto bem e sabiamente.”

Esse trecho exemplifica a influência internacional para a incorporação à Constituição da República Federativa do Brasil do princípio da:

Questão 85

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
A evolução dos paradigmas da administração pública nos leva a reconhecer nas últimas décadas, no âmbito do Novo Serviço Público, a ascensão do conceito de coprodução. A coprodução pode ser definida de maneira ampla por alguns autores e a sua prática pode variar em diferentes contextos e áreas de políticas públicas. Entretanto, há um consenso do que a coprodução não é, o que ajuda consideravelmente a compreender os contornos desse paradigma. Nesse sentido, a coprodução pode ser definida como:

Questão 86

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
Na formulação de políticas públicas de combate ao uso de drogas, é importante reconhecer o papel dos assistentes sociais como agentes no nível de rua. A forma pela qual a atuação desses profissionais se insere numa relação coerente de causa e efeito somente pode ser observada em retrospecto, dada a natureza emergente de suas práticas cotidianas. Suas decisões baseiam-se no seu discernimento, a cada momento, e os resultados nem sempre podem ser previstos com confiança. É correto considerar que a formulação de uma política pública, nesse contexto, seja do tipo:

Questão 87

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
1
O maior país da América Latina, com a maior população católica
 
do mundo, não nasceu de forma tranquila. Neste livro, com o
 
realismo dos documentos originais, vemos claramente a
 
brutalidade do extermínio dos índios na costa brasileira, berço de
5
sangue cujo marco determinante é a fundação da cidade do Rio
 
de Janeiro.
 
O Brasil real começou a ser construído por homens como o
 
degredado João Ramalho, que raspava os pelos do corpo para se
 
mesclar aos índios e construiu um exército de mestiços caçadores
10
de escravos mais poderoso que o da própria Coroa; personagens
 
improváveis como o jesuíta Manoel da Nóbrega, padre gago
 
incumbido de catequizar um povo de língua indecifrável, esteio
 
da erradicação dos “hereges” antropófagos; líderes implacáveis
 
como Aimberê, ex-escravo que tomou a frente da resistência e
15
Cunhambebe, cacique “imortal”, que dizia poder devorar carne
 
humana porque era “um jaguar”.
 
Incluindo protestantes franceses, que se aliaram aos índios para
 
escapar dos portugueses e da Inquisição, além de mamelucos, os
 
primeiros brasileiros verdadeiramente ligados à terra, que
20
falavam tupi tanto quanto o português e partiram do planalto de
 
Piratininga para caçar índios e estenderam a colônia sertão
 
adentro, surge um povo que desde a origem nada tem da
 
autoimagem do “brasileiro cordial”.
(Texto da orelha do livro A conquista do Brasil, de Thales Guaracy, Planeta, Rio de Janeiro, 2015)
O texto 1, retirado da orelha do livro indicado, tem como finalidade destacar qualidades da obra a que alude; NÃO é uma dessas qualidades o seguinte tópico:

Questão 88

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
Uma organização pública pretende implementar uma técnica de gestão de resultados, mas sabe que, para tal, é necessário um planejamento prévio. Essa organização apresenta como sua finalidade “assegurar acesso à justiça aos cidadãos, com independência, ética e eficiência, visando à paz social”.

A declaração acima descreve, para a organização, como é operacionalizado o conceito de:

Questão 89

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
Três municípios brasileiros decidiram adotar uma determinada estratégia de flexibilização para lidar com emergências ambientais e climáticas recorrentes na região em que se situam. Eles criaram uma organização de direito privado com gestão associada desses municípios e com transferência parcial de encargos, serviço, pessoal e bens essenciais à continuidade dos serviços transferidos por lei.

A estratégia descrita refere-se à criação de:

Questão 90

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
O conceito de governança é bastante amplo e utilizado de diferentes formas, a depender da perspectiva e do foco de análise. Nesse sentido, há um conjunto de práticas de governança que está estruturado em torno de dimensões fundamentais. Considere, entre essas práticas, aquela na qual deve-se “garantir que sejam apurados, de ofício, indícios de irregularidades, promovendo a responsabilização em caso de comprovação”.

Essa prática faz referência ao desenvolvimento da dimensão de governança associada:

Questão 91

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
Dentre as metodologias de gestão no setor público brasileiro, o GESPUBLICA apresenta um conjunto de proposições a respeito da gestão de resultados. O desempenho da organização é explicitado no modelo por meio de resultados que refletem o atendimento às necessidades das partes interessadas da organização.

Nesse caso, o desempenho é explicitado em função das partes interessadas, dentre as quais NÃO estão previstos os:

Questão 92

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
De acordo com o Plano de Contas aplicado ao Setor Público previsto no Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público (MCASP/STN), o reconhecimento de uma informação de natureza orçamentária enseja lançamento na classe de:

Questão 93

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
No último dia útil do mês de abril, um credor apresentou em uma entidade da administração pública documentação comprobatória da prestação de um serviço realizado no mês de novembro do exercício anterior.

Para fins de controle patrimonial, uma vez atestada a fidedignidade da documentação, a entidade deverá:

Questão 94

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
Durante a fase de discussão da proposta orçamentária, o Poder Legislativo pode apresentar emendas, com vistas a incluir novas despesas ou alterar despesas da proposta.

De acordo com as normas da Constituição da República Federativa do Brasil, as emendas à proposta orçamentária devem:

Questão 95

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
1
O maior país da América Latina, com a maior população católica
 
do mundo, não nasceu de forma tranquila. Neste livro, com o
 
realismo dos documentos originais, vemos claramente a
 
brutalidade do extermínio dos índios na costa brasileira, berço de
5
sangue cujo marco determinante é a fundação da cidade do Rio
 
de Janeiro.
 
O Brasil real começou a ser construído por homens como o
 
degredado João Ramalho, que raspava os pelos do corpo para se
 
mesclar aos índios e construiu um exército de mestiços caçadores
10
de escravos mais poderoso que o da própria Coroa; personagens
 
improváveis como o jesuíta Manoel da Nóbrega, padre gago
 
incumbido de catequizar um povo de língua indecifrável, esteio
 
da erradicação dos “hereges” antropófagos; líderes implacáveis
 
como Aimberê, ex-escravo que tomou a frente da resistência e
15
Cunhambebe, cacique “imortal”, que dizia poder devorar carne
 
humana porque era “um jaguar”.
 
Incluindo protestantes franceses, que se aliaram aos índios para
 
escapar dos portugueses e da Inquisição, além de mamelucos, os
 
primeiros brasileiros verdadeiramente ligados à terra, que
20
falavam tupi tanto quanto o português e partiram do planalto de
 
Piratininga para caçar índios e estenderam a colônia sertão
 
adentro, surge um povo que desde a origem nada tem da
 
autoimagem do “brasileiro cordial”.
(Texto da orelha do livro A conquista do Brasil, de Thales Guaracy, Planeta, Rio de Janeiro, 2015)
O texto 1, retirado da orelha do livro indicado, tem como finalidade destacar qualidades da obra a que alude; NÃO é uma dessas qualidades o seguinte tópico:

Questão 96

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
Uma entidade da administração pública, em um dado exercício, solicitou um levantamento de recursos para pleitear a abertura de créditos adicionais para despesas não incluídas no orçamento. As informações recebidas estão dispostas no Quadro I a seguir, com valores expressos em milhares:

Dotações orçamentárias que podem ser anuladas 6.940,00 A partir das informações apresentadas, os créditos adicionais pretendidos terão como limite, em milhares, o valor de:

Questão 97

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
Os dados apresentados no Quadro II abaixo referem-se à execução do orçamento de um Estado da Federação, apurado no último quadrimestre do exercício de 2x15.

Considerando os dados apresentados no Quadro II para apuração da Receita Corrente Líquida, no exercício de 2x15, a despesa total com pessoal do Ministério Público Estadual tem como limite prudencial, em milhares de reais, o valor de:

Questão 98

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
No caso de descumprimento do limite máximo de despesa com pessoal do Ministério Público Estadual apurado com base no Quadro II, este ente:

Questão 99

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
A elaboração do Relatório de Gestão Fiscal (RGF) é obrigatória para todos os poderes e órgãos definidos pela LRF, porém o detalhamento e periodicidade podem diferir.
O único anexo do RGF que os ministérios públicos estaduais são obrigados a divulgar em referência ao primeiro quadrimestre do exercício é o demonstrativo:

Questão 100

MPE/RJ 2016 - FGV - Analista do Ministerio Publico - Area Administrativa
Para fins de controle nas entidades da administração pública, a execução da receita e da despesa públicas se processa em estágios, que dependem do cumprimento de critérios legalmente definidos.

O estágio em que se registra a execução da despesa pública antes da ocorrência do respectivo fato gerador é o(a):



Provas de Concursos » Fgv 2016