×
Procurador Contador Analista de Sistemas
×

Pref. Paulínia/SP 2016

Agente de Administração Pública

Questão 1

Pref. Paulínia/SP 2016 - FGV - Agente de Administração Pública
1
A crise hídrica transformou a paisagem urbana em muitas
 
cidades paulistas. Casas passaram a contar com cisternas e
 
caixas-d’água azuis se multiplicaram por telhados, lajes e até em
 
garagens. Em regiões mais nobres, jardins e portarias de prédios
5
ganharam placas que alertam sobre a utilização de água de reúso.
 
As pessoas mudaram seu comportamento, economizaram e
 
cobraram soluções.
 
As discussões sobre a gestão da água, nos mais diversos
 
aspectos, saíram dos setores tradicionais e técnicos e ganharam
10
espaço no cotidiano. Porém, vieram as chuvas, as enchentes e os
 
rios urbanos voltaram a ficar tomados por lixo, mascarando, de
 
certa forma, o enorme volume de esgoto que muitos desses
 
corpos de água recebem diariamente.
 
É como se não precisássemos de cada gota de água desses
15
rios urbanos e como se a água limpa que consumimos em nossas
 
casas, em um passe de mágica, voltasse a existir em tamanha
 
abundância, nos proporcionando o luxo de continuar a poluir
 
centenas de córregos e milhares de riachos nas nossas cidades.
 
Para completar, todo esse descaso decorrente da falta de
20
saneamento se reverte em contaminação e em graves doenças
 
de veiculação hídrica.
 
Dados do monitoramento da qualidade da água – que
 
realizamos em rios, córregos e lagos de onze Estados brasileiros e
 
do Distrito Federal – revelaram que 36,3% dos pontos de coleta
25
analisados apresentam qualidade ruim ou péssima. Apenas
 
13 pontos foram avaliados com qualidade de água boa (4,5%) e
 
os outros 59,2% estão em situação regular, o que significa um
 
estado de alerta. Nenhum dos pontos analisados foi avaliado
 
como ótimo.
30
Divulgamos esse grave retrato no Dia Mundial da Água (22 de
 
março), com base nas análises realizadas entre março de 2015 e
 
fevereiro de 2016, em 289 pontos de coleta distribuídos em
 
76 municípios.
(MANTOVANI, Mário; RIBEIRO, Malu. UOL Notícias, abril/2016.)
“A crise hídrica transformou a paisagem urbana em muitas cidades paulistas. Casas passaram a contar com cisternas e caixas-d'água azuis se multiplicaram por telhados, lajes e até em garagens. Em regiões mais nobres, jardins e portarias de prédios ganharam placas que alertam sobre a utilização de água de reúso.”

Nesse segmento há três períodos. O segundo e o terceiro períodos, em relação ao primeiro, funcionam como

Questão 2

Pref. Paulínia/SP 2016 - FGV - Agente de Administração Pública
1
A crise hídrica transformou a paisagem urbana em muitas
 
cidades paulistas. Casas passaram a contar com cisternas e
 
caixas-d’água azuis se multiplicaram por telhados, lajes e até em
 
garagens. Em regiões mais nobres, jardins e portarias de prédios
5
ganharam placas que alertam sobre a utilização de água de reúso.
 
As pessoas mudaram seu comportamento, economizaram e
 
cobraram soluções.
 
As discussões sobre a gestão da água, nos mais diversos
 
aspectos, saíram dos setores tradicionais e técnicos e ganharam
10
espaço no cotidiano. Porém, vieram as chuvas, as enchentes e os
 
rios urbanos voltaram a ficar tomados por lixo, mascarando, de
 
certa forma, o enorme volume de esgoto que muitos desses
 
corpos de água recebem diariamente.
 
É como se não precisássemos de cada gota de água desses
15
rios urbanos e como se a água limpa que consumimos em nossas
 
casas, em um passe de mágica, voltasse a existir em tamanha
 
abundância, nos proporcionando o luxo de continuar a poluir
 
centenas de córregos e milhares de riachos nas nossas cidades.
 
Para completar, todo esse descaso decorrente da falta de
20
saneamento se reverte em contaminação e em graves doenças
 
de veiculação hídrica.
 
Dados do monitoramento da qualidade da água – que
 
realizamos em rios, córregos e lagos de onze Estados brasileiros e
 
do Distrito Federal – revelaram que 36,3% dos pontos de coleta
25
analisados apresentam qualidade ruim ou péssima. Apenas
 
13 pontos foram avaliados com qualidade de água boa (4,5%) e
 
os outros 59,2% estão em situação regular, o que significa um
 
estado de alerta. Nenhum dos pontos analisados foi avaliado
 
como ótimo.
30
Divulgamos esse grave retrato no Dia Mundial da Água (22 de
 
março), com base nas análises realizadas entre março de 2015 e
 
fevereiro de 2016, em 289 pontos de coleta distribuídos em
 
76 municípios.
(MANTOVANI, Mário; RIBEIRO, Malu. UOL Notícias, abril/2016.)
“A crise hídrica transformou a paisagem urbana em muitas cidades paulistas. Casas passaram a contar com cisternas e caixas-d'água azuis se multiplicaram por telhados, lajes e até em garagens. Em regiões mais nobres, jardins e portarias de prédios ganharam placas que alertam sobre a utilização de água de reúso.”

Infere-se corretamente desse segmento do texto que

Questão 3

Pref. Paulínia/SP 2016 - FGV - Agente de Administração Pública
1
A crise hídrica transformou a paisagem urbana em muitas
 
cidades paulistas. Casas passaram a contar com cisternas e
 
caixas-d’água azuis se multiplicaram por telhados, lajes e até em
 
garagens. Em regiões mais nobres, jardins e portarias de prédios
5
ganharam placas que alertam sobre a utilização de água de reúso.
 
As pessoas mudaram seu comportamento, economizaram e
 
cobraram soluções.
 
As discussões sobre a gestão da água, nos mais diversos
 
aspectos, saíram dos setores tradicionais e técnicos e ganharam
10
espaço no cotidiano. Porém, vieram as chuvas, as enchentes e os
 
rios urbanos voltaram a ficar tomados por lixo, mascarando, de
 
certa forma, o enorme volume de esgoto que muitos desses
 
corpos de água recebem diariamente.
 
É como se não precisássemos de cada gota de água desses
15
rios urbanos e como se a água limpa que consumimos em nossas
 
casas, em um passe de mágica, voltasse a existir em tamanha
 
abundância, nos proporcionando o luxo de continuar a poluir
 
centenas de córregos e milhares de riachos nas nossas cidades.
 
Para completar, todo esse descaso decorrente da falta de
20
saneamento se reverte em contaminação e em graves doenças
 
de veiculação hídrica.
 
Dados do monitoramento da qualidade da água – que
 
realizamos em rios, córregos e lagos de onze Estados brasileiros e
 
do Distrito Federal – revelaram que 36,3% dos pontos de coleta
25
analisados apresentam qualidade ruim ou péssima. Apenas
 
13 pontos foram avaliados com qualidade de água boa (4,5%) e
 
os outros 59,2% estão em situação regular, o que significa um
 
estado de alerta. Nenhum dos pontos analisados foi avaliado
 
como ótimo.
30
Divulgamos esse grave retrato no Dia Mundial da Água (22 de
 
março), com base nas análises realizadas entre março de 2015 e
 
fevereiro de 2016, em 289 pontos de coleta distribuídos em
 
76 municípios.
(MANTOVANI, Mário; RIBEIRO, Malu. UOL Notícias, abril/2016.)
Em termos de linguagem figurada, o fato de a divulgação do texto ter sido feita no Dia Mundial da Água funciona como

Questão 4

Pref. Paulínia/SP 2016 - FGV - Agente de Administração Pública
1
A crise hídrica transformou a paisagem urbana em muitas
 
cidades paulistas. Casas passaram a contar com cisternas e
 
caixas-d’água azuis se multiplicaram por telhados, lajes e até em
 
garagens. Em regiões mais nobres, jardins e portarias de prédios
5
ganharam placas que alertam sobre a utilização de água de reúso.
 
As pessoas mudaram seu comportamento, economizaram e
 
cobraram soluções.
 
As discussões sobre a gestão da água, nos mais diversos
 
aspectos, saíram dos setores tradicionais e técnicos e ganharam
10
espaço no cotidiano. Porém, vieram as chuvas, as enchentes e os
 
rios urbanos voltaram a ficar tomados por lixo, mascarando, de
 
certa forma, o enorme volume de esgoto que muitos desses
 
corpos de água recebem diariamente.
 
É como se não precisássemos de cada gota de água desses
15
rios urbanos e como se a água limpa que consumimos em nossas
 
casas, em um passe de mágica, voltasse a existir em tamanha
 
abundância, nos proporcionando o luxo de continuar a poluir
 
centenas de córregos e milhares de riachos nas nossas cidades.
 
Para completar, todo esse descaso decorrente da falta de
20
saneamento se reverte em contaminação e em graves doenças
 
de veiculação hídrica.
 
Dados do monitoramento da qualidade da água – que
 
realizamos em rios, córregos e lagos de onze Estados brasileiros e
 
do Distrito Federal – revelaram que 36,3% dos pontos de coleta
25
analisados apresentam qualidade ruim ou péssima. Apenas
 
13 pontos foram avaliados com qualidade de água boa (4,5%) e
 
os outros 59,2% estão em situação regular, o que significa um
 
estado de alerta. Nenhum dos pontos analisados foi avaliado
 
como ótimo.
30
Divulgamos esse grave retrato no Dia Mundial da Água (22 de
 
março), com base nas análises realizadas entre março de 2015 e
 
fevereiro de 2016, em 289 pontos de coleta distribuídos em
 
76 municípios.
(MANTOVANI, Mário; RIBEIRO, Malu. UOL Notícias, abril/2016.)
“As pessoas mudaram seu comportamento, economizaram e cobraram soluções.”

Segundo esse período final do primeiro parágrafo, o comportamento anterior das pessoas era marcado por

Questão 5

Pref. Paulínia/SP 2016 - FGV - Agente de Administração Pública
1
A crise hídrica transformou a paisagem urbana em muitas
 
cidades paulistas. Casas passaram a contar com cisternas e
 
caixas-d’água azuis se multiplicaram por telhados, lajes e até em
 
garagens. Em regiões mais nobres, jardins e portarias de prédios
5
ganharam placas que alertam sobre a utilização de água de reúso.
 
As pessoas mudaram seu comportamento, economizaram e
 
cobraram soluções.
 
As discussões sobre a gestão da água, nos mais diversos
 
aspectos, saíram dos setores tradicionais e técnicos e ganharam
10
espaço no cotidiano. Porém, vieram as chuvas, as enchentes e os
 
rios urbanos voltaram a ficar tomados por lixo, mascarando, de
 
certa forma, o enorme volume de esgoto que muitos desses
 
corpos de água recebem diariamente.
 
É como se não precisássemos de cada gota de água desses
15
rios urbanos e como se a água limpa que consumimos em nossas
 
casas, em um passe de mágica, voltasse a existir em tamanha
 
abundância, nos proporcionando o luxo de continuar a poluir
 
centenas de córregos e milhares de riachos nas nossas cidades.
 
Para completar, todo esse descaso decorrente da falta de
20
saneamento se reverte em contaminação e em graves doenças
 
de veiculação hídrica.
 
Dados do monitoramento da qualidade da água – que
 
realizamos em rios, córregos e lagos de onze Estados brasileiros e
 
do Distrito Federal – revelaram que 36,3% dos pontos de coleta
25
analisados apresentam qualidade ruim ou péssima. Apenas
 
13 pontos foram avaliados com qualidade de água boa (4,5%) e
 
os outros 59,2% estão em situação regular, o que significa um
 
estado de alerta. Nenhum dos pontos analisados foi avaliado
 
como ótimo.
30
Divulgamos esse grave retrato no Dia Mundial da Água (22 de
 
março), com base nas análises realizadas entre março de 2015 e
 
fevereiro de 2016, em 289 pontos de coleta distribuídos em
 
76 municípios.
(MANTOVANI, Mário; RIBEIRO, Malu. UOL Notícias, abril/2016.)
“Porém, vieram as chuvas, as enchentes e os rios urbanos voltaram a ficar tomados por lixo, mascarando, de certa forma, o enorme volume de esgoto que muitos desses corpos de água recebem diariamente”.

Sobre os componentes desse segmento do texto, assinale a afirmativa correta.

Questão 6

Pref. Paulínia/SP 2016 - FGV - Agente de Administração Pública
1
A crise hídrica transformou a paisagem urbana em muitas
 
cidades paulistas. Casas passaram a contar com cisternas e
 
caixas-d’água azuis se multiplicaram por telhados, lajes e até em
 
garagens. Em regiões mais nobres, jardins e portarias de prédios
5
ganharam placas que alertam sobre a utilização de água de reúso.
 
As pessoas mudaram seu comportamento, economizaram e
 
cobraram soluções.
 
As discussões sobre a gestão da água, nos mais diversos
 
aspectos, saíram dos setores tradicionais e técnicos e ganharam
10
espaço no cotidiano. Porém, vieram as chuvas, as enchentes e os
 
rios urbanos voltaram a ficar tomados por lixo, mascarando, de
 
certa forma, o enorme volume de esgoto que muitos desses
 
corpos de água recebem diariamente.
 
É como se não precisássemos de cada gota de água desses
15
rios urbanos e como se a água limpa que consumimos em nossas
 
casas, em um passe de mágica, voltasse a existir em tamanha
 
abundância, nos proporcionando o luxo de continuar a poluir
 
centenas de córregos e milhares de riachos nas nossas cidades.
 
Para completar, todo esse descaso decorrente da falta de
20
saneamento se reverte em contaminação e em graves doenças
 
de veiculação hídrica.
 
Dados do monitoramento da qualidade da água – que
 
realizamos em rios, córregos e lagos de onze Estados brasileiros e
 
do Distrito Federal – revelaram que 36,3% dos pontos de coleta
25
analisados apresentam qualidade ruim ou péssima. Apenas
 
13 pontos foram avaliados com qualidade de água boa (4,5%) e
 
os outros 59,2% estão em situação regular, o que significa um
 
estado de alerta. Nenhum dos pontos analisados foi avaliado
 
como ótimo.
30
Divulgamos esse grave retrato no Dia Mundial da Água (22 de
 
março), com base nas análises realizadas entre março de 2015 e
 
fevereiro de 2016, em 289 pontos de coleta distribuídos em
 
76 municípios.
(MANTOVANI, Mário; RIBEIRO, Malu. UOL Notícias, abril/2016.)
“Porém, vieram as chuvas, as enchentes e os rios urbanos voltaram a ficar tomados por lixo, mascarando, de certa forma, o enorme volume de esgoto que muitos desses corpos de água recebem diariamente.”

Segundo o texto, as chuvas

Questão 7

Pref. Paulínia/SP 2016 - FGV - Agente de Administração Pública
1
A crise hídrica transformou a paisagem urbana em muitas
 
cidades paulistas. Casas passaram a contar com cisternas e
 
caixas-d’água azuis se multiplicaram por telhados, lajes e até em
 
garagens. Em regiões mais nobres, jardins e portarias de prédios
5
ganharam placas que alertam sobre a utilização de água de reúso.
 
As pessoas mudaram seu comportamento, economizaram e
 
cobraram soluções.
 
As discussões sobre a gestão da água, nos mais diversos
 
aspectos, saíram dos setores tradicionais e técnicos e ganharam
10
espaço no cotidiano. Porém, vieram as chuvas, as enchentes e os
 
rios urbanos voltaram a ficar tomados por lixo, mascarando, de
 
certa forma, o enorme volume de esgoto que muitos desses
 
corpos de água recebem diariamente.
 
É como se não precisássemos de cada gota de água desses
15
rios urbanos e como se a água limpa que consumimos em nossas
 
casas, em um passe de mágica, voltasse a existir em tamanha
 
abundância, nos proporcionando o luxo de continuar a poluir
 
centenas de córregos e milhares de riachos nas nossas cidades.
 
Para completar, todo esse descaso decorrente da falta de
20
saneamento se reverte em contaminação e em graves doenças
 
de veiculação hídrica.
 
Dados do monitoramento da qualidade da água – que
 
realizamos em rios, córregos e lagos de onze Estados brasileiros e
 
do Distrito Federal – revelaram que 36,3% dos pontos de coleta
25
analisados apresentam qualidade ruim ou péssima. Apenas
 
13 pontos foram avaliados com qualidade de água boa (4,5%) e
 
os outros 59,2% estão em situação regular, o que significa um
 
estado de alerta. Nenhum dos pontos analisados foi avaliado
 
como ótimo.
30
Divulgamos esse grave retrato no Dia Mundial da Água (22 de
 
março), com base nas análises realizadas entre março de 2015 e
 
fevereiro de 2016, em 289 pontos de coleta distribuídos em
 
76 municípios.
(MANTOVANI, Mário; RIBEIRO, Malu. UOL Notícias, abril/2016.)
“Dados do monitoramento da qualidade da água – que realizamos em rios, córregos e lagos de onze Estados brasileiros e do Distrito Federal – revelaram que 36,3% dos pontos de coleta analisados apresentam qualidade ruim ou péssima. Apenas 13 pontos foram avaliados com qualidade de água boa (4,5%) e os outros 59,2% estão em situação regular, o que significa um estado de alerta. Nenhum dos pontos analisados foi avaliado como ótimo.”

A função principal desse parágrafo do texto é

Questão 8

Pref. Paulínia/SP 2016 - FGV - Agente de Administração Pública
1
A crise hídrica transformou a paisagem urbana em muitas
 
cidades paulistas. Casas passaram a contar com cisternas e
 
caixas-d’água azuis se multiplicaram por telhados, lajes e até em
 
garagens. Em regiões mais nobres, jardins e portarias de prédios
5
ganharam placas que alertam sobre a utilização de água de reúso.
 
As pessoas mudaram seu comportamento, economizaram e
 
cobraram soluções.
 
As discussões sobre a gestão da água, nos mais diversos
 
aspectos, saíram dos setores tradicionais e técnicos e ganharam
10
espaço no cotidiano. Porém, vieram as chuvas, as enchentes e os
 
rios urbanos voltaram a ficar tomados por lixo, mascarando, de
 
certa forma, o enorme volume de esgoto que muitos desses
 
corpos de água recebem diariamente.
 
É como se não precisássemos de cada gota de água desses
15
rios urbanos e como se a água limpa que consumimos em nossas
 
casas, em um passe de mágica, voltasse a existir em tamanha
 
abundância, nos proporcionando o luxo de continuar a poluir
 
centenas de córregos e milhares de riachos nas nossas cidades.
 
Para completar, todo esse descaso decorrente da falta de
20
saneamento se reverte em contaminação e em graves doenças
 
de veiculação hídrica.
 
Dados do monitoramento da qualidade da água – que
 
realizamos em rios, córregos e lagos de onze Estados brasileiros e
 
do Distrito Federal – revelaram que 36,3% dos pontos de coleta
25
analisados apresentam qualidade ruim ou péssima. Apenas
 
13 pontos foram avaliados com qualidade de água boa (4,5%) e
 
os outros 59,2% estão em situação regular, o que significa um
 
estado de alerta. Nenhum dos pontos analisados foi avaliado
 
como ótimo.
30
Divulgamos esse grave retrato no Dia Mundial da Água (22 de
 
março), com base nas análises realizadas entre março de 2015 e
 
fevereiro de 2016, em 289 pontos de coleta distribuídos em
 
76 municípios.
(MANTOVANI, Mário; RIBEIRO, Malu. UOL Notícias, abril/2016.)
Assinale a opção em que o segmento transcrito mostra a opinião do autor sobre o tema veiculado.

Questão 9

Pref. Paulínia/SP 2016 - FGV - Agente de Administração Pública
1
A crise hídrica transformou a paisagem urbana em muitas
 
cidades paulistas. Casas passaram a contar com cisternas e
 
caixas-d’água azuis se multiplicaram por telhados, lajes e até em
 
garagens. Em regiões mais nobres, jardins e portarias de prédios
5
ganharam placas que alertam sobre a utilização de água de reúso.
 
As pessoas mudaram seu comportamento, economizaram e
 
cobraram soluções.
 
As discussões sobre a gestão da água, nos mais diversos
 
aspectos, saíram dos setores tradicionais e técnicos e ganharam
10
espaço no cotidiano. Porém, vieram as chuvas, as enchentes e os
 
rios urbanos voltaram a ficar tomados por lixo, mascarando, de
 
certa forma, o enorme volume de esgoto que muitos desses
 
corpos de água recebem diariamente.
 
É como se não precisássemos de cada gota de água desses
15
rios urbanos e como se a água limpa que consumimos em nossas
 
casas, em um passe de mágica, voltasse a existir em tamanha
 
abundância, nos proporcionando o luxo de continuar a poluir
 
centenas de córregos e milhares de riachos nas nossas cidades.
 
Para completar, todo esse descaso decorrente da falta de
20
saneamento se reverte em contaminação e em graves doenças
 
de veiculação hídrica.
 
Dados do monitoramento da qualidade da água – que
 
realizamos em rios, córregos e lagos de onze Estados brasileiros e
 
do Distrito Federal – revelaram que 36,3% dos pontos de coleta
25
analisados apresentam qualidade ruim ou péssima. Apenas
 
13 pontos foram avaliados com qualidade de água boa (4,5%) e
 
os outros 59,2% estão em situação regular, o que significa um
 
estado de alerta. Nenhum dos pontos analisados foi avaliado
 
como ótimo.
30
Divulgamos esse grave retrato no Dia Mundial da Água (22 de
 
março), com base nas análises realizadas entre março de 2015 e
 
fevereiro de 2016, em 289 pontos de coleta distribuídos em
 
76 municípios.
(MANTOVANI, Mário; RIBEIRO, Malu. UOL Notícias, abril/2016.)
“...revelaram que 36,3% dos pontos de coleta analisados apresentam qualidade ruim ou péssima.”

A relação semântica entre “ruim ou péssima” se repete em

Questão 10

Pref. Paulínia/SP 2016 - FGV - Agente de Administração Pública
1
A crise hídrica transformou a paisagem urbana em muitas
 
cidades paulistas. Casas passaram a contar com cisternas e
 
caixas-d’água azuis se multiplicaram por telhados, lajes e até em
 
garagens. Em regiões mais nobres, jardins e portarias de prédios
5
ganharam placas que alertam sobre a utilização de água de reúso.
 
As pessoas mudaram seu comportamento, economizaram e
 
cobraram soluções.
 
As discussões sobre a gestão da água, nos mais diversos
 
aspectos, saíram dos setores tradicionais e técnicos e ganharam
10
espaço no cotidiano. Porém, vieram as chuvas, as enchentes e os
 
rios urbanos voltaram a ficar tomados por lixo, mascarando, de
 
certa forma, o enorme volume de esgoto que muitos desses
 
corpos de água recebem diariamente.
 
É como se não precisássemos de cada gota de água desses
15
rios urbanos e como se a água limpa que consumimos em nossas
 
casas, em um passe de mágica, voltasse a existir em tamanha
 
abundância, nos proporcionando o luxo de continuar a poluir
 
centenas de córregos e milhares de riachos nas nossas cidades.
 
Para completar, todo esse descaso decorrente da falta de
20
saneamento se reverte em contaminação e em graves doenças
 
de veiculação hídrica.
 
Dados do monitoramento da qualidade da água – que
 
realizamos em rios, córregos e lagos de onze Estados brasileiros e
 
do Distrito Federal – revelaram que 36,3% dos pontos de coleta
25
analisados apresentam qualidade ruim ou péssima. Apenas
 
13 pontos foram avaliados com qualidade de água boa (4,5%) e
 
os outros 59,2% estão em situação regular, o que significa um
 
estado de alerta. Nenhum dos pontos analisados foi avaliado
 
como ótimo.
30
Divulgamos esse grave retrato no Dia Mundial da Água (22 de
 
março), com base nas análises realizadas entre março de 2015 e
 
fevereiro de 2016, em 289 pontos de coleta distribuídos em
 
76 municípios.
(MANTOVANI, Mário; RIBEIRO, Malu. UOL Notícias, abril/2016.)
“A crise hídrica transformou a paisagem urbana em muitas cidades paulistas.”

Assinale a opção que indica a forma inadequada de reescrever-se essa frase.

Questão 11

Pref. Paulínia/SP 2016 - FGV - Agente de Administração Pública
Um cubo de ouro maciço com 2 cm de aresta hoje vale R$ 19.000,00.

O valor de um cubo de ouro maciço com 3 cm de aresta hoje vale, aproximadamente,

Questão 12

Pref. Paulínia/SP 2016 - FGV - Agente de Administração Pública
Considere verdadeira a afirmação: “Toda criança gosta de correr”.
Considere as afirmativas a seguir.

I. Como Abel não é criança, então não gosta de correr.
II. Como Bruno gosta de correr, então é criança.
III. Como Carlos não gosta de correr, então não é criança.

Assinale:

Questão 13

Pref. Paulínia/SP 2016 - FGV - Agente de Administração Pública
André, Bernardo, Caio e Delcídio estão sentados em volta de uma mesa quadrada e, dos quatro, dois são irmãos.


Sabe-se que:
• Bernardo não tem irmão e está ao lado de André;
• Delcídio está à direita de Bernardo e tem irmão;
• os irmãos estão um ao lado do outro.

É correto afirmar que

Questão 14

Pref. Paulínia/SP 2016 - FGV - Agente de Administração Pública
Uma máquina fabrica uma peça inteira do motor de um carro em 8 min.

Trabalhando continuamente, o número de peças inteiras que a máquina fará em 9 horas é:

Questão 15

Pref. Paulínia/SP 2016 - FGV - Agente de Administração Pública
Paulo, Sérgio e Mário trabalham na prefeitura da cidade e usam meios de transporte diferentes para ir ao trabalho: um vai com seu carro, outro vai de ônibus e outro, de bicicleta.
Sabe-se que:

• quem vai de carro é o mais velho dos três;
• Sérgio não tem carro;
• Paulo é mais novo que Sérgio e não vai de bicicleta.

Assim, é correto afirmar que

Questão 16

Pref. Paulínia/SP 2016 - FGV - Agente de Administração Pública
Uma loja anunciou grande promoção para certo dia e, nesse dia, Ana, Bia, Célia e Dalva estavam na fila, nessa ordem, esperando que a loja abrisse. Havia 5 pessoas entre Ana e Bia, 7 pessoas entre Bia e Célia e 9 pessoas entre Célia e Dalva.

Se Ana é a 13ª pessoa da fila, Dalva é a

Questão 17

Pref. Paulínia/SP 2016 - FGV - Agente de Administração Pública
João tinha 22 anos quando seu filho Carlos nasceu. Em um determinado dia, quando Carlos fazia aniversário, João disse para o filho: “Daqui a 10 anos, nossas idades somarão 100 anos”.

No dia dessa declaração, João tinha

Questão 18

Pref. Paulínia/SP 2016 - FGV - Agente de Administração Pública
No supermercado há uma promoção na venda de rolos de papel higiênico, como mostra a figura a seguir.

Essa promoção é equivalente a um desconto aproximado de

Questão 19

Pref. Paulínia/SP 2016 - FGV - Agente de Administração Pública
Uma ficha está situada sobre um dos sete pontos da figura a seguir.

Um “movimento” significa mover a ficha do lugar onde está para o ponto seguinte, no sentido anti-horário. Por exemplo, se uma ficha está em P, um movimento faz com que ela passe para Q.
Uma ficha, a partir da sua posição inicial, fez 500 movimentos e sua posição final foi o ponto R.

A ficha estava inicialmente no ponto

Questão 20

Pref. Paulínia/SP 2016 - FGV - Agente de Administração Pública
Carlos costuma dizer, ao chegar do trabalho:
“Se estou cansado, não leio e, se não leio, vejo televisão. Porém, quando leio, coloco óculos.”

Certo dia, ao chegar do trabalho, Carlos não colocou os óculos. Então, é correto deduzir que Carlos

Questão 21

Pref. Paulínia/SP 2016 - FGV - Agente de Administração Pública
Thiago está logado no MS Windows 7, usando uma conta padrão, e considera realizar os procedimentos a seguir:

I. instalação de um novo programa;
II. alteração da resolução do vídeo;
III. remoção de uma impressora;
IV. instalação de uma impressora;
V. desfragmentação do risco rígido do sistema;
VI. esvaziamento da lixeira;
VII. remoção de um arquivo do desktop do usuário Rafael.

Assinale o número de procedimentos que requerem o uso de uma senha de administrador.

Questão 22

Pref. Paulínia/SP 2016 - FGV - Agente de Administração Pública
Marta tem um pen drive de 8 GB e o disco rígido de seu computador é capaz de armazenar 1 TB.

Assinale a opção que indica relação entre a capacidade do disco rígido e a capacidade do pen drive.

Questão 23

Pref. Paulínia/SP 2016 - FGV - Agente de Administração Pública
Maria preparou um documento no MS Word 2010 e pediu a dois de seus colegas, Pedro e Paulo, que revisassem o seu conteúdo.
Maria entregou o arquivo para Pedro, que fez edições em vários pontos e o devolveu. Em seguida, Maria entregou o arquivo a Paulo, que também editou o arquivo em vários trechos, inclusive sobre trechos editados por Pedro. Depois disso, Maria retomou o arquivo e passou a preparar uma versão final, analisando e identificando as edições efetuadas por Pedro e Paulo, adotando-as ou não.

Assinale a opção que indica o recurso do MS Word 2010 utilizado por Maria para facilitar seu trabalho.

Questão 24

Pref. Paulínia/SP 2016 - FGV - Agente de Administração Pública
Assinale a opção que indica o aspecto de um trecho de texto do MS Word 2010 que não é afetado quando um estilo lhe é aplicado.

Questão 25

Pref. Paulínia/SP 2016 - FGV - Agente de Administração Pública
Maria preparou uma planilha no MS Excel 2010 na qual foram digitados, nas células A1 a A3, os seguintes valores:

Maria então selecionou a região A1:A3, clicou a seleção com o botão direito do mouse, escolheu a opção “Formatar células...” e o formato “Número”, com 2 decimais.
Assinale a lista de valores exibidos nas células da planilha após essas operações.
    

Questão 26

Pref. Paulínia/SP 2016 - FGV - Agente de Administração Pública
Considere uma planilha MS Excel 2010 na qual as regiões A1:A10 e C1:C10 estão preenchidas com números entre 10 e 90, aleatoriamente escolhidos.
Na região B1:B4 foram digitadas, na respectiva ordem, as seguintes fórmulas:

I. =SOMA($A$1:A1)
II. =A2+B2
III. =SOMA(A1:C3)
IV. =MÉDIA(A1;5;A3;C4)

Estão corretamente construídas

Questão 27

Pref. Paulínia/SP 2016 - FGV - Agente de Administração Pública
Rafael preparou uma planilha no MS Excel 2010 que deve ser enviada para Maria, cujo computador não tem o MS Office instalado. Para que Maria possa visualizar os dados gravados na planilha por meio do utilitário “Bloco de Notas”, do Windows 7, Rafael deve gravar uma nova versão da sua planilha com um tipo diferente.

Assinale a opção que indica o tipo mais adequado.

Questão 28

Pref. Paulínia/SP 2016 - FGV - Agente de Administração Pública
Sobre as operações de download de arquivos no navegador Chrome, assinale a afirmativa correta.

Questão 29

Pref. Paulínia/SP 2016 - FGV - Agente de Administração Pública
Quando abertos inadvertidamente, arquivos anexados a um e-mail podem constituir séries ameaças à segurança de um computador.

Assinale a opção que indica a extensão de arquivo que caracteriza arquivos perigosos.

Questão 30

Pref. Paulínia/SP 2016 - FGV - Agente de Administração Pública
Considere uma página na Internet que contenha o seguinte trecho:
“Charles Lutwidge Dodgson, mais conhecido pelo seu pseudônimo Lewis Carroll, foi um romancista, contista, fabulista, poeta, desenhista, fotógrafo, matemático e reverendo anglicano britânico. É autor do clássico livro Alice no País das Maravilhas”.

Assinale o texto de busca que, utilizado no Google, não incluiria essa página no resultado da busca.

Questão 31

Pref. Paulínia/SP 2016 - FGV - Agente de Administração Pública
1
O maior país da América Latina, com a maior população católica
 
do mundo, não nasceu de forma tranquila. Neste livro, com o
 
realismo dos documentos originais, vemos claramente a
 
brutalidade do extermínio dos índios na costa brasileira, berço de
5
sangue cujo marco determinante é a fundação da cidade do Rio
 
de Janeiro.
 
O Brasil real começou a ser construído por homens como o
 
degredado João Ramalho, que raspava os pelos do corpo para se
 
mesclar aos índios e construiu um exército de mestiços caçadores
10
de escravos mais poderoso que o da própria Coroa; personagens
 
improváveis como o jesuíta Manoel da Nóbrega, padre gago
 
incumbido de catequizar um povo de língua indecifrável, esteio
 
da erradicação dos “hereges” antropófagos; líderes implacáveis
 
como Aimberê, ex-escravo que tomou a frente da resistência e
15
Cunhambebe, cacique “imortal”, que dizia poder devorar carne
 
humana porque era “um jaguar”.
 
Incluindo protestantes franceses, que se aliaram aos índios para
 
escapar dos portugueses e da Inquisição, além de mamelucos, os
 
primeiros brasileiros verdadeiramente ligados à terra, que
20
falavam tupi tanto quanto o português e partiram do planalto de
 
Piratininga para caçar índios e estenderam a colônia sertão
 
adentro, surge um povo que desde a origem nada tem da
 
autoimagem do “brasileiro cordial”.
(Texto da orelha do livro A conquista do Brasil, de Thales Guaracy, Planeta, Rio de Janeiro, 2015)
O texto 1, retirado da orelha do livro indicado, tem como finalidade destacar qualidades da obra a que alude; NÃO é uma dessas qualidades o seguinte tópico:

Questão 32

Pref. Paulínia/SP 2016 - FGV - Agente de Administração Pública
É da competência exclusiva da Câmara Municipal:

I. elaborar seu regimento interno;
II. dispor sobre sua organização e seu funcionamento, independentemente dos parâmetros estabelecidos na lei de diretrizes orçamentárias;
III. autorizar o Prefeito a se ausentar do Município, nos casos em que o período de licença for inferior a dez dias.

Está correto o que se afirma em

Questão 33

Pref. Paulínia/SP 2016 - FGV - Agente de Administração Pública
O processo legislativo municipal compreende a elaboração de:

I. emendas à Lei Orgânica;
II. leis ordinárias e leis delegadas;
III. medidas provisórias e decretos legislativos.

Está correto o que se afirma em

Questão 34

Pref. Paulínia/SP 2016 - FGV - Agente de Administração Pública
Segundo o Estatuto dos Funcionários Públicos do Município de Paulínia, são requisitos básicos para investidura em cargo público:

I. estar em pleno gozo dos seus direitos políticos;
II. ter o nível de escolaridade exigido para o exercício do cargo;
III. ter a idade mínima de 16 (dezesseis) anos no ato da posse.

Está correto o que se afirma em

Questão 35

Pref. Paulínia/SP 2016 - FGV - Agente de Administração Pública
Ao funcionário público é vedado

Questão 36

Pref. Paulínia/SP 2016 - FGV - Agente de Administração Pública
A Administração Pública brasileira apresenta uma estrutura que permite a distribuição de responsabilidade entre as autoridades sem que haja subordinação direta de novas entidades ao Estado.

Assinale a opção que apresenta o conceito que caracteriza essa distribuição de responsabilidades.

Questão 37

Pref. Paulínia/SP 2016 - FGV - Agente de Administração Pública
As organizações formais modernas, objeto fundamental da Administração Pública, possuem características comuns.

Assinale a opção que apresenta apenas características das organizações formais modernas.

Questão 38

Pref. Paulínia/SP 2016 - FGV - Agente de Administração Pública
Graças à administração de recursos materiais, é possível aumentar a eficiência dos processos, reduzir custos e controlar tanto os insumos utilizados quanto o tempo gasto na cadeia de distribuição.
Dentre os benefícios listados a seguir, assinale V para o verdadeiro e F para o falso.

( ) Melhor coordenação com fornecedores e clientes.
( ) Fluxo constante e controlado de materiais e informação.
( ) Níveis superiores de utilização de equipamento.

Os benefícios apresentados são, respectivamente,

Questão 39

Pref. Paulínia/SP 2016 - FGV - Agente de Administração Pública
A Lei n. 10.520/02 admitiu uma modalidade de aquisição de bens e serviços por parte do Estado que, guardados os princípios constitucionais, visa a assegurar a celeridade e a redução de custos do processo de contratação.

Assinale a opção que indica a modalidade de aquisição contida nessa lei.

Questão 40

Pref. Paulínia/SP 2016 - FGV - Agente de Administração Pública
O processo licitatório tem como objetivo garantir que a contratação ocorra na forma menos onerosa e com melhor qualidade para a sociedade.

Assinale a opção que indica o critério de desempate prioritário em um processo licitatório que apresente igualdade de condições.

Questão 41

Pref. Paulínia/SP 2016 - FGV - Agente de Administração Pública

» Esta questão foi anulada pela banca.
A Administração Pública é composta por órgãos que se dividem entra a administração direta e a indireta. A administração indireta exerce de forma descentralizada as atividades administrativas e explora atividades econômicas, vinculadas ou não a um órgão da administração direta.

Assinale a opção que apresenta um exemplo de entidade da Administração Pública indireta.

Questão 42

Pref. Paulínia/SP 2016 - FGV - Agente de Administração Pública
O processo de departamentalização busca distribuir e realocar recursos, seguindo determinados princípios.
Sobre os princípios que orientam o processo de departamentalização, assinale V para o verdadeiro e F para o falso.

( ) Princípio do maior uso.
( ) Princípio do maior interesse.
( ) Princípio da separação do controle.
( ) Princípio da supressão da concorrência.

Os princípios apresentados são, respectivamente,

Questão 43

Pref. Paulínia/SP 2016 - FGV - Agente de Administração Pública
Ao adotar o processo de departamentalização, uma organização deve levar em consideração uma série de elementos e critérios.

As opções a seguir apresentam alguns desses critérios, à exceção de uma. Assinale-a.

Questão 44

Pref. Paulínia/SP 2016 - FGV - Agente de Administração Pública
A estrutura organizacional influencia diversos pontos do cotidiano de uma empresa. É possível, inclusive, determinar o tipo de comando existente em uma organização quando se analisa como sua estrutura se estabelece.

Assinale a opção que apresenta a relação correta entre a estrutura organizacional e sua caracterização.

Questão 45

Pref. Paulínia/SP 2016 - FGV - Agente de Administração Pública
A Administração Pública no Brasil pode ser direta e indireta. Cada tipo de administração possui características únicas. Dentre as características a seguir, assinale V para a verdadeira e F para a falsa.

( ) A administração indireta tem personalidade jurídica vinculada a uma entidade da administração direta.
( ) A administração indireta tem patrimônio próprio e autonomia administrativa.
( ) A administração indireta realiza despesas por meio de orçamento da administração direta.

As características apresentadas são, respectivamente,

Questão 46

Pref. Paulínia/SP 2016 - FGV - Agente de Administração Pública
1
O maior país da América Latina, com a maior população católica
 
do mundo, não nasceu de forma tranquila. Neste livro, com o
 
realismo dos documentos originais, vemos claramente a
 
brutalidade do extermínio dos índios na costa brasileira, berço de
5
sangue cujo marco determinante é a fundação da cidade do Rio
 
de Janeiro.
 
O Brasil real começou a ser construído por homens como o
 
degredado João Ramalho, que raspava os pelos do corpo para se
 
mesclar aos índios e construiu um exército de mestiços caçadores
10
de escravos mais poderoso que o da própria Coroa; personagens
 
improváveis como o jesuíta Manoel da Nóbrega, padre gago
 
incumbido de catequizar um povo de língua indecifrável, esteio
 
da erradicação dos “hereges” antropófagos; líderes implacáveis
 
como Aimberê, ex-escravo que tomou a frente da resistência e
15
Cunhambebe, cacique “imortal”, que dizia poder devorar carne
 
humana porque era “um jaguar”.
 
Incluindo protestantes franceses, que se aliaram aos índios para
 
escapar dos portugueses e da Inquisição, além de mamelucos, os
 
primeiros brasileiros verdadeiramente ligados à terra, que
20
falavam tupi tanto quanto o português e partiram do planalto de
 
Piratininga para caçar índios e estenderam a colônia sertão
 
adentro, surge um povo que desde a origem nada tem da
 
autoimagem do “brasileiro cordial”.
(Texto da orelha do livro A conquista do Brasil, de Thales Guaracy, Planeta, Rio de Janeiro, 2015)
O texto 1, retirado da orelha do livro indicado, tem como finalidade destacar qualidades da obra a que alude; NÃO é uma dessas qualidades o seguinte tópico:

Questão 47

Pref. Paulínia/SP 2016 - FGV - Agente de Administração Pública
O processo licitatório exige respeito a determinadas regras, a fim de proteger o interesse público. Dentre elas, estão os critérios de exceção, que são aplicados às situações que dispensam ou tornam inexigível o processo licitatório.

Assinale a opção que indica a situação em que o processo licitatório se torna inexigível.

Questão 48

Pref. Paulínia/SP 2016 - FGV - Agente de Administração Pública
As agências reguladoras atuam na regulação de atividades exercidas pelo setor privado, podendo, inclusive, impor sanções aos regulados.
Com relação aos modelos de prestação de serviço controlados pelas agências reguladoras, analise as afirmativas a seguir.

I. Na permissão, o Estado transfere o direito de uso de um bem ou serviço público por tempo determinado para a iniciativa privada.
II. Na concessão, o Estado transfere a execução de um serviço público para a iniciativa privada, via contrato, por um determinado período de tempo.
III. Na autorização, o Estado permite a execução de um serviço público pela iniciativa privada, via contrato, por tempo ilimitado.

Está correto o que se afirma em

Questão 49

Pref. Paulínia/SP 2016 - FGV - Agente de Administração Pública
A Lei n. 10.520/02 criou o pregão eletrônico, modalidade licitatória utilizada pela Administração Pública para contratar serviços e comprar bens ditos comuns.

A opções a seguir apresentam vantagens do pregão eletrônico, à exceção de uma. Assinale-a.

Questão 50

Pref. Paulínia/SP 2016 - FGV - Agente de Administração Pública
A gestão de recursos materiais compreende uma série de atividades que tem como objetivo garantir a provisão e o aporte de recursos para a atividade da organização. Essas atividades se dividem em categorias chamadas de funções da gestão de recursos materiais.

As opções a seguir apresentam funções da gestão de recursos materiais, à exceção de uma. Assinale-a.



Provas de Concursos » Fgv 2016