×
Analista Administrativo Analista de Tecnologia da Informação - Administração de Banco de Dados Geógrafo Técnico em Segurança do Trabalho Auxiliar de Enfermagem do Trabalho Técnico Administrativo - Secretária/o Analista de Tecnologia da Informação - Redes, Telecomunicações, Suporte e Segurança Técnico Administrativo - Contabilidade/Finanças Técnico Administrativo - Tecnologia da Informação Analista de Tecnologia da Informação - Sistemas Auxiliar de Laboratório Analista Administrativo - Econômico-Financeiro Analista Administrativo - Recursos Humanos Analista Ambiental - Auditor Técnico Administrativo - Recursos Humanos/Administração Técnico Administrativo Técnico Ambiental Escriturário Tecnólogo Ambiental Químico Estatístico
×
CETESB 2009

CETESB 2013

Advogado

Questão 1

CETESB 2013 - VUNESP - Advogado
1
Henrique Meirelles
 
 
As grandes cidades brasileiras estão congestionadas e em
 
processo de deterioração agudizado pelo crescimento econômico
5
da última década. Existem deficiências evidentes em infraestru-
 
tura, mas é importante também considerar e estudar em profun-
 
didade o planejamento urbano.
 
Muitas grandes cidades adotaram uma abordagem de des-
 
concentração, incentivando a criação de diversos centros urba-
10
nos, na visão de que isso levaria a uma maior facilidade de des-
 
locamento.
 
Mas o efeito tem sido o inverso. A criação de diversos cen-
 
tros e o aumento das distâncias multiplicam o número de via-
 
gens, dificultando o escasso investimento em transporte coletivo
15
e aumentando a necessidade do transporte individual.
 
Se olharmos Los Angeles como a região que levou a des-
 
concentração ao extremo, ficam claras as consequências. Numa
 
região rica como a Califórnia, com enorme investimento viário,
 
temos engarrafamentos gigantescos que viraram característica
20
da cidade.
 
Os modelos urbanos bem-sucedidos são aqueles com eleva-
 
do adensamento e predominância do transporte coletivo, como
 
mostram Manhattan, Tóquio e algumas novas áreas urbanas chi-
 
nesas.
25
Apesar da desconcentração e do aumento da extensão ur-
 
bana verificados no Brasil, é importante desenvolver e adensar
 
ainda mais os diversos centros já existentes com investimentos
 
no transporte coletivo.
 
O centro histórico de São Paulo é demonstração inequívoca
30
do que não deve ser feito. É a região da cidade mais bem servida
 
de transporte coletivo, com infraestrutura de telecomunicação,
 
água, eletricidade etc. Conta ainda com equipamentos de impor-
 
tância cultural e histórica que dão identidade aos aglomerados
 
urbanos. Seria natural que, como em outras grandes cidades, o
35
centro de São Paulo fosse a região mais adensada da metrópole.
 
Mas não é o caso. Temos, hoje, um esvaziamento gradual do
 
centro, com deslocamento das atividades para diversas regiões
 
da cidade.
 
É fundamental que essa visão de adensamento com uso
40
abundante de transporte coletivo seja recuperada para que pos-
 
samos reverter esse processo de uso cada vez mais intenso do
 
transporte individual devorando espaços viários que não têm a
 
capacidade de absorver a crescente frota de automóveis, fruto
 
não só do novo acesso da população ao automóvel mas também
45
da necessidade de maior número de viagens em função da dis-
 
tância cada vez maior entre os destinos da população.
(Folha de S.Paulo, 13.01.2013. Adaptado)
Na opinião do autor do texto,

Questão 2

CETESB 2013 - VUNESP - Advogado
1
Henrique Meirelles
 
 
As grandes cidades brasileiras estão congestionadas e em
 
processo de deterioração agudizado pelo crescimento econômico
5
da última década. Existem deficiências evidentes em infraestru-
 
tura, mas é importante também considerar e estudar em profun-
 
didade o planejamento urbano.
 
Muitas grandes cidades adotaram uma abordagem de des-
 
concentração, incentivando a criação de diversos centros urba-
10
nos, na visão de que isso levaria a uma maior facilidade de des-
 
locamento.
 
Mas o efeito tem sido o inverso. A criação de diversos cen-
 
tros e o aumento das distâncias multiplicam o número de via-
 
gens, dificultando o escasso investimento em transporte coletivo
15
e aumentando a necessidade do transporte individual.
 
Se olharmos Los Angeles como a região que levou a des-
 
concentração ao extremo, ficam claras as consequências. Numa
 
região rica como a Califórnia, com enorme investimento viário,
 
temos engarrafamentos gigantescos que viraram característica
20
da cidade.
 
Os modelos urbanos bem-sucedidos são aqueles com eleva-
 
do adensamento e predominância do transporte coletivo, como
 
mostram Manhattan, Tóquio e algumas novas áreas urbanas chi-
 
nesas.
25
Apesar da desconcentração e do aumento da extensão ur-
 
bana verificados no Brasil, é importante desenvolver e adensar
 
ainda mais os diversos centros já existentes com investimentos
 
no transporte coletivo.
 
O centro histórico de São Paulo é demonstração inequívoca
30
do que não deve ser feito. É a região da cidade mais bem servida
 
de transporte coletivo, com infraestrutura de telecomunicação,
 
água, eletricidade etc. Conta ainda com equipamentos de impor-
 
tância cultural e histórica que dão identidade aos aglomerados
 
urbanos. Seria natural que, como em outras grandes cidades, o
35
centro de São Paulo fosse a região mais adensada da metrópole.
 
Mas não é o caso. Temos, hoje, um esvaziamento gradual do
 
centro, com deslocamento das atividades para diversas regiões
 
da cidade.
 
É fundamental que essa visão de adensamento com uso
40
abundante de transporte coletivo seja recuperada para que pos-
 
samos reverter esse processo de uso cada vez mais intenso do
 
transporte individual devorando espaços viários que não têm a
 
capacidade de absorver a crescente frota de automóveis, fruto
 
não só do novo acesso da população ao automóvel mas também
45
da necessidade de maior número de viagens em função da dis-
 
tância cada vez maior entre os destinos da população.
(Folha de S.Paulo, 13.01.2013. Adaptado)
No último parágrafo do texto, o autor defende o argumento de que

Questão 3

CETESB 2013 - VUNESP - Advogado

» Essa questão pode ter algum problema e está sendo revisada. Em breve estará corrigida.
1
Henrique Meirelles
 
 
As grandes cidades brasileiras estão congestionadas e em
 
processo de deterioração agudizado pelo crescimento econômico
5
da última década. Existem deficiências evidentes em infraestru-
 
tura, mas é importante também considerar e estudar em profun-
 
didade o planejamento urbano.
 
Muitas grandes cidades adotaram uma abordagem de des-
 
concentração, incentivando a criação de diversos centros urba-
10
nos, na visão de que isso levaria a uma maior facilidade de des-
 
locamento.
 
Mas o efeito tem sido o inverso. A criação de diversos cen-
 
tros e o aumento das distâncias multiplicam o número de via-
 
gens, dificultando o escasso investimento em transporte coletivo
15
e aumentando a necessidade do transporte individual.
 
Se olharmos Los Angeles como a região que levou a des-
 
concentração ao extremo, ficam claras as consequências. Numa
 
região rica como a Califórnia, com enorme investimento viário,
 
temos engarrafamentos gigantescos que viraram característica
20
da cidade.
 
Os modelos urbanos bem-sucedidos são aqueles com eleva-
 
do adensamento e predominância do transporte coletivo, como
 
mostram Manhattan, Tóquio e algumas novas áreas urbanas chi-
 
nesas.
25
Apesar da desconcentração e do aumento da extensão ur-
 
bana verificados no Brasil, é importante desenvolver e adensar
 
ainda mais os diversos centros já existentes com investimentos
 
no transporte coletivo.
 
O centro histórico de São Paulo é demonstração inequívoca
30
do que não deve ser feito. É a região da cidade mais bem servida
 
de transporte coletivo, com infraestrutura de telecomunicação,
 
água, eletricidade etc. Conta ainda com equipamentos de impor-
 
tância cultural e histórica que dão identidade aos aglomerados
 
urbanos. Seria natural que, como em outras grandes cidades, o
35
centro de São Paulo fosse a região mais adensada da metrópole.
 
Mas não é o caso. Temos, hoje, um esvaziamento gradual do
 
centro, com deslocamento das atividades para diversas regiões
 
da cidade.
 
É fundamental que essa visão de adensamento com uso
40
abundante de transporte coletivo seja recuperada para que pos-
 
samos reverter esse processo de uso cada vez mais intenso do
 
transporte individual devorando espaços viários que não têm a
 
capacidade de absorver a crescente frota de automóveis, fruto
 
não só do novo acesso da população ao automóvel mas também
45
da necessidade de maior número de viagens em função da dis-
 
tância cada vez maior entre os destinos da população.
(Folha de S.Paulo, 13.01.2013. Adaptado)
Em – As grandes cidades brasileiras estão congestionadas e em processo de deterioração agudizado pelo crescimento econômico da última década. –, sem que seja alterado o sentido do trecho, o termo em destaque pode ser corretamente substituído por:

Questão 4

CETESB 2013 - VUNESP - Advogado
1
Henrique Meirelles
 
 
As grandes cidades brasileiras estão congestionadas e em
 
processo de deterioração agudizado pelo crescimento econômico
5
da última década. Existem deficiências evidentes em infraestru-
 
tura, mas é importante também considerar e estudar em profun-
 
didade o planejamento urbano.
 
Muitas grandes cidades adotaram uma abordagem de des-
 
concentração, incentivando a criação de diversos centros urba-
10
nos, na visão de que isso levaria a uma maior facilidade de des-
 
locamento.
 
Mas o efeito tem sido o inverso. A criação de diversos cen-
 
tros e o aumento das distâncias multiplicam o número de via-
 
gens, dificultando o escasso investimento em transporte coletivo
15
e aumentando a necessidade do transporte individual.
 
Se olharmos Los Angeles como a região que levou a des-
 
concentração ao extremo, ficam claras as consequências. Numa
 
região rica como a Califórnia, com enorme investimento viário,
 
temos engarrafamentos gigantescos que viraram característica
20
da cidade.
 
Os modelos urbanos bem-sucedidos são aqueles com eleva-
 
do adensamento e predominância do transporte coletivo, como
 
mostram Manhattan, Tóquio e algumas novas áreas urbanas chi-
 
nesas.
25
Apesar da desconcentração e do aumento da extensão ur-
 
bana verificados no Brasil, é importante desenvolver e adensar
 
ainda mais os diversos centros já existentes com investimentos
 
no transporte coletivo.
 
O centro histórico de São Paulo é demonstração inequívoca
30
do que não deve ser feito. É a região da cidade mais bem servida
 
de transporte coletivo, com infraestrutura de telecomunicação,
 
água, eletricidade etc. Conta ainda com equipamentos de impor-
 
tância cultural e histórica que dão identidade aos aglomerados
 
urbanos. Seria natural que, como em outras grandes cidades, o
35
centro de São Paulo fosse a região mais adensada da metrópole.
 
Mas não é o caso. Temos, hoje, um esvaziamento gradual do
 
centro, com deslocamento das atividades para diversas regiões
 
da cidade.
 
É fundamental que essa visão de adensamento com uso
40
abundante de transporte coletivo seja recuperada para que pos-
 
samos reverter esse processo de uso cada vez mais intenso do
 
transporte individual devorando espaços viários que não têm a
 
capacidade de absorver a crescente frota de automóveis, fruto
 
não só do novo acesso da população ao automóvel mas também
45
da necessidade de maior número de viagens em função da dis-
 
tância cada vez maior entre os destinos da população.
(Folha de S.Paulo, 13.01.2013. Adaptado)
Em – Apesar da desconcentração e do aumento da exten­são urbana verificados no Brasil, é importante desenvolver e adensar ainda mais os diversos centros já existentes... –, sem que tenha seu sentido alterado, o trecho em destaque está corretamente reescrito em:

Questão 5

CETESB 2013 - VUNESP - Advogado
1
Henrique Meirelles
 
 
As grandes cidades brasileiras estão congestionadas e em
 
processo de deterioração agudizado pelo crescimento econômico
5
da última década. Existem deficiências evidentes em infraestru-
 
tura, mas é importante também considerar e estudar em profun-
 
didade o planejamento urbano.
 
Muitas grandes cidades adotaram uma abordagem de des-
 
concentração, incentivando a criação de diversos centros urba-
10
nos, na visão de que isso levaria a uma maior facilidade de des-
 
locamento.
 
Mas o efeito tem sido o inverso. A criação de diversos cen-
 
tros e o aumento das distâncias multiplicam o número de via-
 
gens, dificultando o escasso investimento em transporte coletivo
15
e aumentando a necessidade do transporte individual.
 
Se olharmos Los Angeles como a região que levou a des-
 
concentração ao extremo, ficam claras as consequências. Numa
 
região rica como a Califórnia, com enorme investimento viário,
 
temos engarrafamentos gigantescos que viraram característica
20
da cidade.
 
Os modelos urbanos bem-sucedidos são aqueles com eleva-
 
do adensamento e predominância do transporte coletivo, como
 
mostram Manhattan, Tóquio e algumas novas áreas urbanas chi-
 
nesas.
25
Apesar da desconcentração e do aumento da extensão ur-
 
bana verificados no Brasil, é importante desenvolver e adensar
 
ainda mais os diversos centros já existentes com investimentos
 
no transporte coletivo.
 
O centro histórico de São Paulo é demonstração inequívoca
30
do que não deve ser feito. É a região da cidade mais bem servida
 
de transporte coletivo, com infraestrutura de telecomunicação,
 
água, eletricidade etc. Conta ainda com equipamentos de impor-
 
tância cultural e histórica que dão identidade aos aglomerados
 
urbanos. Seria natural que, como em outras grandes cidades, o
35
centro de São Paulo fosse a região mais adensada da metrópole.
 
Mas não é o caso. Temos, hoje, um esvaziamento gradual do
 
centro, com deslocamento das atividades para diversas regiões
 
da cidade.
 
É fundamental que essa visão de adensamento com uso
40
abundante de transporte coletivo seja recuperada para que pos-
 
samos reverter esse processo de uso cada vez mais intenso do
 
transporte individual devorando espaços viários que não têm a
 
capacidade de absorver a crescente frota de automóveis, fruto
 
não só do novo acesso da população ao automóvel mas também
45
da necessidade de maior número de viagens em função da dis-
 
tância cada vez maior entre os destinos da população.
(Folha de S.Paulo, 13.01.2013. Adaptado)
Em – … mas é importante também considerar e estudar em profundidade o planejamento urbano. –, a expressão em destaque é empregada na oração para indicar circunstância de

Questão 6

CETESB 2013 - VUNESP - Advogado
1
Henrique Meirelles
 
 
As grandes cidades brasileiras estão congestionadas e em
 
processo de deterioração agudizado pelo crescimento econômico
5
da última década. Existem deficiências evidentes em infraestru-
 
tura, mas é importante também considerar e estudar em profun-
 
didade o planejamento urbano.
 
Muitas grandes cidades adotaram uma abordagem de des-
 
concentração, incentivando a criação de diversos centros urba-
10
nos, na visão de que isso levaria a uma maior facilidade de des-
 
locamento.
 
Mas o efeito tem sido o inverso. A criação de diversos cen-
 
tros e o aumento das distâncias multiplicam o número de via-
 
gens, dificultando o escasso investimento em transporte coletivo
15
e aumentando a necessidade do transporte individual.
 
Se olharmos Los Angeles como a região que levou a des-
 
concentração ao extremo, ficam claras as consequências. Numa
 
região rica como a Califórnia, com enorme investimento viário,
 
temos engarrafamentos gigantescos que viraram característica
20
da cidade.
 
Os modelos urbanos bem-sucedidos são aqueles com eleva-
 
do adensamento e predominância do transporte coletivo, como
 
mostram Manhattan, Tóquio e algumas novas áreas urbanas chi-
 
nesas.
25
Apesar da desconcentração e do aumento da extensão ur-
 
bana verificados no Brasil, é importante desenvolver e adensar
 
ainda mais os diversos centros já existentes com investimentos
 
no transporte coletivo.
 
O centro histórico de São Paulo é demonstração inequívoca
30
do que não deve ser feito. É a região da cidade mais bem servida
 
de transporte coletivo, com infraestrutura de telecomunicação,
 
água, eletricidade etc. Conta ainda com equipamentos de impor-
 
tância cultural e histórica que dão identidade aos aglomerados
 
urbanos. Seria natural que, como em outras grandes cidades, o
35
centro de São Paulo fosse a região mais adensada da metrópole.
 
Mas não é o caso. Temos, hoje, um esvaziamento gradual do
 
centro, com deslocamento das atividades para diversas regiões
 
da cidade.
 
É fundamental que essa visão de adensamento com uso
40
abundante de transporte coletivo seja recuperada para que pos-
 
samos reverter esse processo de uso cada vez mais intenso do
 
transporte individual devorando espaços viários que não têm a
 
capacidade de absorver a crescente frota de automóveis, fruto
 
não só do novo acesso da população ao automóvel mas também
45
da necessidade de maior número de viagens em função da dis-
 
tância cada vez maior entre os destinos da população.
(Folha de S.Paulo, 13.01.2013. Adaptado)
Em – É fundamental que essa visão de adensamento com uso abundante de transporte coletivo seja recuperada para que possamos reverter esse processo de uso… –, a expressão em destaque estabelece entre as orações relação de

Questão 7

CETESB 2013 - VUNESP - Advogado
1
Henrique Meirelles
 
 
As grandes cidades brasileiras estão congestionadas e em
 
processo de deterioração agudizado pelo crescimento econômico
5
da última década. Existem deficiências evidentes em infraestru-
 
tura, mas é importante também considerar e estudar em profun-
 
didade o planejamento urbano.
 
Muitas grandes cidades adotaram uma abordagem de des-
 
concentração, incentivando a criação de diversos centros urba-
10
nos, na visão de que isso levaria a uma maior facilidade de des-
 
locamento.
 
Mas o efeito tem sido o inverso. A criação de diversos cen-
 
tros e o aumento das distâncias multiplicam o número de via-
 
gens, dificultando o escasso investimento em transporte coletivo
15
e aumentando a necessidade do transporte individual.
 
Se olharmos Los Angeles como a região que levou a des-
 
concentração ao extremo, ficam claras as consequências. Numa
 
região rica como a Califórnia, com enorme investimento viário,
 
temos engarrafamentos gigantescos que viraram característica
20
da cidade.
 
Os modelos urbanos bem-sucedidos são aqueles com eleva-
 
do adensamento e predominância do transporte coletivo, como
 
mostram Manhattan, Tóquio e algumas novas áreas urbanas chi-
 
nesas.
25
Apesar da desconcentração e do aumento da extensão ur-
 
bana verificados no Brasil, é importante desenvolver e adensar
 
ainda mais os diversos centros já existentes com investimentos
 
no transporte coletivo.
 
O centro histórico de São Paulo é demonstração inequívoca
30
do que não deve ser feito. É a região da cidade mais bem servida
 
de transporte coletivo, com infraestrutura de telecomunicação,
 
água, eletricidade etc. Conta ainda com equipamentos de impor-
 
tância cultural e histórica que dão identidade aos aglomerados
 
urbanos. Seria natural que, como em outras grandes cidades, o
35
centro de São Paulo fosse a região mais adensada da metrópole.
 
Mas não é o caso. Temos, hoje, um esvaziamento gradual do
 
centro, com deslocamento das atividades para diversas regiões
 
da cidade.
 
É fundamental que essa visão de adensamento com uso
40
abundante de transporte coletivo seja recuperada para que pos-
 
samos reverter esse processo de uso cada vez mais intenso do
 
transporte individual devorando espaços viários que não têm a
 
capacidade de absorver a crescente frota de automóveis, fruto
 
não só do novo acesso da população ao automóvel mas também
45
da necessidade de maior número de viagens em função da dis-
 
tância cada vez maior entre os destinos da população.
(Folha de S.Paulo, 13.01.2013. Adaptado)
Assinale a alternativa cuja preposição em destaque expressa circunstância de lugar.

Questão 8

CETESB 2013 - VUNESP - Advogado
1
Henrique Meirelles
 
 
As grandes cidades brasileiras estão congestionadas e em
 
processo de deterioração agudizado pelo crescimento econômico
5
da última década. Existem deficiências evidentes em infraestru-
 
tura, mas é importante também considerar e estudar em profun-
 
didade o planejamento urbano.
 
Muitas grandes cidades adotaram uma abordagem de des-
 
concentração, incentivando a criação de diversos centros urba-
10
nos, na visão de que isso levaria a uma maior facilidade de des-
 
locamento.
 
Mas o efeito tem sido o inverso. A criação de diversos cen-
 
tros e o aumento das distâncias multiplicam o número de via-
 
gens, dificultando o escasso investimento em transporte coletivo
15
e aumentando a necessidade do transporte individual.
 
Se olharmos Los Angeles como a região que levou a des-
 
concentração ao extremo, ficam claras as consequências. Numa
 
região rica como a Califórnia, com enorme investimento viário,
 
temos engarrafamentos gigantescos que viraram característica
20
da cidade.
 
Os modelos urbanos bem-sucedidos são aqueles com eleva-
 
do adensamento e predominância do transporte coletivo, como
 
mostram Manhattan, Tóquio e algumas novas áreas urbanas chi-
 
nesas.
25
Apesar da desconcentração e do aumento da extensão ur-
 
bana verificados no Brasil, é importante desenvolver e adensar
 
ainda mais os diversos centros já existentes com investimentos
 
no transporte coletivo.
 
O centro histórico de São Paulo é demonstração inequívoca
30
do que não deve ser feito. É a região da cidade mais bem servida
 
de transporte coletivo, com infraestrutura de telecomunicação,
 
água, eletricidade etc. Conta ainda com equipamentos de impor-
 
tância cultural e histórica que dão identidade aos aglomerados
 
urbanos. Seria natural que, como em outras grandes cidades, o
35
centro de São Paulo fosse a região mais adensada da metrópole.
 
Mas não é o caso. Temos, hoje, um esvaziamento gradual do
 
centro, com deslocamento das atividades para diversas regiões
 
da cidade.
 
É fundamental que essa visão de adensamento com uso
40
abundante de transporte coletivo seja recuperada para que pos-
 
samos reverter esse processo de uso cada vez mais intenso do
 
transporte individual devorando espaços viários que não têm a
 
capacidade de absorver a crescente frota de automóveis, fruto
 
não só do novo acesso da população ao automóvel mas também
45
da necessidade de maior número de viagens em função da dis-
 
tância cada vez maior entre os destinos da população.
(Folha de S.Paulo, 13.01.2013. Adaptado)
Em – ... fruto não só do novo acesso da população ao automóvel mas também da necessidade de maior número de viagens... –, os termos em destaque estabelecem relação de

Questão 9

CETESB 2013 - VUNESP - Advogado
1
Henrique Meirelles
 
 
As grandes cidades brasileiras estão congestionadas e em
 
processo de deterioração agudizado pelo crescimento econômico
5
da última década. Existem deficiências evidentes em infraestru-
 
tura, mas é importante também considerar e estudar em profun-
 
didade o planejamento urbano.
 
Muitas grandes cidades adotaram uma abordagem de des-
 
concentração, incentivando a criação de diversos centros urba-
10
nos, na visão de que isso levaria a uma maior facilidade de des-
 
locamento.
 
Mas o efeito tem sido o inverso. A criação de diversos cen-
 
tros e o aumento das distâncias multiplicam o número de via-
 
gens, dificultando o escasso investimento em transporte coletivo
15
e aumentando a necessidade do transporte individual.
 
Se olharmos Los Angeles como a região que levou a des-
 
concentração ao extremo, ficam claras as consequências. Numa
 
região rica como a Califórnia, com enorme investimento viário,
 
temos engarrafamentos gigantescos que viraram característica
20
da cidade.
 
Os modelos urbanos bem-sucedidos são aqueles com eleva-
 
do adensamento e predominância do transporte coletivo, como
 
mostram Manhattan, Tóquio e algumas novas áreas urbanas chi-
 
nesas.
25
Apesar da desconcentração e do aumento da extensão ur-
 
bana verificados no Brasil, é importante desenvolver e adensar
 
ainda mais os diversos centros já existentes com investimentos
 
no transporte coletivo.
 
O centro histórico de São Paulo é demonstração inequívoca
30
do que não deve ser feito. É a região da cidade mais bem servida
 
de transporte coletivo, com infraestrutura de telecomunicação,
 
água, eletricidade etc. Conta ainda com equipamentos de impor-
 
tância cultural e histórica que dão identidade aos aglomerados
 
urbanos. Seria natural que, como em outras grandes cidades, o
35
centro de São Paulo fosse a região mais adensada da metrópole.
 
Mas não é o caso. Temos, hoje, um esvaziamento gradual do
 
centro, com deslocamento das atividades para diversas regiões
 
da cidade.
 
É fundamental que essa visão de adensamento com uso
40
abundante de transporte coletivo seja recuperada para que pos-
 
samos reverter esse processo de uso cada vez mais intenso do
 
transporte individual devorando espaços viários que não têm a
 
capacidade de absorver a crescente frota de automóveis, fruto
 
não só do novo acesso da população ao automóvel mas também
45
da necessidade de maior número de viagens em função da dis-
 
tância cada vez maior entre os destinos da população.
(Folha de S.Paulo, 13.01.2013. Adaptado)
Considere o trecho a seguir. É fundamental que essa visão de adensamento com uso abundante de transporte coletivo seja recuperada para que possamos reverter esse processo de uso cada vez mais intenso do transporte individual devorando espaços viários que não têm a capacidade de absorver a crescente frota de automóveis...

Assinale a alternativa que apresenta a substituição correta do pronome destacado, de acordo com a norma-padrão da língua portuguesa.

Questão 10

CETESB 2013 - VUNESP - Advogado
De acordo com a norma-padrão da língua portuguesa, assinale a alternativa em que a concordância verbal e/ou nominal está corretamente empregada.

Questão 11

CETESB 2013 - VUNESP - Advogado
Assinale a alternativa em que a pontuação foi corretamente empregada, de acordo com a norma-padrão da língua portuguesa.

Questão 12

CETESB 2013 - VUNESP - Advogado
1
(Quino, Toda Mafalda. São Paulo: Martins Fontes, 2010. Adaptado)
Assinale a alternativa que preenche, correta e respectivamente, as lacunas nas falas do primeiro e do quarto quadrinhos da tirinha, de acordo com a norma-padrão da língua portuguesa.

Questão 13

CETESB 2013 - VUNESP - Advogado
1
Hélio Schwartsman
 
 
SÃO PAULO – Saiu mais um estudo mostrando que o en-
 
sino de matemática no Brasil não anda bem. A pergunta é: pode-
5
mos viver sem dominar o básico da matemática? Durante muito
 
tempo, a resposta foi sim. Aqueles que não simpatizavam muito
 
com Pitágoras podiam simplesmente escolher carreiras nas quais
 
os números não encontravam muito espaço, como direito, jorna-
 
lismo, as humanidades e até a medicina de antigamente.
10
Como observa Steven Pinker, ainda hoje, nos meios univer-
 
sitários, é considerado aceitável que um intelectual se vanglorie
 
de ter passado raspando em física e de ignorar o beabá da esta-
 
tística. Mas ai de quem admitir nunca ter lido Joyce ou dizer que
 
não gosta de Mozart. Sobre ele recairão olhares tão recriminado-
15
res quanto sobre o sujeito que assoa o nariz na manga da camisa.
 
Joyce e Mozart são ótimos, mas eles, como quase toda a cul-
 
tura humanística, têm pouca relevância para nossa vida prática.
 
Já a cultura científica, que muitos ainda tratam com uma ponta
 
de desprezo, torna-se cada vez mais fundamental, mesmo para
20
quem não pretende ser engenheiro ou seguir carreiras técnicas.
 
Como sobreviver à era do crédito farto sem saber calcular as
 
armadilhas que uma taxa de juros pode esconder? Hoje, é difícil
 
até posicionar-se de forma racional sobre políticas públicas sem
 
assimilar toda a numeralha que idealmente as informa. Conhe-
25
cimentos rudimentares de estatística são pré-requisito para com-
 
preender as novas pesquisas que trazem informações relevantes
 
para nossa saúde e bem-estar.
 
A matemática está no centro de algumas das mais intrigan-
 
tes especulações cosmológicas da atualidade. Se as equações
30
da mecânica quântica indicam que existem universos paralelos,
 
isso basta para que acreditemos neles? Ou, no rastro de Eugene
 
Wigner, podemos nos perguntar por que a matemática é tão efi-
 
caz para exprimir as leis da física.
(Folha de S.Paulo. 06.04.2013. Adaptado)
Releia os trechos apresentados a seguir.
•   Aqueles que não simpatizavam muito com Pitágoras podiam simplesmente escolher carreiras nas quais os números não encontravam muito espaço... (1.º parágrafo)
•   Já a cultura científica, que muitos ainda tratam com uma ponta de desprezo, torna-se cada vez mais fundamental... (3.º parágrafo)

Os advérbios em destaque nos trechos expressam, correta e respectivamente, circunstâncias de

Questão 14

CETESB 2013 - VUNESP - Advogado
1
Experts are questioning whether diet drinks could raise
 
depression risk, after a large study has found a link.
 
 
The US research in more than 250,000 people found
5
depression was more common among frequent consumers
 
of artificially sweetened beverages. The work, which will be
 
presented at the American Academy of Neurology’s annual
 
meeting, did not look at the cause for this link.
 
Drinking coffee was linked with a lower risk of depression.
10
People who drank four cups a day were 10% less likely to
 
be diagnosed with depression during the 10-year study period
 
than those who drank no coffee. But those who drank four cans
 
or glasses of diet fizzy drinks or artificially sweetened juice a
 
day increased their risk of depression by about a third. Lead
15
researcher Dr Honglei Chen, of the National Institutes of Health
 
in North Carolina, said: “Our research suggests that cutting
 
out or down on sweetened diet drinks or replacing them with
 
unsweetened coffee may naturally help lower your depression
 
risk.”
20
But he said more studies were needed to explore this. There
 
are many other factors that may be involved. And the findings
 
– in people in their 50s, 60s, 70s and 80s and living in the US –
 
might not apply to other populations. The safety of sweeteners,
 
like aspartame, has been extensively tested by scientists and is
25
assured by regulators.
 
Gaynor Bussell, of the British Dietetic Association, said:
 
“Sweeteners used to be called ‘artificial’ sweeteners and
 
unfortunately the term ‘artificial’ has evoked suspicion. As a
 
result, sweeteners have been very widely tested and reviewed
30
for safety and the ones on the market have an excellent safety
 
track record. However, the studies on them continue and this one
 
has thrown up a possibly link – not a cause and effect – with
 
depression.”
(http://www.bbc.co.uk/news/health-20943509.09.01.2013. Adaptado)
According to the text, the research is

Questão 15

CETESB 2013 - VUNESP - Advogado
1
Experts are questioning whether diet drinks could raise
 
depression risk, after a large study has found a link.
 
 
The US research in more than 250,000 people found
5
depression was more common among frequent consumers
 
of artificially sweetened beverages. The work, which will be
 
presented at the American Academy of Neurology’s annual
 
meeting, did not look at the cause for this link.
 
Drinking coffee was linked with a lower risk of depression.
10
People who drank four cups a day were 10% less likely to
 
be diagnosed with depression during the 10-year study period
 
than those who drank no coffee. But those who drank four cans
 
or glasses of diet fizzy drinks or artificially sweetened juice a
 
day increased their risk of depression by about a third. Lead
15
researcher Dr Honglei Chen, of the National Institutes of Health
 
in North Carolina, said: “Our research suggests that cutting
 
out or down on sweetened diet drinks or replacing them with
 
unsweetened coffee may naturally help lower your depression
 
risk.”
20
But he said more studies were needed to explore this. There
 
are many other factors that may be involved. And the findings
 
– in people in their 50s, 60s, 70s and 80s and living in the US –
 
might not apply to other populations. The safety of sweeteners,
 
like aspartame, has been extensively tested by scientists and is
25
assured by regulators.
 
Gaynor Bussell, of the British Dietetic Association, said:
 
“Sweeteners used to be called ‘artificial’ sweeteners and
 
unfortunately the term ‘artificial’ has evoked suspicion. As a
 
result, sweeteners have been very widely tested and reviewed
30
for safety and the ones on the market have an excellent safety
 
track record. However, the studies on them continue and this one
 
has thrown up a possibly link – not a cause and effect – with
 
depression.”
(http://www.bbc.co.uk/news/health-20943509.09.01.2013. Adaptado)
According to the text, the research

Questão 16

CETESB 2013 - VUNESP - Advogado
1
Experts are questioning whether diet drinks could raise
 
depression risk, after a large study has found a link.
 
 
The US research in more than 250,000 people found
5
depression was more common among frequent consumers
 
of artificially sweetened beverages. The work, which will be
 
presented at the American Academy of Neurology’s annual
 
meeting, did not look at the cause for this link.
 
Drinking coffee was linked with a lower risk of depression.
10
People who drank four cups a day were 10% less likely to
 
be diagnosed with depression during the 10-year study period
 
than those who drank no coffee. But those who drank four cans
 
or glasses of diet fizzy drinks or artificially sweetened juice a
 
day increased their risk of depression by about a third. Lead
15
researcher Dr Honglei Chen, of the National Institutes of Health
 
in North Carolina, said: “Our research suggests that cutting
 
out or down on sweetened diet drinks or replacing them with
 
unsweetened coffee may naturally help lower your depression
 
risk.”
20
But he said more studies were needed to explore this. There
 
are many other factors that may be involved. And the findings
 
– in people in their 50s, 60s, 70s and 80s and living in the US –
 
might not apply to other populations. The safety of sweeteners,
 
like aspartame, has been extensively tested by scientists and is
25
assured by regulators.
 
Gaynor Bussell, of the British Dietetic Association, said:
 
“Sweeteners used to be called ‘artificial’ sweeteners and
 
unfortunately the term ‘artificial’ has evoked suspicion. As a
 
result, sweeteners have been very widely tested and reviewed
30
for safety and the ones on the market have an excellent safety
 
track record. However, the studies on them continue and this one
 
has thrown up a possibly link – not a cause and effect – with
 
depression.”
(http://www.bbc.co.uk/news/health-20943509.09.01.2013. Adaptado)
In order to low depression risks, Dr Honglei Shen suggests

Questão 17

CETESB 2013 - VUNESP - Advogado
1
Experts are questioning whether diet drinks could raise
 
depression risk, after a large study has found a link.
 
 
The US research in more than 250,000 people found
5
depression was more common among frequent consumers
 
of artificially sweetened beverages. The work, which will be
 
presented at the American Academy of Neurology’s annual
 
meeting, did not look at the cause for this link.
 
Drinking coffee was linked with a lower risk of depression.
10
People who drank four cups a day were 10% less likely to
 
be diagnosed with depression during the 10-year study period
 
than those who drank no coffee. But those who drank four cans
 
or glasses of diet fizzy drinks or artificially sweetened juice a
 
day increased their risk of depression by about a third. Lead
15
researcher Dr Honglei Chen, of the National Institutes of Health
 
in North Carolina, said: “Our research suggests that cutting
 
out or down on sweetened diet drinks or replacing them with
 
unsweetened coffee may naturally help lower your depression
 
risk.”
20
But he said more studies were needed to explore this. There
 
are many other factors that may be involved. And the findings
 
– in people in their 50s, 60s, 70s and 80s and living in the US –
 
might not apply to other populations. The safety of sweeteners,
 
like aspartame, has been extensively tested by scientists and is
25
assured by regulators.
 
Gaynor Bussell, of the British Dietetic Association, said:
 
“Sweeteners used to be called ‘artificial’ sweeteners and
 
unfortunately the term ‘artificial’ has evoked suspicion. As a
 
result, sweeteners have been very widely tested and reviewed
30
for safety and the ones on the market have an excellent safety
 
track record. However, the studies on them continue and this one
 
has thrown up a possibly link – not a cause and effect – with
 
depression.”
(http://www.bbc.co.uk/news/health-20943509.09.01.2013. Adaptado)
The term “whether” in – Experts are questioning whether diet drinks could raise depression risk, after a large study has found a link. – introduces

Questão 18

CETESB 2013 - VUNESP - Advogado
1
Experts are questioning whether diet drinks could raise
 
depression risk, after a large study has found a link.
 
 
The US research in more than 250,000 people found
5
depression was more common among frequent consumers
 
of artificially sweetened beverages. The work, which will be
 
presented at the American Academy of Neurology’s annual
 
meeting, did not look at the cause for this link.
 
Drinking coffee was linked with a lower risk of depression.
10
People who drank four cups a day were 10% less likely to
 
be diagnosed with depression during the 10-year study period
 
than those who drank no coffee. But those who drank four cans
 
or glasses of diet fizzy drinks or artificially sweetened juice a
 
day increased their risk of depression by about a third. Lead
15
researcher Dr Honglei Chen, of the National Institutes of Health
 
in North Carolina, said: “Our research suggests that cutting
 
out or down on sweetened diet drinks or replacing them with
 
unsweetened coffee may naturally help lower your depression
 
risk.”
20
But he said more studies were needed to explore this. There
 
are many other factors that may be involved. And the findings
 
– in people in their 50s, 60s, 70s and 80s and living in the US –
 
might not apply to other populations. The safety of sweeteners,
 
like aspartame, has been extensively tested by scientists and is
25
assured by regulators.
 
Gaynor Bussell, of the British Dietetic Association, said:
 
“Sweeteners used to be called ‘artificial’ sweeteners and
 
unfortunately the term ‘artificial’ has evoked suspicion. As a
 
result, sweeteners have been very widely tested and reviewed
30
for safety and the ones on the market have an excellent safety
 
track record. However, the studies on them continue and this one
 
has thrown up a possibly link – not a cause and effect – with
 
depression.”
(http://www.bbc.co.uk/news/health-20943509.09.01.2013. Adaptado)
O termo likely em – People who drank four cups a day were 10% less likely to be diagnosed with depression during the 10-year study period than those who drank no coffee. – transmite a ideia de

Questão 19

CETESB 2013 - VUNESP - Advogado
Em caso de abuso da personalidade jurídica, caracterizado pelo desvio de finalidade, ou pela confusão patrimonial, pode o juiz decidir que os efeitos de certas e determinadas relações de obrigações sejam estendidos aos bens particulares dos administradores ou sócios da pessoa jurídica. Essas medidas referentes à desconsideração da personalidade jurídica podem ser efetuadas somente a requerimento

Questão 20

CETESB 2013 - VUNESP - Advogado
Assinale a alternativa correta de acordo com o que dispõe a Lei de Introdução às normas do Direito Brasileiro.

Questão 21

CETESB 2013 - VUNESP - Advogado
Sobre o instituto processual da continência, que ocorre em relação a duas ou mais ações, é correto afirmar que

Questão 22

CETESB 2013 - VUNESP - Advogado
Acerca da fase de cumprimento da sentença prevista no Código de Processo Civil, é correto afirmar que

Questão 23

CETESB 2013 - VUNESP - Advogado
Dentre os efeitos da condenação previstos e disciplinados no Código Penal, encontra-se a seguinte hipótese:

Questão 24

CETESB 2013 - VUNESP - Advogado
É considerada uma hipótese de justa causa prevista na Consolidação das Leis do Trabalho:

Questão 25

CETESB 2013 - VUNESP - Advogado
Não terá direito a férias o empregado que, no curso do período aquisitivo,

Questão 26

CETESB 2013 - VUNESP - Advogado
Licenciamento ambiental é o procedimento administrativo pelo qual o órgão ambiental competente licencia a localização, instalação, ampliação e a operação de empreendimentos e atividades utilizadoras de recursos ambientais, consideradas efetiva ou potencialmente poluidoras ou daquelas que, sob qualquer forma, possam causar degradação ambiental, considerando as disposições legais e regulamentares e as normas técnicas aplicadas ao caso. Tendo em vista tal conceito, o pagamento de valor, efetuado no momento do licenciamento ambiental, tem a natureza jurídica de

Questão 27

CETESB 2013 - VUNESP - Advogado
Extingue(m) o crédito tributário:

Questão 28

CETESB 2013 - VUNESP - Advogado
Assinale a alternativa correta, de acordo com o que estabelece a Lei das Sociedades Anônimas.

Questão 29

CETESB 2013 - VUNESP - Advogado
Com relação à responsabilidade na sociedade anônima, é correto afirmar que o administrador

Questão 30

CETESB 2013 - VUNESP - Advogado
A fraude contra credores é prevista no Código Civil como um dos defeitos do negócio jurídico. A respeito da fraude contra credores, é correto afirmar que

Questão 31

CETESB 2013 - VUNESP - Advogado
O Sistema Nacional do Meio Ambiente – SISNAMA, previsto na Lei n.º 6.938/81, é estruturado, dentre outros, pelo(s) seguinte(s) órgão(s):

Questão 32

CETESB 2013 - VUNESP - Advogado
Sobre a ação civil pública, prevista na Lei n.º 7.347/85, pode-se afirmar corretamente que

Questão 33

CETESB 2013 - VUNESP - Advogado
A Política Nacional de Recursos Hídricos baseia-se, dentre outros, nos seguintes fundamentos:

Questão 34

CETESB 2013 - VUNESP - Advogado
A resolução Conama n.º 01/86 estabelece que

Questão 35

CETESB 2013 - VUNESP - Advogado
Nos termos da Resolução CONAMA n.º 237/97, compete ao órgão ambiental estadual ou do Distrito Federal o licenciamento ambiental dos empreendimentos e atividades

Questão 36

CETESB 2013 - VUNESP - Advogado
O Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos é integrado, dentre outros, pelo(s) seguinte(s) órgão(s):

Questão 37

CETESB 2013 - VUNESP - Advogado
Segundo estabelece a Lei n.º 12.727/12, os apicuns e salgados podem ser utilizados em atividades de carcinicultura e salinas, observados, dentre outros, o seguinte requisito:

Questão 38

CETESB 2013 - VUNESP - Advogado
Para os efeitos previstos na Lei n.º 12.651/12, que trata do Código Florestal, considera-se Área de Preservação Permanente, em zonas rurais ou urbanas

Questão 39

CETESB 2013 - VUNESP - Advogado
Nos termos da Lei n.º 12.651/12, a localização da área de Reserva Legal no imóvel rural deverá levar em conta, dentre outros, os seguintes estudos e critérios:

Questão 40

CETESB 2013 - VUNESP - Advogado
De acordo com o Decreto Federal n.º 7.830/12, entende-se por área degradada

Questão 41

CETESB 2013 - VUNESP - Advogado
As infrações às disposições da Lei estadual n.º 997/76, de seu regulamento, bem como das normas, padrões e exigências técnicas dela decorrentes serão, a critério da autoridade competente, classificadas em leves, graves e gravíssimas, levando-se em conta

Questão 42

CETESB 2013 - VUNESP - Advogado
A Lei n.º 9.605/98, que cuida dos crimes ambientais, estabelece que

Questão 43

CETESB 2013 - VUNESP - Advogado
Na organização administrativa do Estado brasileiro, cada ente federativo possui suas competências atribuídas pela Constituição da República. Assim sendo, analise as competências descritas a seguir:

I. legislar sobre proteção ao patrimônio histórico, cultural, artístico, turístico e paisagístico;

II. legislar sobre desapropriação;

III. explorar diretamente, ou mediante concessão, os serviços locais de gás canalizado.

Assinale a alternativa que apresenta a relação correta, prevista no texto constitucional, entre o tipo de competência e o respectivo ente federativo.

Questão 44

CETESB 2013 - VUNESP - Advogado
Baldur Teseu, funcionário estável da Administração Pública estadual, foi eleito para exercer o cargo de Vereador Municipal. Considerando o disposto na Constituição Federal, é correto afirmar que, investido no mandato de Vereador, Baldur

Questão 45

CETESB 2013 - VUNESP - Advogado
Assinale a alternativa que apresenta corretamente um típico ato administrativo.

Questão 46

CETESB 2013 - VUNESP - Advogado
Considerando o regime jurídico do processo administrativo, bem como o entendimento do Supremo Tribunal Federal acerca da matéria, classifique as seguintes afirmativas quanto a sua veracidade (V) ou falsidade (F).

( ) A sindicância é procedimento preparatório ao processo administrativo disciplinar, não sendo instrumento apto a impor penalidade.

( ) A falta de defesa técnica por advogado no processo administrativo disciplinar viola a Constituição Federal.

( ) O suposto vício na sindicância não contamina o processo administrativo disciplinar, desde que seja garantida oportunidade de apresentação de defesa com relação aos fatos descritos no relatório final da comissão.

( ) A absolvição criminal que negue a existência do fato ou sua autoria não afasta a responsabilidade administrativa do servidor pelo mesmo fato.

Assinale a alternativa que contempla corretamente a classificação das afirmativas na ordem em que aparecem.

Questão 47

CETESB 2013 - VUNESP - Advogado
A Administração Pública pretende contratar os seguintes serviços: publicidade e divulgação de serviços públicos de interesse da população; e treinamento e aperfeiçoamento de pessoal de órgãos públicos. Considerando que os trabalhos a serem contratados serão executados por serviços técnicos profissionais especializados, de natureza singular, com profissionais ou empresas de notória especialização, é correto afirmar que

Questão 48

CETESB 2013 - VUNESP - Advogado
Conforme o disposto na Lei de Licitações e Contratos, as cláusulas econômico-financeiras e monetárias dos contratos administrativos

Questão 49

CETESB 2013 - VUNESP - Advogado
João, interessado em obter informações sobre o andamento de um pedido de interesse geral junto à Secretaria da CETESB, é informado pelo funcionário que não poderá ter acesso à informação requerida. Nesse caso, o que poderá fazer João?

Questão 50

CETESB 2013 - VUNESP - Advogado
Conforme dispõe a Lei n.º 12.527/11, agir com dolo ou má-fé na análise das solicitações de acesso à informação ensejará ao agente público que praticar a conduta ilícita a pena de,



Provas de Concursos » Vunesp 2013