×
Técnico - Técnico I - Informática/ Web Design Analista em C&T Júnior - Recursos Humanos Técnico - Técnico I - Segurança do Trabalho Técnico - Técnico I - Informática Assistente em C&T Assistente - Secretariado Assistente em C&T Assistente - Contabilidade Assistente em C&T Assistente - Treinamento & Desenvolvimento Assistente em C&T Assistente - Recursos Humanos Assistente em C&T Assistente - Administração Tecnologista Pleno - Química Tecnologista Pleno - Computação
×
DCTA 2009

DCTA 2013

Analista em C&T Júnior - Administração

Questão 1

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
1
O humor deve visar à crítica, não à graça, ensinou Chico
 
Anysio, o humorista popular. E disse isso quando lhe solicitaram
 
considerar o estado atual do riso brasileiro. Nos últimos anos de
 
vida, o escritor contribuía para o cômico apenas em sua porção
5
de ator, impedido pela televisão brasileira de produzir textos.
 
E o que ele dizia sobre a risada ajuda a entender a acomoda-
 
ção de muitos humoristas contemporâneos. Porque, quando eles
 
h umilham aqueles julgados inferiores, os pobres, os analfabetos,
 
os negros, os nordestinos, todos os oprimidos que parece fácil
10
espezinhar, não funcionam bem como humoristas. O humor deve
 
ser o oposto disto, uma restauração do que é justo, para a qual
 
desancar aqueles em condições piores do que as suas não vale.
 
Rimos, isso sim, do superior, do arrogante, daquele que rouba
 
nosso lugar social.
15
O curioso é perceber como o Brasil de muito tempo atrás
 
sabia disso, e o ensinava por meio de uma imprensa ocupada em
 
ferir a brutal desigualdade entre os seres e as classes. Ao percor-
 
rer o extenso volume da História da Caricatura Brasileira (Gala
 
Edições), compreendemos que tal humor primitivo não praticava
20
um rosário de ofensas pessoais. Naqueles dias, humor parecia ser
 
apenas, e necessariamente, a virulência em relação aos modos
 
opressivos do poder.
 
A amplitude dessa obra é inédita. Saem da obscuridade os
 
nomes que sucederam ao mais aclamado dos artistas a produzir
25
arte naquele Brasil, Angelo Agostini. Corcundas magros, cor-
 
cundas gordos, corcovas com cabeça de burro, todos esses seres
 
compostos em aspecto polimórfico, com expressivo valor gráfi-
 
co, eram os responsáveis por ilustrar a subserviência a estender-
 
-se pela Corte Imperial. Contra a escravidão, o comodismo dos
30
bem-postos e dos covardes imperialistas, esses artistas operavam
 
seu espírito crítico em jornais de todos os cantos do País.
(Carta Capital.13.02.2013. Adaptado)
De acordo com o texto, o humorista Chico Anysio

Questão 2

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
1
O humor deve visar à crítica, não à graça, ensinou Chico
 
Anysio, o humorista popular. E disse isso quando lhe solicitaram
 
considerar o estado atual do riso brasileiro. Nos últimos anos de
 
vida, o escritor contribuía para o cômico apenas em sua porção
5
de ator, impedido pela televisão brasileira de produzir textos.
 
E o que ele dizia sobre a risada ajuda a entender a acomoda-
 
ção de muitos humoristas contemporâneos. Porque, quando eles
 
h umilham aqueles julgados inferiores, os pobres, os analfabetos,
 
os negros, os nordestinos, todos os oprimidos que parece fácil
10
espezinhar, não funcionam bem como humoristas. O humor deve
 
ser o oposto disto, uma restauração do que é justo, para a qual
 
desancar aqueles em condições piores do que as suas não vale.
 
Rimos, isso sim, do superior, do arrogante, daquele que rouba
 
nosso lugar social.
15
O curioso é perceber como o Brasil de muito tempo atrás
 
sabia disso, e o ensinava por meio de uma imprensa ocupada em
 
ferir a brutal desigualdade entre os seres e as classes. Ao percor-
 
rer o extenso volume da História da Caricatura Brasileira (Gala
 
Edições), compreendemos que tal humor primitivo não praticava
20
um rosário de ofensas pessoais. Naqueles dias, humor parecia ser
 
apenas, e necessariamente, a virulência em relação aos modos
 
opressivos do poder.
 
A amplitude dessa obra é inédita. Saem da obscuridade os
 
nomes que sucederam ao mais aclamado dos artistas a produzir
25
arte naquele Brasil, Angelo Agostini. Corcundas magros, cor-
 
cundas gordos, corcovas com cabeça de burro, todos esses seres
 
compostos em aspecto polimórfico, com expressivo valor gráfi-
 
co, eram os responsáveis por ilustrar a subserviência a estender-
 
-se pela Corte Imperial. Contra a escravidão, o comodismo dos
30
bem-postos e dos covardes imperialistas, esses artistas operavam
 
seu espírito crítico em jornais de todos os cantos do País.
(Carta Capital.13.02.2013. Adaptado)
De acordo com o texto, é correto afirmar que os humoristas contemporâneos

Questão 3

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
1
O humor deve visar à crítica, não à graça, ensinou Chico
 
Anysio, o humorista popular. E disse isso quando lhe solicitaram
 
considerar o estado atual do riso brasileiro. Nos últimos anos de
 
vida, o escritor contribuía para o cômico apenas em sua porção
5
de ator, impedido pela televisão brasileira de produzir textos.
 
E o que ele dizia sobre a risada ajuda a entender a acomoda-
 
ção de muitos humoristas contemporâneos. Porque, quando eles
 
h umilham aqueles julgados inferiores, os pobres, os analfabetos,
 
os negros, os nordestinos, todos os oprimidos que parece fácil
10
espezinhar, não funcionam bem como humoristas. O humor deve
 
ser o oposto disto, uma restauração do que é justo, para a qual
 
desancar aqueles em condições piores do que as suas não vale.
 
Rimos, isso sim, do superior, do arrogante, daquele que rouba
 
nosso lugar social.
15
O curioso é perceber como o Brasil de muito tempo atrás
 
sabia disso, e o ensinava por meio de uma imprensa ocupada em
 
ferir a brutal desigualdade entre os seres e as classes. Ao percor-
 
rer o extenso volume da História da Caricatura Brasileira (Gala
 
Edições), compreendemos que tal humor primitivo não praticava
20
um rosário de ofensas pessoais. Naqueles dias, humor parecia ser
 
apenas, e necessariamente, a virulência em relação aos modos
 
opressivos do poder.
 
A amplitude dessa obra é inédita. Saem da obscuridade os
 
nomes que sucederam ao mais aclamado dos artistas a produzir
25
arte naquele Brasil, Angelo Agostini. Corcundas magros, cor-
 
cundas gordos, corcovas com cabeça de burro, todos esses seres
 
compostos em aspecto polimórfico, com expressivo valor gráfi-
 
co, eram os responsáveis por ilustrar a subserviência a estender-
 
-se pela Corte Imperial. Contra a escravidão, o comodismo dos
30
bem-postos e dos covardes imperialistas, esses artistas operavam
 
seu espírito crítico em jornais de todos os cantos do País.
(Carta Capital.13.02.2013. Adaptado)
Lendo-se a frase – O humor deve ser uma restauração do que é justo, para a qual desancar aqueles em condições piores do que as suas não vale. –, conclui-se que o humor

Questão 4

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
1
O humor deve visar à crítica, não à graça, ensinou Chico
 
Anysio, o humorista popular. E disse isso quando lhe solicitaram
 
considerar o estado atual do riso brasileiro. Nos últimos anos de
 
vida, o escritor contribuía para o cômico apenas em sua porção
5
de ator, impedido pela televisão brasileira de produzir textos.
 
E o que ele dizia sobre a risada ajuda a entender a acomoda-
 
ção de muitos humoristas contemporâneos. Porque, quando eles
 
h umilham aqueles julgados inferiores, os pobres, os analfabetos,
 
os negros, os nordestinos, todos os oprimidos que parece fácil
10
espezinhar, não funcionam bem como humoristas. O humor deve
 
ser o oposto disto, uma restauração do que é justo, para a qual
 
desancar aqueles em condições piores do que as suas não vale.
 
Rimos, isso sim, do superior, do arrogante, daquele que rouba
 
nosso lugar social.
15
O curioso é perceber como o Brasil de muito tempo atrás
 
sabia disso, e o ensinava por meio de uma imprensa ocupada em
 
ferir a brutal desigualdade entre os seres e as classes. Ao percor-
 
rer o extenso volume da História da Caricatura Brasileira (Gala
 
Edições), compreendemos que tal humor primitivo não praticava
20
um rosário de ofensas pessoais. Naqueles dias, humor parecia ser
 
apenas, e necessariamente, a virulência em relação aos modos
 
opressivos do poder.
 
A amplitude dessa obra é inédita. Saem da obscuridade os
 
nomes que sucederam ao mais aclamado dos artistas a produzir
25
arte naquele Brasil, Angelo Agostini. Corcundas magros, cor-
 
cundas gordos, corcovas com cabeça de burro, todos esses seres
 
compostos em aspecto polimórfico, com expressivo valor gráfi-
 
co, eram os responsáveis por ilustrar a subserviência a estender-
 
-se pela Corte Imperial. Contra a escravidão, o comodismo dos
30
bem-postos e dos covardes imperialistas, esses artistas operavam
 
seu espírito crítico em jornais de todos os cantos do País.
(Carta Capital.13.02.2013. Adaptado)
O humor primitivo na época do Brasil Imperial

Questão 5

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
1
O humor deve visar à crítica, não à graça, ensinou Chico
 
Anysio, o humorista popular. E disse isso quando lhe solicitaram
 
considerar o estado atual do riso brasileiro. Nos últimos anos de
 
vida, o escritor contribuía para o cômico apenas em sua porção
5
de ator, impedido pela televisão brasileira de produzir textos.
 
E o que ele dizia sobre a risada ajuda a entender a acomoda-
 
ção de muitos humoristas contemporâneos. Porque, quando eles
 
h umilham aqueles julgados inferiores, os pobres, os analfabetos,
 
os negros, os nordestinos, todos os oprimidos que parece fácil
10
espezinhar, não funcionam bem como humoristas. O humor deve
 
ser o oposto disto, uma restauração do que é justo, para a qual
 
desancar aqueles em condições piores do que as suas não vale.
 
Rimos, isso sim, do superior, do arrogante, daquele que rouba
 
nosso lugar social.
15
O curioso é perceber como o Brasil de muito tempo atrás
 
sabia disso, e o ensinava por meio de uma imprensa ocupada em
 
ferir a brutal desigualdade entre os seres e as classes. Ao percor-
 
rer o extenso volume da História da Caricatura Brasileira (Gala
 
Edições), compreendemos que tal humor primitivo não praticava
20
um rosário de ofensas pessoais. Naqueles dias, humor parecia ser
 
apenas, e necessariamente, a virulência em relação aos modos
 
opressivos do poder.
 
A amplitude dessa obra é inédita. Saem da obscuridade os
 
nomes que sucederam ao mais aclamado dos artistas a produzir
25
arte naquele Brasil, Angelo Agostini. Corcundas magros, cor-
 
cundas gordos, corcovas com cabeça de burro, todos esses seres
 
compostos em aspecto polimórfico, com expressivo valor gráfi-
 
co, eram os responsáveis por ilustrar a subserviência a estender-
 
-se pela Corte Imperial. Contra a escravidão, o comodismo dos
30
bem-postos e dos covardes imperialistas, esses artistas operavam
 
seu espírito crítico em jornais de todos os cantos do País.
(Carta Capital.13.02.2013. Adaptado)
Segundo o texto, corcundas magros e gordos, corcovas com cabeça de burro

Questão 6

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
1
O humor deve visar à crítica, não à graça, ensinou Chico
 
Anysio, o humorista popular. E disse isso quando lhe solicitaram
 
considerar o estado atual do riso brasileiro. Nos últimos anos de
 
vida, o escritor contribuía para o cômico apenas em sua porção
5
de ator, impedido pela televisão brasileira de produzir textos.
 
E o que ele dizia sobre a risada ajuda a entender a acomoda-
 
ção de muitos humoristas contemporâneos. Porque, quando eles
 
h umilham aqueles julgados inferiores, os pobres, os analfabetos,
 
os negros, os nordestinos, todos os oprimidos que parece fácil
10
espezinhar, não funcionam bem como humoristas. O humor deve
 
ser o oposto disto, uma restauração do que é justo, para a qual
 
desancar aqueles em condições piores do que as suas não vale.
 
Rimos, isso sim, do superior, do arrogante, daquele que rouba
 
nosso lugar social.
15
O curioso é perceber como o Brasil de muito tempo atrás
 
sabia disso, e o ensinava por meio de uma imprensa ocupada em
 
ferir a brutal desigualdade entre os seres e as classes. Ao percor-
 
rer o extenso volume da História da Caricatura Brasileira (Gala
 
Edições), compreendemos que tal humor primitivo não praticava
20
um rosário de ofensas pessoais. Naqueles dias, humor parecia ser
 
apenas, e necessariamente, a virulência em relação aos modos
 
opressivos do poder.
 
A amplitude dessa obra é inédita. Saem da obscuridade os
 
nomes que sucederam ao mais aclamado dos artistas a produzir
25
arte naquele Brasil, Angelo Agostini. Corcundas magros, cor-
 
cundas gordos, corcovas com cabeça de burro, todos esses seres
 
compostos em aspecto polimórfico, com expressivo valor gráfi-
 
co, eram os responsáveis por ilustrar a subserviência a estender-
 
-se pela Corte Imperial. Contra a escravidão, o comodismo dos
30
bem-postos e dos covardes imperialistas, esses artistas operavam
 
seu espírito crítico em jornais de todos os cantos do País.
(Carta Capital.13.02.2013. Adaptado)
No trecho – E o que ele dizia sobre a risada ajuda a entender a acomodação de muitos humoristas contemporâneos. Porque, quando eles humilham aqueles julgados inferiores, que parece fácil espezinhar, não funcionam bem como humoristas. – as expressões em destaque, estão correta e respectivamente substituídas, por

Questão 7

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
1
O humor deve visar à crítica, não à graça, ensinou Chico
 
Anysio, o humorista popular. E disse isso quando lhe solicitaram
 
considerar o estado atual do riso brasileiro. Nos últimos anos de
 
vida, o escritor contribuía para o cômico apenas em sua porção
5
de ator, impedido pela televisão brasileira de produzir textos.
 
E o que ele dizia sobre a risada ajuda a entender a acomoda-
 
ção de muitos humoristas contemporâneos. Porque, quando eles
 
h umilham aqueles julgados inferiores, os pobres, os analfabetos,
 
os negros, os nordestinos, todos os oprimidos que parece fácil
10
espezinhar, não funcionam bem como humoristas. O humor deve
 
ser o oposto disto, uma restauração do que é justo, para a qual
 
desancar aqueles em condições piores do que as suas não vale.
 
Rimos, isso sim, do superior, do arrogante, daquele que rouba
 
nosso lugar social.
15
O curioso é perceber como o Brasil de muito tempo atrás
 
sabia disso, e o ensinava por meio de uma imprensa ocupada em
 
ferir a brutal desigualdade entre os seres e as classes. Ao percor-
 
rer o extenso volume da História da Caricatura Brasileira (Gala
 
Edições), compreendemos que tal humor primitivo não praticava
20
um rosário de ofensas pessoais. Naqueles dias, humor parecia ser
 
apenas, e necessariamente, a virulência em relação aos modos
 
opressivos do poder.
 
A amplitude dessa obra é inédita. Saem da obscuridade os
 
nomes que sucederam ao mais aclamado dos artistas a produzir
25
arte naquele Brasil, Angelo Agostini. Corcundas magros, cor-
 
cundas gordos, corcovas com cabeça de burro, todos esses seres
 
compostos em aspecto polimórfico, com expressivo valor gráfi-
 
co, eram os responsáveis por ilustrar a subserviência a estender-
 
-se pela Corte Imperial. Contra a escravidão, o comodismo dos
30
bem-postos e dos covardes imperialistas, esses artistas operavam
 
seu espírito crítico em jornais de todos os cantos do País.
(Carta Capital.13.02.2013. Adaptado)
Assinale a alternativa que reescreve corretamente, de acordo com a modalidade-padrão, a frase – O humor deve visar à crítica, não à graça e deve ser o oposto da chacota.

Questão 8

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
1
O humor deve visar à crítica, não à graça, ensinou Chico
 
Anysio, o humorista popular. E disse isso quando lhe solicitaram
 
considerar o estado atual do riso brasileiro. Nos últimos anos de
 
vida, o escritor contribuía para o cômico apenas em sua porção
5
de ator, impedido pela televisão brasileira de produzir textos.
 
E o que ele dizia sobre a risada ajuda a entender a acomoda-
 
ção de muitos humoristas contemporâneos. Porque, quando eles
 
h umilham aqueles julgados inferiores, os pobres, os analfabetos,
 
os negros, os nordestinos, todos os oprimidos que parece fácil
10
espezinhar, não funcionam bem como humoristas. O humor deve
 
ser o oposto disto, uma restauração do que é justo, para a qual
 
desancar aqueles em condições piores do que as suas não vale.
 
Rimos, isso sim, do superior, do arrogante, daquele que rouba
 
nosso lugar social.
15
O curioso é perceber como o Brasil de muito tempo atrás
 
sabia disso, e o ensinava por meio de uma imprensa ocupada em
 
ferir a brutal desigualdade entre os seres e as classes. Ao percor-
 
rer o extenso volume da História da Caricatura Brasileira (Gala
 
Edições), compreendemos que tal humor primitivo não praticava
20
um rosário de ofensas pessoais. Naqueles dias, humor parecia ser
 
apenas, e necessariamente, a virulência em relação aos modos
 
opressivos do poder.
 
A amplitude dessa obra é inédita. Saem da obscuridade os
 
nomes que sucederam ao mais aclamado dos artistas a produzir
25
arte naquele Brasil, Angelo Agostini. Corcundas magros, cor-
 
cundas gordos, corcovas com cabeça de burro, todos esses seres
 
compostos em aspecto polimórfico, com expressivo valor gráfi-
 
co, eram os responsáveis por ilustrar a subserviência a estender-
 
-se pela Corte Imperial. Contra a escravidão, o comodismo dos
30
bem-postos e dos covardes imperialistas, esses artistas operavam
 
seu espírito crítico em jornais de todos os cantos do País.
(Carta Capital.13.02.2013. Adaptado)
Assinale a alternativa que reescreve, de acordo com a concordância e a pontuação, a frase – Saem da obscuridade os nomes que sucederam ao mais aclamado dos artistas a produzir arte naquele Brasil, Angelo Agostini.

Questão 9

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
1
O humor deve visar à crítica, não à graça, ensinou Chico
 
Anysio, o humorista popular. E disse isso quando lhe solicitaram
 
considerar o estado atual do riso brasileiro. Nos últimos anos de
 
vida, o escritor contribuía para o cômico apenas em sua porção
5
de ator, impedido pela televisão brasileira de produzir textos.
 
E o que ele dizia sobre a risada ajuda a entender a acomoda-
 
ção de muitos humoristas contemporâneos. Porque, quando eles
 
h umilham aqueles julgados inferiores, os pobres, os analfabetos,
 
os negros, os nordestinos, todos os oprimidos que parece fácil
10
espezinhar, não funcionam bem como humoristas. O humor deve
 
ser o oposto disto, uma restauração do que é justo, para a qual
 
desancar aqueles em condições piores do que as suas não vale.
 
Rimos, isso sim, do superior, do arrogante, daquele que rouba
 
nosso lugar social.
15
O curioso é perceber como o Brasil de muito tempo atrás
 
sabia disso, e o ensinava por meio de uma imprensa ocupada em
 
ferir a brutal desigualdade entre os seres e as classes. Ao percor-
 
rer o extenso volume da História da Caricatura Brasileira (Gala
 
Edições), compreendemos que tal humor primitivo não praticava
20
um rosário de ofensas pessoais. Naqueles dias, humor parecia ser
 
apenas, e necessariamente, a virulência em relação aos modos
 
opressivos do poder.
 
A amplitude dessa obra é inédita. Saem da obscuridade os
 
nomes que sucederam ao mais aclamado dos artistas a produzir
25
arte naquele Brasil, Angelo Agostini. Corcundas magros, cor-
 
cundas gordos, corcovas com cabeça de burro, todos esses seres
 
compostos em aspecto polimórfico, com expressivo valor gráfi-
 
co, eram os responsáveis por ilustrar a subserviência a estender-
 
-se pela Corte Imperial. Contra a escravidão, o comodismo dos
30
bem-postos e dos covardes imperialistas, esses artistas operavam
 
seu espírito crítico em jornais de todos os cantos do País.
(Carta Capital.13.02.2013. Adaptado)
Na frase – … compreendemos que tal humor primitivo não praticava um rosário de ofensas pessoais. –, observa-se e mprego de expressão com sentido figurado, o que ocorre também em:

Questão 10

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
1
O humor deve visar à crítica, não à graça, ensinou Chico
 
Anysio, o humorista popular. E disse isso quando lhe solicitaram
 
considerar o estado atual do riso brasileiro. Nos últimos anos de
 
vida, o escritor contribuía para o cômico apenas em sua porção
5
de ator, impedido pela televisão brasileira de produzir textos.
 
E o que ele dizia sobre a risada ajuda a entender a acomoda-
 
ção de muitos humoristas contemporâneos. Porque, quando eles
 
h umilham aqueles julgados inferiores, os pobres, os analfabetos,
 
os negros, os nordestinos, todos os oprimidos que parece fácil
10
espezinhar, não funcionam bem como humoristas. O humor deve
 
ser o oposto disto, uma restauração do que é justo, para a qual
 
desancar aqueles em condições piores do que as suas não vale.
 
Rimos, isso sim, do superior, do arrogante, daquele que rouba
 
nosso lugar social.
15
O curioso é perceber como o Brasil de muito tempo atrás
 
sabia disso, e o ensinava por meio de uma imprensa ocupada em
 
ferir a brutal desigualdade entre os seres e as classes. Ao percor-
 
rer o extenso volume da História da Caricatura Brasileira (Gala
 
Edições), compreendemos que tal humor primitivo não praticava
20
um rosário de ofensas pessoais. Naqueles dias, humor parecia ser
 
apenas, e necessariamente, a virulência em relação aos modos
 
opressivos do poder.
 
A amplitude dessa obra é inédita. Saem da obscuridade os
 
nomes que sucederam ao mais aclamado dos artistas a produzir
25
arte naquele Brasil, Angelo Agostini. Corcundas magros, cor-
 
cundas gordos, corcovas com cabeça de burro, todos esses seres
 
compostos em aspecto polimórfico, com expressivo valor gráfi-
 
co, eram os responsáveis por ilustrar a subserviência a estender-
 
-se pela Corte Imperial. Contra a escravidão, o comodismo dos
30
bem-postos e dos covardes imperialistas, esses artistas operavam
 
seu espírito crítico em jornais de todos os cantos do País.
(Carta Capital.13.02.2013. Adaptado)
A frase – O humor deve ser uma restauração da justiça e desancar os inferiores não vale. – está corretamente reescrita, de acordo com o sentido, em

Questão 11

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
Observe a figura.

(www.google.com.br)

Sobre a caricatura, criada por Aurélio Figueiredo, para a revista A Comédia Social, em 1870, e intitulada “Carro do progresso nacional”, é correto afirmar que ela

Questão 12

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
1
Vai, meu irmão
 
Pega esse avião
 
Você tem razão de correr assim
 
Desse frio, mas beija
5
O meu Rio de Janeiro
 
Antes que um aventureiro
 
Lance mão
 
Pede perdão
 
Pela duração dessa temporada
10
Mas não diga nada
 
Que me viu chorando
 
E pros da pesada
 
Diz que vou levando
 
Vê como é que anda
15
Aquela vida à-toa
 
E se puder me manda
 
Uma notícia boa
Canção Samba de Orly, de Vinicius de Morais
De acordo com a canção,

Questão 13

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
1
Vai, meu irmão
 
Pega esse avião
 
Você tem razão de correr assim
 
Desse frio, mas beija
5
O meu Rio de Janeiro
 
Antes que um aventureiro
 
Lance mão
 
Pede perdão
 
Pela duração dessa temporada
10
Mas não diga nada
 
Que me viu chorando
 
E pros da pesada
 
Diz que vou levando
 
Vê como é que anda
15
Aquela vida à-toa
 
E se puder me manda
 
Uma notícia boa
Canção Samba de Orly, de Vinicius de Morais
Considerando-se o emprego do pronome você, as formas verbais em – Vai, meu irmão/Pega esse avião – estariam em conformidade com a modalidade-padrão em

Questão 14

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
1
Hélio Schwartsman
 
 
SÃO PAULO – Saiu mais um estudo mostrando que o en-
 
sino de matemática no Brasil não anda bem. A pergunta é: pode-
5
mos viver sem dominar o básico da matemática? Durante muito
 
tempo, a resposta foi sim. Aqueles que não simpatizavam muito
 
com Pitágoras podiam simplesmente escolher carreiras nas quais
 
os números não encontravam muito espaço, como direito, jorna-
 
lismo, as humanidades e até a medicina de antigamente.
10
Como observa Steven Pinker, ainda hoje, nos meios univer-
 
sitários, é considerado aceitável que um intelectual se vanglorie
 
de ter passado raspando em física e de ignorar o beabá da esta-
 
tística. Mas ai de quem admitir nunca ter lido Joyce ou dizer que
 
não gosta de Mozart. Sobre ele recairão olhares tão recriminado-
15
res quanto sobre o sujeito que assoa o nariz na manga da camisa.
 
Joyce e Mozart são ótimos, mas eles, como quase toda a cul-
 
tura humanística, têm pouca relevância para nossa vida prática.
 
Já a cultura científica, que muitos ainda tratam com uma ponta
 
de desprezo, torna-se cada vez mais fundamental, mesmo para
20
quem não pretende ser engenheiro ou seguir carreiras técnicas.
 
Como sobreviver à era do crédito farto sem saber calcular as
 
armadilhas que uma taxa de juros pode esconder? Hoje, é difícil
 
até posicionar-se de forma racional sobre políticas públicas sem
 
assimilar toda a numeralha que idealmente as informa. Conhe-
25
cimentos rudimentares de estatística são pré-requisito para com-
 
preender as novas pesquisas que trazem informações relevantes
 
para nossa saúde e bem-estar.
 
A matemática está no centro de algumas das mais intrigan-
 
tes especulações cosmológicas da atualidade. Se as equações
30
da mecânica quântica indicam que existem universos paralelos,
 
isso basta para que acreditemos neles? Ou, no rastro de Eugene
 
Wigner, podemos nos perguntar por que a matemática é tão efi-
 
caz para exprimir as leis da física.
(Folha de S.Paulo. 06.04.2013. Adaptado)
Releia os trechos apresentados a seguir.
•   Aqueles que não simpatizavam muito com Pitágoras podiam simplesmente escolher carreiras nas quais os números não encontravam muito espaço... (1.º parágrafo)
•   Já a cultura científica, que muitos ainda tratam com uma ponta de desprezo, torna-se cada vez mais fundamental... (3.º parágrafo)

Os advérbios em destaque nos trechos expressam, correta e respectivamente, circunstâncias de

Questão 15

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
1
Vai, meu irmão
 
Pega esse avião
 
Você tem razão de correr assim
 
Desse frio, mas beija
5
O meu Rio de Janeiro
 
Antes que um aventureiro
 
Lance mão
 
Pede perdão
 
Pela duração dessa temporada
10
Mas não diga nada
 
Que me viu chorando
 
E pros da pesada
 
Diz que vou levando
 
Vê como é que anda
15
Aquela vida à-toa
 
E se puder me manda
 
Uma notícia boa
Canção Samba de Orly, de Vinicius de Morais
Os versos do poema reescritos assumem versão correta quanto à colocação pronominal em:

Questão 16

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
Carlos é engenheiro e matemático, mas não é físico. Sílvio é engenheiro e físico, mas não é matemático. Antonio e Roberto não são engenheiros, mas são matemáticos e físicos. Somente Walter é engenheiro, matemático e físico. Se em um grupo de profissionais do qual participam todos os citados existem apenas engenheiros, matemáticos e físicos, sendo 10, 8 e 7 pessoas, respectivamente, de cada área, e somente os profissionais citados têm mais de uma formação nesse grupo, então é possível afirmar, corretamente, que o número de pessoas nesse grupo é

Questão 17

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
Se sou responsável, então sou um bom profissional.

Uma afirmação equivalente à afirmação acima está contida no item:

Questão 18

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
Considere verdadeiras as seguintes afirmações:

I. Alguns engenheiros têm mais de um diploma de graduação.
II. Todos os engenheiros estudaram, no mínimo, cinco anos de bacharelado.

Com base apenas nessas duas afirmações, conclui-se corretamente que

Questão 19

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
Considere as premissas a seguir.

I. Se Ana não é biblioteconomista, então Fábio é engenheiro.
II. Se Carlos é administrador, então Marta não é nutricionista.
III. Fábio não é engenheiro e Marta é nutricionista.

Uma conclusão que pode ser indicada para que, juntamente com essas três premissas, origine-se um argumento válido é

Questão 20

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
Uma negação lógica para a proposição a Terra é redonda se e somente se o céu não é azul pode ser dada por

Questão 21

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
1
By Dow Jones Business News
 
January 31, 2013
 
Brazil’s unemployment rate for 2012 fell to 5.5%, down
 
from the previous record low of 6.0% recorded last year, the
5
Brazilian Institute of Geography and Statistics, or IBGE, said
 
Thursday. In December, unemployment fell to 4.6% compared
 
with 4.9% in November, besting the previous record monthly
 
low of 4.7% registered in December 2011, the IBGE said.
 
The 2012 average unemployment rate was in line with
10
the 5.5% median estimate of economists polled by the local
 
Estado news agency. Analysts had also pegged December’s
 
unemployment rate at 4.4%.
 
Brazil’s unemployment rate remains at historically low
 
levels despite sluggish economic activity. Salaries have also
15
been on the upswing in an ominous sign for inflation – a key
 
area of concern for the Brazilian Central Bank after a series of
 
interest rate cuts brought local interest rates to record lows last
 
year. Inflation ended 2012 at 5.84%.
 
The average monthly Brazilian salary retreated slightly to
20
1,805.00 Brazilian reais ($908.45) in December, down from the
 
record high BRL1,809.60 registered in November, the IBGE
 
said. Wages trended higher in 2012 as employee groups called
 
on Brazilian companies and the government to increase wages
 
and benefits to counter higher local prices. Companies were also
25
forced to pay more to hire and retain workers because of the
 
country’s low unemployment.
 
The IBGE measures unemployment in six of Brazil’s
 
largest metropolitan areas, including São Paulo, Rio de Janeiro,
 
Salvador, Belo Horizonte, Recife and Porto Alegre. Brazil’s
30
unemployment rate, however, is not fully comparable to jobless
 
rates in developed countries as a large portion of the population
 
is either underemployed or works informally without paying
 
taxes. In addition, workers not actively seeking a job in the
 
month before the survey don’t count as unemployed under the
35
IBGE’s methodology. The survey also doesn’t take into account
 
farm workers.
(www.nasdaq.com. Adaptado)
Segundo o texto, o índice de desemprego no Brasil

Questão 22

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
1
By Dow Jones Business News
 
January 31, 2013
 
Brazil’s unemployment rate for 2012 fell to 5.5%, down
 
from the previous record low of 6.0% recorded last year, the
5
Brazilian Institute of Geography and Statistics, or IBGE, said
 
Thursday. In December, unemployment fell to 4.6% compared
 
with 4.9% in November, besting the previous record monthly
 
low of 4.7% registered in December 2011, the IBGE said.
 
The 2012 average unemployment rate was in line with
10
the 5.5% median estimate of economists polled by the local
 
Estado news agency. Analysts had also pegged December’s
 
unemployment rate at 4.4%.
 
Brazil’s unemployment rate remains at historically low
 
levels despite sluggish economic activity. Salaries have also
15
been on the upswing in an ominous sign for inflation – a key
 
area of concern for the Brazilian Central Bank after a series of
 
interest rate cuts brought local interest rates to record lows last
 
year. Inflation ended 2012 at 5.84%.
 
The average monthly Brazilian salary retreated slightly to
20
1,805.00 Brazilian reais ($908.45) in December, down from the
 
record high BRL1,809.60 registered in November, the IBGE
 
said. Wages trended higher in 2012 as employee groups called
 
on Brazilian companies and the government to increase wages
 
and benefits to counter higher local prices. Companies were also
25
forced to pay more to hire and retain workers because of the
 
country’s low unemployment.
 
The IBGE measures unemployment in six of Brazil’s
 
largest metropolitan areas, including São Paulo, Rio de Janeiro,
 
Salvador, Belo Horizonte, Recife and Porto Alegre. Brazil’s
30
unemployment rate, however, is not fully comparable to jobless
 
rates in developed countries as a large portion of the population
 
is either underemployed or works informally without paying
 
taxes. In addition, workers not actively seeking a job in the
 
month before the survey don’t count as unemployed under the
35
IBGE’s methodology. The survey also doesn’t take into account
 
farm workers.
(www.nasdaq.com. Adaptado)
Segundo o texto, a atividade econômica no Brasil

Questão 23

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
1
By Dow Jones Business News
 
January 31, 2013
 
Brazil’s unemployment rate for 2012 fell to 5.5%, down
 
from the previous record low of 6.0% recorded last year, the
5
Brazilian Institute of Geography and Statistics, or IBGE, said
 
Thursday. In December, unemployment fell to 4.6% compared
 
with 4.9% in November, besting the previous record monthly
 
low of 4.7% registered in December 2011, the IBGE said.
 
The 2012 average unemployment rate was in line with
10
the 5.5% median estimate of economists polled by the local
 
Estado news agency. Analysts had also pegged December’s
 
unemployment rate at 4.4%.
 
Brazil’s unemployment rate remains at historically low
 
levels despite sluggish economic activity. Salaries have also
15
been on the upswing in an ominous sign for inflation – a key
 
area of concern for the Brazilian Central Bank after a series of
 
interest rate cuts brought local interest rates to record lows last
 
year. Inflation ended 2012 at 5.84%.
 
The average monthly Brazilian salary retreated slightly to
20
1,805.00 Brazilian reais ($908.45) in December, down from the
 
record high BRL1,809.60 registered in November, the IBGE
 
said. Wages trended higher in 2012 as employee groups called
 
on Brazilian companies and the government to increase wages
 
and benefits to counter higher local prices. Companies were also
25
forced to pay more to hire and retain workers because of the
 
country’s low unemployment.
 
The IBGE measures unemployment in six of Brazil’s
 
largest metropolitan areas, including São Paulo, Rio de Janeiro,
 
Salvador, Belo Horizonte, Recife and Porto Alegre. Brazil’s
30
unemployment rate, however, is not fully comparable to jobless
 
rates in developed countries as a large portion of the population
 
is either underemployed or works informally without paying
 
taxes. In addition, workers not actively seeking a job in the
 
month before the survey don’t count as unemployed under the
35
IBGE’s methodology. The survey also doesn’t take into account
 
farm workers.
(www.nasdaq.com. Adaptado)
De acordo com o texto, em 2012, os salários

Questão 24

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
1
By Dow Jones Business News
 
January 31, 2013
 
Brazil’s unemployment rate for 2012 fell to 5.5%, down
 
from the previous record low of 6.0% recorded last year, the
5
Brazilian Institute of Geography and Statistics, or IBGE, said
 
Thursday. In December, unemployment fell to 4.6% compared
 
with 4.9% in November, besting the previous record monthly
 
low of 4.7% registered in December 2011, the IBGE said.
 
The 2012 average unemployment rate was in line with
10
the 5.5% median estimate of economists polled by the local
 
Estado news agency. Analysts had also pegged December’s
 
unemployment rate at 4.4%.
 
Brazil’s unemployment rate remains at historically low
 
levels despite sluggish economic activity. Salaries have also
15
been on the upswing in an ominous sign for inflation – a key
 
area of concern for the Brazilian Central Bank after a series of
 
interest rate cuts brought local interest rates to record lows last
 
year. Inflation ended 2012 at 5.84%.
 
The average monthly Brazilian salary retreated slightly to
20
1,805.00 Brazilian reais ($908.45) in December, down from the
 
record high BRL1,809.60 registered in November, the IBGE
 
said. Wages trended higher in 2012 as employee groups called
 
on Brazilian companies and the government to increase wages
 
and benefits to counter higher local prices. Companies were also
25
forced to pay more to hire and retain workers because of the
 
country’s low unemployment.
 
The IBGE measures unemployment in six of Brazil’s
 
largest metropolitan areas, including São Paulo, Rio de Janeiro,
 
Salvador, Belo Horizonte, Recife and Porto Alegre. Brazil’s
30
unemployment rate, however, is not fully comparable to jobless
 
rates in developed countries as a large portion of the population
 
is either underemployed or works informally without paying
 
taxes. In addition, workers not actively seeking a job in the
 
month before the survey don’t count as unemployed under the
35
IBGE’s methodology. The survey also doesn’t take into account
 
farm workers.
(www.nasdaq.com. Adaptado)
De acordo com o texto, a metodologia do IBGE para o cálculo do índice de desemprego

Questão 25

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
1
By Dow Jones Business News
 
January 31, 2013
 
Brazil’s unemployment rate for 2012 fell to 5.5%, down
 
from the previous record low of 6.0% recorded last year, the
5
Brazilian Institute of Geography and Statistics, or IBGE, said
 
Thursday. In December, unemployment fell to 4.6% compared
 
with 4.9% in November, besting the previous record monthly
 
low of 4.7% registered in December 2011, the IBGE said.
 
The 2012 average unemployment rate was in line with
10
the 5.5% median estimate of economists polled by the local
 
Estado news agency. Analysts had also pegged December’s
 
unemployment rate at 4.4%.
 
Brazil’s unemployment rate remains at historically low
 
levels despite sluggish economic activity. Salaries have also
15
been on the upswing in an ominous sign for inflation – a key
 
area of concern for the Brazilian Central Bank after a series of
 
interest rate cuts brought local interest rates to record lows last
 
year. Inflation ended 2012 at 5.84%.
 
The average monthly Brazilian salary retreated slightly to
20
1,805.00 Brazilian reais ($908.45) in December, down from the
 
record high BRL1,809.60 registered in November, the IBGE
 
said. Wages trended higher in 2012 as employee groups called
 
on Brazilian companies and the government to increase wages
 
and benefits to counter higher local prices. Companies were also
25
forced to pay more to hire and retain workers because of the
 
country’s low unemployment.
 
The IBGE measures unemployment in six of Brazil’s
 
largest metropolitan areas, including São Paulo, Rio de Janeiro,
 
Salvador, Belo Horizonte, Recife and Porto Alegre. Brazil’s
30
unemployment rate, however, is not fully comparable to jobless
 
rates in developed countries as a large portion of the population
 
is either underemployed or works informally without paying
 
taxes. In addition, workers not actively seeking a job in the
 
month before the survey don’t count as unemployed under the
35
IBGE’s methodology. The survey also doesn’t take into account
 
farm workers.
(www.nasdaq.com. Adaptado)
O trecho do terceiro parágrafo – a key area of concern – refere-se, no texto, a

Questão 26

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
1
By Dow Jones Business News
 
January 31, 2013
 
Brazil’s unemployment rate for 2012 fell to 5.5%, down
 
from the previous record low of 6.0% recorded last year, the
5
Brazilian Institute of Geography and Statistics, or IBGE, said
 
Thursday. In December, unemployment fell to 4.6% compared
 
with 4.9% in November, besting the previous record monthly
 
low of 4.7% registered in December 2011, the IBGE said.
 
The 2012 average unemployment rate was in line with
10
the 5.5% median estimate of economists polled by the local
 
Estado news agency. Analysts had also pegged December’s
 
unemployment rate at 4.4%.
 
Brazil’s unemployment rate remains at historically low
 
levels despite sluggish economic activity. Salaries have also
15
been on the upswing in an ominous sign for inflation – a key
 
area of concern for the Brazilian Central Bank after a series of
 
interest rate cuts brought local interest rates to record lows last
 
year. Inflation ended 2012 at 5.84%.
 
The average monthly Brazilian salary retreated slightly to
20
1,805.00 Brazilian reais ($908.45) in December, down from the
 
record high BRL1,809.60 registered in November, the IBGE
 
said. Wages trended higher in 2012 as employee groups called
 
on Brazilian companies and the government to increase wages
 
and benefits to counter higher local prices. Companies were also
25
forced to pay more to hire and retain workers because of the
 
country’s low unemployment.
 
The IBGE measures unemployment in six of Brazil’s
 
largest metropolitan areas, including São Paulo, Rio de Janeiro,
 
Salvador, Belo Horizonte, Recife and Porto Alegre. Brazil’s
30
unemployment rate, however, is not fully comparable to jobless
 
rates in developed countries as a large portion of the population
 
is either underemployed or works informally without paying
 
taxes. In addition, workers not actively seeking a job in the
 
month before the survey don’t count as unemployed under the
35
IBGE’s methodology. The survey also doesn’t take into account
 
farm workers.
(www.nasdaq.com. Adaptado)
No trecho do terceiro parágrafo – Brazil’s unemployment rate remains at historically low levels despite sluggish economic activity. – a palavra despite equivale, em português a

Questão 27

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
1
By Dow Jones Business News
 
January 31, 2013
 
Brazil’s unemployment rate for 2012 fell to 5.5%, down
 
from the previous record low of 6.0% recorded last year, the
5
Brazilian Institute of Geography and Statistics, or IBGE, said
 
Thursday. In December, unemployment fell to 4.6% compared
 
with 4.9% in November, besting the previous record monthly
 
low of 4.7% registered in December 2011, the IBGE said.
 
The 2012 average unemployment rate was in line with
10
the 5.5% median estimate of economists polled by the local
 
Estado news agency. Analysts had also pegged December’s
 
unemployment rate at 4.4%.
 
Brazil’s unemployment rate remains at historically low
 
levels despite sluggish economic activity. Salaries have also
15
been on the upswing in an ominous sign for inflation – a key
 
area of concern for the Brazilian Central Bank after a series of
 
interest rate cuts brought local interest rates to record lows last
 
year. Inflation ended 2012 at 5.84%.
 
The average monthly Brazilian salary retreated slightly to
20
1,805.00 Brazilian reais ($908.45) in December, down from the
 
record high BRL1,809.60 registered in November, the IBGE
 
said. Wages trended higher in 2012 as employee groups called
 
on Brazilian companies and the government to increase wages
 
and benefits to counter higher local prices. Companies were also
25
forced to pay more to hire and retain workers because of the
 
country’s low unemployment.
 
The IBGE measures unemployment in six of Brazil’s
 
largest metropolitan areas, including São Paulo, Rio de Janeiro,
 
Salvador, Belo Horizonte, Recife and Porto Alegre. Brazil’s
30
unemployment rate, however, is not fully comparable to jobless
 
rates in developed countries as a large portion of the population
 
is either underemployed or works informally without paying
 
taxes. In addition, workers not actively seeking a job in the
 
month before the survey don’t count as unemployed under the
35
IBGE’s methodology. The survey also doesn’t take into account
 
farm workers.
(www.nasdaq.com. Adaptado)
No trecho do quarto parágrafo – Companies were also forced to pay more to hire and retain workers because of the country’s low unemployment. – because introduz uma

Questão 28

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
1
Aquilo que a tradição jurídica europeia continental
 
chama de Estado de direito é, com apenas pequenas
 
distinções, basicamente o que a tradição jurídica
 
anglo-saxônica chama de rule of law (domínio da lei), ou
5
seja, a garantia de proibição do exercício arbitrário do poder,
 
a exigência de normas públicas claras e consistentes e a
 
existência de tribunais acessíveis e estruturados para ouvir e
 
determinar as diversas reivindicações legais. Contudo, ao
 
contrário do que ocorre com a expressão Estado de direito, o
10
termo rule of law não apresenta qualquer indício de
 
contradição ou de redundância, pois o que ele evoca é
 
claramente uma limitação ao exercício do poder político, ou
 
seja, a eliminação do arbítrio no exercício dos poderes
 
públicos com a consequente garantia de direitos dos
15
indivíduos perante esses poderes.
 
A tradição anglo-saxônica do rule of law não atribui
 
uma dimensão meramente formal à ideia de Estado de
 
direito, incluindo também uma dimensão substancial. Com
 
efeito, a rule of law não apenas submete o exercício do
20
poder ao direito, concebendo diversos mecanismos de
 
controle dos atos governamentais, mas também concede aos
 
indivíduos direitos inalienáveis anteriores à própria ordem
 
estatal. Nesse sentido, é importante ressaltar que o princípio
 
do devido processo legal relaciona-se à ideia de que os
25
indivíduos, além de serem tratados segundo aquilo que a lei
 
lhes reserva ou atribui (igualdade perante a lei), devem
 
fundamentalmente ser tratados segundo procedimentos
 
justos e equitativos.
 
Nos países que pertencem à tradição do civil law, ao
30
contrário, a noção de Estado de direito foi concebida
 
inicialmente em uma dimensão meramente formal,
 
confundindo-se com o próprio princípio da legalidade, que
 
estabelece que todos os atos emanados dos órgãos do
 
Estado devem estar habilitados juridicamente, isto é, devem
35
estar fundados e motivados em uma hierarquia de normas
 
públicas, claras, abstratas e gerais.
 
Essa submissão do poder estatal à hierarquia das
 
normas sofreu uma inflexão com o advento do chamado
 
Estado de bem-estar social. Esse novo modelo, oriundo das
40
revoluções sociais do século XX, passou a atribuir novas
 
responsabilidades à ordem estatal, principalmente a de
 
assumir o desenvolvimento econômico e social, criando
 
mecanismos de proteção contra os efeitos colaterais da
 
economia de mercado.
45
Nos últimos anos, a tradição continental passou a
 
incorporar a dimensão substancial da rule of law, incluindo
 
dispositivos de garantia dos direitos fundamentais. Essa
 
nova modalidade de Estado de direito vem recebendo o
 
nome de Estado constitucional. A principal distinção entre o
50
Estado constitucional e as antigas noções de Estado de
 
direito encontra-se no fato de que o primeiro não se limita
 
aos aspectos formais da legalidade do exercício do poder,
 
mas inclui normas substanciais expressas nos chamados
 
princípios constitucionais e nas normas relativas aos direitos
55
fundamentais.
 
Eduardo R. Rabenhorst. Democracia e direitos fundamentais. Em torno da noção de estado de direito. Internet: www.dhnet.org.br (com adaptações).
Em relação a aspectos morfossintáticos e semânticos do texto, assinale a alternativa correta.

Questão 29

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
1
By Dow Jones Business News
 
January 31, 2013
 
Brazil’s unemployment rate for 2012 fell to 5.5%, down
 
from the previous record low of 6.0% recorded last year, the
5
Brazilian Institute of Geography and Statistics, or IBGE, said
 
Thursday. In December, unemployment fell to 4.6% compared
 
with 4.9% in November, besting the previous record monthly
 
low of 4.7% registered in December 2011, the IBGE said.
 
The 2012 average unemployment rate was in line with
10
the 5.5% median estimate of economists polled by the local
 
Estado news agency. Analysts had also pegged December’s
 
unemployment rate at 4.4%.
 
Brazil’s unemployment rate remains at historically low
 
levels despite sluggish economic activity. Salaries have also
15
been on the upswing in an ominous sign for inflation – a key
 
area of concern for the Brazilian Central Bank after a series of
 
interest rate cuts brought local interest rates to record lows last
 
year. Inflation ended 2012 at 5.84%.
 
The average monthly Brazilian salary retreated slightly to
20
1,805.00 Brazilian reais ($908.45) in December, down from the
 
record high BRL1,809.60 registered in November, the IBGE
 
said. Wages trended higher in 2012 as employee groups called
 
on Brazilian companies and the government to increase wages
 
and benefits to counter higher local prices. Companies were also
25
forced to pay more to hire and retain workers because of the
 
country’s low unemployment.
 
The IBGE measures unemployment in six of Brazil’s
 
largest metropolitan areas, including São Paulo, Rio de Janeiro,
 
Salvador, Belo Horizonte, Recife and Porto Alegre. Brazil’s
30
unemployment rate, however, is not fully comparable to jobless
 
rates in developed countries as a large portion of the population
 
is either underemployed or works informally without paying
 
taxes. In addition, workers not actively seeking a job in the
 
month before the survey don’t count as unemployed under the
35
IBGE’s methodology. The survey also doesn’t take into account
 
farm workers.
(www.nasdaq.com. Adaptado)
O trecho do quinto parágrafo – workers not actively seeking a job – pode ser reescrito, sem alteração de sentido, como

Questão 30

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
1
Aquilo que a tradição jurídica europeia continental
 
chama de Estado de direito é, com apenas pequenas
 
distinções, basicamente o que a tradição jurídica
 
anglo-saxônica chama de rule of law (domínio da lei), ou
5
seja, a garantia de proibição do exercício arbitrário do poder,
 
a exigência de normas públicas claras e consistentes e a
 
existência de tribunais acessíveis e estruturados para ouvir e
 
determinar as diversas reivindicações legais. Contudo, ao
 
contrário do que ocorre com a expressão Estado de direito, o
10
termo rule of law não apresenta qualquer indício de
 
contradição ou de redundância, pois o que ele evoca é
 
claramente uma limitação ao exercício do poder político, ou
 
seja, a eliminação do arbítrio no exercício dos poderes
 
públicos com a consequente garantia de direitos dos
15
indivíduos perante esses poderes.
 
A tradição anglo-saxônica do rule of law não atribui
 
uma dimensão meramente formal à ideia de Estado de
 
direito, incluindo também uma dimensão substancial. Com
 
efeito, a rule of law não apenas submete o exercício do
20
poder ao direito, concebendo diversos mecanismos de
 
controle dos atos governamentais, mas também concede aos
 
indivíduos direitos inalienáveis anteriores à própria ordem
 
estatal. Nesse sentido, é importante ressaltar que o princípio
 
do devido processo legal relaciona-se à ideia de que os
25
indivíduos, além de serem tratados segundo aquilo que a lei
 
lhes reserva ou atribui (igualdade perante a lei), devem
 
fundamentalmente ser tratados segundo procedimentos
 
justos e equitativos.
 
Nos países que pertencem à tradição do civil law, ao
30
contrário, a noção de Estado de direito foi concebida
 
inicialmente em uma dimensão meramente formal,
 
confundindo-se com o próprio princípio da legalidade, que
 
estabelece que todos os atos emanados dos órgãos do
 
Estado devem estar habilitados juridicamente, isto é, devem
35
estar fundados e motivados em uma hierarquia de normas
 
públicas, claras, abstratas e gerais.
 
Essa submissão do poder estatal à hierarquia das
 
normas sofreu uma inflexão com o advento do chamado
 
Estado de bem-estar social. Esse novo modelo, oriundo das
40
revoluções sociais do século XX, passou a atribuir novas
 
responsabilidades à ordem estatal, principalmente a de
 
assumir o desenvolvimento econômico e social, criando
 
mecanismos de proteção contra os efeitos colaterais da
 
economia de mercado.
45
Nos últimos anos, a tradição continental passou a
 
incorporar a dimensão substancial da rule of law, incluindo
 
dispositivos de garantia dos direitos fundamentais. Essa
 
nova modalidade de Estado de direito vem recebendo o
 
nome de Estado constitucional. A principal distinção entre o
50
Estado constitucional e as antigas noções de Estado de
 
direito encontra-se no fato de que o primeiro não se limita
 
aos aspectos formais da legalidade do exercício do poder,
 
mas inclui normas substanciais expressas nos chamados
 
princípios constitucionais e nas normas relativas aos direitos
55
fundamentais.
 
Eduardo R. Rabenhorst. Democracia e direitos fundamentais. Em torno da noção de estado de direito. Internet: www.dhnet.org.br (com adaptações).
Em relação a aspectos morfossintáticos e semânticos do texto, assinale a alternativa correta.

Questão 31

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
Assinale a alternativa correta a respeito do “provimento” previsto na Lei n.º 8.112/90.

Questão 32

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
Aristeu Fáraco foi aprovado em concurso público para cargo regido pela Lei n.º 8.112/90, tendo tomado posse regularmente no respectivo cargo. Nesse caso, o prazo para Aristeu entrar em exercício no serviço público, contado da data da posse, é de

Questão 33

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
Segundo a Lei n.º 8.112/90, a Reversão é

Questão 34

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração

» Esta questão foi anulada pela banca.
Sociedade de economia mista controlada pelo Estado, prestadora de serviço público de transporte ferroviário de passageiros, pretende adquirir uma grande quantidade de trens, para modernização de duas de suas linhas. Objetivando a aquisição pelo menor preço, para assegurar ampla competitividade, optou por instaurar o procedimento licitatório na modalidade concorrência internacional. Contudo, considerando notícias de aquisições de empresas internacionais realizadas em outros Estados que se revelaram problemáticas em face do descumprimento de prazos de entrega e dificuldade de assistência técnica, pretende adotar as cautelas permitidas pela legislação que rege licitações e contratos administrativos para evitar a ocorrência de incidentes dessa natureza. Nesse sentido, de acordo com os princípios previstos na Lei nº 8.666/93, a sociedade de economia mista poderá

Questão 35

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração

» Esta questão foi anulada pela banca.
No caso da penalidade de suspensão, nos termos da Lei n.º 8.112/90, quando houver conveniência para o serviço, será o servidor obrigado a permanecer em serviço e a penalidade de suspensão poderá ser convertida em multa, na base de

Questão 36

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
Cícero Romano, servidor público submetido pelo regime jurídico da Lei n.º 8.112/90, revelou segredo do qual se apropriou em razão do seu cargo público. Nessa hipótese, Cícero estará sujeito à seguinte penalidade:

Questão 37

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
Prosérpina Sila, ocupante de cargo público em comissão regido pela Lei n.º 8.112/90, valeu-se do cargo para lograr proveito pessoal, em detrimento da dignidade da sua função pública. Por isso, Prosérpina foi destituída do respectivo cargo. Nessa situação, se pretender assumir novo cargo público, a Lei n.º 8.112/90 dispõe que Prosérpina

Questão 38

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
Nos moldes do que estabelece a Lei n.º 8.112/90, a falta do servidor público ao serviço, sem causa justificada, por sessenta dias, interpoladamente, durante o período de doze meses, entende-se por

Questão 39

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
Nos termos do que, expressamente, dispõe a Lei n.º 8.112/90, na hipótese de o servidor público não satisfazer as condições do estágio probatório para cargo efetivo, dar-se-á sua:

Questão 40

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
É um dever do servidor público estabelecido pela Lei n.º 8.112/90:

Questão 41

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
Para a administração pública burocrática, prevalece o pressuposto da racionalidade absoluta, enquanto que, para a administração pública gerencial, considera-se

Questão 42

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
Representa uma característica da Administração Pública Gerencial:

Questão 43

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
A burocracia é mais racional porque é mais capaz de atender ao objetivo da organização social do que o carisma ou a tradição, e o faz por meio da(s)

Questão 44

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
A escola clássica, Henry Ford e a escola da qualidade podem ser enquadrados no enfoque da administração

Questão 45

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
As teorias administrativas significam um conjunto de conhecimentos organizados, produzidos pela experiência prática das organizações. Os conhecimentos denominados prescritivos

Questão 46

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
1
Para responder a questão abaixo deverão ser utilizadas as seguintes
 
informações econômico-financeiras de uma determinada empresa:
 
O capital circulante líquido de x2 e o índice de liquidez corrente de x1 representam, respectivamente,

Questão 47

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
1
Para responder a questão abaixo deverão ser utilizadas as seguintes
 
informações econômico-financeiras de uma determinada empresa:
 
O índice de liquidez seca de x2 e o giro de estoque de x1 representam, respectivamente,

Questão 48

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
1
Para responder a questão abaixo deverão ser utilizadas as seguintes
 
informações econômico-financeiras de uma determinada empresa:
 
A idade média de estoque de x2 e o período médio de cobrança de x1 representam, respectivamente,

Questão 49

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
1
Para responder a questão abaixo deverão ser utilizadas as seguintes
 
informações econômico-financeiras de uma determinada empresa:
 
O período médio de pagamento de x2 e o giro do ativo total de x1, levando-se em consideração que as compras se igualaram a 75% dos produtos vendidos, representam, respectivamente,

Questão 50

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
1
Para responder a questão abaixo deverão ser utilizadas as seguintes
 
informações econômico-financeiras de uma determinada empresa:
 
O índice de endividamento geral de x2 e a margem bruta de x1 representam, respectivamente,

Questão 51

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
O princípio da uniformidade, que decorre do aspecto formal do orçamento, é também chamado de princípio da

Questão 52

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
Os programas do Plano Plurianual que resultam em bens e serviços ofertados diretamente à sociedade e que têm como atributos básicos: denominação, objetivo, público-alvo, indicadores, fórmulas de cálculo do índice, órgãos, unidades orçamentárias e unidade responsável pelo programa são os

Questão 53

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
De acordo com o Ato das Disposições Constitucionais Transitórias da CF/88, os prazo de envio, pelo poder executivo ao legislativo, de (a) 4 meses antes do encerramento do primeiro exercício financeiro do mandato (31 de agosto); (b) 8 meses e meio antes do encerramento do exercício financeiro (15 de abril); e (c) 4 meses antes do encerramento do exercício financeiro (31 de agosto), correspondem, respectivamente, aos projetos

Questão 54

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
Representam despesas públicas, quanto à sua afetação patrimonial, denominadas de não efetivas

Questão 55

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
As despesas conceituadas como restos a pagar são aquelas empenhadas, mas não pagas, dentro do exercício financeiro, ou seja,

Questão 56

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
Em conformidade com o art. 62 da Lei n.º 4.320/64, o pagamento da despesa só será efetuado quando ordenado após

Questão 57

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
O art. 27 do Decreto n.º 93.872/86 determina que as despesas relativas a contratos, convênios, acordos ou ajustes de vigência plurianual serão empenhadas

Questão 58

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
Na elaboração do orçamento-programa, serão considerados, além dos recursos consignados no Orçamento da União, de acordo com Parágrafo único do Art. 16 do Decreto-lei n.º 200/67, os recursos

Questão 59

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
A receita corrente líquida será apurada somando-se as receitas arrecadadas no mês em referência e nos

Questão 60

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
O conceito de refinanciamento da dívida mobiliária envolve

Questão 61

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
A despesa total com pessoal será apurada somando-se a realizada no mês em referência com as

Questão 62

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
Em conformidade com o art. 12 da Lei n.º 8.112/90, o concurso público terá validade de

Questão 63

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
De acordo com a Lei n.º 8.112/90, o servidor estável só perderá o cargo em virtude de sentença judicial transitada em julgado ou de processo administrativo disciplinar no qual lhe seja assegurada ampla defesa. O art. 21 determina que servidor habilitado em concurso público e empossado em cargo de provimento efetivo adquirirá estabilidade no serviço público

Questão 64

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
De acordo com o parágrafo único do art. 8.º da Lei de Responsabilidade Fiscal, os recursos legalmente vinculados à finalidade específica serão utilizados exclusivamente para atender ao objeto de sua vinculação,

Questão 65

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
O art. 28 da Lei de Responsabilidade Fiscal determina que, salvo mediante lei específica, não poderão ser utilizados recursos públicos, inclusive de operações de crédito, para socorrer instituições do Sistema Financeiro Nacional, ainda que mediante a concessão de empréstimos de recuperação ou financiamentos para mudança de controle acionário. No entanto, o parágrafo 2.º explicita que o disposto no caput do artigo não proíbe o Banco Central do Brasil de conceder às instituições financeiras operações de redesconto e de empréstimos de prazo

Questão 66

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
O conjunto de todos os fatores que, dentro de um limite específico, possa ser concebido como tendo alguma influência direta ou indireta sobre a operação de um determinado sistema em consideração é denominado

Questão 67

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
Relacione os conceitos contidos na coluna I às suas respectivas descrições, apresentadas na coluna II.

Assinale a alternativa que apresenta a relação correta.

Questão 68

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
As necessidades públicas meritórias são aquelas

Questão 69

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
Entre as teorias contemporâneas sobre a motivação, encontra-se a Teoria ERG, que indica que há 3 grupos de necessidades essenciais: existência, crescimento e

Questão 70

DCTA 2013 - VUNESP - Analista em C&T Júnior - Administração
Os líderes que conduzem ou motivam seus seguidores na direção das metas estabelecidas por meio do esclarecimento dos papéis e das exigências das tarefas são denominados



Provas de Concursos » Vunesp 2013