×
×
Polícia Militar/SP 2012 Polícia Militar/SP 2013 Polícia Militar/SP 2014 Polícia Militar/SP 2015 Polícia Militar/SP 2016 Polícia Militar/SP 2017 Polícia Militar/SP 2018 Polícia Militar/SP 2019

Polícia Militar/SP 2020

Cabo da Polícia Militar

Questão 1

Polícia Militar/SP 2020 - VUNESP - Cabo da Polícia Militar
1
É correto concluir que a mensagem enviada ao celular da mulher é aceita como verdade

Questão 2

Polícia Militar/SP 2020 - VUNESP - Cabo da Polícia Militar
1
Na década de cinquenta, cresceu a participação
 
feminina no mercado de trabalho, especialmente no setor de
 
serviços de consumo coletivo, em escritórios, no comércio ou
 
em serviços públicos. Surgiram então mais oportunidades de
5
emprego em profissões como as de enfermeira, professora,
 
funcionária burocrática, médica, assistente social, vendedora,
 
as quais exigiam das mulheres certa qualificação e, em
 
contrapartida, tornavam-nas profissionais remuneradas. Essa
 
tendência demandou maior escolaridade feminina e provocou,
10
sem dúvida, mudanças no status social das mulheres.
 
Entretanto, eram nítidos os preconceitos que cercavam o
 
trabalho feminino nessa época. Como as mulheres ainda eram
 
vistas prioritariamente como donas de casa e mães, a ideia da
 
incompatibilidade entre casamento e vida profissional tinha
15
grande força no imaginário social. Um dos principais
 
argumentos dos que viam com ressalvas o trabalho feminino
 
era o de que, trabalhando, a mulher deixaria de lado seus
 
afazeres domésticos e suas atenções e cuidados para com o
 
marido: ameaças não só à organização doméstica como
20
também à estabilidade do matrimônio.
 
Carla Bassanezi. Mulheres dos anos dourados. In: História das mulheres
 
no Brasil. 8.ª ed. São Paulo: Con
Infere-se do CG4A1-II que, na década de cinquenta, as mulheres

Questão 3

Polícia Militar/SP 2020 - VUNESP - Cabo da Polícia Militar
1
O ato da criação da Polícia Militar pode ser confirmado
 
pelos registros da reunião do conselho da Província de São
 
Paulo, presidida pelo Brigadeiro Rafael Tobias de Aguiar, rea-
 
lizada em 15 de dezembro de 1831. O efetivo inicial era com-
5
posto por 100 homens a pé e 30 a cavalo. A partir de março
 
de 1832, a Instituição, pela falta de aquartelamento próprio,
 
foi instalada na ala térrea do Convento do Carmo, situada no
 
quadrilátero da Sé e, hoje, demolida.
 
A milícia paulista, nos seus 185 anos de existência, foi
10
organizada e reorganizada diversas vezes.
 
Inicialmente, recebeu o nome de Guarda Municipal
 
Permanente. No século 20, foi denominada Força Policial,
 
Força Pública, entre outras denominações. Em 1926, foi cria-
 
da a Guarda-Civil de São Paulo, como instituição auxiliar da
15
Força Pública, mas sem o caráter militar desta.
 
A menor unidade da Guarda Municipal Permanente, em
 
1831, era a esquadra, formada por um cabo e 24 soldados.
(http://www.policiamilitar.sp.gov. – Acesso em: 08.12.2019. Adaptado)
O texto tem como finalidade principal transmitir

Questão 4

Polícia Militar/SP 2020 - VUNESP - Cabo da Polícia Militar
1
O ato da criação da Polícia Militar pode ser confirmado
 
pelos registros da reunião do conselho da Província de São
 
Paulo, presidida pelo Brigadeiro Rafael Tobias de Aguiar, rea-
 
lizada em 15 de dezembro de 1831. O efetivo inicial era com-
5
posto por 100 homens a pé e 30 a cavalo. A partir de março
 
de 1832, a Instituição, pela falta de aquartelamento próprio,
 
foi instalada na ala térrea do Convento do Carmo, situada no
 
quadrilátero da Sé e, hoje, demolida.
 
A milícia paulista, nos seus 185 anos de existência, foi
10
organizada e reorganizada diversas vezes.
 
Inicialmente, recebeu o nome de Guarda Municipal
 
Permanente. No século 20, foi denominada Força Policial,
 
Força Pública, entre outras denominações. Em 1926, foi cria-
 
da a Guarda-Civil de São Paulo, como instituição auxiliar da
15
Força Pública, mas sem o caráter militar desta.
 
A menor unidade da Guarda Municipal Permanente, em
 
1831, era a esquadra, formada por um cabo e 24 soldados.
(http://www.policiamilitar.sp.gov. – Acesso em: 08.12.2019. Adaptado)
Da leitura do trecho – ... pela falta de aquartelamento próprio, foi instalada na ala térrea do Convento do Carmo... –, entende-se que

Questão 5

Polícia Militar/SP 2020 - VUNESP - Cabo da Polícia Militar
1
O ato da criação da Polícia Militar pode ser confirmado
 
pelos registros da reunião do conselho da Província de São
 
Paulo, presidida pelo Brigadeiro Rafael Tobias de Aguiar, rea-
 
lizada em 15 de dezembro de 1831. O efetivo inicial era com-
5
posto por 100 homens a pé e 30 a cavalo. A partir de março
 
de 1832, a Instituição, pela falta de aquartelamento próprio,
 
foi instalada na ala térrea do Convento do Carmo, situada no
 
quadrilátero da Sé e, hoje, demolida.
 
A milícia paulista, nos seus 185 anos de existência, foi
10
organizada e reorganizada diversas vezes.
 
Inicialmente, recebeu o nome de Guarda Municipal
 
Permanente. No século 20, foi denominada Força Policial,
 
Força Pública, entre outras denominações. Em 1926, foi cria-
 
da a Guarda-Civil de São Paulo, como instituição auxiliar da
15
Força Pública, mas sem o caráter militar desta.
 
A menor unidade da Guarda Municipal Permanente, em
 
1831, era a esquadra, formada por um cabo e 24 soldados.
(http://www.policiamilitar.sp.gov. – Acesso em: 08.12.2019. Adaptado)
O tema central do texto pode ser definido como

Questão 6

Polícia Militar/SP 2020 - VUNESP - Cabo da Polícia Militar
1
O ato da criação da Polícia Militar pode ser confirmado
 
pelos registros da reunião do conselho da Província de São
 
Paulo, presidida pelo Brigadeiro Rafael Tobias de Aguiar, rea-
 
lizada em 15 de dezembro de 1831. O efetivo inicial era com-
5
posto por 100 homens a pé e 30 a cavalo. A partir de março
 
de 1832, a Instituição, pela falta de aquartelamento próprio,
 
foi instalada na ala térrea do Convento do Carmo, situada no
 
quadrilátero da Sé e, hoje, demolida.
 
A milícia paulista, nos seus 185 anos de existência, foi
10
organizada e reorganizada diversas vezes.
 
Inicialmente, recebeu o nome de Guarda Municipal
 
Permanente. No século 20, foi denominada Força Policial,
 
Força Pública, entre outras denominações. Em 1926, foi cria-
 
da a Guarda-Civil de São Paulo, como instituição auxiliar da
15
Força Pública, mas sem o caráter militar desta.
 
A menor unidade da Guarda Municipal Permanente, em
 
1831, era a esquadra, formada por um cabo e 24 soldados.
(http://www.policiamilitar.sp.gov. – Acesso em: 08.12.2019. Adaptado)
Ao substituir a expressão destacada em – O ato da criação da Polícia Militar pode ser confirmado pelos registros da reunião do conselho da Província de São Paulo... – por – Os atos da criação –, o trecho deve ser reescrito, estando a concordância conforme a norma-padrão, com as seguintes alterações:

Questão 7

Polícia Militar/SP 2020 - VUNESP - Cabo da Polícia Militar
Considerando a correspondência entre as formas verbais e o emprego do pronome, conforme a norma-padrão, assinale a alternativa que completa, correta e respectivamente, as lacunas da frase.

Se soubéssemos mais detalhes a respeito de como foi criada a Polícia Militar, ________ melhor desde a sua criação.

Questão 8

Polícia Militar/SP 2020 - VUNESP - Cabo da Polícia Militar
1
Quem vai viajar e passar dias fora de casa, deve ficar
 
atento ao que vai postar nas redes sociais: elas podem virar uma arma para os assaltantes de plantão. O alerta é da
 
Polícia Militar e do Sindicato das Empresas de Segurança
 
Privada do Estado de São Paulo (Sesvesp).
5
“Se a pessoa posta que está saindo de férias ou pelo me-
 
nos deixa subentendido, dá um prato cheio para o bandido,
 
que saberá que a casa está vazia. Mesmo que se publique
 
apenas para os amigos, a informação vai passando, circulando. A pessoa acaba preparando uma armadilha para si mesma”, afirma o capitão Cleodato Moisés, porta-voz da PM.
 
O vice-presidente da Sesvesp, João Palhuca, concorda:
10
“O bandido sempre vai procurar o caminho mais fácil e as redes sociais estão funcionando como uma ferramenta facilita-
 
dora. Não dá mais para se preocupar apenas com um vizinho
 
mal-intencionado”.
 
Segundo Palhuca, “as pessoas entram nas redes sociais
 
com um espírito de compartilhamento, mas não se dão conta de que também há ladrões lá, querendo levantar informações. O ideal é jamais fornecer dados como o número de
15
posses e propriedades. A recomendação é nunca mostrar
 
ostentação”, diz.
 
O uso adequado da internet, no entanto, é apenas um
 
dos cuidados que precisam ser tomados por quem planeja
 
“abandonar” o lar para aproveitar as férias ou a merecida pausa no trabalho.
(http://www.g1.globo/sao-paulo. – Acesso em: 08.12.2019. Adaptado)
O uso das aspas no segundo parágrafo do texto tem o propósito de indicar

Questão 9

Polícia Militar/SP 2020 - VUNESP - Cabo da Polícia Militar
1
Na década de cinquenta, cresceu a participação
 
feminina no mercado de trabalho, especialmente no setor de
 
serviços de consumo coletivo, em escritórios, no comércio ou
 
em serviços públicos. Surgiram então mais oportunidades de
5
emprego em profissões como as de enfermeira, professora,
 
funcionária burocrática, médica, assistente social, vendedora,
 
as quais exigiam das mulheres certa qualificação e, em
 
contrapartida, tornavam-nas profissionais remuneradas. Essa
 
tendência demandou maior escolaridade feminina e provocou,
10
sem dúvida, mudanças no status social das mulheres.
 
Entretanto, eram nítidos os preconceitos que cercavam o
 
trabalho feminino nessa época. Como as mulheres ainda eram
 
vistas prioritariamente como donas de casa e mães, a ideia da
 
incompatibilidade entre casamento e vida profissional tinha
15
grande força no imaginário social. Um dos principais
 
argumentos dos que viam com ressalvas o trabalho feminino
 
era o de que, trabalhando, a mulher deixaria de lado seus
 
afazeres domésticos e suas atenções e cuidados para com o
 
marido: ameaças não só à organização doméstica como
20
também à estabilidade do matrimônio.
 
Carla Bassanezi. Mulheres dos anos dourados. In: História das mulheres
 
no Brasil. 8.ª ed. São Paulo: Con
Infere-se do CG4A1-II que, na década de cinquenta, as mulheres

Questão 10

Polícia Militar/SP 2020 - VUNESP - Cabo da Polícia Militar
1
Quem vai viajar e passar dias fora de casa, deve ficar
 
atento ao que vai postar nas redes sociais: elas podem virar uma arma para os assaltantes de plantão. O alerta é da
 
Polícia Militar e do Sindicato das Empresas de Segurança
 
Privada do Estado de São Paulo (Sesvesp).
5
“Se a pessoa posta que está saindo de férias ou pelo me-
 
nos deixa subentendido, dá um prato cheio para o bandido,
 
que saberá que a casa está vazia. Mesmo que se publique
 
apenas para os amigos, a informação vai passando, circulando. A pessoa acaba preparando uma armadilha para si mesma”, afirma o capitão Cleodato Moisés, porta-voz da PM.
 
O vice-presidente da Sesvesp, João Palhuca, concorda:
10
“O bandido sempre vai procurar o caminho mais fácil e as redes sociais estão funcionando como uma ferramenta facilita-
 
dora. Não dá mais para se preocupar apenas com um vizinho
 
mal-intencionado”.
 
Segundo Palhuca, “as pessoas entram nas redes sociais
 
com um espírito de compartilhamento, mas não se dão conta de que também há ladrões lá, querendo levantar informações. O ideal é jamais fornecer dados como o número de
15
posses e propriedades. A recomendação é nunca mostrar
 
ostentação”, diz.
 
O uso adequado da internet, no entanto, é apenas um
 
dos cuidados que precisam ser tomados por quem planeja
 
“abandonar” o lar para aproveitar as férias ou a merecida pausa no trabalho.
(http://www.g1.globo/sao-paulo. – Acesso em: 08.12.2019. Adaptado)
De acordo com o último parágrafo, antes de alguém deixar a casa e sair de férias, é importante

Questão 11

Polícia Militar/SP 2020 - VUNESP - Cabo da Polícia Militar
1
Quem vai viajar e passar dias fora de casa, deve ficar
 
atento ao que vai postar nas redes sociais: elas podem virar uma arma para os assaltantes de plantão. O alerta é da
 
Polícia Militar e do Sindicato das Empresas de Segurança
 
Privada do Estado de São Paulo (Sesvesp).
5
“Se a pessoa posta que está saindo de férias ou pelo me-
 
nos deixa subentendido, dá um prato cheio para o bandido,
 
que saberá que a casa está vazia. Mesmo que se publique
 
apenas para os amigos, a informação vai passando, circulando. A pessoa acaba preparando uma armadilha para si mesma”, afirma o capitão Cleodato Moisés, porta-voz da PM.
 
O vice-presidente da Sesvesp, João Palhuca, concorda:
10
“O bandido sempre vai procurar o caminho mais fácil e as redes sociais estão funcionando como uma ferramenta facilita-
 
dora. Não dá mais para se preocupar apenas com um vizinho
 
mal-intencionado”.
 
Segundo Palhuca, “as pessoas entram nas redes sociais
 
com um espírito de compartilhamento, mas não se dão conta de que também há ladrões lá, querendo levantar informações. O ideal é jamais fornecer dados como o número de
15
posses e propriedades. A recomendação é nunca mostrar
 
ostentação”, diz.
 
O uso adequado da internet, no entanto, é apenas um
 
dos cuidados que precisam ser tomados por quem planeja
 
“abandonar” o lar para aproveitar as férias ou a merecida pausa no trabalho.
(http://www.g1.globo/sao-paulo. – Acesso em: 08.12.2019. Adaptado)
Considere os termos destacados nos trechos do texto.

Quem vai viajar e passar dias fora de casa, deve ficar atento ao que vai postar nas redes sociais...

... cuidados que precisam ser tomados por quem planeja “abandonar” o lar para aproveitar as férias...

Esses termos estabelecem entre as ideias, correta e respectivamente, as relações de

Questão 12

Polícia Militar/SP 2020 - VUNESP - Cabo da Polícia Militar
1
Na década de cinquenta, cresceu a participação
 
feminina no mercado de trabalho, especialmente no setor de
 
serviços de consumo coletivo, em escritórios, no comércio ou
 
em serviços públicos. Surgiram então mais oportunidades de
5
emprego em profissões como as de enfermeira, professora,
 
funcionária burocrática, médica, assistente social, vendedora,
 
as quais exigiam das mulheres certa qualificação e, em
 
contrapartida, tornavam-nas profissionais remuneradas. Essa
 
tendência demandou maior escolaridade feminina e provocou,
10
sem dúvida, mudanças no status social das mulheres.
 
Entretanto, eram nítidos os preconceitos que cercavam o
 
trabalho feminino nessa época. Como as mulheres ainda eram
 
vistas prioritariamente como donas de casa e mães, a ideia da
 
incompatibilidade entre casamento e vida profissional tinha
15
grande força no imaginário social. Um dos principais
 
argumentos dos que viam com ressalvas o trabalho feminino
 
era o de que, trabalhando, a mulher deixaria de lado seus
 
afazeres domésticos e suas atenções e cuidados para com o
 
marido: ameaças não só à organização doméstica como
20
também à estabilidade do matrimônio.
 
Carla Bassanezi. Mulheres dos anos dourados. In: História das mulheres
 
no Brasil. 8.ª ed. São Paulo: Con
Infere-se do CG4A1-II que, na década de cinquenta, as mulheres

Questão 13

Polícia Militar/SP 2020 - VUNESP - Cabo da Polícia Militar
1
É correto concluir que a mensagem do cartaz quer convencer as pessoas a

Questão 14

Polícia Militar/SP 2020 - VUNESP - Cabo da Polícia Militar
1
O cartaz tem como principal objetivo

Questão 15

Polícia Militar/SP 2020 - VUNESP - Cabo da Polícia Militar
1
Foi na França, durante a Segunda Grande Guerra: um
 
jovem tinha um cachorro que todos os dias, pontualmente,
 
ia esperá-lo voltar do trabalho. Ficava na esquina, um pouco antes das seis da tarde. Assim que via o dono, ia cor-
 
rendo ao seu encontro e na maior alegria acompanhava-o
5
com seu passinho saltitante de volta para casa. A vila inteira
 
já conhecia o cachorro e as pessoas que passavam faziam-
 
-lhe festinhas e ele correspondia, chegava até a correr todo o
 
caminho, animado atrás dos mais íntimos. Mas logo voltava,
 
atento ao seu posto, para ali ficar sentado até o momento em
10
que seu dono apontava lá longe.
 
Mas eu avisei que o tempo era de guerra, o jovem foi
 
convocado. Pensa que o cachorro deixou de esperá-lo? Continuou a ir diariamente até a esquina, fixo o olhar naquele único ponto, a orelha em pé, atenta ao menor ruído que pudesse
 
indicar a presença do dono bem-amado. Então, disciplinada-
 
mente, como se tivesse um relógio preso à pata, voltava ao
15
posto de espera. O jovem morreu num bombardeio, mas no
 
pequeno coração do cachorro não morreu a esperança. Quiseram prendê-lo, distraí-lo. Tudo em vão. Quando ia chegando aquela hora, ele disparava para o compromisso assumido,
 
todos os dias.
 
Com o passar dos anos, as pessoas foram se esquecendo do jovem soldado que não voltou. Casou-se a noiva do
 
soldado com um primo, os familiares voltaram-se para outros
20
familiares. Os amigos para outros amigos. Só o cachorro já
 
velhíssimo (era jovem quando o jovem soldado partiu) continuou a esperá-lo na sua esquina. As pessoas estranhavam,
 
mas quem esse cachorro está esperando? Uma tarde (era
 
inverno) ele lá ficou, o focinho voltado para aquela direção.
(Lygia Fagundes Telles. A disciplina do amor. Rio de Janeiro: Ed. Rocco. 9ª ed. 1998.Adaptado)
O tema principal abordado no texto diz respeito

Questão 16

Polícia Militar/SP 2020 - VUNESP - Cabo da Polícia Militar
1
Na década de cinquenta, cresceu a participação
 
feminina no mercado de trabalho, especialmente no setor de
 
serviços de consumo coletivo, em escritórios, no comércio ou
 
em serviços públicos. Surgiram então mais oportunidades de
5
emprego em profissões como as de enfermeira, professora,
 
funcionária burocrática, médica, assistente social, vendedora,
 
as quais exigiam das mulheres certa qualificação e, em
 
contrapartida, tornavam-nas profissionais remuneradas. Essa
 
tendência demandou maior escolaridade feminina e provocou,
10
sem dúvida, mudanças no status social das mulheres.
 
Entretanto, eram nítidos os preconceitos que cercavam o
 
trabalho feminino nessa época. Como as mulheres ainda eram
 
vistas prioritariamente como donas de casa e mães, a ideia da
 
incompatibilidade entre casamento e vida profissional tinha
15
grande força no imaginário social. Um dos principais
 
argumentos dos que viam com ressalvas o trabalho feminino
 
era o de que, trabalhando, a mulher deixaria de lado seus
 
afazeres domésticos e suas atenções e cuidados para com o
 
marido: ameaças não só à organização doméstica como
20
também à estabilidade do matrimônio.
 
Carla Bassanezi. Mulheres dos anos dourados. In: História das mulheres
 
no Brasil. 8.ª ed. São Paulo: Con
Infere-se do CG4A1-II que, na década de cinquenta, as mulheres

Questão 17

Polícia Militar/SP 2020 - VUNESP - Cabo da Polícia Militar
1
Na década de cinquenta, cresceu a participação
 
feminina no mercado de trabalho, especialmente no setor de
 
serviços de consumo coletivo, em escritórios, no comércio ou
 
em serviços públicos. Surgiram então mais oportunidades de
5
emprego em profissões como as de enfermeira, professora,
 
funcionária burocrática, médica, assistente social, vendedora,
 
as quais exigiam das mulheres certa qualificação e, em
 
contrapartida, tornavam-nas profissionais remuneradas. Essa
 
tendência demandou maior escolaridade feminina e provocou,
10
sem dúvida, mudanças no status social das mulheres.
 
Entretanto, eram nítidos os preconceitos que cercavam o
 
trabalho feminino nessa época. Como as mulheres ainda eram
 
vistas prioritariamente como donas de casa e mães, a ideia da
 
incompatibilidade entre casamento e vida profissional tinha
15
grande força no imaginário social. Um dos principais
 
argumentos dos que viam com ressalvas o trabalho feminino
 
era o de que, trabalhando, a mulher deixaria de lado seus
 
afazeres domésticos e suas atenções e cuidados para com o
 
marido: ameaças não só à organização doméstica como
20
também à estabilidade do matrimônio.
 
Carla Bassanezi. Mulheres dos anos dourados. In: História das mulheres
 
no Brasil. 8.ª ed. São Paulo: Con
Infere-se do CG4A1-II que, na década de cinquenta, as mulheres

Questão 18

Polícia Militar/SP 2020 - VUNESP - Cabo da Polícia Militar
1
Foi na França, durante a Segunda Grande Guerra: um
 
jovem tinha um cachorro que todos os dias, pontualmente,
 
ia esperá-lo voltar do trabalho. Ficava na esquina, um pouco antes das seis da tarde. Assim que via o dono, ia cor-
 
rendo ao seu encontro e na maior alegria acompanhava-o
5
com seu passinho saltitante de volta para casa. A vila inteira
 
já conhecia o cachorro e as pessoas que passavam faziam-
 
-lhe festinhas e ele correspondia, chegava até a correr todo o
 
caminho, animado atrás dos mais íntimos. Mas logo voltava,
 
atento ao seu posto, para ali ficar sentado até o momento em
10
que seu dono apontava lá longe.
 
Mas eu avisei que o tempo era de guerra, o jovem foi
 
convocado. Pensa que o cachorro deixou de esperá-lo? Continuou a ir diariamente até a esquina, fixo o olhar naquele único ponto, a orelha em pé, atenta ao menor ruído que pudesse
 
indicar a presença do dono bem-amado. Então, disciplinada-
 
mente, como se tivesse um relógio preso à pata, voltava ao
15
posto de espera. O jovem morreu num bombardeio, mas no
 
pequeno coração do cachorro não morreu a esperança. Quiseram prendê-lo, distraí-lo. Tudo em vão. Quando ia chegando aquela hora, ele disparava para o compromisso assumido,
 
todos os dias.
 
Com o passar dos anos, as pessoas foram se esquecendo do jovem soldado que não voltou. Casou-se a noiva do
 
soldado com um primo, os familiares voltaram-se para outros
20
familiares. Os amigos para outros amigos. Só o cachorro já
 
velhíssimo (era jovem quando o jovem soldado partiu) continuou a esperá-lo na sua esquina. As pessoas estranhavam,
 
mas quem esse cachorro está esperando? Uma tarde (era
 
inverno) ele lá ficou, o focinho voltado para aquela direção.
(Lygia Fagundes Telles. A disciplina do amor. Rio de Janeiro: Ed. Rocco. 9ª ed. 1998.Adaptado)
Conforme o narrador relata no segundo parágrafo,

Questão 19

Polícia Militar/SP 2020 - VUNESP - Cabo da Polícia Militar
1
Foi na França, durante a Segunda Grande Guerra: um
 
jovem tinha um cachorro que todos os dias, pontualmente,
 
ia esperá-lo voltar do trabalho. Ficava na esquina, um pouco antes das seis da tarde. Assim que via o dono, ia cor-
 
rendo ao seu encontro e na maior alegria acompanhava-o
5
com seu passinho saltitante de volta para casa. A vila inteira
 
já conhecia o cachorro e as pessoas que passavam faziam-
 
-lhe festinhas e ele correspondia, chegava até a correr todo o
 
caminho, animado atrás dos mais íntimos. Mas logo voltava,
 
atento ao seu posto, para ali ficar sentado até o momento em
10
que seu dono apontava lá longe.
 
Mas eu avisei que o tempo era de guerra, o jovem foi
 
convocado. Pensa que o cachorro deixou de esperá-lo? Continuou a ir diariamente até a esquina, fixo o olhar naquele único ponto, a orelha em pé, atenta ao menor ruído que pudesse
 
indicar a presença do dono bem-amado. Então, disciplinada-
 
mente, como se tivesse um relógio preso à pata, voltava ao
15
posto de espera. O jovem morreu num bombardeio, mas no
 
pequeno coração do cachorro não morreu a esperança. Quiseram prendê-lo, distraí-lo. Tudo em vão. Quando ia chegando aquela hora, ele disparava para o compromisso assumido,
 
todos os dias.
 
Com o passar dos anos, as pessoas foram se esquecendo do jovem soldado que não voltou. Casou-se a noiva do
 
soldado com um primo, os familiares voltaram-se para outros
20
familiares. Os amigos para outros amigos. Só o cachorro já
 
velhíssimo (era jovem quando o jovem soldado partiu) continuou a esperá-lo na sua esquina. As pessoas estranhavam,
 
mas quem esse cachorro está esperando? Uma tarde (era
 
inverno) ele lá ficou, o focinho voltado para aquela direção.
(Lygia Fagundes Telles. A disciplina do amor. Rio de Janeiro: Ed. Rocco. 9ª ed. 1998.Adaptado)
No trecho em que o narrador faz uma advertência – Mas eu avisei que o tempo era de guerra, o jovem foi convocado. –, o termo destacado pode ser substituído, preservando-se o sentido do texto, por

Questão 20

Polícia Militar/SP 2020 - VUNESP - Cabo da Polícia Militar
Assinale a alternativa correta quanto à acentuação das palavras estabelecida pela norma-padrão.

Questão 21

Polícia Militar/SP 2020 - VUNESP - Cabo da Polícia Militar
Considere verdadeiras as seguintes afirmações:

I. Todos os tutores são professores.
II. Alguns coordenadores são professores.

A partir dessas afirmações, é correto afirmar que

Questão 22

Polícia Militar/SP 2020 - VUNESP - Cabo da Polícia Militar
Na sequência de números: 4, 8, 6, 12, 10, 20, 18, 36, 34, ..., o primeiro termo que é maior do que 100 é o número

Questão 23

Polícia Militar/SP 2020 - VUNESP - Cabo da Polícia Militar
1
O peso de Eurídice se estabilizou, assim como a rotina
 
da família Gusmão Campelo. Antenor saía para o trabalho, os
 
filhos saíam para a escola e Eurídice ficava em casa, moendo
 
carne e remoendo os pensamentos estéreis que faziam da sua
5
vida infeliz. Ela não tinha emprego, ela já tinha ido para a
 
escola, e como preencher as horas do dia depois de arrumar as
 
camas, regar as plantas, varrer a sala, lavar a roupa, temperar
 
o feijão, refogar o arroz, preparar o suflê e fritar os bifes?
 
Porque Eurídice, vejam vocês, era uma mulher brilhante. Se lhe
10
dessem cálculos elaborados, ela projetaria pontes. Se lhe
 
dessem um laboratório, ela inventaria vacinas. Se lhe dessem
 
páginas brancas, ela escreveria clássicos. No entanto, o que lhe
 
deram foram cuecas sujas, que Eurídice lavou muito rápido e
 
muito bem, sentando-se em seguida no sofá, olhando as unhas
15
e pensando no que deveria pensar. E foi assim que concluiu
 
que não deveria pensar, e que, para não pensar, deveria se
 
manter ocupada todas as horas do dia, e que a única atividade
 
caseira que oferecia tal benefício era aquela que apresentava o
 
dom de ser quase infinita em suas demandas diárias: a
20
culinária. Eurídice jamais seria uma engenheira, nunca poria os
 
pés em um laboratório e não ousaria escrever versos, mas essa
 
mulher se dedicou à única atividade permitida que tinha um
 
certo quê de engenharia, ciência e poesia. Todas as manhãs,
 
depois de despertar, preparar, alimentar e se livrar do marido
25
e dos filhos, Eurídice abria o livro de receitas da Tia Palmira.
 
Martha Batalha. A vida invisível de Eurídice Gusmão. 1.ª ed.
 
São Paulo: Companhia das Letras, 2016 (com adaptações).
Infere-se do CG4A1-I que a personagem Eurídice dedicava-se à culinária porque

Questão 24

Polícia Militar/SP 2020 - VUNESP - Cabo da Polícia Militar
O percurso de um treinamento de corrida é composto por 5 etapas com distâncias diferentes em cada uma delas. Uma nova etapa sempre tem 100 metros a mais que a etapa anterior. Sabendo que a quarta etapa do treinamento é percorrer 1 200 metros, a distância total do percurso é igual a

Questão 25

Polícia Militar/SP 2020 - VUNESP - Cabo da Polícia Militar
Em um grupo de pessoas, 54 delas disseram já terem visitado a cidade de São Paulo e 71 delas disseram já terem visitado a cidade do Rio de Janeiro. Sabendo que, desse grupo, 17 pessoas já visitaram essas duas cidades e que todos já visitaram ao menos uma dessas duas cidades, o número de pessoas que formam esse grupo é

Questão 26

Polícia Militar/SP 2020 - VUNESP - Cabo da Polícia Militar
Os copos são frágeis ou estou com a mão molhada. Sendo falsa essa afirmação, é verdade afirmar que

Questão 27

Polícia Militar/SP 2020 - VUNESP - Cabo da Polícia Militar
Se a temperatura cair, então precisarei me agasalhar. Se me agasalhar, então não poderei correr. Se puder correr, então não chegarei tarde. A temperatura caiu. Desse modo, é correto concluir que

Questão 28

Polícia Militar/SP 2020 - VUNESP - Cabo da Polícia Militar
Ontem Jorge foi ao cinema e voltou desapontado. Uma afirmação que corresponda à negação lógica dessa afirmação é:

Questão 29

Polícia Militar/SP 2020 - VUNESP - Cabo da Polícia Militar
Se o meu salário aumentar, então ou comprarei uma bicicleta ou comprarei uma moto. O meu salário aumentou.

Então é correto afirmar que

Questão 30

Polícia Militar/SP 2020 - VUNESP - Cabo da Polícia Militar
O regime de trabalho dos funcionários de um hospital é realizado por meio de plantões. Cada plantão é formado por 12 horas trabalhadas seguidas por 36 horas não trabalhadas. Quando o funcionário completa as 12 horas trabalhadas do quinto plantão, há uma modificação: ao invés das 36 horas não trabalhadas, o funcionário faz 48 horas não trabalhadas para aí voltar ao ritmo anterior de 12 trabalhadas por 36 horas não trabalhadas. Sabe-se que um funcionário iniciou, a zero hora do dia 1º de junho, o primeiro plantão do ciclo de cinco plantões. Esse funcionário realizou plantão no hospital no dia

Questão 31

Polícia Militar/SP 2020 - VUNESP - Cabo da Polícia Militar
1
Na década de cinquenta, cresceu a participação
 
feminina no mercado de trabalho, especialmente no setor de
 
serviços de consumo coletivo, em escritórios, no comércio ou
 
em serviços públicos. Surgiram então mais oportunidades de
5
emprego em profissões como as de enfermeira, professora,
 
funcionária burocrática, médica, assistente social, vendedora,
 
as quais exigiam das mulheres certa qualificação e, em
 
contrapartida, tornavam-nas profissionais remuneradas. Essa
 
tendência demandou maior escolaridade feminina e provocou,
10
sem dúvida, mudanças no status social das mulheres.
 
Entretanto, eram nítidos os preconceitos que cercavam o
 
trabalho feminino nessa época. Como as mulheres ainda eram
 
vistas prioritariamente como donas de casa e mães, a ideia da
 
incompatibilidade entre casamento e vida profissional tinha
15
grande força no imaginário social. Um dos principais
 
argumentos dos que viam com ressalvas o trabalho feminino
 
era o de que, trabalhando, a mulher deixaria de lado seus
 
afazeres domésticos e suas atenções e cuidados para com o
 
marido: ameaças não só à organização doméstica como
20
também à estabilidade do matrimônio.
 
Carla Bassanezi. Mulheres dos anos dourados. In: História das mulheres
 
no Brasil. 8.ª ed. São Paulo: Con
Infere-se do CG4A1-II que, na década de cinquenta, as mulheres

Questão 32

Polícia Militar/SP 2020 - VUNESP - Cabo da Polícia Militar
Com relação à Declaração dos Direitos do Homem (ONU, 1948), é correto afirmar:

Questão 33

Polícia Militar/SP 2020 - VUNESP - Cabo da Polícia Militar
Nos expressos termos previstos no Pacto de San José da Costa Rica em relação à pena de morte, é correto afirmar:

Questão 34

Polícia Militar/SP 2020 - VUNESP - Cabo da Polícia Militar
Sujeito que se dispõe a vender em rede social, a pedido de amigo seu, mediante comissão, cachorro roubado:

Questão 35

Polícia Militar/SP 2020 - VUNESP - Cabo da Polícia Militar
1
Na década de cinquenta, cresceu a participação
 
feminina no mercado de trabalho, especialmente no setor de
 
serviços de consumo coletivo, em escritórios, no comércio ou
 
em serviços públicos. Surgiram então mais oportunidades de
5
emprego em profissões como as de enfermeira, professora,
 
funcionária burocrática, médica, assistente social, vendedora,
 
as quais exigiam das mulheres certa qualificação e, em
 
contrapartida, tornavam-nas profissionais remuneradas. Essa
 
tendência demandou maior escolaridade feminina e provocou,
10
sem dúvida, mudanças no status social das mulheres.
 
Entretanto, eram nítidos os preconceitos que cercavam o
 
trabalho feminino nessa época. Como as mulheres ainda eram
 
vistas prioritariamente como donas de casa e mães, a ideia da
 
incompatibilidade entre casamento e vida profissional tinha
15
grande força no imaginário social. Um dos principais
 
argumentos dos que viam com ressalvas o trabalho feminino
 
era o de que, trabalhando, a mulher deixaria de lado seus
 
afazeres domésticos e suas atenções e cuidados para com o
 
marido: ameaças não só à organização doméstica como
20
também à estabilidade do matrimônio.
 
Carla Bassanezi. Mulheres dos anos dourados. In: História das mulheres
 
no Brasil. 8.ª ed. São Paulo: Con
Infere-se do CG4A1-II que, na década de cinquenta, as mulheres

Questão 36

Polícia Militar/SP 2020 - VUNESP - Cabo da Polícia Militar
1
Na década de cinquenta, cresceu a participação
 
feminina no mercado de trabalho, especialmente no setor de
 
serviços de consumo coletivo, em escritórios, no comércio ou
 
em serviços públicos. Surgiram então mais oportunidades de
5
emprego em profissões como as de enfermeira, professora,
 
funcionária burocrática, médica, assistente social, vendedora,
 
as quais exigiam das mulheres certa qualificação e, em
 
contrapartida, tornavam-nas profissionais remuneradas. Essa
 
tendência demandou maior escolaridade feminina e provocou,
10
sem dúvida, mudanças no status social das mulheres.
 
Entretanto, eram nítidos os preconceitos que cercavam o
 
trabalho feminino nessa época. Como as mulheres ainda eram
 
vistas prioritariamente como donas de casa e mães, a ideia da
 
incompatibilidade entre casamento e vida profissional tinha
15
grande força no imaginário social. Um dos principais
 
argumentos dos que viam com ressalvas o trabalho feminino
 
era o de que, trabalhando, a mulher deixaria de lado seus
 
afazeres domésticos e suas atenções e cuidados para com o
 
marido: ameaças não só à organização doméstica como
20
também à estabilidade do matrimônio.
 
Carla Bassanezi. Mulheres dos anos dourados. In: História das mulheres
 
no Brasil. 8.ª ed. São Paulo: Con
Infere-se do CG4A1-II que, na década de cinquenta, as mulheres

Questão 37

Polícia Militar/SP 2020 - VUNESP - Cabo da Polícia Militar
Em relação à prisão preventiva, assinale a alternativa correta.

Questão 38

Polícia Militar/SP 2020 - VUNESP - Cabo da Polícia Militar
1
Na década de cinquenta, cresceu a participação
 
feminina no mercado de trabalho, especialmente no setor de
 
serviços de consumo coletivo, em escritórios, no comércio ou
 
em serviços públicos. Surgiram então mais oportunidades de
5
emprego em profissões como as de enfermeira, professora,
 
funcionária burocrática, médica, assistente social, vendedora,
 
as quais exigiam das mulheres certa qualificação e, em
 
contrapartida, tornavam-nas profissionais remuneradas. Essa
 
tendência demandou maior escolaridade feminina e provocou,
10
sem dúvida, mudanças no status social das mulheres.
 
Entretanto, eram nítidos os preconceitos que cercavam o
 
trabalho feminino nessa época. Como as mulheres ainda eram
 
vistas prioritariamente como donas de casa e mães, a ideia da
 
incompatibilidade entre casamento e vida profissional tinha
15
grande força no imaginário social. Um dos principais
 
argumentos dos que viam com ressalvas o trabalho feminino
 
era o de que, trabalhando, a mulher deixaria de lado seus
 
afazeres domésticos e suas atenções e cuidados para com o
 
marido: ameaças não só à organização doméstica como
20
também à estabilidade do matrimônio.
 
Carla Bassanezi. Mulheres dos anos dourados. In: História das mulheres
 
no Brasil. 8.ª ed. São Paulo: Con
Infere-se do CG4A1-II que, na década de cinquenta, as mulheres

Questão 39

Polícia Militar/SP 2020 - VUNESP - Cabo da Polícia Militar
1
Na década de cinquenta, cresceu a participação
 
feminina no mercado de trabalho, especialmente no setor de
 
serviços de consumo coletivo, em escritórios, no comércio ou
 
em serviços públicos. Surgiram então mais oportunidades de
5
emprego em profissões como as de enfermeira, professora,
 
funcionária burocrática, médica, assistente social, vendedora,
 
as quais exigiam das mulheres certa qualificação e, em
 
contrapartida, tornavam-nas profissionais remuneradas. Essa
 
tendência demandou maior escolaridade feminina e provocou,
10
sem dúvida, mudanças no status social das mulheres.
 
Entretanto, eram nítidos os preconceitos que cercavam o
 
trabalho feminino nessa época. Como as mulheres ainda eram
 
vistas prioritariamente como donas de casa e mães, a ideia da
 
incompatibilidade entre casamento e vida profissional tinha
15
grande força no imaginário social. Um dos principais
 
argumentos dos que viam com ressalvas o trabalho feminino
 
era o de que, trabalhando, a mulher deixaria de lado seus
 
afazeres domésticos e suas atenções e cuidados para com o
 
marido: ameaças não só à organização doméstica como
20
também à estabilidade do matrimônio.
 
Carla Bassanezi. Mulheres dos anos dourados. In: História das mulheres
 
no Brasil. 8.ª ed. São Paulo: Con
Infere-se do CG4A1-II que, na década de cinquenta, as mulheres

Questão 40

Polícia Militar/SP 2020 - VUNESP - Cabo da Polícia Militar
Em relação aos crimes de preconceito de raça, de cor ou origem previstos na Lei Federal nº 7.716/89, é correto afirmar:

Questão 41

Polícia Militar/SP 2020 - VUNESP - Cabo da Polícia Militar
1
Na década de cinquenta, cresceu a participação
 
feminina no mercado de trabalho, especialmente no setor de
 
serviços de consumo coletivo, em escritórios, no comércio ou
 
em serviços públicos. Surgiram então mais oportunidades de
5
emprego em profissões como as de enfermeira, professora,
 
funcionária burocrática, médica, assistente social, vendedora,
 
as quais exigiam das mulheres certa qualificação e, em
 
contrapartida, tornavam-nas profissionais remuneradas. Essa
 
tendência demandou maior escolaridade feminina e provocou,
10
sem dúvida, mudanças no status social das mulheres.
 
Entretanto, eram nítidos os preconceitos que cercavam o
 
trabalho feminino nessa época. Como as mulheres ainda eram
 
vistas prioritariamente como donas de casa e mães, a ideia da
 
incompatibilidade entre casamento e vida profissional tinha
15
grande força no imaginário social. Um dos principais
 
argumentos dos que viam com ressalvas o trabalho feminino
 
era o de que, trabalhando, a mulher deixaria de lado seus
 
afazeres domésticos e suas atenções e cuidados para com o
 
marido: ameaças não só à organização doméstica como
20
também à estabilidade do matrimônio.
 
Carla Bassanezi. Mulheres dos anos dourados. In: História das mulheres
 
no Brasil. 8.ª ed. São Paulo: Con
Infere-se do CG4A1-II que, na década de cinquenta, as mulheres

Questão 42

Polícia Militar/SP 2020 - VUNESP - Cabo da Polícia Militar
Nos termos expressos da Lei Federal nº 9.099/95, consideram-se infrações de menor potencial ofensivo:

Questão 43

Polícia Militar/SP 2020 - VUNESP - Cabo da Polícia Militar
1
Na década de cinquenta, cresceu a participação
 
feminina no mercado de trabalho, especialmente no setor de
 
serviços de consumo coletivo, em escritórios, no comércio ou
 
em serviços públicos. Surgiram então mais oportunidades de
5
emprego em profissões como as de enfermeira, professora,
 
funcionária burocrática, médica, assistente social, vendedora,
 
as quais exigiam das mulheres certa qualificação e, em
 
contrapartida, tornavam-nas profissionais remuneradas. Essa
 
tendência demandou maior escolaridade feminina e provocou,
10
sem dúvida, mudanças no status social das mulheres.
 
Entretanto, eram nítidos os preconceitos que cercavam o
 
trabalho feminino nessa época. Como as mulheres ainda eram
 
vistas prioritariamente como donas de casa e mães, a ideia da
 
incompatibilidade entre casamento e vida profissional tinha
15
grande força no imaginário social. Um dos principais
 
argumentos dos que viam com ressalvas o trabalho feminino
 
era o de que, trabalhando, a mulher deixaria de lado seus
 
afazeres domésticos e suas atenções e cuidados para com o
 
marido: ameaças não só à organização doméstica como
20
também à estabilidade do matrimônio.
 
Carla Bassanezi. Mulheres dos anos dourados. In: História das mulheres
 
no Brasil. 8.ª ed. São Paulo: Con
Infere-se do CG4A1-II que, na década de cinquenta, as mulheres

Questão 44

Polícia Militar/SP 2020 - VUNESP - Cabo da Polícia Militar
Assinale a alternativa correta em relação às disposições da Lei Federal nº 11.340/06:

Questão 45

Polícia Militar/SP 2020 - VUNESP - Cabo da Polícia Militar
A Lei nº 13.491/2017 alterou o art. 9º do Código Penal Militar e promoveu uma ampliação da competência da Justiça Militar. Ao lado dos crimes propriamente militares e impropriamente militares, a referida legislação instituiu os crimes militares por extensão.

Diante do exposto, é correto afirmar que o Código Penal Militar considera crime militar, em tempo de paz,

Questão 46

Polícia Militar/SP 2020 - VUNESP - Cabo da Polícia Militar
Considere o seguinte caso hipotético: 20 (vinte) policiais militares inativos e desarmados e 4 (quatro) Sd PM da ativa, armados de pistola, resolvem assumir o Comando da 99a Cia da PM do Município de Ituroró. Ocupam a OPM, retirando o Cmt Cia de sua sala, recebendo, nesse momento, ordem para deixar imediatamente o Quartel.

A ordem foi recusada e os policiais, utilizando de equipamentos de telefonia celular, passaram a transmitir via internet, pelas redes sociais, ao vivo, que acabaram de assumir o Comando da Subunidade.

Diante dessa situação, é correto afirmar com relação à conduta de todos os militares que ocuparam a OPM:

Questão 47

Polícia Militar/SP 2020 - VUNESP - Cabo da Polícia Militar
1
O Sd PM “Z”, triste com o fim de seu relacionamento conjugal, de serviço na Guarda do Quartel da APMBB, ingeriu uma garrafa de cachaça e, após assumir o seu turno de serviço,
 
deitou sobre o chão da Guarita onde se encontrava escalado, afrouxando o cinto, tirando as botas e dormindo profundamente.
Considerando que nessa situação foi surpreendido pelo Capitão “X” da Escola de Oficiais, que visitava a APMBB, acompanhado do Al Of PM “A” e que, ao despertar de seu sono profundo, ofende o Oficial, chamando-o de “Oficialzinho Chato”.

Diante do exposto, é correto afirmar que o Sd PM “Z”, apenas com relação a esta conduta.

Questão 48

Polícia Militar/SP 2020 - VUNESP - Cabo da Polícia Militar

» Essa questão pode ter algum problema e está sendo revisada. Em breve estará corrigida.
1
O Sd PM “Z”, triste com o fim de seu relacionamento conjugal, de serviço na Guarda do Quartel da APMBB, ingeriu uma garrafa de cachaça e, após assumir o seu turno de serviço,
 
deitou sobre o chão da Guarita onde se encontrava escalado, afrouxando o cinto, tirando as botas e dormindo profundamente.
Considerando apenas a conduta descrita no caso hipotético, é correto afirmar que o Sd PM “Z”

Questão 49

Polícia Militar/SP 2020 - VUNESP - Cabo da Polícia Militar
1
Na década de cinquenta, cresceu a participação
 
feminina no mercado de trabalho, especialmente no setor de
 
serviços de consumo coletivo, em escritórios, no comércio ou
 
em serviços públicos. Surgiram então mais oportunidades de
5
emprego em profissões como as de enfermeira, professora,
 
funcionária burocrática, médica, assistente social, vendedora,
 
as quais exigiam das mulheres certa qualificação e, em
 
contrapartida, tornavam-nas profissionais remuneradas. Essa
 
tendência demandou maior escolaridade feminina e provocou,
10
sem dúvida, mudanças no status social das mulheres.
 
Entretanto, eram nítidos os preconceitos que cercavam o
 
trabalho feminino nessa época. Como as mulheres ainda eram
 
vistas prioritariamente como donas de casa e mães, a ideia da
 
incompatibilidade entre casamento e vida profissional tinha
15
grande força no imaginário social. Um dos principais
 
argumentos dos que viam com ressalvas o trabalho feminino
 
era o de que, trabalhando, a mulher deixaria de lado seus
 
afazeres domésticos e suas atenções e cuidados para com o
 
marido: ameaças não só à organização doméstica como
20
também à estabilidade do matrimônio.
 
Carla Bassanezi. Mulheres dos anos dourados. In: História das mulheres
 
no Brasil. 8.ª ed. São Paulo: Con
Infere-se do CG4A1-II que, na década de cinquenta, as mulheres

Questão 50

Polícia Militar/SP 2020 - VUNESP - Cabo da Polícia Militar
Nos termos das Instruções para correspondência na Polícia Militar (I-7-PM), é correto afirmar que

Questão 51

Polícia Militar/SP 2020 - VUNESP - Cabo da Polícia Militar
1
Na década de cinquenta, cresceu a participação
 
feminina no mercado de trabalho, especialmente no setor de
 
serviços de consumo coletivo, em escritórios, no comércio ou
 
em serviços públicos. Surgiram então mais oportunidades de
5
emprego em profissões como as de enfermeira, professora,
 
funcionária burocrática, médica, assistente social, vendedora,
 
as quais exigiam das mulheres certa qualificação e, em
 
contrapartida, tornavam-nas profissionais remuneradas. Essa
 
tendência demandou maior escolaridade feminina e provocou,
10
sem dúvida, mudanças no status social das mulheres.
 
Entretanto, eram nítidos os preconceitos que cercavam o
 
trabalho feminino nessa época. Como as mulheres ainda eram
 
vistas prioritariamente como donas de casa e mães, a ideia da
 
incompatibilidade entre casamento e vida profissional tinha
15
grande força no imaginário social. Um dos principais
 
argumentos dos que viam com ressalvas o trabalho feminino
 
era o de que, trabalhando, a mulher deixaria de lado seus
 
afazeres domésticos e suas atenções e cuidados para com o
 
marido: ameaças não só à organização doméstica como
20
também à estabilidade do matrimônio.
 
Carla Bassanezi. Mulheres dos anos dourados. In: História das mulheres
 
no Brasil. 8.ª ed. São Paulo: Con
Infere-se do CG4A1-II que, na década de cinquenta, as mulheres

Questão 52

Polícia Militar/SP 2020 - VUNESP - Cabo da Polícia Militar
1
Na década de cinquenta, cresceu a participação
 
feminina no mercado de trabalho, especialmente no setor de
 
serviços de consumo coletivo, em escritórios, no comércio ou
 
em serviços públicos. Surgiram então mais oportunidades de
5
emprego em profissões como as de enfermeira, professora,
 
funcionária burocrática, médica, assistente social, vendedora,
 
as quais exigiam das mulheres certa qualificação e, em
 
contrapartida, tornavam-nas profissionais remuneradas. Essa
 
tendência demandou maior escolaridade feminina e provocou,
10
sem dúvida, mudanças no status social das mulheres.
 
Entretanto, eram nítidos os preconceitos que cercavam o
 
trabalho feminino nessa época. Como as mulheres ainda eram
 
vistas prioritariamente como donas de casa e mães, a ideia da
 
incompatibilidade entre casamento e vida profissional tinha
15
grande força no imaginário social. Um dos principais
 
argumentos dos que viam com ressalvas o trabalho feminino
 
era o de que, trabalhando, a mulher deixaria de lado seus
 
afazeres domésticos e suas atenções e cuidados para com o
 
marido: ameaças não só à organização doméstica como
20
também à estabilidade do matrimônio.
 
Carla Bassanezi. Mulheres dos anos dourados. In: História das mulheres
 
no Brasil. 8.ª ed. São Paulo: Con
Infere-se do CG4A1-II que, na década de cinquenta, as mulheres

Questão 53

Polícia Militar/SP 2020 - VUNESP - Cabo da Polícia Militar
Nos termos da Portaria do Cmt G CORREGPM-1/360/13, que regulamenta o Procedimento Disciplinar, é correto afirmar que a manifestação preliminar

Questão 54

Polícia Militar/SP 2020 - VUNESP - Cabo da Polícia Militar
Nos termos do Regulamento de Uniformes da Polícia Militar (R-5-PM), o direito ao uso de condecorações de qualquer natureza ou grau extingue-se pelas superveniências, entre outros, do seguinte evento:

Questão 55

Polícia Militar/SP 2020 - VUNESP - Cabo da Polícia Militar
Com relação ao emprego de motocicletas no Programa de Radiopatrulha – Atendimento “190” (Diretriz PM3-4/02/12), é correto afirmar que as Radiopatrulhas com emprego de Motocicletas (RPM):

Questão 56

Polícia Militar/SP 2020 - VUNESP - Cabo da Polícia Militar
Nos termos da Diretriz PM3-7/02/05/05 (Programa de Força Tática), é correto afirmar que

Questão 57

Polícia Militar/SP 2020 - VUNESP - Cabo da Polícia Militar
Nos termos da Ordem de Serviço PM3-1/02/15, é correto afirmar que a autoridade institucional com competência para deliberar sobre a criação e desativação de Bases Comunitárias de Segurança é o

Questão 58

Polícia Militar/SP 2020 - VUNESP - Cabo da Polícia Militar
1
Na década de cinquenta, cresceu a participação
 
feminina no mercado de trabalho, especialmente no setor de
 
serviços de consumo coletivo, em escritórios, no comércio ou
 
em serviços públicos. Surgiram então mais oportunidades de
5
emprego em profissões como as de enfermeira, professora,
 
funcionária burocrática, médica, assistente social, vendedora,
 
as quais exigiam das mulheres certa qualificação e, em
 
contrapartida, tornavam-nas profissionais remuneradas. Essa
 
tendência demandou maior escolaridade feminina e provocou,
10
sem dúvida, mudanças no status social das mulheres.
 
Entretanto, eram nítidos os preconceitos que cercavam o
 
trabalho feminino nessa época. Como as mulheres ainda eram
 
vistas prioritariamente como donas de casa e mães, a ideia da
 
incompatibilidade entre casamento e vida profissional tinha
15
grande força no imaginário social. Um dos principais
 
argumentos dos que viam com ressalvas o trabalho feminino
 
era o de que, trabalhando, a mulher deixaria de lado seus
 
afazeres domésticos e suas atenções e cuidados para com o
 
marido: ameaças não só à organização doméstica como
20
também à estabilidade do matrimônio.
 
Carla Bassanezi. Mulheres dos anos dourados. In: História das mulheres
 
no Brasil. 8.ª ed. São Paulo: Con
Infere-se do CG4A1-II que, na década de cinquenta, as mulheres

Questão 59

Polícia Militar/SP 2020 - VUNESP - Cabo da Polícia Militar
A Lei Federal nº 13.106/2015 acrescentou o seguinte crime ao Estatuto da Criança e do Adolescente:

Art. 243. Vender, fornecer, servir, ministrar ou entregar, ainda que gratuitamente, de qualquer forma, a criança ou a adolescente, bebida alcoólica ou, sem justa caus a, outros produtos cujos componentes possam causar dependência física ou psíquica:

Pena – detenção, de 2 (dois) a 4 (quatro) anos, e multa, se o fato não constitui crime mais grave.” (NR)

Nos termos da Ordem de Serviço PM3-2/03/15-CIRCULAR, o Policial Militar, ao se deparar com ocorrência de flagrante delito a este tipo penal, restando evidenciada autoria e materialidade, entre outros procedimentos, deverá:

Questão 60

Polícia Militar/SP 2020 - VUNESP - Cabo da Polícia Militar
1
O peso de Eurídice se estabilizou, assim como a rotina
 
da família Gusmão Campelo. Antenor saía para o trabalho, os
 
filhos saíam para a escola e Eurídice ficava em casa, moendo
 
carne e remoendo os pensamentos estéreis que faziam da sua
5
vida infeliz. Ela não tinha emprego, ela já tinha ido para a
 
escola, e como preencher as horas do dia depois de arrumar as
 
camas, regar as plantas, varrer a sala, lavar a roupa, temperar
 
o feijão, refogar o arroz, preparar o suflê e fritar os bifes?
 
Porque Eurídice, vejam vocês, era uma mulher brilhante. Se lhe
10
dessem cálculos elaborados, ela projetaria pontes. Se lhe
 
dessem um laboratório, ela inventaria vacinas. Se lhe dessem
 
páginas brancas, ela escreveria clássicos. No entanto, o que lhe
 
deram foram cuecas sujas, que Eurídice lavou muito rápido e
 
muito bem, sentando-se em seguida no sofá, olhando as unhas
15
e pensando no que deveria pensar. E foi assim que concluiu
 
que não deveria pensar, e que, para não pensar, deveria se
 
manter ocupada todas as horas do dia, e que a única atividade
 
caseira que oferecia tal benefício era aquela que apresentava o
 
dom de ser quase infinita em suas demandas diárias: a
20
culinária. Eurídice jamais seria uma engenheira, nunca poria os
 
pés em um laboratório e não ousaria escrever versos, mas essa
 
mulher se dedicou à única atividade permitida que tinha um
 
certo quê de engenharia, ciência e poesia. Todas as manhãs,
 
depois de despertar, preparar, alimentar e se livrar do marido
25
e dos filhos, Eurídice abria o livro de receitas da Tia Palmira.
 
Martha Batalha. A vida invisível de Eurídice Gusmão. 1.ª ed.
 
São Paulo: Companhia das Letras, 2016 (com adaptações).
Infere-se do CG4A1-I que a personagem Eurídice dedicava-se à culinária porque



Provas de Concursos » Vunesp 2020